Disfunção Sexual Pós-Antidepressivos (PSSD)

0
194

Última atualização: 2017

Medicamente revisado pela equipe médica da RxISK

RxISK_icon_sex-150x150

Conteúdos:

  • Introdução
  • O que é disfunção sexual pós-antidepressivos?
  • Sintomas
  • Quão comum é a PSSD?
  • Pode a PSSD ser prevenida?
  • É o antidepressivo ou a depressão?
  • Por quanto tempo duram os efeitos colaterais sexuais após a interrupção dos antidepressivos?
  • Publicações e estudos
  • Outras drogas e condições de saúde
  • Há tratamentos disponíveis?
  • Relate a sua condição de saúde
  • Na mídia
  • Veja também
  • Referências

Introdução

Cerca de 100% das pessoas que tomam antidepressivos experimentam alguma forma de efeitos colaterais sexuais.

A maioria das pessoas que tomam um ISRS (inibidor seletivo da recaptação de serotonina) ou um IRSN (inibidor da recaptação da serotonina-norepinefrina) e alguns antidepressivos tricíclicos (clomipramina e imipramina) sentirão algum grau de entorpecimento genital, muitas vezes dentro de 30 minutos após tomar a primeira dose.

Os ISRS comumente utilizados incluem paroxetina (Paxil, Seroxat), fluoxetina (Prozac), sertralina (Zoloft), citalopram (Celexa), escitalopram (Lexapro) e vortioxetina (Brintellix).

IRSN comuns incluem venlafaxina (Effexor), desvenlafaxina (Pristiq) e duloxetina (Cymbalta).

O que é a disfunção sexual pós-Antidepressivos (PSSD)?

A Disfunção Sexual Pós-Antidepressivos (PSSD) é uma condição iatrogênica que pode surgir após o uso de antidepressivos, em que a função sexual não volta completamente ao normal após a descontinuação de ISRSs, IRSNs e alguns antidepressivos tricíclicos [1-2].

Algumas pessoas desenvolvem efeitos colaterais sexuais nos antidepressivos que permanecem na íntegra, ou não se resolvem completamente quando a droga é interrompida. Para outros, a condição só aparece quando realmente param a medicação ou começam a reduzir a dosagem.

PSSD afeta homens e mulheres. Pode acontecer depois de apenas alguns dias de exposição a um antidepressivo e pode persistir por meses, anos ou indefinidamente. Não há cura conhecida.

Apoie a nossa campanha Prêmio RxISK

À procura da cura para a disfunção sexual pós-antidepressivos

Doação       Visite a página da campanha

Sintomas

Os sintomas da PSSD podem incluir:

  • Sensação erógena (sexual) reduzida nos genitais
  • Anestesia genital
  • Disfunção erétil / lubrificação vaginal diminuída
  • Atraso ou incapacidade para o orgasmo (anorgasmia)
  • Orgasmos sem graça, fracos ou “silenciados”
  • Diminuição ou perda de libido (desejo sexual)
  • Resposta reduzida aos estímulos sexuais
  • Diminuição ou falta de ereções noturnas
  • Ejaculação precoce
  • Síndrome de glande flácida

Alguns sofredores experimentam uma redução notável na sensação tátil – descrevendo seus órgãos genitais como se sentindo menos sensíveis ou entorpecidos, como se estivessem expostos a um anestésico. Outros percebem pouca ou nenhuma mudança na sensação tátil, mas observam uma redução na sensação sexual. Esses problemas também podem ser acompanhados por sensibilidade reduzida no mamilo.

Pode haver uma perda de excitação que pode causar dificuldades com as relações sexuais. Os homens podem ter dificuldade em obter e manter uma ereção. As mulheres podem ter problemas com a lubrificação.

O orgasmo geralmente é experimentado com uma diminuição ou perda de sensação prazerosa, muitas vezes referida como um orgasmo sem prazer ou silenciado. Também pode haver contrações musculares visivelmente mais fracas. Embora homens e mulheres com PSSD muitas vezes tenham mais dificuldade em alcançar o orgasmo, a ejaculação precoce também pode se desenvolver depois de parar um antidepressivo [3].

Embora menos comumente relatado, alguns pacientes do sexo masculino desenvolvem síndrome de glande flácida. Isso se refere a uma ereção anormal em que o eixo do pênis se torna ereto, mas a glande permanece flácida em graus variados. Pode ser mais notável ao acordar e pode ser acompanhada por uma sensação de desconforto ou aperto.

Diagnóstico

Não há teste simples para diagnosticar PSSD. Um diagnóstico é feito considerando vários fatores, incluindo história de medicação, início e perfil dos sintomas, e eliminando outras causas possíveis.

Enquanto muitos médicos estão cientes da PSSD, há igualmente muitos outros menos familiarizados com essa condição clínica. O que resulta não ser incomum sintomas de PSSD sendo mal diagnosticados como um problema psicológico, quando na verdade é de origem farmacológica.

Isso não é apenas inútil para o sofredor, mas também pode levar a uma maior prescrição de medicamentos que causaram a condição.

Os efeitos colaterais sexuais antidepressivos não estão de modo algum relacionados com a depressão ou qualquer outro transtorno psicológico ou psiquiátrico.

Enquanto a PSSD geralmente pode resultar em níveis de testosterona inferiores aos normais, isso não é responsável pela condição. Restaurando os níveis de hormônio de volta ao normal com a medicação não se consegue resolver o problema.

Quão comum é PSSD?

Não se sabe quantas pessoas se recuperam 100% do seu funcionamento e sensação sexual originais após uso de um antidepressivo. Com base nos dados disponíveis, a PSSD pode ser bastante comum [4].

A condição pode variar em gravidade entre indivíduos. É provável que algumas pessoas não percebam que estão sofrendo com isso. Elas podem ter tido efeitos colaterais sexuais em um antidepressivo que parecia ter sido resolvido quando pararam, mas as pessoas ainda percebem que sua função sexual não é a mesma coisa que costumava ser, ou que a atividade sexual é sentida diferente de outrora.

Por exemplo, uma pessoa pode achar que está podendo atingir o orgasmo depois de ser incapaz de fazer isso durante a medicação; mas agora o sente mais fraco e menos intenso, em comparação com antes de usar os antidepressivos. Isso cria uma situação confusa para o sofredor. Como as pessoas não estão mais na droga, elas podem pensar que estão imaginando isso ou que deve ser devido a algum outro motivo, como um problema de relacionamento.

Essas questões serão exploradas mais adiante na publicação no Mad in Brasil do artigo Como é comum a Disfunção Sexual pós-antidepressivos.

A PSSD pode ser prevenida?

Ao usar um ISRS ou IRSN ou alguns antidepressivos tricíclicos, atualmente não existe nenhuma maneira de determinar quem desenvolverá PSSD quando a droga for interrompida ou qualquer forma de preveni-la ativamente. Parar um antidepressivo gradualmente (diminuir) não impede o problema.

Não há evidências de que adicionar outro medicamento a um antidepressivo para combater os efeitos colaterais sexuais, a bupropion (Wellbutrin), por exemplo, irá prevenir PSSD quando o antidepressivo for parado.

É importante que qualquer pessoa que considere fazer uso de antidepressivos leve em conta o risco de mudanças potencialmente permanentes no funcionamento sexual, antes de tomar uma decisão sobre seu tratamento.

PSSD pode ser extremamente angustiante para os afetados. Isso pode levar a ruptura matrimonial, perda de emprego e suicídio. Mas para alguns sofredores, a falta de desejo significa para eles que simplesmente não estão mais interessados em sexo, e com isso não se preocupam com a condição.

É a medicação antidepressiva ou a depressão?

Existem quatro maneiras de ajudar a distinguir os efeitos colaterais sexuais persistentes de qualquer problema que possa ter levado ao tratamento em primeira instância.

  • Você teve um funcionamento sexual normal imediatamente antes de iniciar o antidepressivo.
  • Você experimentou um início muito claro de efeitos colaterais sexuais nos primeiros dias ou semanas do início do tratamento e sua função sexual nunca voltou ao normal após a interrupção.
  • Você está experimentando entorpecimento genital (perda de sensações sexuais e / ou anestesia) e orgasmos silenciados. Embora a depressão às vezes possa torná-lo menos interessado em sexo, esta não causa esses sintomas que são efeitos bem conhecidos da recaptação da serotonina inibida pelos medicamentos. Nos homens, uma redução ou perda de ereções noturnas também aponta para a droga e não para um problema psicológico.
  • Se a sua depressão original desapareceu com o antidepressivo e você esteve indo bem ao parar o tratamento, nenhum problema novo deveria aparecer durante vários meses ou mesmo anos. Quaisquer problemas sexuais persistentes, ou quaisquer novos problemas sexuais que apareçam no período de dias após a parada, são mais prováveis de serem causados pela droga.

Mesmo que sua função sexual tenha respondido às mudanças na dose durante o tratamento e tenha melhorado significativamente após a parada, se não for o mesmo que antes de iniciar os antidepressivos, você pode estar sofrendo de PSSD.

Quanto tempo os efeitos colaterais sexuais perduram após a interrupção?

Quando os efeitos colaterais sexuais persistirem depois que o antidepressivo é interrompido, não há prazos específicos para a recuperação.

Algumas pessoas relatam um certo grau de melhoria natural durante um período de tempo – às vezes meses ou anos após a interrupção do antidepressivo. No entanto, o termo “recuperação” neste sentido pode ser enganador, uma vez que um exame mais detalhado revela frequentemente que não houve um retorno completo ao estado pré-fármaco.

Muitos sofredores não conseguem se recuperar em qualquer grau significativo, com alguns tendo tido o problema por mais de 20 anos sem qualquer sinal de melhoria.

Para algumas pessoas, a PSSD pode ser permanente.

Publicações e estudos

Em um estudo de Montejo et al (1999), um grupo de pacientes que sofreram efeitos colaterais sexuais em um ISRS foi transferido para o antidepressivo dopaminérgico, a amineptina [5]. Após seis meses, 55% ainda apresentavam pelo menos algum tipo de disfunção sexual. Isto é comparado a apenas 4% no grupo controle que foram tratados com amineptina isoladamente e não foram expostos a um ISRS.

Três grandes estudos controlados por placebo sobre o uso de ISRS como tratamento para a ejaculação precoce descobriram que o efeito retardador da ejaculação da medicação persistiu para um número significativo de participantes, após a interrupção do fármaco [6-8].

Entre 2006 e 2008, 8 casos de disfunção sexual persistente após tratamento com ISRS / IRSN apareceram na literatura médica [9-12].

Em 2008 e 2009, foram publicados pedidos de estudos epidemiológicos para investigar a prevalência de PSSD [13-14].

Desde 2011, a bula do Prozac nos EUA passou a advertir que “Os sintomas da disfunção sexual ocasionalmente persistem após a interrupção do tratamento com fluoxetina” [15].

Em 2012, o Centro de Fármaco-vigilância da Holanda, Lareb, publicou detalhes de 19 casos relatados de PSSD em sua base de dados e pediu uma investigação mais aprofundada sobre a questão [16-17].

A quinta edição do Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais (DSM-5), publicada em 2013, afirma que “em alguns casos, a disfunção sexual induzida por inibidores da recaptação de serotonina pode persistir após o descontinuado do agente” [18]. No mesmo ano, Stinson concluiu um estudo qualitativo de 9 pacientes com PSSD, examinando o impacto da condição na qualidade de vida [19].

Em 2014, Hogan et al. alistaram 91 casos de disfunção sexual persistente ligados a ISRSs ou ISRNs, provenientes de um portal da internet para notificação de eventos adversos [4]. Waldinger et al. descreveram um caso de anestesia genital persistente após tratamento com paroxetina que respondeu a irradiação a laser de baixa potência [20].

Em 2015, Ben-Sheetrit et al. publicaram um estudo de 183 casos possíveis de PSSD, incluindo 23 casos de alta probabilidade, a partir de uma pesquisa on-line [21].

Em 2017, dois artigos de revisão foram publicados [22-23].

Quanto aos ISRSs, os estudos mostraram efeitos colaterais para incluir a qualidade do sêmen prejudicada e danos ao DNA do esperma [24-26], bem como problemas que muitas vezes estão ligados ao sistema endócrino, como desequilíbrios hormonais [27-28] e aumento do peito [ 29]. Os ISRS também foram encontrados como tendo efeitos sobre os esteroides sexuais [30]. No entanto, o papel do sistema endócrino em problemas persistentes, como PSSD, atualmente não é claro.

A fluoxetina (Prozac) tem sido classificada como toxina reprodutiva pelo Centro de Avaliação de Riscos para a Reprodução Humana (CERHR), um painel de especialistas do Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental, parte dos Institutos Nacionais de Saúde [31].

Estudos em animais

O tratamento com fluoxetina (Prozac) mostrou causar dessensibilização persistente dos receptores 5-HT1A após a remoção do ISRS em ratos [32]. Em outro estudo, o uso de um antagonista de 5-HT1A mostrou reversão e prevenção de disfunção sexual em ratos que estavam sendo administrados com fluoxetina [33].

Por conseguinte, as hipóteses para PSSD têm frequentemente se concentrado em um possível modelo neurológico envolvendo mudanças persistentes na química do cérebro. No entanto, as tentativas de sofredores de PSSD para manipular os sistemas serotoninérgicos e dopaminérgicos em um esforço para resolver a condição, provaram ser infrutíferas.

Estudos feitos em roedores mostraram que o tratamento crônico com ISRS em uma idade jovem resultou em comportamento sexual permanentemente diminuído na idade adulta, com a presença de alterações neurológicas de longo prazo [34-35]. A exposição materna à fluoxetina também diminuiu a motivação sexual em camundongos adultos [36].

Uma revisão sistemática da literatura sobre disfunção sexual persistente em animais após exposição precoce a ISRS foi publicada em 2016 [37]. Concluiu: “Nossos resultados mostraram efeitos substanciais e duradouros sobre o comportamento sexual em ratos após a exposição a um ISRS no início da vida”.

Isso levanta a questão de saber se pode haver consequências sexuais a longo prazo para os humanos expostos a antidepressivos durante a gravidez ou em uma idade jovem.

Outras drogas e condições

Há uma série de outros medicamentos que também podem causar efeitos colaterais sexuais persistentes depois que o medicamento foi interrompido:

  • Anti-histamínicos que são inibidores da recaptação da serotonina
  • Ziprasidona – um antipsicótico que também é um inibidor da recaptação da serotonina
  • Alguns antibióticos (que podem ser inibidores da recaptação de serotonina), tais como tetraciclina e doxiciclina
  • Finasterida (Propecia) que é usada para tratar calvície masculina e hiperplasia prostática benigna. A condição é chamada síndrome pós-finasterida (PFS) [38-42].
  • Isotretinoína (Accutane) que é usada como tratamento para a acne [4], e também é inibição da recaptação da serotonina.

Os antidepressivos ISRS também podem causar a condição igualmente angustiante, Transtorno de excitação genital persistente (PGAD) [43-46]. Este é essencialmente o oposto da PSSD, causando uma sensação implacável de excitação e desconforto nos órgãos genitais, mas sem qualquer sentimento de desejo. (Observe que nem todos os casos de PGAD são causados por medicamentos).

Existem tratamentos?

Atualmente, não há tratamento viável para PSSD.

Uma série de medicamentos, ervas e compostos relacionados podem produzir efeitos pró-sexuais em alguns doentes. No entanto, os resultados são geralmente muito limitados, inconsistentes e podem vir com seus próprios riscos.

Os inibidores de PDE5, como sildenafil, tadalafil e vardenafil, muitas vezes oferecem pouco ou nenhum benefício na PSSD. Em alguns casos, eles não têm nenhum efeito, enquanto em outros eles fornecem apenas uma melhoria limitada na função erétil. Eles também não oferecem nenhum benefício direto para as outras áreas de funcionamento sexual que podem ser prejudicadas na PSSD, por exemplo a sensação.

Não há evidências que sugerem que o uso de Plasma rico em plaquetas (PRP) seja um tratamento adequado para PSSD.

As estratégias típicas para o gerenciamento de efeitos colaterais sexuais geralmente se aplicam a problemas que ocorrem durante o tratamento e, portanto, não são úteis na PSSD. Estes geralmente envolvem a mudança para um antidepressivo diferente, diminuindo a dose, ou potencialmente interrompendo completamente a medicação.

Um artigo de 2014 de Waldinger e cols. relatou que um sofredor de PSSD com anestesia severa no pénis experimentou alguma melhora na sensação tátil e de temperatura após o uso da irradiação a laser de baixa potência (LPLI) [16]. Este tipo de tratamento é geralmente usado para problemas de dor e também é conhecido como terapia a laser de baixo nível ou terapia com laser a frio. Há a hipótese de que a anestesia genital induzida por ISRS pode ser devida a distúrbios dos canais de íons do potencial do receptor transitorio (TRP). A melhoria neste caso não se estendeu a nenhum aspecto da capacidade de resposta sexual.

Em relação ao PGAD, o uso de estimulação nervosa elétrica transcutânea (TENS) foi discutido na literatura [47], embora não especificamente para problemas relacionados a ISRS. A sua eficácia nos casos de PGAD induzido por ISRS permanece obscura.

Relatando sua condição

Se você está sofrendo de PSSD, você pode denunciá-lo ao preencher um relatório RxISK, mesmo que não esteja interessado na pontuação de causalidade ou em levar o relatório ao seu médico. Forneça o máximo de detalhes possível, incluindo as datas em que você começou e interrompeu o medicamento.

Você também pode querer denunciar sua condição ao regulador de drogas do seu país, por exemplo, Medwatch da FDA nos EUA, Yellow Card Scheme do MHRA, no Reino Unido, e no Brasil a ANVISA.

Na mídia

Em 11 de março de 2014, o jornal holandês Volkskrant apresentou um artigo intitulado “Blijvende seksuele stoornis door antidepressivum” (“Permanente transtorno sexual pelos antidepressivos”), em manchete na primeira página, segundo as preocupações levantadas por Lareb, o Centro de Fármaco-vigilância Holandês.

Uma jornalista descreve sua experiência no site, Narratively.

O Daily Mail publicou um artigo sobre PSSD em 20 de março de 2017. Um artigo sobre o uso de antidepressivos a longo prazo publicado pelo The Guardian em 6 de maio de 2017 também abordou o problema.

Em 2017, a Sociedade Internacional de Medicina Sexual publicou duas novidades em seu site:

Veja também

Em 12 de setembro de 2017, lançamos uma campanha para levantar US $ 100.000 para um Prêmio que será oferecido a qualquer pessoa que encontre uma cura para PSSD, PFS ou PRSD. Veja nossa página do Prêmio RxISK para obter mais detalhes.  Veja também a matéria que acaba de ser publicada na página do Mad in Brasil.

Desde 2008, a Mind, uma das principais instituições de caridade em saúde mental do Reino Unido, advertiu que os efeitos colaterais sexuais às vezes podem permanecer após a interrupção de um ISRS. Suas informações atuais sobre ISRS / ISRNs advertem que o problema pode persistir indefinidamente.

Nosso blog contém uma série de postagens sobre sexo e medicamentos, incluindo vários sobre PSSD. Outros guias e papéis também estão disponíveis.

Temos uma seção Completa sobre Retirada de Drogas Psiquiátricas onde se discute a retirada de antidepressivos e PSSD. Apresentamos uma hipótese do que poderia ser responsável em termos da fisiologia subjacente, e convidamos todos a se envolverem na pesquisa sobre tais problemas.

Referências

  1. Bahrick AS.Post SSRI sexual dysfunction. American Society for the Advancement of Pharmacotherapy. Tablet 2006;7(3):2-3,10-11.
  2. Bahrick AS.Persistence of sexual dysfunction side effects after discontinuation of antidepressant medications: Emerging evidence. The Open Psychology Journal. 2008;1:42-50. doi:10.2174/1874350100801010042.
  3. Adson DE, Kotlyar M.Premature ejaculation associated with citalopram withdrawal. Ann Pharmacother. 2003 Dec;37(12):1804-6. doi:10.1345/aph.1D214. PMID 14632589.
  4. Hogan C, Le Noury J, Healy D, Mangin D.One hundred and twenty cases of enduring sexual dysfunction following treatment. Int J Risk Saf Med. 2014;26(2)109-16. doi:10.3233/JRS-140617. PMID 24902508.
  5. Montejo AL, Llorca G, Izquierdo JA, Carrasco JL, Daniel E, Pérez-Sola V, et al.Sexual dysfunction with antidepressive agents. Effect of the change to amineptine in patients with sexual dysfunction secondary to SSRI. Actas Esp Psiquiatr (in Spanish). 1999 Jan-Feb;27(1):23-34. PMID 10380144.
  6. Safarinejad MR, Hosseini SY.Safety and efficacy of citalopram in the treatment of premature ejaculation: a double-blind placebo-controlled, fixed dose, randomized study. Int J Impot Res. 2006 Mar-Apr;18(2):164–9. doi:10.1038/sj.ijir.3901384. PMID 16107866.
  7. Arafa M, Shamloul R.Efficacy of sertraline hydrochloride in treatment of premature ejaculation: a placebo-controlled study using a validated questionnaire. Int J Impot Res. 2006 Nov-Dec;18(6):534–8. doi:10.1038/sj.ijir.3901469. PMID 16554853.
  8. Safarinejad MR.Safety and efficacy of escitalopram in the treatment of premature ejaculation: a double-blind, placebo-controlled, fixed-dose, randomized study. J Clin Psychopharmacol. 2007 Oct;27(5):444–50. doi:10.1097/jcp.0b013e31814b98d4. PMID 17873675.
  9. Csoka AB, Shipko S.Persistent sexual side effects after SSRI discontinuation. Psychother Psychosom. 2006;75(3):187-8. doi:10.1159/000091777. PMID 16636635.
  10. Bolton JM, Sareen J, Reiss JP.Genital anaesthesia persisting six years after sertraline discontinuation. J Sex Marital Ther. 2006 Jul-Sep;32(4):327-30. doi:10.1080/00926230600666410. PMID 16709553.
  11. Kauffman RP, Murdock A.Prolonged Post-Treatment Genital Anesthesia and Sexual Dysfunction Following Discontinuation of Citalopram and the Atypical Antidepressant Nefazodone. The Open Women’ Health Journal 2007;1:1-3.
  12. Csoka AB, Bahrick A, Mehtonen OP.Persistent sexual dysfunction after discontinuation of selective serotonin reuptake inhibitors. J Sex Med. 2008 Jan;5(1):227-33. doi:10.1111/j.1743-6109.2007.00630.x. PMID 18173768.
  13. Kauffman RP.Persistent Sexual Side Effects after Discontinuation of Psychotropic Medications. Primary Psychiatry. 2008.
  14. Farnsworth KD, Dinsmore WW.Persistent sexual dysfunction in genitourinary medicine clinic attendees induced by selective serotonin reuptake inhibitors. Int J STD AIDS. 2009 Jan;20(1):68–9. doi:10.1258/ijsa.2008.008402. PMID 19103903.
  15. US Prozac patient information sheet. lilly.com/us/prozac.pdf
  16. Lareb, Netherlands Pharmacovigilance Center. SSRIs and persistent sexual dysfunction (2012). http://databankws.lareb.nl/Downloads/KWB_2012_3_SSRI.pdf
  17. Ekhart GC, van Puijenbroek EP. Does sexual dysfunction persist upon discontinuation of selective serotonin reuptake inhibitors?(In Dutch). Tijdschr Psychiatr. 2014;56(5):336-40. PMID 24838589.
  18. American Psychiatric Association: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-5). American Psychiatric Association, 2013. Page 449.
  19. Stinson RD. The impact of persistent sexual side effects of selective serotonin reuptake inhibitors after discontinuing treatment: a qualitative study. PhD (Doctor of Philosophy) thesis, University of Iowa, 2013.http://ir.uiowa.edu/etd/5061/
  20. Waldinger MD, van Coevorden RS, Schweitzer DH, Georgiadis J.Penile anesthesia in Post SSRI Sexual Dysfunction (PSSD) responds to low-power laser irradiation: a case study and hypothesis about the role of transient receptor potential (TRP) ion channels. Eur J Pharmacol. 2015 Apr 15;753:263-8. doi:10.1016/j.ejphar.2014.11.031. PMID 25483212.
  21. Ben-Sheetrit J, Aizenberg D, Csoka AB, Weizman A, Hermesh H.Post-SSRI Sexual Dysfunction: Clinical Characterization and Preliminary Assessment of Contributory Factors and Dose-Response Relationship. J Clin Psychopharmacol. 2015 Jun;35(3):273-8. doi:10.1097/JCP.0000000000000300. PMID 25815755
  22. Reisman Y.Sexual Consequences of Post-SSRI Syndrome. Sex Med Rev. 2017 Jun 19. pii: S2050-0521(17)30046-X. doi:10.1016/j.sxmr.2017.05.002. PMID 28642048.
  23. Bala A, Tue Nguyen HM, Hellstrom WJG. Post-SSRI Sexual Dysfunction: A Literature Review. Sex Med Rev. 2017 Aug 1. pii: S2050-0521(17)30072-0. doi:10.1016/j.sxmr.2017.07.002. PMID 28778697.
  24. Tanrikut C, Schlegel PN.Antidepressant-associated changes in semen parameters. Urology. 2007 Jan;69(1):185.e5-7. doi:10.1016/j.urology.2006.10.034. PMID 17270655.
  25. Safarinejad MR.Sperm DNA damage and semen quality impairment after treatment with selective serotonin reuptake inhibitors detected using semen analysis and sperm chromatin structure assay. J Urol. 2008 Nov;180(5):2124-8. doi:10.1016/j.juro.2008.07.034. PMID 18804223.
  26. Akasheh G, Sirati L, Noshad Kamran AR, Sepehrmanesh Z.Comparison of the effect of sertraline with behavioral therapy on semen parameters in men with primary premature ejaculation. Urology. 2014 Apr;83(4):800-4. doi:10.1016/j.urology.2013.12.004. PMID 24529582.
  27. Safarinejad MR.Evaluation of endocrine profile and hypothalamic-pituitary-testis axis in selective serotonin reuptake inhibitor-induced male sexual dysfunction. J Clin Psychopharmacol. 2008 Aug;28(4):418-23. doi:10.1097/JCP.0b013e31817e6f80. PMID 18626269.
  28. Cohen AJ.Antidepressant-Induced Sexual Dysfunction Associated With Low Serum Free Testosterone. Psychiatry Online 1999.
  29. Amsterdam JD, Garcia-España F, Goodman D, Hooper M, Hornig-Rohan M. Breast enlargement during chronic antidepressant therapy. J Affect Disord. 1997 Nov;46(2):151-6. PMID 9479619.
  30. Jacobsen NW, Hansen CH, Nellemann C, Styrishave B, Halling-Sørensen B. Effects of selective serotonin reuptake inhibitors on three sex steroids in two versions of the aromatase enzyme inhibition assay and in the H295R cell assay. Toxicol In Vitro. 2015 Oct;29(7):1729-35. doi:10.1016/j.tiv.2015.07.005. PMID 26162595.
  31. Hines RN, Adams J, Buck GM, Faber W, Holson JF, Jacobson SW, et al.NTP-CERHR Expert Panel Report on the reproductive and developmental toxicity of fluoxetine. Birth Defects Res B Dev Reprod Toxicol. 2004 Aug;71(4):193-280. PMID 15334524.
  32. Raap DK, Garcia F, Muma NA, Wolf WA, Battaglia G, van de Kar LD.Sustained desensitization of hypothalamic 5-Hydroxytryptamine1A receptors after discontinuation of fluoxetine: inhibited neuroendocrine responses to 8-hydroxy-2-(Dipropylamino)Tetralin in the absence of changes in Gi/o/z proteins. J Pharmacol Exp Ther. 1999 Feb;288(2):561-7. PMID 9918559.
  33. Sukoff Rizzo SJ, Pulicicchio C, Malberg JE, Andree TH, Stack GP, Hughes ZA, et al.5-HT(1A) receptor antagonism reverses and prevents fluoxetine-induced sexual dysfunction in rats. Int J Neuropsychopharmacol. 2009;12(8):1045-53. doi:10.1017/S1461145709000406. PMID 19435548.
  34. Maciag D, Simpson KL, Coppinger D, Lu Y, Wang Y, Lin RC, et al.Neonatal Antidepressant Exposure has Lasting Effects on Behavior and Serotonin Circuitry. Neuropsychopharmacology. 2006 Jan;31(1):47-57. doi:10.1038/sj.npp.1300823. PMID 16012532.
  35. de Jong TR, Snaphaan LJ, Pattij T, Veening JG, Waldinger MD, Cools AR, et al.Effects of chronic treatment with fluvoxamine and paroxetine during adolescence on serotonin-related behavior in adult male rats. Eur Neuropsychopharmacol 2006 Jan;16(1):39-48. doi:10.1016/j.euroneuro.2005.06.004. PMID 16107310.
  36. Gouvêa TS, Morimoto HK, de Faria MJ, Moreira EG, Gerardin DC.Maternal exposure to the antidepressant fluoxetine impairs sexual motivation in adult male mice. Pharmacol Biochem Behav. 2008 Sep;90(3):416-9. doi:10.1016/j.pbb.2008.03.025. PMID 18457868.
  37. Simonsen AL, Danborg PB, Gøtzsche PC.Persistent sexual dysfunction after early exposure to SSRIs: Systematic review of animal studies. Int J Risk Saf Med. 2016 Mar 16;28(1):1-12. doi:10.3233/JRS-160668. PMID 27176752.
  38. Irwig M, Kolukula S.Persistent sexual side effects of finasteride for male pattern hair loss. J Sex Med. 2011 Jun;8(6):1747-53. doi:10.1111/j.1743-6109.2011.02255.x. PMID 21418145.
  39. Irwig M.Persistent Sexual Side Effects of Finasteride: Could They Be Permanent?J Sex Med. 2012 Nov;9(11):2927-32. doi:10.1111/j.1743-6109.2012.02846.x. PMID 22789024.
  40. Di Loreto C, La Marra F, Mazzon G, Belgrano E, Trombetta C, Cauci S.Immunohistochemical evaluation of androgen receptor and nerve structure density in human prepuce from patients with persistent sexual side effects after finasteride use for androgenetic alopecia. PLoS One. 2014 Jun 24;9(6):e100237. doi:10.1371/journal.pone.0100237. PMID 24959691.
  41. Kiguradze T, Temps WH, Yarnold PR, Cashy J, Brannigan RE, Nardone B, et al.Persistent erectile dysfunction in men exposed to the 5α-reductase inhibitors, finasteride, or dutasteride. PeerJ. 2017 Mar 9;5:e3020. doi: 10.7717/peerj.3020. PMID 28289563.
  42. Melcangi RC, Santi D, Spezzano R, Grimoldi M, Tabacchi T, Fusco ML, et al.Neuroactive steroid levels and psychiatric and andrological features in post-finasteride patients. J Steroid Biochem Mol Biol. 2017 Jul;171:229-235. doi:10.1016/j.jsbmb.2017.04.003. PMID 28408350.
  43. Goldmeier D, Leiblum SR. Persistent genital arousal in women – a new syndrome entity. Int J STD AIDS. 2006 Apr;17(4):215-6. doi:10.1258/095646206776253480. PMID 16595040.
  44. Goldmeier D, Bell C, Richardson D. Withdrawal of selective serotonin reuptake inhibitors (SSRIs) may cause increased atrial natriuretic peptide (ANP) and persistent sexual arousal in women?J Sex Med. 2006 Mar;3(2):376. doi:10.1111/j.1743-6109.2006.00224.x. PMID 16490037.
  45. Leiblum SR, Goldmeier D.Persistent genital arousal disorder in women: case reports of association with anti-depressant usage and withdrawal. J Sex Marital Ther. 2008;34(2):150-9. doi:10.1080/00926230701636205. PMID 18224549.
  46. Pink L, Rancourt V, Gordon A.Persistent genital arousal in women with pelvic and genital pain. J Obstet Gynaecol Can. 2014 Apr;36(4):324-330. doi:10.1016/S1701-2163(15)30608-3. PMID 24798670.
  47. Waldinger MD, de Lint GJ, Venema PL, van Gils AP, Schweitzer DH.Successful transcutaneous electrical nerve stimulation in two women with restless genital syndrome: the role of A-delta and C-nerve fibers. J Sex Med. 2010 Mar;7(3):1190-9. doi:10.1111/j.1743-6109.2009.01578.x. PMID 19832936.

 

NOTA DOS EDITORES DO MAD IN BRASIL: após contatos com o psiquiatra britânico David Healy, um dos ilustres cientistas que integram a nossa comunidade do Mad, ele se ofereceu a escrever um blog dirigido à comunidade luso-brasileira do Mad in Brasil, onde ele irá nos apresentar a campanha do PRÊMIO DO RxISK DOAÇÃO, desenhada por ele, previamente apresentada aqui em Mad in Brasil.

Deixe uma resposta