Falando sobre Saúde Mental Após a Chacina em Las Vegas

0
37

Publicado em Washington Post: culpar os tiroteios em massa como  “doença mental” é uma distorção dos fatos e uma maneira conveniente de esquivar uma conversa necessária sobre controle de armas.

“Não há provas de que o atirador de Las Vegas estava louco. (Eu prefiro não usar seu nome e dar-lhe publicidade, até mesmo póstuma.) Ele não teve uma história de doença mental que conhecemos, nem foi relatado comportamento que sugerisse tal condição. Ele foi claramente um homem maligno, ou pelo menos um homem que fez algo realmente malvado. Mas o mal não é louco. Se definimos a tentativa tirar a vida de um ser humano inocente como loucura, então todo assassino é louco. Caso contrário, devemos reconhecer que é um termo sem sentido que acrescenta pouco à nossa compreensão do problema “.

Artigo →

Screen-Shot-2017-10-09-at-5.41.28-PM-300x199

Deixe uma resposta