Psicólogos Pressionam por Novas Abordagens para a Psicose – Parte 2

0
228

ZenobiaEsta é a segunda parte da cobertura do MIB do relatório recente da Sociedade de Psicologia Britânica que desafia o paradigma atual para o diagnóstico e tratamento da psicose.

Os autores do relatório destacam os fatores traumáticos e sociopolíticos subjacentes às apresentações de psicose e ‘esquizofrenia’ e exigem novas formas de entender essas experiências.

“É vital que os profissionais de saúde mental estejam abertos a diferentes maneiras de entender experiências e não insistam em que as pessoas vejam suas dificuldades em termos de uma doença”, escrevem os autores. “Essa mudança simples terá um efeito profundo e transformador em nossos serviços de saúde mental”.

Time for ChangeOs autores alertam contra a conceitualização de ouvir vozes e outras experiências ‘incomuns’ como sendo indícios de uma indesejada ‘doença cerebral’. Principalmente porque essa visão patologiza uniformemente uma experiência, quando na prática é heterogênea, e que alguns acham ser não-angustiante e favorável ao seu estilo de vida. Além disso, eles argumentam que essas abordagens privilegiam explicações internas de angústia de forma a ocultar os efeitos do trauma e da violência estrutural.

Eles citam evidências convincentes de que os problemas de saúde mental e as experiências angustiantes, muitas vezes rotuladas como ‘psicose’, podem ser reações a eventos estressantes da vida, como pobreza, abuso e diferentes formas de trauma. Sobreviventes de abuso infantil, por exemplo, podem ouvir vozes parecidas com as do seu ex-agressor. Uma revisão descobriu que entre metade e três quartos das pessoas que estão em unidades de internação psiquiátrica foram vítimas de abuso físico ou sexual na infância.

Assim como os flashbacks, imagens intrusivas e a dissociação, a audição de vozes pode surgir como uma resposta natural após o trauma. Os refugiados, por exemplo, podem ouvir vozes ou ter visões relacionadas a experiências pessoais. Os autores escrevem:

“Está ficando claro que há muito mais sobreposição do que se pensava anteriormente entre essas experiências relacionadas ao trauma e aquelas que foram pensadas como psicose”. Eles ainda citam algumas fontes que argumentam que não há distinção e que a ‘psicose’ não precisa existir como um rótulo separado.

Um ouvidor de voz compartilha o seguinte:

“Eu pensei que era ruim porque as vozes me chamavam de todos os tipos de nomes. Mais tarde, percebi que as vozes estavam relacionadas ao abuso físico, porque elas têm as características daqueles que abusaram de mim. Então notei que as vozes se tornaram mais ou menos intrusivas dependendo da situação em que eu estava. Elas se tornaram ruins quando houve conflitos em casa. Então, elas eram um tipo de espelho da minha situação de vida “.

Um indivíduo com experiências de paranoia oferece o seguinte relato de sua história:

“Quando eu era criança, vivíamos em uma estrada totalmente branca. Ninguém era amigável conosco e, por golpe da sorte, o nosso vizinho era um membro da Frente Nacional e ficava a jogar toda a sorte de porcarias por sobre a parede do jardim para nos atingir e sujar a nossa casa … Era realmente horrível, coisas horríveis. E quando você é ainda criança em crescimento, você acha que é assim que o mundo exterior o vê. Você não vai se orgulhar de si mesmo e você realmente teme o mundo ao seu redor. Posso ver como isso teve um efeito fatal na minha experiência de paranoia “.

Os resultados de um estudo, citado no relatório, parecem apoiar a noção de que experimentar múltiplas formas de trauma infantil torna alguém suscetível à ‘psicose’, da mesma maneira que o tabagismo coloca um risco de câncer de pulmão.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou pobreza, sem lar, desemprego e baixa educação como determinantes sociais de problemas de saúde mental. Outros estudos identificaram experiências de discriminação e racismo institucional como fatores que influenciam o desenvolvimento de crenças ‘incomuns’ ou ‘paranoicas’.

Os autores chamam a atenção para uma distinção importante entre indivíduos racistas e racismo sistêmico, observando que o último opera de forma penetrante e insidiosa atravessando uma miríade de aspectos do bem-estar individual. Dr. Suman Fernando conecta a rotulação excessiva de ‘esquizofrenia’ à “excessivas crises, prisão e exclusão escolar”.

Às vezes, o racismo institucional se manifesta em políticas que têm abertamente sido voltadas para as pessoas de cor. O Dr. Johnathan Metzl chama a atenção para o específico diagnóstico “esquizofrenia negra”, que foi usado na década de 1960 para rotular aqueles que participavam do Movimento dos Direitos Civis enquanto “psicose de protesto”. Em alguns casos, membros de certas comunidades que sofreram trauma coletivo relataram ouvir vozes que relembravam a sua perseguição histórica.

“Porque eu ensinava a cultura africana e caribenha, o comércio transatlântico de escravos era grande parte do meu interesse, e passei a ir fundo de mais nessa história. E então, de repente, algo desbloqueou em mim. Comecei a ouvir meus antepassados. Eu podia ouvi-los a chorar e eu podia sentir a sua dor. Todos os meus antepassados femininos, eu podia senti-los e eu podia sentir todos os seus filhos. Eu podia ouvi-los em sua viagem e eu podia sentir todas essas pessoas vindo a mim através de toda a minha leitura. Isso começou a me afetar muito e passou a ser um problema. “

 

Estudos demonstram ainda que os empregados negros têm mais chances de serem estereotipados como violentos, recebem serviços de qualidade mais pobres e são medicados pela força ou trancados. Alguns estudiosos descrevem esse padrão como resultando em um ‘círculo de medo’, em que as pessoas de cor são mais propensas a sofrer angústia devido a políticas racistas, sofrem de serviços precários e então evitam procurar ajuda quando sofrem dificuldades.

Esses diferentes fatores de complicação demonstram a complexidade subjacente que dá origem à experiências que são remodeladas como  ‘esquizofrenia’. O objetivo deste relatório é desafiar como os prestadores de serviços desenvolveram suas crenças e conclusões sobre ‘psicose’, instando-os a reconsiderar sua abordagem.

Alguns indivíduos acham que a audição de voz e as experiências dessa pessoa são angustiantes e incapacitantes. Embora certas formas de apoio profissional possam ser úteis, os autores apontam que a rede de amigos, comunidade e apoio social de alguém é fundamental para seu bem-estar. Formular intervenções com isso em mente é um passo importante para melhorar os serviços.

Existe uma série de opções de suporte entre pares tanto as que são separadas quanto as integradas nos serviços de saúde mental. Algumas são informais e ocorrem de forma natural, outras são executadas por usuários de serviços e outras envolvem pagar provedores para obter suporte de pares mais formal.

O movimento do ‘usuário e sobrevivente do serviço’ serve como uma comunidade de apoio enquanto um fórum concebido para que os indivíduos reflitam suas experiências e compartilhem suas perspectivas. Isso resultou em uma literatura crescente que oferece visões únicas de experiências ‘psicóticas’, abordando a natureza desumanizadora de alguns serviços de saúde mental e retratando um vínculo entre ‘loucura’, criatividade e espiritualidade.

Os métodos de autoajuda e apoio mútuo também estão se tornando cada vez mais populares, particularmente para indivíduos com identidades marginalizadas para que venham a receber suporte culturalmente apropriado. Os usuários negros de serviços têm formado grupos de autoajuda, assim como indivíduos e mulheres LGBT. Abordagens coletivas como essas funcionam para combater o isolamento e reforçam os sentimentos de solidariedade entre os membros.

A Rede de Ouvidores de Vozes é uma rede internacionalmente ativa formada por grupos de autoajuda “com base na ideia de que diferentes pessoas têm ideias diferentes sobre a natureza e as causas de suas experiências”. O relatório continua descrevendo abordagens de desenvolvimento comunitário e “colégios que recuperam: uma abordagem educacional para oferecer ajuda “, como opções adicionais de suporte, e o relatório finalmente conclui com lista de recursos, sites e serviços.

Os autores enfatizam a importância das pessoas receberem cuidados e suporte desejados em tempo hábil. Para alguns, isso pode envolver suporte para necessidades básicas, como habitação, dinheiro e comida. Embora a maioria das pessoas que experimentaram ‘psicose’ queiram trabalhar, elas são severamente subempregadas, o que pode aumentar muito as dificuldades para encontrarem seu valor, suporte e significado em suas vidas de maneira mais geral.

O apoio emocional e as intervenções que podem melhorar a organização e a motivação na vida de alguém podem ser especialmente apreciadas, levando os autores a identificar a necessidade de respostas criativas às necessidades individuais. No entanto, a legislação atual permite que as pessoas sejam mantidas em hospitais contra sua vontade, onde são muitas vezes administrados medicamentos à força. Isso não tem efetivamente resultado na prevenção de admissões.

“Existe um argumento de que, mantendo as pessoas internadas contra a vontade delas, com muita frequência em situações desagradáveis e às vezes assustadoras, onde muitas vezes a única ajuda oferecida é medicação com efeitos colaterais angustiantes, estamos a não respeitar o princípio ético básico de ‘reciprocidade’ , a saber, que “onde a sociedade impõe uma obrigação ao indivíduo de cumprir um programa de tratamento ou cuidados, deve impor uma obrigação paralela às autoridades de saúde e assistência social para fornecer serviços seguros e adequados, incluindo cuidados contínuos após a alta da internação involuntária.'”

As críticas abrangentes e convincentes oferecidas neste relatório fornecem espaço considerável para a reforma em vários níveis de serviços. Em primeiro lugar, elas encorajam a mudança para além do ‘modelo médico’ e oferecem serviços que substituem o paternalismo por uma colaboração radical, envolvendo privilegiar as perspectivas dos usuários de serviços e a aceitação geral de visões fora de um ‘modelo de doença’.

A prescrição automática de medicamentos antipsicóticos precisa ser interrompida, eles escrevem e, em vez disso, os prestadores de serviços precisam começar a apoiar o direito dos indivíduos a serem informados, a escolher e ter um senso de expectativas. Eles pedem um reexame da justificativa que apoie o uso do tratamento involuntário e da medicação forçada, ressaltando que esses serviços são inerentemente discriminatórios.

Finalmente, os esforços de pesquisa devem refletir essas mudanças redirecionando ‘a busca por anormalidades biomédicas’, no sentido de se entender “os eventos e circunstâncias da vida das pessoas” e como afetam as pessoas. Assim, os serviços não fornecerão apenas cuidados padronizados, mas intervenções colaborativas adaptadas às circunstâncias individuais. Para fazer isso, eles argumentam que os prestadores de serviços, particularmente aqueles que lidam com a terapia da palavra, devem estar dispostos a ouvir, aceitar, estarem inteiramente com o cliente para facilitar a cura interpessoal e receber o apoio e o treinamento necessários que lhes permitam fazer isso.

Um ouvidor de voz compartilha o que eles achavam que precisavam, quando aprenderam o significado de suas experiências:

“O que eu finalmente aprendi foi que cada voz estava intimamente relacionada com os aspectos de mim mesmo e que cada um deles carregava emoções esmagadoras que nunca tive a oportunidade de processar e resolver – memórias de trauma e abuso sexual, de vergonha, raiva, perda e autoestima. As vozes tomaram o lugar desta dor e deram palavras a ela. E, possivelmente, uma das maiores revelações foi quando eu percebi que as vozes mais hostis e agressivas realmente representavam as partes de mim que tinham sofrido mais profundamente – e, como tal, eram essas vozes que precisavam que eu lhes mostrasse maior compaixão e cuidado “.

O relatório exige uma mudança fundamental no campo para implementar essas mudanças críticas, particularmente ao reconhecer as formas em que a opressão gera o sofrimento frequentemente categorizado como psicopatologia.

“Não há” nós e eles “, pessoas que são “normais “e pessoas que são diferentes porque estão “doentes mentais ” … “Estamos todos juntos e precisamos cuidar uns dos outros. Se formos sérios sobre a prevenção da ‘psicose’ angustiante, precisamos enfrentar a privação, o abuso e a desigualdade “.

**

A Parte 1 da cobertura do MIB pode ser acessada aqui →

Deixe uma resposta