Psicólogos Pressionam por Novas Abordagens para Psicose: Parte 1

0
160

ZenobiaUm relatório, publicado pela British Psychological Society (BPS), critica o estado atual do conhecimento dos sintomas psicóticos e as implicações prejudiciais dos tratamentos padrão e faz sugestões sobre o que precisa ser mudado.

Uma semana após o anúncio do governo britânico de sua revisão da legislação sobre saúde mental, a Divisão de Psicologia Clínica da Sociedade Britânica de Psicologia (Reino Unido) publicou um relatório de acesso aberto desafiando a estrutura existente que conceitua a “psicose”. Os autores tentam desmantelar a noção de que a esquizofrenia é uma “doença do cérebro”que resulta em comportamentos violentos melhor melhor regulados pela intervenção médica.

“Nós esperamos que este relatório contribua para uma mudança fundamental que já está em andamento sobre como pensamos e oferecemos ajuda à ‘psicose’ e ‘esquizofrenia'”, escrevem os autores. Por exemplo, “esperamos que os futuros serviços não insistam mais que os usuários do serviço aceitem uma visão particular de seu problema, a saber, a visão tradicional de que eles têm uma doença que precisa ser tratada principalmente por medicação”.

O relatório, "Compreensão da psicose e da esquizofrenia: por que as pessoas às vezes ouvem vozes, acreditam em coisas que outros acham estranhas ou parecem fora de contato com a realidade, e o que pode ajudar", está disponível gratuitamente através da BPS.
O relatório, “Compreensão da psicose e da esquizofrenia: por que as pessoas às vezes ouvem vozes, acreditam em coisas que outros acham estranhas ou parecem fora de contato com a realidade, e o que pode ajudar”, está disponível gratuitamente através da BPS.

O relatório, “Compreensão da psicose e da esquizofrenia: por que as pessoas às vezes ouvem vozes, acreditam em coisas que outros acham estranhas ou parecem fora de contato com a realidade, e o que pode ajudar”, está disponível gratuitamente através da BPS.

Com o objetivo de causar impactos junto aos fornecedores de serviços, usuários e formuladores de políticas, o relatório revisa de forma abrangente o paradigma atual que envolve o tratamento de “psicose”, como uma versão atualizada de um relatório anterior, publicado em 2000. Distintos psicólogos estão incluídos entre os autores, representando oito universidades e seis membros do NHS, bem como pessoas que se identificam com os sintomas associados à “psicose”. Mais de um quarto dos contribuintes são do último grupo, denominados “especialistas por experiência”.

Em conjunto, a peça fornece novas ideias, contextualizando manifestações psicóticas em contextos interpessoais e sociopolíticos, e reposicionando o que sabemos sobre psicose na literatura científica atual.

O relatório começa fazendo uma revisão do que comumente se entende como psicose (ouvir vozes, acreditar em coisas que outros acham estranhas, falar de maneiras que outros acham difíceis de entender, e experimentar confusão que pode ser percebida como uma perda de contato com a realidade). Os autores sublinham, no entanto, quão heterogêneas são essas experiências, enfatizando a natureza única dessas experiências em indivíduos e culturas.

A cultura, os autores acrescentam, pode influenciar radicalmente a apresentação de tais experiências (por exemplo, quais tipos de vozes podem ser ouvidas), como alguém entende e faz sentido de suas experiências e como se escolhe descrever ou explicar suas experiências aos outros. As atribuições erradas da psiquiatria ocidental historicamente patologizaram diferentes grupos ou culturas no que alguns chamam de “imperialismo cultural”.

Além disso, os autores citam pesquisas que descobrem que muitas pessoas têm crenças que outros consideram estranhas, e que até 10% da população ouvem vozes pelo menos uma vez em sua vida. Enquanto alguns podem estar assustados ou angustiados por essas experiências, outros nunca procuram ajuda ou entram em contato com os serviços de saúde mental, simplesmente porque não se sentem incomodados com o que experimentam. Algumas pessoas acham que ouvir vozes serve a uma função útil em suas vidas, ou as veem como espiritualmente enriquecedoras.

“O principal aspecto que parece distingui-los daqueles que entram em contato com os serviços de saúde mental é a medida em que eles ou aqueles que os rodeiam acham a experiência angustiante ou assustadora”.

  Um ouvidor de vozes descreveu o seguinte:

 “Quando você não consegue encontrar uma saída ao entrar em uma situação complexa, elas (as vozes) ajudam a nos orientar. Você não precisa ouvir, não precisa seguir seu conselho, mas é bom que elas se manifestem de qualquer jeito”.

Os autores, portanto, sugerem a compreensão de experiências de “esquizofrenia” em um continuum em vez de as conceituar como uma construção única. Uma compreensão matizada e diversificada permite uma maior inclusão das várias frequências e intensidades de experiências. Algumas pessoas experimentam eventos como ouvir vozes ocasionalmente ou em padrões menos angustiantes, enquanto outros podem caracterizá-los como mais duradouros e perturbadores.

Considerando a fenomenologia expansiva e diversificada de experiências, as pesquisas, sem surpresa, demonstram que a confiabilidade entre os clínicos permanece baixa, variando especialmente em diferentes médicos, hospitais e países.

“Mesmo os clínicos experientes que receberam treinamento extra na aplicação dos critérios, apenas 50% são os que concordam com a categoria de diagnóstico todo o tempo. “

No entanto, a visão tradicional de conceituar a psicose é aquela em que as pessoas a possuem ou não. Essa ideia tomou posse no campo, pois diferentes sistemas de diagnóstico, incluindo o DSM, enfatizam a psicose como um estado ou apresentação qualitativamente distinta.

Os autores demonstram como fornecer um nome para um fenômeno é enquanto tal enganador, e talvez perigoso, especialmente quando não é experimentado de forma homogênea. Referem-se ao psiquiatra Jim Van Os, quem escreve:

“O termo grego complicado, em última análise sem sentido, sugere que a esquizofrenia realmente é uma ‘coisa’, ou seja, uma ‘doença cerebral’ que existe como tal na natureza. Esta é uma falsa sugestão”.

Um colaborador que recebeu um diagnóstico de esquizofrenia descreve sua reação ao diagnóstico:

“Eu fui rotulado com todos os tipos de diagnóstico: transtorno alimentar não especificado de outra forma, transtorno depressivo maior, transtorno de personalidade limítrofe, transtorno esquizoafetivo e eventualmente esquizofrenia … esse foi o único que me derrubou completamente. Valeria a pena lutar, estando a sofrer de uma doença cerebral vital para sempre? “

Outro escreve: “Estou rotulado para o resto da minha vida … Penso que a esquizofrenia sempre me tornará um cidadão de segunda classe … Eu não tenho um futuro”.

Enquanto alguns autores descrevem um efeito de incapacitação ao receber um diagnóstico, outros discutem os benefícios decorrentes do rótulo:

“Eu acho que prefiro a minha doença tendo um nome porque me faz sentir menos solitária, e sei que existem outras pessoas que experimentam o meu tipo de miséria. E que as pessoas vivem a despeito da mesma doença que a minha, e que criam um sentido para a sua existência apesar da doença. Mas eu também tenho que ter cuidado para não adotar o papel de doente, pois sei que simplesmente eu desistiria de tudo se fizesse isso “.

O diagnóstico, escreve os autores, não fornece nenhuma informação sobre a etiologia e o contexto interpessoal dessas experiências, privilegiando as explicações internalizantes, ao invés de abordar o impacto de experiências como trauma, pobreza, discriminação e racismo institucionalizado.

Recomendações recentes se afastaram do uso de diagnósticos, por causa do impacto negativo observável que eles podem ter, particularmente no que se refere a gerar estigma, discriminação adicional e uma avaliação medicamente patologizadora das experiências. A British Psychological Society (BPS) é uma dessas organizações que criticou os diagnósticos DSM-5 e CID-10, conclamando para “uma mudança de paradigma em relação às experiências que esses diagnósticos se referem, em direção a um sistema conceitual não baseado em um ‘modelo de doença’”.

Outras organizações, como a Comissão de Esquizofrenia, se juntaram para questionar a utilidade de diagnosticar, lançando uma investigação sobre o impacto da rotulagem das experiências das pessoas.

Além disso, construções diagnósticas que se concentram exclusivamente na apresentação de sintomas obscurecem uma compreensão holística do bem-estar dos indivíduos. As pessoas que ouvem vozes ou que se engajam em crenças incomuns, muitas vezes realizam vidas significativas e funcionais sem terem problemas com tais experiências. Essas experiências desafiam aquelas abordagens que buscam simplesmente reduzi-las a “sintomas”.

Como um indivíduo explica:

“Trabalho quatro dias por semana em um trabalho profissional; eu possuo minha própria casa e vivo feliz com meu parceiro e animais de estimação. Ocasionalmente, ouço vozes – por exemplo, quando fico particularmente estressada ou cansada, ou eu tenho visões depois de um luto. Sabendo que muitas pessoas ouvem vozes e vivem bem, e que algumas culturas veem essas experiências como um presente, me ajudam a nunca me preocupar ou a achar que seja o começo de uma crise ‘psicótica’. Embora eu tenha sorte de que as experiências nunca tenham sido tão perturbadoras quanto as de algumas pessoas, se alguém me dissesse que era uma loucura, eu poderia entrar em um círculo vicioso e ter lutado para sair “.

Alternativamente, os autores destacam os fatores que parecem mais influentes para a recuperação de experiências angustiantes e bem-estar geral: “conectar-se ao mundo fora de si mesmo (por exemplo, relações de apoio, espiritualidade), esperança, uma identidade positiva para além do papel de paciente, encontrar significado na vida e capacitação (aprendendo o que ajuda e assim ganhando controle e tendo as oportunidades certas) “.

Intimamente relacionado a esses fatores está a temática dos ‘relacionamentos’ e do ‘suporte’. Infelizmente, no entanto, as imagens da mídia estão saturadas de estereótipos prejudiciais sobre pessoas que ouvem vozes, experimentam esquizofrenia ou que têm crenças consideradas estranhas. Elas são mais comumente descritas como susceptíveis de cometer crimes violentos. No entanto, os autores são claros ao dissipar esses mitos que cercam uma associação equivocada entre experiências de psicose e violência.

“Na realidade, em contraste com os estereótipos da mídia, poucas pessoas que experimentam paranoia ou ouvem vozes angustiantes machucaram mais alguém do que as outras. É muito pouco mais provável que pessoas com diagnósticos psiquiátricos cometam mais crimes violentos do que aquelas sem tais diagnósticos. No entanto, a diferença das taxas é extremamente pequena: muito menor, por exemplo, do que o risco aumentado associado a qualquer uma de condições como: ser masculino, ser jovem, consumir álcool ou drogas de rua ou ter sido violento no passado “.

Por outro lado, os usuários dos serviços de saúde mental são muito mais propensos a serem vítimas de violência, talvez por causa da perpetuação de estereótipos tão nocivos que servem para incitar o medo em outros.

Em última análise, os autores enfatizam a necessidade de os prestadores de serviços respeitar as opiniões dos clientes, uma vez que a etiologia e a apresentação das experiências associadas à psicose são contextualmente únicas e inadequadas para explicações redutoras, particularmente aquelas que tentam limitar completamente essas experiências a modelos biológicos.

Enquanto décadas de pesquisa insistem na hipótese de estruturas genéticas, neuroquímicas ou outras estruturas cerebrais e funções que sustentam essas experiências, os autores afirmam expressamente que “até os dias atuais, não temos evidências firmes de nenhum mecanismo biológico específico subjacente às experiências psicóticas”.

Não só a explicação “doença cerebral” privilegia o tratamento de drogas em detrimento de terapias com a palavra, tornando estas últimas menos acessíveis, criou-se uma cultura na qual os serviços de saúde mental são desencorajados de tentar entender as experiências do indivíduo ou o contexto delas.

**

A parte 2 da cobertura deste relatório (a ser publicada nos próximos dias) expandirá as teorias que compreendem trauma, violência estrutural e fatores sociopolíticos como subjacentes ao desenvolvimento de sintomas psicóticos. O relatório apresenta contribuições adicionais de ouvintes de voz, seguidos de implicações para pesquisa, prática, autoajuda e um apelo para uma mudança de paradigma no campo em direção a uma compreensão mais humanística dessas experiências.

***

Cooke, A., Basset, T., Bentall, R., Boyle, M., Cupitt, C., Dillon, J., … & Kinderman, P. (2017). Understanding psychosis and schizophrenia, Revised version. London: British Psychological Society, Division of Clinical Psychology.  (Texto Completo)  (Full Text)

Deixe uma resposta