Como o estresse sexual das minorias impacta o desenvolvimento da personalidade

0

Um novo trabalho de Kathleen Collins e Heidi Levitt na Universidade de Massachusetts, Boston, explora o impacto do heterossexualismo sobre o eu da minoria sexual.

Os indivíduos de minorias sexuais que vivem em sociedades heterossexuais enfrentam taxas mais altas de problemas de saúde mental em comparação com as populações heterossexuais. O estresse da minoria sexual tem sido ligado, por exemplo, à ideação suicida e ao declínio cognitivo na vida adulta. As minorias sexuais também enfrentam riscos de sobrediagnóstico por transtorno de personalidade limítrofe e têm maior probabilidade de serem interpretadas como psicóticas e paranoicas. Como Collins e Levitt escrevem:

“Os aspectos psicodinâmicos da personalidade parecem ser influenciados pelos fatores de estresse das minorias sexuais, bem como influenciar como as pessoas LGBQ reagem aos fatores de estresse das minorias sexuais”.

Usando uma abordagem que ” reconceptualiza o estigma heterossexista como algo que não só prejudica a saúde mental, mas também influencia o desenvolvimento da personalidade”, Collins e Levitt investigam a literatura existente sobre como viver com uma identidade sexual marginalizada afeta o eu e como as diferenças de personalidade podem explicar as diferentes reações à discriminação heterossexista.

Os autores restringem o escopo de suas pesquisas ao impacto e formação de três fatores de personalidade em indivíduos lésbicas, gays, bissexuais e queer: estilo de vínculo (‘attachment’), mecanismos de defesa e identidade do ego.

Estilo do vínculo

A teoria do apego [‘attachment theory’] se refere à “ideia de que as primeiras relações com os cuidadores moldam o senso de si mesmo dos bebês e o que esperar dos outros”. Embora o estilo do vínculo se desenvolva muito cedo na vida, o conflito interpessoal posterior pode mudar o estilo do vínculo. Ou seja, o sistema de vínculo continua a funcionar durante toda a vida, mesmo com a mudança das principais figuras de apego.

A pesquisa dos autores descobriu, talvez sem surpresa, que vínculos seguros estão associados a menos estresse sexual das minorias relatadas. Em contraste, homens de minorias sexuais com vínculo inseguro tendem a ter maiores níveis de vergonha. Além disso, os estilos de vínculo ansiosos foram geralmente implicados na percepção de discriminação e indicadores de sofrimento psíquico nas populações LGBQ. Em geral, os indivíduos com vínculos inseguros tendem mais a ter sentimentos negativos sobre as suas orientações sexuais minoritárias.

Mecanismos de defesa

Os mecanismos de defesa, segundo Freud, são “processos inconscientes que reduzem a ansiedade produzida pelos conflitos internos, influenciando a percepção de nós mesmos, dos outros e do meio ambiente”. Assim, os mecanismos de defesa são geralmente adaptativos, mas podem se tornar patológicos se e quando se tornam tão rígidos ou intrusivos a ponto de prejudicar o funcionamento.

A revisão da literatura feita por Collins e Levitt descobriu que mecanismos de dissociação, repressão à raiva, humor e narcisismo estão associados à orientação sexual minoritária em sociedades heterossexuais. Vale ressaltar aqui, entretanto, que os autores revisaram estudos de participantes em sua maioria brancos e cisgêneros e que estes resultados provavelmente não são generalizáveis para indivíduos trans e pessoas queer e trans de cor.

Identidade do Ego

A identidade do ego refere-se à “experiência do eu como uma entidade reconhecível e persistente” de uma pessoa. Embora não existam modelos conhecidos de desenvolvimento específico da identidade do ego LGBQ, os autores revisaram estudos sobre os modelos existentes de desenvolvimento da identidade sexual.

A discriminação heterossexista no desenvolvimento da identidade nas pessoas LGBQ parece ter impacto sobre os indivíduos durante toda a vida. Para crianças e adolescentes, a rejeição dos pais está negativamente relacionada ao desenvolvimento da identidade. Em adultos,

“A discriminação heterossexista está negativamente associada a um sentimento de pertencer à comunidade LGBQ, satisfação com relacionamentos íntimos e sentimentos de autenticidade pessoal, indicando que as pessoas que estão expostas à discriminação heterossexual têm dificuldade em se relacionar autenticamente consigo mesmas, com seus entes queridos e com a comunidade LGBQ em geral”.

Apesar dessas implicações negativas, o heterossexismo também esteve implicado em resiliência e resistência ativa em alguns indivíduos.

Com base nesta revisão da pesquisa, os autores oferecem uma estrutura teórica para pesquisas futuras que abriga espaço para múltiplas dimensões dos impactos do heterossexismo: o nível de reações ou defesas e o próprio nível de formação da personalidade.

Esta estrutura propõe mecanismos de defesa e estratégias de enfrentamento relacional como potenciais mediadores entre os estressores das minorias sexuais e os resultados psicológicos. A estrutura também se concentra nos mecanismos de enfrentamento de minorias sexuais dentro dos padrões relacionais de engajamento social. Finalmente, sugere que tanto o estilo de apego [attachment style] quanto o nível de integração de identidade moderem a relação entre os estressores internalizados e externos das minorias sexuais nas sociedades heterossexuais.

Como Collins e Levitt observam repetidamente, a literatura revisada deriva de amostras que foram em grande parte de populações brancas e cis-gênero. É necessário, portanto, mais pesquisas para concluir os impactos interseccionais, por exemplo, do racismo e da transfobia no desenvolvimento da personalidade nas sociedades heterossexuais.

No entanto, a conclusão dos autores pode ser generalizável entre assuntos minoritários:

“A experiência de marginalização sistêmica, interpessoal e intrapessoal não só leva a sintomas de distúrbios clínicos que podem ser tratados, mas também influencia a personalidade, moldando o sentido central de identidade das pessoas e o que esperar dos outros”.

A estrutura proposta pelos autores oferece uma nova maneira de conceituar o estigma da marginalização sexual e seu impacto não simplesmente em pensamentos e sentimentos específicos, mas na própria identidade.

****

Collins, K., and Levitt, H. (2021). “Heterosexism and the self: A systematic review informing LGBQ-affirmative research and psychotherapy.” Journal of Gay & Lesbian Social Services. 10.1080/10538720.2021.1919275 (Link)

Animais Mais Eficazes para o Apoio ao Luto do que os Humanos, um Estudo Descobre

0

O apoio social é crucial para os indivíduos que sofrem uma perda, embora a pesquisa sobre como as pessoas enlutadas experimentam o apoio social seja limitada. Um novo estudo, publicado no PLOS One, explora as experiências dos indivíduos enlutados e sua satisfação com o apoio social. As descobertas dos pesquisadores indicam que o animal, ao contrário do apoio humano, pode ser a forma mais satisfatória de apoio.

Eles também oferecem sugestões sobre como melhor apoiar os indivíduos em luto durante a pandemia da COVID-19 e pós-pandemia. Os pesquisadores, liderados por Joanne Cacciatore, professora associada da Escola de Trabalho Social da Universidade Estadual do Arizona, escrevem:

“O apoio social parece ajudar algumas pessoas enlutadas, particularmente aquelas com luto traumático, ou seja, a morte violenta ou súbita de um ente querido próximo ou a morte de uma criança, a lidar com o sofrimento psicológico, enquanto sua ausência pode exacerbar os maus resultados físicos e psicológicos. No entanto, uma ruptura nas relações sociais após uma perda não é incomum, e a solidão – particularmente notável durante a pandemia da COVID-19 – pode exagerar esse efeito para os enlutados, aumentando o risco de maus resultados”.

Os benefícios do apoio social para a saúde e o bem-estar humano estão bem documentados. Por exemplo, o apoio social tem demonstrado afetar positivamente as reações de estresse psicológico e fisiológico, conforme visto através de um sistema imunológico melhorado, da saúde endócrina e cardiovascular. Por outro lado, a falta de apoio social e a solidão têm demonstrado afetar negativamente o bem-estar físico, emocional e mental, incluindo o aumento do risco de morte prematura por muitas causas.

A solidão e o apoio social insuficiente são comuns em indivíduos em luto, o que levanta preocupações sobre sua saúde e bem-estar. Além disso, a solidão tem sido exacerbada pela pandemia COVID-19, que por sua vez tem contribuído para o aumento das preocupações com a saúde mental, como depressão e suicídio.

Por outro lado, um apoio social adequado, seja pessoalmente ou online, pode contribuir para uma melhor qualidade de vida das pessoas enlutadas. Além disso, tanto a quantidade quanto a qualidade do apoio recebido têm demonstrado afetar o bem-estar das pessoas enlutadas. O apoio social a indivíduos enlutados demonstrou ser particularmente eficaz para pessoas que sofreram “luto traumático”, ou a morte violenta ou súbita de um ente querido ou a morte de uma criança. Entretanto, as pesquisas também demonstraram que as relações sociais são propensas a desmoronar após uma perda.

Os pesquisadores identificam quatro categorias de apoio social: informativo, instrumental, de avaliação e emocional:

“O apoio informativo pode incluir ajuda logística sobre os serviços disponíveis após a morte, bem como conselhos, dados e informações oferecidas durante um período difícil ou estressante. O apoio instrumental é uma ajuda acionável que ajuda em tarefas específicas ou fornece o apoio físico necessário, como alimentação, abrigo, transporte e ajuda financeira. O apoio de avaliação é um meio mais passivo de autoavaliação muitas vezes decretado, por exemplo, em contato inter-pares. Ele fornece um meio de avaliar a si mesmo em uma circunstância particular através da utilização de afirmação, feedback e igualdade social”.

No estudo atual, os pesquisadores forneceram pesquisas qualitativas a um total de 372 adultos que haviam experimentado um luto traumático. As entrevistas consistiram de perguntas sobre as percepções dos participantes sobre o apoio social, tanto diretamente após a perda como a longo prazo.

Os participantes foram, em sua maioria, brancos (91,1%), casados ou parceiros (69%) de mulheres (91,4%) com diplomas universitários ou de pós-graduação (58,1%) que haviam sofrido a perda de um filho (75,1%). Além disso, a maioria dos participantes tinha experimentado a perda há mais de cinco anos (43,3%), e a causa da morte foi mais freqüentemente uma doença ou enfermidade (25,8%).

Quando solicitados a classificar suas percepções gerais de apoio dos outros desde a morte de seu ente querido, 35,7% dos participantes classificaram sua experiência de apoio como excelente ou boa, 26,5% relataram ter recebido apoio adequado, e 37,9% classificaram seu apoio como pobre ou muito pobre.

O pessoal da funerária foi classificado como sendo o mais eficaz no fornecimento de apoio humano a humano (65%). Por outro lado, os agentes da lei e médicos e assistentes sociais hospitalares foram classificados como os mais baixos, sendo os menos efetivos em fornecer apoio de luto com 37% e 35%, respectivamente.

Curiosamente, 89% dos 248 participantes que tiveram animais de estimação ou interações com outros animais relataram estar extremamente ou principalmente satisfeitos com o apoio recebido. De fato, os animais foram classificados entre todas as formas de apoio social, o que incluiu categorias como amigos, família, membros da comunidade, líderes religiosos, terapeutas ou conselheiros, grupos de apoio e líderes religiosos.

Estas descobertas são consistentes com pesquisas que identificam a criação de animais de estimação como uma intervenção útil para indivíduos que experimentam um sofrimento traumático e pesquisas que indicam que os animais de estimação são suportes eficazes para indivíduos que lutam com problemas de saúde mental e angústia mental.

Em suas respostas abertas às perguntas da pesquisa, os participantes observaram o apoio emocional e “atos de cuidado emocional”, tais como receber um telefonema ou uma mensagem de texto, como a forma mais eficaz de apoio.

Alguns dos participantes descreveram suas experiências de apoio emocional e atos de cuidado emocional como:

“Dizendo-me que meu pesar é válido, que meus sentimentos são reais. Basicamente apenas me permitindo estar”.

“Apenas me deixando mencionar seu nome sem silenciar ou mudar de assunto”.

Em suas descrições de ações que não pareciam ser apoiadas, os participantes notaram falhas em fornecer apoio emocional ou se envolver em atos de cuidado emocional como sendo os mais problemáticos. Exemplos de atos sem apoio incluem sentir-se abandonados por entes queridos, sentir-se como se sua dor estivesse sendo apressada, e não se sentir escutado.

Quando perguntados como os outros poderiam apoiá-los melhor, os participantes identificaram um maior apoio emocional e atos emocionais de cuidado, enfatizando a importância de ouvir e estar presente e de recordar suas pessoas amadas com os participantes sem sentir a necessidade de tentar consertar ou resolver sua dor.

Embora o apoio emocional e os atos de cuidado emocional tenham sido mencionados com mais freqüência pelos participantes em todas as perguntas da pesquisa, tanto o apoio instrumental quanto o de avaliação também foram discutidos como sendo úteis. O apoio informativo foi raramente mencionado pelos participantes, com um alinhamento com os resultados de pesquisas anteriores de que esta forma de apoio geralmente não é útil para os indivíduos em luto.

Os pesquisadores resumem suas conclusões a respeito de atos específicos de apoio instrumental e de avaliação identificados pelos participantes como sendo particularmente eficazes:

“O apoio instrumental foi eficaz quando expresso através de ajuda com refeições, cuidados com as crianças, manutenção da casa e apontamentos e presentes escritos. Um aspecto importante do apoio instrumental que merece atenção pode ser o clássico erro de dizer: “…ligue se precisar de alguma coisa”, sem qualquer acompanhamento. Os participantes apreciaram que outros se aproximassem ativamente para oferecer ajuda prática. O apoio de avaliação significava conectar-se com outros através de grupos de apoio ao luto, pessoalmente e on-line, e nas mídias sociais. O tempo gasto com outros, tanto online como pessoalmente, que compartilham uma tragédia comum de perda, foi relatado como apoio nestes dados”.

Os pesquisadores notam que os animais são altamente eficazes em fornecer apoio como sendo especialmente importantes, já que os animais não são tipicamente mencionados quando se considera o apoio ao luto. Reconhecer o papel que os animais podem desempenhar na prestação de apoio durante o luto é crucial, particularmente quando o isolamento através de distanciamento social ou quarentena é necessário.

Os resultados também trazem implicações para os prestadores de serviços de saúde e para a aplicação da lei, que foram classificados como os mais elevados em insatisfação com o apoio social. Como estes indivíduos são mais freqüentemente confrontados com pessoas em crise, mais pesquisas devem examinar porque a percepção do apoio destes profissionais é tão baixa.

Além disso, Cacciatore e seus colegas destacam como o apoio emocional foi identificado como chave no processo de luto. No entanto, foi demonstrado que o apoio foi uma luta para dar o apoio adequado nesta área. Portanto, eles pedem educação para indivíduos que apóiam indivíduos enlutados para ajudá-los a serem mais receptivos às necessidades emocionais dos enlutados.

As limitações do estudo incluem a falta de diversidade dos participantes e o foco do estudo no luto traumático, cujas descobertas podem não se traduzir em indivíduos enlutados na população em geral.

Os pesquisadores encerram enfatizando como suas descobertas sobre a importância do apoio dos animais podem ser usadas para auxiliar os enlutados e devem ser investigadas em pesquisas futuras:

“Os animais podem ser uma fonte especialmente importante de apoio emocional durante condições envolvendo isolamento social, como a pandemia COVID-19 quando o contato com outras pessoas é limitado, ou durante condições experienciais, como a solidão tão comum no luto. Pesquisas adicionais poderiam investigar mais profundamente as formas pelas quais os animais são vistos como benéficos no luto, mas a adoção de animais de estimação poderia ser uma via para promover o bem-estar e reduzir a solidão durante a pandemia, especialmente para aqueles que não são capazes de acessar fortes redes de apoio social. Quando se trata de um bom apoio ao luto, talvez tenhamos muito a aprender com nossos companheiros animais não humanos”. 

****

Cacciatore, J., Thieleman, K., Fretts, R., & Barnes Jackson, L. (2021). What is good grief support? Exploring the actors and actions in social support after traumatic grief. PLOS One, 16(5), 1-17. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0252324 (Link)

Abordagem filosófica da solidão produz uma nova visão sobre os tratamentos

0

Um artigo recente publicado em Philosophy, Psychiatry & Psychology examina várias maneiras de entender a solidão como parte da experiência humana.

Valeria Motta, pesquisadora de doutorado em filosofia da Universidade de Birmingham, sugere uma abordagem que considera a experiência vivida do tempo, da corporificação e da atenção como dimensões fundamentais da solidão. Ela aborda a questão através das lentes da filosofia fenomenológica, ou do estudo da experiência vivida em profundidade.
“Há boas razões para esclarecer o conceito de solidão. A solidão tem efeitos adversos sobre a saúde física e mental. É um fator de risco para a morbidade e mortalidade em humanos. A solidão pode ser transitória – uma consequência de circunstâncias externas – como a solidão resultante de um luto, uma mudança de cidade ou de círculo social, ou a distância de amigos, família ou parceiros”, escreve Motta. 

“A solidão também pode ser uma angústia crônica sem características salvadoras. Estas observações levantaram questões sobre se a solidão deve ser caracterizada como patologia por si própria, e se aliviar a solidão deve ser um foco chave para os clínicos”.

Em tempos recentes, especialmente durante a pandemia da COVID-19, tem havido uma onda de preocupação em torno da questão da solidão. Durante a pandemia, os jovens têm sido especialmente vulneráveis à solidão. Algumas pesquisas sugerem que a solidão pode ser mais mortal do que o vírus da COVID-19.

É claro que, mesmo antes da COVID-19, a solidão tem sido estudada e ligada a uma série de efeitos negativos à saúde física e mental, incluindo muitos ” transtornos mentais “. Isto levou alguns pesquisadores a chamar a solidão de “ameaça à saúde pública” ligada à ideologia do capitalismo neoliberal.

O presente documento revisa os entendimentos existentes de solidão em diferentes campos, tais como psicologia, sociologia e filosofia. Motta sugere então outra compreensão da solidão a partir de uma perspectiva filosófica, examinando o fenômeno em algumas de suas dimensões fenomenológicas (baseadas na experiência) e sociais.

Motta esboça cinco definições diferentes de solidão antes de apresentar sua própria perspectiva.

A primeira definição se concentra nas “necessidades sociais”, baseada na teoria psicanalítica e do apego [attachment theory], sugerindo que as pessoas têm uma necessidade inata de relações seguras, acolhedoras e tranquilizadoras. Se estes vínculos não forem formados no início da vida ou se desintegrarem na vida posterior, a solidão pode resultar.

A segunda definição se baseia na “discrepância cognitiva”. Esta abordagem se concentra mais nos processos cognitivos do que nas realidades sociais. Aqui, afirma-se que as pessoas se percebem sozinhas. Elas podem ou não possuir relações sociais de qualidade real, mas existe uma atitude ou percepção de solidão. Isto pode às vezes resultar da percepção de uma discrepância entre a quantidade/qualidade “desejada” das relações sociais de uma pessoa e o que a pessoa experimenta.

Uma descoberta interessante nesta pesquisa é que indivíduos cronicamente solitários têm “expectativas muito altas” para as relações interpessoais.

Uma terceira definição é chamada de “abordagem interacionista”. Esta definição combina “traços de caráter” tais como timidez com fatores situacionais, tais como hospitalização, mudanças de renda, relocalização e fatores e expectativas culturais.

Quarto, há uma perspectiva onde a solidão é “indicativa de déficits nas relações sociais”. Esta perspectiva vê a solidão como um conjunto de atitudes, cognições e comportamentos. Isto inclui realidades sociais em torno da falta de relacionamentos reais, bem como a percepção da solidão.

Finalmente, existe uma perspectiva existencial da solidão que a relaciona a um aspecto fundamental da condição humana. Nesta compreensão, a solidão está relacionada às “últimas experiências da vida”, tais como “nascimento, morte, mudança, tragédia”. Aqui pode haver uma visão positiva, onde a solidão está ligada à criatividade e ao enfrentamento honesto de si mesmo e da própria vida.

A contribuição da Motta para as definições existentes se concentra mais nas dimensões fenomenológicas, ou baseadas na experiência, da solidão.

Em primeiro lugar, ela enfatiza o que ela chama de cronicidade. Definições anteriores de solidão fizeram distinções entre, por exemplo, estado (emocional) e solidão baseada em traços (caráter), assim como solidão transitória e crônica.

Motta argumenta, entretanto, que há muito espaço para melhorias nesta área. Ela sugere algumas direções que uma “experiência vivida” baseada na compreensão da solidão poderia seguir, tais como: se a solidão “é sentida mais duradoura” do que quando as pessoas se sentem socialmente ligadas, como os estados de solidão afetam nossas memórias do passado, bem como como o sentimento de solidão afeta a nossa visão do futuro. Todas essas facetas, e mais, poderiam dar aos pesquisadores uma compreensão mais clara da solidão e de como tratá-la.

A segunda dimensão apresentada por Motta está relacionada à atenção, ou o que ela chama de “espaço atencional”. Isto está relacionado a três tipos de solidão: íntima, relacional e coletiva. A solidão íntima está relacionada ao círculo interno das relações de uma pessoa, geralmente não mais do que cerca de cinco pessoas. Isto pode incluir um cônjuge/companheiro(a) significativo(a) de outra pessoa/companheiro(a). As pessoas que têm uma outra pessoa significativa são menos propensas a experimentar a solidão íntima.

O segundo tipo de solidão é a solidão relacional (ou social). Este é um círculo maior de apoio social que pode incluir a família, amigos, colegas e mais como parte de um “grupo de simpatia”. O número de pessoas aqui é frequentemente de 15 a 50. Na meia-idade e nos adultos mais velhos, “o contato frequente com a família e os amigos é o melhor preditor (negativo) da solidão relacional”.

O terceiro tipo de solidão para Motta é a solidão coletiva. Este é o sistema social de alguém em um nível maior e mais abstrato, como partido político, nação, ou outro tipo de grupo (como os fãs de times esportivos). O número aqui é tipicamente de mais de 150 pessoas. A Dra. Motta descreve este grupo como não oferecendo “laços fortes”, mas como oferecendo “informação” e “apoio de baixo custo”. Os adultos de meia-idade e mais velhos que pertencem a grupos mais voluntários têm menos probabilidade de experimentar a solidão, como um exemplo.

Em última análise, Motta argumenta que novas pesquisas sobre a experiência vivida da solidão podem esclarecer estas dimensões e seus limites, dando-nos uma idéia melhor de como abordar o tratamento da solidão. É claro que ela observa que as pessoas podem sentir uma “ausência” ou solidão mesmo na presença de amigos, família e muito mais, o que coloca em dúvida a utilização desta estrutura como uma compreensão perfeitamente precisa da solidão.

A dimensão final discutida é o corpo, especificamente o corpo vivido, que é diferente do corpo fisiológico de acordo com a filosofia fenomenológica. O corpo vivido fundamenta nossa perspectiva sobre o mundo. É o terreno da experiência e não uma “coisa” à qual prestamos atenção como um objeto externo.

Motta argumenta que a solidão também deve ser entendida em termos do corpo vivido e de suas possibilidades ambientais. Por exemplo, a solidão:

“Uma maneira de ilustrar isto é pensar que uma pessoa em confinamento solitário tem possibilidades muito diferentes de interação com o ambiente de alguém que está na natureza ou em uma grande cidade e que isto altera sua experiência. O encarceramento é um exemplo particularmente bom que ilustra não apenas os efeitos da imobilidade, mas também até que ponto a regimentação do tempo e a fenomenologia da espera podem se tornar diferentes tipos de tortura psíquica”.

Motta conclui:

“As áreas potenciais de pesquisa que já foram identificadas são a temporalidade da solidão e o papel da atenção e percepção na experiência da solidão”. Tenho argumentado que precisamos de definições de solidão que abordem distúrbios (por exemplo, ausências) ou anormalidades experienciais (por exemplo, experiências encarnadas) na estrutura subjetiva. A exploração das questões aqui levantadas teria implicações para nossa terminologia e nossas pesquisas futuras sobre os tipos de solidão. Estes, por sua vez, permitiriam o desenho de novos tratamentos e intervenções”.

****

Motta, V. (2021). Key concept: Loneliness. Philosophy, Psychiatry, & Psychology, 28(1), 71-81. (Link)

Adolescentes ouvidores de vozes relatam diversas experiências

0

Um artigo publicado na Child and Adolescent Mental Health tenta preencher uma lacuna na pesquisa com foco na experiência de ouvir vozes para adolescentes menores de dezesseis anos.

Liderados por Sarah Parry da Universidade Metropolitana de Manchester, os pesquisadores utilizaram respostas qualitativas de pesquisa para compreender a forma e a função tanto das experiências positivas com ouvir vozes, quanto das experiências negativas ou angustiantes. Com base em suas descobertas, os autores fornecem sugestões para melhorar a psicoeducação em formatos públicos sobre as funções úteis das vozes.

“As narrativas singulares dentro deste estudo oferecem uma visão da diversidade de experiências de audição de voz e outras experiências multissensoriais para os jovens”, escrevem os autores. “Os jovens não consideram necessariamente ouvir vozes como sendo problemáticas ou indesejadas, com a maioria dos participantes relatando experiências mistas de vozes acolhedoras e angustiantes, com algumas vozes potencialmente angustiantes reconhecidas como valiosas em certos domínios, tais como a criatividade”.

A expressão “ouvir voz” é mais comumente entendida como ruídos, vozes, ou outras percepções audíveis que contêm conteúdo verbal que outros não podem ouvir. É considerada uma experiência mais típica na infância do que na idade adulta, onde tende a tornar-se mais estigmatizada e associada a doenças mentais.

A extensa literatura sobre a audição de vozes nas crianças tem examinado como as vozes auditivas se relacionam com a fantasia e o jogo, assim como companheiros imaginários. Foi demonstrado que os companheiros imaginários para crianças servem como um agente protetor contra a solidão, bem como uma forma de lidar com o trauma. Entretanto, apesar desses benefícios, se os pais expressarem aprovação negativa dos companheiros imaginários, isso pode levar a um maior isolamento e autoavaliação negativa, uma vez que existem evidências de que dinâmicas sistêmicas como o funcionamento da família influenciam a autoestima e a autopercepção dos jovens, há motivos para examinar como essas dinâmicas significativas de relacionamento poderiam impactar a audição da voz.

Um estudo descobriu que a maioria dos ouvidores de voz relatou ter começado a ouvir vozes antes e durante a adolescência, sugerindo que mais pesquisas são necessárias em grupos mais jovens. Com isto em mente, os autores afirmam:

“Áreas adicionais que necessitam de mais atenção referem-se às características das vozes, relações com as vozes e como essas características podem influenciar as intervenções relacionais. Um foco relacional para intervenções psicossociais é de particular importância para as crianças, já que muitas vezes elas dependem de sua família e amigos para ajudá-las a interpretar e formular experiências de vida, ao lado de fatores socioculturais que moderam as avaliações iniciais dos jovens sobre suas alucinações”.

O estudo atual teve como objetivo avançar a compreensão teórica e fenomenológica dos ouvidores de vozes para um grupo sub-representado de jovens de várias nações ocidentais desenvolvidas; a maioria recrutada do Reino Unido e dos Estados Unidos. Os pesquisadores utilizaram uma análise narrativa informada por estudiosos foucaultianos para conduzir e analisar as respostas de pesquisa qualitativa escrita com 68 adolescentes, com uma média de idade de 15 anos. Especialmente, a elegibilidade dos participantes exigia que eles ouvissem vozes que outros não conseguiam ouvir. Eles não eram obrigados a ter recebido um diagnóstico ou estar conectados a um serviço de saúde mental.

Os resultados revelaram que a idade média de início era de 10 anos. Cinqüenta e seis por cento dos participantes relataram uma resposta emocional negativa ou preocupação com as vozes, 23% relataram apenas sentimentos ou crenças positivas sobre as vozes, e 21% relataram emoções mistas. Os autores se concentraram na forma que essas vozes tomaram e na maneira como as vozes funcionaram para elas.

Vozes Confortáveis e Positivas

Narrativas de vozes reconfortantes e positivas foram frequentemente discutidas em termos de ter qualidades pessoais, pronomes e motivações, o que é semelhante a como as crianças descrevem companheiros imaginários. Muitas vezes descreveram as vozes como querendo ajudá-los, fazendo-lhes companhia e pessoas em quem poderiam confiar. Um participante escreveu que as vozes o fizeram sentir “como se [ele] tivesse uma família novamente”. Os autores sugerem que esta descoberta oferece novas maneiras de conceituar as etapas de desenvolvimento da audição de voz, durante as quais os jovens podem se sentir particularmente vulneráveis social ou emocionalmente.

“No geral, os participantes identificaram experiências agradáveis de ouvir vozes através da personificação, relações recíprocas, companheirismo e motivações benéficas reconhecidas na função da voz”.

Vozes angustiantes

Por outro lado, experiências negativas de audição de voz foram descritas através de metáforas, espelhando opressão sociocultural ou pessoal, muitas vezes levando os participantes a se sentirem desanimados ou assustados. Vozes angustiantes tendiam a capturar uma experiência de comando que levava os participantes a se sentirem ansiosos e fora de controle das próprias vozes, ao contrário daqueles que experimentaram vozes reconfortantes que muitas vezes se sentiam no controle das mesmas. Essas vozes angustiantes levaram a uma diminuição da auto-estima, e os participantes as descreveram como “assombrosas” e se sentindo “presas”.

“A sensação de ter menos controle sobre as próprias ações e emoções devido às vozes levou os participantes a descrever sentimentos de ansiedade, dificuldades de concentração e medos em relação ao futuro, com muitos destacando formas pelas quais as vozes os enfraqueceriam”.

Devido à angústia das vozes negativas, foi mais desafiador para os participantes darem sentido a elas. Isto contribuiu para sua angústia geral e reduziu o bem-estar, pois a criação de sentido é uma forma positiva de lidar com as vozes auditivas. Notavelmente, em todos os relatos, as vozes negativas foram mais freqüentemente discutidas usando pronomes masculinos. Os autores observam que resultados similares têm sido mostrados em pesquisas com ouvintes adultos, refletindo desigualdades socioculturais relacionadas ao gênero.

Para resumir estas descobertas, os autores escrevem:

“Embora muitos participantes tenham tido experiências conflitantes de angústia e conforto causadas por suas vozes e angústia relacionada à voz, alguns participantes tiveram apenas experiências positivas, nas quais pareceram sentir-se fortalecidos pelas vozes… No entanto, a maioria dos participantes sentiu como se eles houvesse perdido um grau de controle em suas atividades cotidianas através da experiência de audição de voz, o que maior angústia relacionada à voz influenciou negativamente seu bem-estar geral”.

Embora muitos jovens tenham experiências positivas e negativas com sua audição de voz, os resultados deste estudo revelam que a capacidade de formular a experiência, contextualizar as vozes e recuperar o controle parece ser mais importante em termos de bem-estar. Isto poderia ter um impacto significativo na forma como o tratamento é conceitualizado e como as intervenções são conduzidas para os adolescentes.

Os autores sugerem que seja dada mais educação psicológica aos adolescentes para normalizar e desestigmatizar as mensagens em torno da audição da voz, independentemente de ter sido feito um diagnóstico de saúde mental. Ao oferecer publicamente uma psicoeducação que inclui a função útil das vozes e a reafirmação de que elas assumem muitas formas (tanto formas reconfortantes quanto formas angustiantes), isto pode agir como uma intervenção preventiva de saúde pública contra a angústia evitável relacionada à voz, enquanto também combate o isolamento e o estigma que impede que os adolescentes se abram sobre sua audição de voz.

****

Parry, S., & Varese, F. (2020). Whispers, echoes, friends and fears: forms and functions of voice‐hearing in adolescence. Child and Adolescent Mental Health. https://doi.org/10.1111/camh.12403 (Link)

Por que não diagnosticar as condições sociais em vez dos sintomas individuais?

0

Um artigo recente publicado no Journal of Mental Health examina a freqüência dos dados clínicos da saúde mental no Reino Unido, incluindo informações relacionadas aos determinantes sociais da saúde, bem como os relatos fenomenológicos (focados em sintomas). Estes dados clínicos são baseados em códigos da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas de Saúde Relacionados (CID) e vêm do banco de dados eletrônico do UK NHS Trust.

Os autores, incluindo o psicólogo clínico britânico Peter Kinderman,  descobriram que tanto os determinantes sociais da saúde quanto os códigos fenomenológicos raramente são usados em relatórios clínicos, apesar de sua conhecida prevalência entre os usuários dos serviços.

“Em 2012, um grupo líder de psiquiatras sociais argumentou que a assistência em saúde mental precisava ser reformada, para levar melhor em conta os determinantes sociais. Da mesma forma, o Relator Especial das Nações Unidas Dr. Dainius Puras argumentou que os problemas de saúde mental estão fortemente ligados às adversidades, desigualdades e abusos da primeira infância, e defendeu uma ‘revolução’ no cuidado da saúde mental; uma mudança no foco de ‘tratamento’ para uma base social mais fundamental para o cuidado. Este tipo de visões para a assistêncua tem como primeiro passo o reconhecimento e registro destes determinantes sociais”, escreve Kinderman e seus co-autores.

As Nações Unidas e muitos outros têm apelado para a necessidade de reconhecer o impacto de fatores sociais e econômicos na saúde mental em vez de uma abordagem individualizada baseada no modelo médico. Estes fatores sociais e econômicos incluem fenômenos como pobreza, imigração, experiências adversas na infância, desabrigo e isolamento.

Kinderman também propôs a reforma do diagnóstico psiquiátrico, colocando uma ênfase renovada no diagnóstico de condições sociais em vez de distúrbios dentro dos indivíduos (ver entrevista MIA). Apesar desses apelos, porém, a psicologia e a psiquiatria continuam sendo regidas por um paradigma dominante baseado no individualismo e em entendimentos restritos do cérebro.

O documento atual examina com que freqüência os determinantes sociais dos códigos de saúde foram relatados nos registros de casos de saúde mental no Reino Unido entre 1 de janeiro de 2015 e 1 de janeiro de 2016. Os autores, reconhecendo a “evidência esmagadora” do impacto dos determinantes sociais da saúde sobre a saúde mental, procuraram analisar com que freqüência as categorias CID-10 e CID-11 relacionadas a estes fenômenos são realmente mencionadas nos registros de casos clínicos.

Eles também analisaram a freqüência dos códigos “fenomenológicos” do CDI sendo relatados, concentrando-se nos sintomas, tais como alucinações auditivas e ideações suicidas, em vez de transtornos diagnosticáveis.

Os autores examinaram 21.701 registros de casos do UK NHS Trust, um banco de dados eletrônico baseado no “sistema ePEX, um sistema de registros eletrônicos de saúde projetado tanto para a atividade clínica interna do Trust quanto para a comunicação obrigatória aos comissários e órgãos reguladores”.

Dos 21.701 registros de casos, 4.656 indivíduos receberam um diagnóstico formal.

10,2% de toda a amostra de usuários de serviços foram diagnosticados com um “transtorno mental, comportamental e de desenvolvimento neurológico”, como a esquizofrenia paranóica.

O uso de códigos “quase-diagnósticos”, consistindo de “sintomas, sinais e achados clínicos e laboratoriais anormais, não classificados em outros lugares”, foi bastante raro. Dezenove pessoas (0,1%) das 21.701 receberam um código relacionado, por exemplo, a alucinações auditivas ou “outros sintomas e sinais envolvendo estado emocional” (R45.8).

O sistema do CID é complexo e pode incluir diagnósticos primários e secundários, no entanto, o que forçou os autores a examinar manualmente muitos casos. Códigos relacionados a “sintomas, sinais e achados clínicos e laboratoriais anormais, não classificados em outros lugares” foram mencionados um total de 66 vezes.

Apenas 43 referências foram feitas a códigos do CID relacionados a determinantes sociais de saúde para 39 indivíduos (0,2%, ou 0,8% dos indivíduos diagnosticados).

Por exemplo, dois indivíduos foram identificados como “desempregados”, um indivíduo recebeu o código para “outra tensão física e mental relacionada ao trabalho”, um foi identificado como “sem-teto”, e três foram classificados como “vivendo sozinho”.

Além disso, dois foram classificados como tendo um “problema relacionado ao ambiente social”, sete foram relatados como tendo “problemas relacionados ao suposto abuso sexual de criança por pessoa dentro do grupo de apoio primário”, e seis foram relatados como lidando com o “desaparecimento e morte de membro da família”. Outros receberam códigos relacionados a problemas legais, circunstâncias psicossociais, “estresse, não classificado em outro lugar”, e outras questões.

Quando indivíduos receberam um diagnóstico mental, como a Síndrome de Estresse Pós-Traumático (SEPT), também foi raro encontrar um código psicossocial de acompanhamento. Por exemplo, de 64 pessoas diagnosticadas com SEPT, apenas dois casos mencionaram vagas “circunstâncias psicossociais”. Além disso, não foram relatados “eventos traumáticos específicos” em nenhum desses casos, apesar de a SEPT estar fundamentado em um histórico pessoal de trauma.

Da mesma forma, dos 151 usuários de serviços diagnosticados com um “transtorno de personalidade emocionalmente instável”, apenas um caso mencionou qualquer coisa relacionada a determinantes sociais da saúde – uma única menção de suposto abuso sexual.

Os autores compararam o uso infrequente desses códigos com a prevalência estimada da população. Por exemplo, apenas três pessoas no banco de dados foram relatadas como vivendo sozinhas, enquanto 11% de todos os usuários de serviços de saúde mental relataram viver sozinhos em uma pesquisa representativa.

Experiências adversas na infância relacionadas a trauma foram relatadas apenas 11 vezes (0,05% do total do conjunto de dados), mas em estudos epidemiológicos, 31% dos participantes relataram eventos de trauma na infância.

Em resumo:

“Em geral, foram usados códigos para possíveis determinantes sociais em apenas 39 casos (0,2% do conjunto de dados completo de 21.701 indivíduos, ou 0,8% dos 4656 que receberam um diagnóstico primário). A comparação com as freqüências de base relevantes revelou uma subnotificação altamente significativa de determinantes sociais chave, conhecidos”.

Enquanto isso, códigos fenomenológicos (focados nos sintomas) foram utilizados em apenas 19 casos. Eles observam que estas estatísticas são semelhantes às descobertas do sistema psiquiátrico dos EUA.

No entanto, eles advertem que estes dados não fornecem informações sobre notas clínicas psiquiátricas e de enfermagem “mantidas individualmente”.

Os autores concluem:

“É provável que informações de diagnóstico possam ter guiado decisões clínicas em pelo menos algumas ocasiões, mas não foram registradas no banco de dados. No entanto, a omissão de registros dos determinantes sociais dos problemas de saúde mental é importante, devido ao provável impacto em nossa compreensão dos problemas, nos caminhos dos cuidados e nas agendas políticas.

A descrição das circunstâncias que podem ter contribuído para o sofrimento psíquico promove a compreensão e, portanto, a compaixão. Pesquisas demonstraram que a inclusão de informações sobre determinantes sociais reduz a probabilidade de que um padrão de comportamento seja visto como patológico. Omitir informações sobre circunstâncias psicossociais significa que é mais provável uma explicação biomédica e patologizante”.

…..

Kinderman, P., Allsopp, K., Zero, R., Handerer, F., & Tai, S. (2021). Minimal use of ICD social determinant or phenomenological codes in mental health care records. Journal of Mental Health, 1-10. (Link)

Como as Abordagens Relacionais em Saúde Mental Implicam nossos Sistemas Políticos

0

Em um novo artigo em Policy and Politics, a pesquisadora Sarah White, da Universidade de Bath, escreve sobre a preocupação cultural difundida com bem-estar e felicidade. Ela afirma que esta preocupação aponta para um mal-estar subjacente que as pessoas experimentam no capitalismo tardio, à medida que seus laços sociais e relacionais são corroídos. Além disso, as soluções individualistas que prometem bem-estar muitas vezes agravam o problema.

A autora baseia as suas afirmações em suas descobertas na Zâmbia e na Índia e, em vez disso, propõe uma compreensão relacional do bem-estar. Esta conceitualização do bem-estar encoraja mudanças no nível político para incluir a reconstrução das relações sociais, concentrando-se nas estruturas sociais e políticas, e valorizando o contexto local.

O bem-estar é um dos temas mais bem pesquisados e populares em Psicologia. Apesar de sua popularidade, os críticos têm apontado inúmeros problemas na forma como medimos e entendemos o bem-estar. Por exemplo, algumas pesquisas têm observado que as mídias sociais ameaçam o bem-estar psicológico. Fatores estruturais como o inconsistente e a constante mudança do horário de trabalho dos pais também foram encontrados para diminuir o bem-estar de seus filhos.

Além disso, descobertas recentes têm sugerido repetidamente que o individualismo, prevalecente nas sociedades capitalistas tardias está ligado a uma saúde mental pior. Isto é especialmente verdadeiro para os jovens, pois está associado a pressões extremas e constantes de desempenho. As pessoas que tendem a reproduzir as ideias capitalistas neoliberais também mostram taxas mais altas de solidão e diminuição do bem-estar, porque esses valores enfatizam a responsabilidade pessoal e minimizam as influências sociais sobre a saúde do indivíduo.

Escrevendo sobre preocupações similares, White começa explorando o declínio dos laços sociais e relacionais sem romantizar formas mais antigas de uma família ou comunidade mítica feliz. Ela escreve que os laços comunitários e relacionais “libertados” no capitalismo tardio permitem a fácil disponibilidade e exploração de mão-de-obra móvel. O mercado e o Estado substituíram muitos papéis anteriormente desempenhados por sistemas de parentesco ou outras instituições comunitárias. Estas mudanças econômicas e políticas levaram a mudanças em nossas ideias de autoestima, família e outros vínculos relacionais – muitas vezes consistentes com a crescente individualização.

Na superfície, parece que as pessoas têm mais agência e escolha, mas White escreve que na verdade elas são:

“Disciplinados e seduzidos pelas forças do Estado e do mercado para fazer certos tipos de ‘escolhas’ e proporcionar não apenas certos tipos de comportamento, mas um certo tipo de self”.

Este self foi transformado em um projeto de aperfeiçoamento onde as pessoas são encorajadas a buscar serviços mais profissionalizados (análise, terapia, autoajuda, livros de autoajuda) para alcançar a perfeição fugidia. O bem-estar é parte deste projeto de autoaperfeiçoamento. Há um foco forçado no positivo, ignorando a insegurança subjacente, a perda e a fragmentação causada pela alienação de laços sociais e relacionais.

White argumenta que houve três grandes formas de bem-estar que dominaram o discurso popular. O Bem-estar geral afirma que o bem-estar deve medir mais do que apenas o crescimento econômico e incluir outras medidas subjetivas relativas ao progresso da sociedade. As críticas a esta abordagem incluíram a problematização da idéia de que existem formas superiores e inferiores de bem-estar, o que poderia refletir preconceitos baseados em classe, etnia e gênero.

O outro tipo de bem-estar é o bem-estar subjetivo, mais popularizado pela psicologia positiva. Isto considera a satisfação com a própria vida o principal indicador de bem-estar – “uma métrica de quão felizes ou satisfeitos as pessoas estão em seus próprios termos”. Há muitos problemas com esta medida, tais como as pessoas podem relatar altos níveis de satisfação por inúmeras razões: “baixas expectativas, opressão internalizada, ou simplesmente um desejo de parecer bem”.

White escreve que esta é também uma medida altamente baseada no mercado – as pessoas que respondem a estas perguntas são tratadas como consumidores que relatam sua satisfação com um produto (suas vidas). Tal abordagem baseada no mercado pareceu absurda na Índia e na Zâmbia, onde as pessoas acharam estranho “abstrair-se de sua experiência vivida e depois fazer um julgamento generalizado ao longo de toda a vida”.

A terceira é o bem-estar pessoal, onde os indivíduos são exortados a assumir a responsabilidade por sua felicidade e saúde, não apenas se sentindo bem, mas fazendo bem. Desta forma, a mudança no comportamento individual está no centro. Apesar das tentativas de vincular o bem-estar pessoal ao social, ele permanece um conceito individualista em sua essência porque o social é visto como importante apenas porque contribui para o bem-estar individual.

A autoperfeição é realizada através de numerosas tecnologias emergentes do self, tais como aplicações de cuidado, relógios de medição de fitness, etc. Tudo isso aumenta o auto-monitoramento e pressiona as pessoas a realizarem um “self” positivo em todos os momentos.

White sustenta que embora existam inúmeros problemas com estas conceptualizações, o fato de estarmos preocupados com o bem-estar como uma sociedade mostra que nos falta algo. Ela então avança sua própria conceituação de bem-estar chamada bem-estar relacional. As abordagens mencionadas acima consideram as relações importantes, mas apenas como um meio de aumentar o próprio bem-estar; elas ainda se concentram no indivíduo.

White emprega uma abordagem totalmente relacional onde as relações não são vistas apenas como um acréscimo ou uma restrição dos sentimentos individuais de bem-estar. Em outras palavras, os relacionamentos não são apenas apoio social ou determinante social do próprio bem-estar pessoal.

Em vez disso, usando o conceito de Gergen, o indivíduo é visto como construído através de suas múltiplas relações. Isto se refletiu em seu trabalho empírico na Índia e na Zâmbia. Ela descobriu que os aldeões têm uma profunda compreensão e experiência relacional do eu, e o bem-estar foi entendido em termos coletivos.

Os aldeões que foram seus participantes descreveram o bem-estar, “suas histórias pessoais e geografias, o que os havia frustrado e lhes trouxe alegria”, em termos relacionais. A ideia de amor estava profundamente interligada com o proporcionar, e “ter o suficiente” trouxe à tona conversas sobre ter o suficiente para compartilhar com os outros na comunidade. O bem-estar relacional, material e subjetivo era inseparável.

Ela descobriu que as estruturas sociais eram críticas, pois as relações de poder da sociedade estavam intrinsecamente ligadas a questões de bem-estar. Isso incluía políticas governamentais, estruturas burocráticas e econômicas. Essas estruturas freqüentemente determinam “riqueza e pobreza, pertencimento e exclusão, justiça e direito”.

Além disso, o ambiente natural desempenhou um papel importante na forma como o bem-estar foi vivenciado e compreendido. Como os participantes eram de comunidades rurais, suas vidas e sua subsistência dependiam dos recursos naturais e de como eles eram compartilhados e utilizados. Havia também um senso de responsabilidade e cuidado com o meio ambiente natural. White cita um aldeão indiano que disse: “Se não cuidarmos do jardim, então Deus não mandará a chuva”.

White escreve que esta compreensão do bem-estar como profundamente relacional, material e subjetivo tem sérias implicações em nível político. Isto significa que devemos nos concentrar na reconstrução dos vínculos sociais e comunitários. Significa também garantir que respeitamos os contextos locais ao medir o bem-estar, perguntando às pessoas como elas o entendem e experimentam; em outras palavras, o que é importante para elas.

Finalmente, enfatiza o papel que as estruturas sociais têm no bem-estar das pessoas. Por exemplo, pedir às pessoas que administrem seu peso não é suficiente se ignorarmos o papel que a pobreza desempenha no mesmo.

****

White, S. C. (2021). Relational well-being: re-centering the politics of happiness, policy, and the self. Policy & Politics. DOI: https://doi.org/10.1332/030557317X14866576265970 (Link)

A leitura de ficção literária pode nos desafiar a ver os outros de maneiras mais nuançadas

0

Em um estudo recentemente publicado na PLoS One, pesquisadores investigaram os efeitos da exposição a longo prazo tanto à ficção literária quanto à popular sobre vários aspectos da cognição social. Eles constataram que a leitura da ficção literária previa uma maior capacidade de compreender a vida psicológica dos outros de forma mais complexa e precisa.

O estudo foi liderado pela psicóloga social Emanuele Castano da Universidade de Trento, na Itália. Os autores escrevem:

“Como crianças, ouvimos (e fabricamos) histórias o dia todo, e como adultos, terminamos o dia lendo, observando e, cada vez mais, brincando com histórias. Adoramos histórias porque são divertidas, nos ensinam sobre o mundo em que vivemos e, assim como a interação social, nos ajudam a construir os processos cognitivos necessários para aprender sobre o mundo”. O trabalho acadêmico em teoria evolutiva e antropologia sugere que as histórias desempenharam um papel significativo na evolução da cognição humana. Durante a última década, a pesquisa investigou os processos envolvidos na construção mental de mundos ficcionais, como os leitores são transportados para tais mundos, e o impacto que o envolvimento com a ficção tem sobre a cognição”.

Os autores fazem distinção entre ficção literária e popular, que atrai os leitores por diferentes razões e tem diferentes funções sócio-cognitivas. A ficção popular é considerada divertida, uma fuga da realidade cotidiana, onde o leitor segue principalmente as histórias com significados e temas relativamente evidentes. Por outro lado, a ficção literária é conhecida por ter histórias mais complexas e introspectivas, narradas a partir de múltiplas perspectivas. Os leitores são encorajados a construir seus próprios significados a partir dos eventos da história.

“Uma consequência desta ênfase na vida interior é que a ficção literária destaca o subjetivo sobre o objetivo, a incerteza e a multiplicidade sobre a certeza e a singularidade. Outra conseqüência relacionada é que os leitores são convidados a prestar maior atenção ao funcionamento da mente. Enquanto toda ficção requer a compreensão dos estados mentais incorporados dos personagens, a ficção literária ‘faz[s] o leitor inferir estados mentais implícitos, além de (e às vezes ao invés de) enunciar alguns”.

Os autores supõem que, como a ficção literária encoraja uma leitura mais complexa da psicologia humana em suas histórias, ela se traduziria na compreensão dos leitores de si mesmos, dos outros e de seus mundos. Pesquisas experimentais realizadas no passado demonstraram que a ficção literária melhora a teoria da mente, ou a capacidade de pensar sobre os mundos psicológicos de nós mesmos e dos outros.

Após esta pesquisa, os autores procuraram explorar que outras características da cognição social poderiam ser influenciadas pela leitura da literatura. Eles colocaram a hipótese de aumentar a complexidade atribucional, reduzir o viés egocêntrico e aumentar a precisão na percepção social das pessoas que lêem ficção literária.

A complexidade atribucional refere-se à compreensão do comportamento humano como afetado por interações interpessoais e outras forças externas e motivado por uma propensão para explicações complexas. Se os leitores de ficção literária estiverem engajados em uma maior tomada de perspectiva, é menos provável que caiam no efeito do falso consenso (um viés egocêntrico) de superestimar o quanto os outros são semelhantes a nós mesmos na forma como se comportam e no que valorizam. Os pesquisadores consideram que, ao reduzir o viés egocêntrico, a ficção literária também pode aumentar nossa precisão dos estados mentais dos outros (pensamentos, emoções, atitudes, etc.) em nível individual e social.

Os pesquisadores recrutaram uma amostra de 502 participantes através da plataforma de Mechanical Turk (MTurk). Dos 477 participantes incluídos no estudo, eles completaram várias medidas para avaliar sua exposição aos diferentes tipos de ficção (literária, popular) e aqueles para a complexidade atribucional. Os participantes também completaram tarefas relacionadas ao viés egocêntrico, à precisão social e mental (Reading in the Mind Eyes Test). Finalmente, os pesquisadores usaram múltiplas regressões para medir a correlação entre a exposição à literatura com estas características de cognição social.

A partir dessas análises, os pesquisadores relataram que:

“A exposição à ficção literária e popular previu positivamente e negativamente a complexidade atribucional, respectivamente. Para ambas as medidas de tendência egocêntrica (TFC e PCTF), Literário era um preditor negativo, mas apenas marginal, enquanto Popular não era um preditor de nenhuma das medidas. Para medidas de exatidão, a exposição à ficção literária previu positivamente tanto a Acuidade Mental quanto a Acuidade Social, enquanto a exposição à ficção Popular não previu nenhuma das duas”.

Castano e colegas também analisaram como outros fatores, como nível de educação e gênero, poderiam se relacionar com essas variáveis. Por exemplo, eles descobriram que os participantes com educação superior tinham mais exposição tanto à ficção literária quanto à popular, tinham níveis mais altos de complexidade atribucional e precisão mental.

Além disso, as mulheres tinham padrões semelhantes com a inclusão de maior precisão social, embora não fossem encontradas diferenças de gênero para o viés egocêntrico. Ao controlar para estes dois fatores, os pesquisadores não encontraram nenhuma mudança nos padrões a não ser a exposição à ficção literária sendo um preditor mais confiável do viés egocêntrico.

De acordo com os autores, estas descobertas são importantes porque se baseiam em descobertas de estudos anteriores que examinam como a ficção molda a cognição social e afeta o estilo cognitivo. Além disso, elas são consistentes com descobertas que mostram a complexidade atribucional positivamente associada à precisão mental/individual e social, bem como a percepção dos pares como possuindo mais sabedoria social e consideração.

Os autores mencionam que a compreensão dos preditores de complexidade atribucional poderia ser importante para mitigar o racismo e moldar atitudes em relação a opiniões importantes relacionadas à política.

“No entanto, embora esta lógica seja consistente com o trabalho anterior que é experimental por natureza, devido à natureza correlacional dos dados aqui apresentados, nós advertimos contra tirar conclusões fortes sobre a causalidade. Nossa opinião é que a leitura de diferentes tipos de ficção promove certos processos sócio-cognitivos e estilos cognitivos relativos a outros, mas também concordamos que as diferenças individuais nestes processos e estilos podem tornar as pessoas mais propensas a gravitar em direção a diferentes tipos de ficção”.

Eles mencionam que é possível que o nível de educação, e especificamente o nível universitário, possa afetar sua exposição à ficção literária, levando à melhoria das habilidades sócio-cognitivas. Entretanto, os autores também advertem contra assumir uma superioridade inerente da ficção literária, pois a complexidade atribucional está relacionada à tomada de decisão atrasada ou descarrilada e negativamente relacionada à saúde mental. Em contraste, o viés egocêntrico está positivamente relacionado com a saúde mental.

Citando a Teoria da Gestão do Terror, que sugere que muitas de nossas ações são motivadas por um medo inconsciente da morte (ou seja, ansiedade existencial), os autores especularam que a ficção literária e popular tem efeitos opostos sobre essa ansiedade.

“Um dos mais importantes mecanismos psicológicos através dos quais mantemos esta ansiedade existencial à distância é a visão do mundo cultural: concepções da realidade que imbuem a vida de estabilidade, ordem e permanência. As visões de mundo culturais são elaboradas e mantidas dentro de grupos culturais através de uma variedade de artefatos culturais, entre os quais a ficção. Dadas as características da ficção literária e popular discutidas acima, prevemos que a exposição à ficção popular (porque confirma as expectativas sobre o mundo) reduz a ansiedade existencial, enquanto a ficção literária (porque desafia tais expectativas) a aumenta”.

Os autores contextualizam os processos sócio-cognitivos subjacentes associados à ficção literária e popular como essenciais para facilitar processos sociais centrais de vinculação com os outros e individualização; eles sugerem que estar em uma dialética constante e autodidata ajuda a sociedade a florescer. A vinculação facilita a formação e manutenção de grupos sociais através do desenvolvimento de identidades sociais e da identificação com e promulgação de papéis sociais. A individuação direciona a atenção para dentro e fomenta uma visão do mundo em termos de indivíduos únicos.

“Nesta perspectiva, uma hierarquia de ficção não tem sentido porque tanto a ligação como a individualização são necessárias não apenas no nível social para que as sociedades humanas funcionem e evoluam, mas também, quando dirigidas para dentro, para satisfazer necessidades intra-psíquicas”. 

****

Castano, E., Martingano, A. J., & Perconti, P. (2020). The effect of exposure to fiction on attributional complexity, egocentric bias, and accuracy in social perception. PLoS ONE, 15(5), e0233378. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0233378 (Link)

Medicamentos vs. Sem Medicamentos? Minha busca por liberdade da mente

0

Minha descida no sistema de saúde mental e medicação psiquiátrica começou aos 19 anos após meu primeiro ano de faculdade, primeiramente na forma de antidepressivos, depois evoluindo para estabilizadores de humor e antipsicóticos. Agora, minha história psiquiátrica é tão extensa que é como se eu estivesse envolta em um bandagem infinita, como uma múmia, medicação que cobre continuamente as minhas feridas, nunca permitindo que elas sejam expostas e cicatrizem.

Pergunto-me como as coisas ficaram tão intrincadas e íntimas, como a minha tristeza inicial e meu impulso para cometer suicídio conspiraram para transformar o meu futuro de desejável ao desolado. Como – quando comecei a entrar e sair das sessões de aconselhamento, dos consultórios de psiquiatras e das enfermarias psiquiátricas em uma base rotineira e rotativa – fiquei entorpecida, e como, à medida que meu brilho diminuía, minha curiosidade, motivação e senso de humor também diminuíam.

Eu finjo confiança na manutenção de minha sanidade com a medicação diária. Mas, na verdade, estou tão ansiosa como sempre, pois o ano cinco se aproxima. Meu padrão de insanidade retorna sempre. Vivi meu primeiro episódio psicótico em 2003 (com 21 anos), o segundo em 2006, o terceiro em 2011, e o quarto em 2017. Os quatro anos desde meu último episódio foram marcados por períodos de produtividade, paz, rotina, estabilidade, hipomania, energia, agitação, indolência e tédio, um agregado de bons e maus hábitos, um conglomerado de qualidades positivas e negativas, altos e baixos normais. Nada tem sido muito desencadeante ou estressante: nada que me mande para além do limite. Nada me fez querer renunciar à minha medicação, e nada me fez esquecer de tomar a minha medicação.

Meus episódios psicóticos estão cheios de mania, nunca de depressão, e durante um episódio, a ação reina suprema. Tomei um trem, peguei carona, me envolvi em caminhar e fugir cronicamente, joguei fora meus pertences e destruí minhas obras de arte. Fui sem teto, fui encarcerada, fui hospitalizada e, apesar de acolher certos aspectos da loucura, nenhuma dessas experiências, como um todo, foi positiva. Eu sou uma contradição ativa: senti-me como deus, senti minha vida ameaçada, senti uma espécie de liberdade última, senti-me quebrada.

No passado, quando deixei de tomar a minha medicação e tive um episódio, sempre fui colocada de volta (às vezes imediatamente, mas sempre contra a minha vontade). Por exemplo, durante o meu último episódio, um psiquiatra de uma unidade de internação hospitalar ameaçou fazer o pessoal forçar a medicação (Haldol, talvez?) através de injeção, se eu continuasse a recusar o tratamento oral. Apesar do tratamento sub-humano do psiquiatra, eu me rendi e comecei a tomar a medicação oral.

Não me sinto necessariamente desconfortável com a medicação, mas sim com a ambivalência. Hoje, continuo esta contradição ativa, muitas vezes professando uma postura anti-medicação. Eu tenho raiva pelo fato de nunca ter sido minha escolha tomá-la. Estou sempre curiosa sobre a minha capacidade de funcionar sem medicação. Estou curiosa sobre a minha natureza e personalidade, sobre as portas que imagino que se abririam para infinitas possibilidades e produtividade em série, para o êxtase incessante, se eu deixasse a medicação e evitasse os antagonistas e a agonia.

Minha experiência apóia a teoria da euforia, e sei que eu ficaria emocionalmente feliz sem a medicação. Mas o sofrimento que sofri nas mãos da autoridade (médicos e policiais) foi muito traumático para fingir que eu poderia evitar o que sempre foi inevitável, pelo menos no passado. Se eu pudesse manter um semblante de sanidade sem a minha pílula diária, eu poderia parar de pontificar e transformar o meu sonho em realidade.

Em todo meu glorioso devaneio, quando me lembro do meu cadastro, a dor retorna. Minha autoestima está envolta em uma condenação criminal de 2006, as consequências que me seguem em minha busca pela utopia. Sim, eu não estava medicada na época das ofensas. Marcada com um registro que não pode ser expungido (de acordo com a lei da Virgínia) porque me declarei culpada, não posso recuperar o meu orgulho, a minha alegria, a minha vida. Demasiado estigma. Demasiado julgamento. Demasiado de outras pessoas, imperfeitas como eu. Minha vida parece roubada, e eu estou perdida, sem um propósito.

Meu consolo é a capacidade de escrever, e embora eu possa nunca ficar rica financeiramente, posso ser rica em um talento que ninguém pode tirar de mim, e as palavras podem ser apenas o poder que preciso para reconstruir a minha autoestima e fazer reparações com tudo e com todos que perdi com a loucura.

Apesar de minha aptidão para escrever e de minhas aspirações, a medicação reduz a ação, diminui a motivação e me encontro em um estado perpétuo de procrastinação. É uma tarefa de exercício, por exemplo, e eu raramente faço algo para além do que me sinto segura. É muito parecido com preguiça. É muito parecido com passar o tempo sentada. No entanto, tenho mantido a mesma dose diária de 10 mg de Abilify durante os últimos anos. É o único medicamento que tomo e, embora esteja em conformidade, não estou satisfeita: Não me sinto inteira. Eu não me sinto autêntica.

Eu iria ao ponto de pular de um trem enquanto tomava medicamentos, ou fazia alguma coisa, qualquer coisa, ao mesmo tempo em que era regida apenas para provar que meus impulsos muitas vezes nada tinham nada a ver com medicação ou com a compostura. Minhas ações fora da medicação estão enraizadas no desejo e na sensação de grandeza, elas são de caminhar 10 milhas sem parar todos os dias até que me encontro dentro das paredes e corredores de uma unidade hospitalar, o remédio começa a fluir, subjugando minha energia inquieta, sufocando a minha engenhosidade. Saí do meu último surto psicótico, 12 kg mais leve. De certa forma, estava grata pela mania que me deixou inquieta e andando sem parar, porque olhava mais de perto para uma versão mais antiga e mais esbelta de mim mesma, uma versão suprema dos meus 20 anos quando eu estava feliz e cheia de confiança.

Descobrir minha identidade é a parte mais difícil da equação. Eu sou alguém que não conheço quando não estou medicada porque, durante a maior parte da minha vida adulta, sempre tomei medicação. E quando estou sob medicação, sou alguém que não gosto. Quando estou sob medicação, estou entorpecida. Fora da medicação, sinto a verdade. Com a medicação, sinto a falsificação. Ofende-me a maneira sutil como a medicação filtra minha identidade: a maneira como torna a minha visão embaçada, protegendo-me da sensação e mascarando minhas tristezas, a maneira como não posso dizer quem realmente sou e o que realmente quero. Embora a medicação subverta a identidade, ela impulsiona a reflexão. Sobre a medicação, penso eu. Muita coisa. E nem sempre o tipo de pensamento produtivo e saudável. É a antítese da minha natureza fisicamente ativa quando sem medicação.

Quero viver a vida sem medicamentos, o que me levaria a tomar medidas: partir, fugir, recomeçar, apenas fazê-lo: com audácia, sem medo, sem olhar para trás. Eu já o fiz antes. Já o fiz mais de uma vez. Suspeito que o farei novamente. Não posso evitar as (e)moções: o impulso que me atrai, o conforto que me frustra. Quero uma experiência alternativa, do tipo que é iluminadora, onde enfrento meus problemas, aprendo com eles e avanço de forma saudável, com as ferramentas para garantir segurança e consciência, sem toda a bruma, sem a simulação sufocante de hospitalizações, sem as impurezas da psiquiatria.

Os principais resultados aparecem de uma forma pró e contra. Reconheço a realidade de minha situação em seu estado atual e sei que não vou renunciar à administração de medicamentos num futuro próximo, mesmo lutando diariamente com consentimento e contentamento.

Aos 20 anos, o mundo estava na ponta dos meus dedos. Aos 39 anos, eu não tenho nada para mostrar. Tudo o que faço agora é me perguntar o que estaria fazendo e onde estaria se conseguisse alcançar a crista e me acalmar no ritmo, com equilíbrio, o suficiente para escapar do sistema cíclico de medicamentos e psiquiatria. Eu vacilo no momento, sem saber se quero estender meu cadastro. Tirar as possibilidades é como gargarejar água salgada morna.

Gargarejo. Gargarejo. Engolir. Soa como um vulcão ativo pronto para entrar em erupção.    Penso sobre o futuro, não sobre o passado, não sobre a memória, aquele sinal astuto de imaginário versus real. Enquanto as lembranças me provocam, eu me regurgito.

Passo mais tempo pensando em como não quero estar sob medicação do que estabelecendo um hábito de escrita ou me envolvendo em ‘hobbies’ ou promovendo uma rotina mais produtiva. Estou muito distraída com o gosto salgado da nostalgia.

Escrever está sempre em minha mente (como minhas tramas para fugir ou quebrar o ciclo da medicação diária), mas nunca se torna uma realidade. As histórias que me sinto obrigada a documentar por sua pura singularidade são as mais difíceis de contar porque me levam de paisagens brilhantes a interiores escuros. Você deveria escrever um livro, mais de um amigo já me disse, mas eu luto para contar e moldar estas histórias que deprimem minha mente e enfraquecem meu coração. Às vezes eu ganho, mas nunca por muito tempo. Cinqüenta Primeiros Esboços que se aproximam, eu brinco, mas é verdade: cada vez que me sento para escrever, começo de novo.

Eu continuo a tomar um comprimido todas as manhãs para domar o intangível. O medo me encara e a liberdade me seduz, e eu sonho com o meu verdadeiro eu, quem eu sou (quando não estou medicada e não sofro com a retirada da medicação), minha natureza e personalidade. Quero abraçar meu tipo selvagem, quer seja inclinar-me para o sol, brilhante como um girassol, ou soprar ao vento como um papo de um dente-de-leão. Estou antecipando o dia em que meu corpo se torne fluente na linguagem do meu cérebro; quando eles cooperarem – o físico e o mental, quando eu não for mais um estranho para mim mesma. É romântico, até mesmo uma espécie de fetiche a que reverto, este ideal, sempre consciente de meu objetivo final: a liberdade da mente.

***

Mad in Brasil recebe blogs de um grupo diversificado de escritores. Estes posts são projetados para servir como um fórum público para uma discussão- em termos gerais -da psiquiatria e seus tratamentos. As opiniões expressas são as próprias dos escritores.

EPISÓDIO # 9

0
20 minutos com a TV MIB

Negacionismo e as ameaças democráticas na produção de patologias

Businessman burying his head in the sand into desert by cloudy day - 3D render

A CPI do genocídio foi prorrogada por mais noventa dias. No Brasil, continuamente assistimos estupefatos às declarações de corrupção na gestão da pandemia. Propinas, acordos escusos que foram firmados às custas da vida de mais de meio milhão de brasileiros. Enquanto os brasileiros precisavam de vacina, estava no balcão do governo  a propina associada à compra e venda de vacinas.  Medidas mais firmes são levantadas a todo tempo na CPI como pedidos de prisão temporária, preventiva e até mesmo em flagrante, crime contra a vigilância sanitária, prevaricação, corrupção passiva, epidemia dolosa.  As gravíssimas declarações realizadas na CPI perfilam a estreita associação entre os escândalos e o “familiarismo” deflagrado no Palácio do Planalto.

Businessman burying his head in the sand into desert by cloudy day – 3D render

O familiarismo em política pressupõe a fantasia social compartilhada da família como núcleo de relações hierárquicas naturalizadas, “não problemáticas”, da autoridade baseada no amor e na devoção. Em núcleos deste tipo os lugares sociais de autoridade e submissão são lugares naturais. Essa sobreposição das relações econômicas sociais complexas à lógica da “casa” não visa apenas à produção ideológica de ilusões de naturalidade dos modos de circulação e produção de riquezas. Ela visa à sobreposição fantasmática entre o corpo social e o corpo do pai, dos irmãos. Sobreposição esta que deve produzir docilidade em relação à autoridade (Safatle, 2020). Esta lógica aproxima a política da lógica religiosa, regida pela fé, pela crença, pelo imaginário. Aspectos que fogem da explicativa racional baseada em argumentos.

Contudo, algo ruiu. O corpo, o pai, a autoridade autoproclamada aos quatro ventos, o mito. Podemos observar fendas e rachaduras profundas que prenunciam o desmantelamento do governo.

O desmoronamento paulatino da narrativa anticorrupção que, mais uma vez, foi utilizada para a ascensão de um poder autoritário, vem produzindo uma reação diametralmente oposta no que se refere a saúde: a redução das taxas de mortes por covid-19 e a ampliação vacinal.  Neste momento histórico, parece haver um forte antagonismo entre a saúde enquanto cuidado com a população, valorização da vida e, de outro lado, as ações do poder executivo.  Os ataques frequentes à saúde, à saúde pública e a defesa ferrenha de tratamentos “mágicos”, sem embasamento científico, expressavam uma das principais tônicas do negacionismo brasileiro.

O uso político do negacionismo não se encerra na concepção de negacionismo científico. Este mecanismo contamina e se expande como negação dos direitos humanos, negação da gravidade da doença e da morte, negação como mentira e manipulação da realidade em prol de um discurso político-econômico que expressa a mescla entre o neoliberalismo predatório e o discurso fascista. Negacionismo que se utiliza de artifícios psicológicos como o medo, a insegurança e o ressentimento para enraizar profundamente seus alicerces sociais nas bases frágeis da nossa democracia.

Corremos o sério risco do não reconhecimento da legitimidade das eleições presidenciais em 2022. O ressentimento foi depositado nas urnas em 2018, sob a forma de voto, com a secreta esperança de vingança. O ressentimento ainda ressoa e produz efeitos sociais desastrosos.

Pensamos com Kehl (2020) que o ressentido é um escravo de sua impossibilidade de esquecer, vive em função de sua vingança adiada, de modo que em sua vida não é possível abrir lugar para o novo. Como se trata de um vingativo passivo, seu silêncio acusador e suas queixas contínuas mobilizam confusos sentimentos de culpa no outro. O ressentido acusa, porém, não está seriamente interessado em ser ressarcido do agravo que sofreu. A dívida permanece impagável: a compensação reivindicada é da ordem de uma vingança projetada no futuro. Uma fantasia de vingança adiada. O ressentimento seria fruto de uma espécie de solução de compromisso entre os prazeres de cobrar uma dívida não na mesma moeda em que ela foi gerada, mas ao preço do sofrimento do credor. Impedido de vingar-se diretamente, o ressentido aposta na vingança imaginária que lhe permitiria gozar do sofrimento daquele que o ofendeu sem ter que se confrontar com sua própria crueldade.

No âmbito individual e coletivo, o ressentido vive a repetição de um gozo preso na pulsão de morte em vez dos variados prazeres possíveis na dinâmica de pulsão de vida.  Para compensar a renúncia autoimposta, consola-se acreditando estar no caminho certo, no caminho do bem. Cidadãos de bem. Conservadores ressentidos. Aqueles que lutam pelo retorno nostálgico de um tempo em que eram felizes. A aspiração nostálgica daquilo que não foi, que não aconteceu, faz com que se negue tudo o que não corrobora com a fantasia compartilhada.

A economia moral neoliberal produz os seus descontentes.

Se no neoliberalismo há desarticulação do bem comum, fica claro na pandemia que ninguém se salva sozinho. O ideal meritocrático, o empresariado de si, a concepção privatista da saúde cai por terra quando se pensa que a vacina funciona enquanto ação coletiva de solidariedade.

Outra questão que deve ser cuidadosamente considerada quando falamos de negacionismo é o problema da subnotificação. Sabemos que os dados referidos ao número de mortes são indispensáveis para organizar os hospitais e as UTI, para saber se a estrutura sanitária existente é apropriada ou deve ser ampliada. Conhecer os dados sociodemográficos das vítimas da doença auxilia na implementação de políticas públicas de prevenção e assistência. No entanto, cada vez parece evidente o problema da subnotificação. Por exemplo, no estado de Santa Catarina, foi recentemente publicado um artigo elaborado por pesquisadores da UFSC que aponta com dados muito claros a existência de subnotificação de casos de Covid-19 no estado (Caponi, 2020).

O artigo, denominado “Estimativa da subnotificação de casos da Covid-19 no estado de Santa Catarina”, propõe duas abordagens sistêmicas para estimar os valores da subnotificação do número de óbitos e de indivíduos infectados por Sars-CoV-2. O estudo confronta a ocorrência de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) registrados nas primeiras 16 semanas epidemiológicas de 2020 (até 26 de abril) com o número de casos confirmados de Covid-19 para o mesmo período em Santa Catarina em anos anteriores. O estudo indica que esse aumento de casos pode ter direta relação com Covid-19, ainda que não tenham sido notificados como doentes da pandemia, mas como pacientes com SRAG, indicando a existência de uma clara subnotificação (Bruna-Romero; Carciofi, 2020; Caponi, 2020).

Hoje, por tratar-se de uma pandemia, parece necessário que os governos assumam o respeito às normativas e regulações internacionais estabelecidas por instâncias como a OMS, a Opas ou a Comissão Interamericana de direitos humanos da ONU. No entanto, dia a dia se multiplicam os argumentos que, desconhecendo os direitos humanos fundamentais, estabelecem parâmetros e pautas sobre quem deve e quem não deve ser assistido, legitimando decisões não éticas sobre a vida e a morte (Caponi, 2020).

De acordo com as diretrizes da ONU relativas ao combate à pandemia de Covid-19, o momento representa um verdadeiro desafio global que exige o respeito irrestrito às normas de direitos humanos. Considera que os valores do conhecimento científico devem prevalecer sobre as fakenews, os preconceitos e a discriminação (Caponi, 2020).

No artigo de Pedro Hallal do dia 25/05/2021 para a Folha de São Paulo intitulado “O negacionismo mata” são salientadas as denominadas cidades suicidas. Para sua análise, Hallal retoma os dados estarrecedores trazidos a público pelo jornalista Ricardo Mendonça no Valor Econômico: 5.570 cidades brasileiras foram divididas de acordo com o percentual de votos em Bolsonaro no segundo turno das eleições presidenciais de 2018. Em 108 cidades, Bolsonaro teve menos de 10% dos votos, em 833 cidades teve entre 10% e 20% dos votos, e assim sucessivamente, até chegar nas 214 cidades nas quais Bolsonaro teve entre 80% e 90% dos votos e na única cidade em que Bolsonaro teve 90% ou mais dos votos em 2018.

De posse dessas informações, o passo seguinte foi analisar a quantidade de casos e de mortes por Covid-19 em cada uma das 5.570 cidades. Os dados são de livre acesso, tanto pelo Painel Coronavírus do Ministério da Saúde quanto pelo DataSUS. Nas 108 cidades em que Bolsonaro teve menos de 10% dos votos, o número de casos é de 3.781 por 100.000 habitantes. A quantidade de casos sobe linearmente até atingir 10.477 casos por 100.000 habitantes nas cidades em que Bolsonaro teve entre 80% e 90% dos votos e 11.477 casos por 100.000 habitantes na cidade em que Bolsonaro teve 90% ou mais dos votos. Os dados para mortes são igualmente chocantes. A mortalidade varia de 70 mortes por 100.000 habitantes nas cidades em que Bolsonaro teve menos de 10% dos votos, até a mortalidade de 313 por 100.000 habitantes na única cidade em que Bolsonaro fez 90% dos votos ou mais no segundo turno das eleições de 2018.

Mais do que os resultados isoladamente, o que chama atenção é a escadinha observada nos gráficos. Ou seja, o morador de uma cidade na qual Bolsonaro venceu o segundo turno das eleições de 2018 tem três vezes mais risco de morte por Covid-19 do que o morador de uma cidade em que Bolsonaro foi derrotado com folga. Assim, podemos afirmar que o negacionismo adoece e mata.

Instrumentos da necropolítica foram utilizados fartamente: a liberação de armas, o discurso negacionista, lentidão proposital na aquisição das vacinas e a corrupção vinculada à compra de vacinas. Lógica do “nós versus eles” operou e opera tanto na gestão da pandemia como nos sujeitos inseridos neste tipo de laço social.

Na compreensão de Dunker (2015) houve uma substituição dos condomínios psiquiátricos, carcerários e cronificantes, baseados no modelo de longa internação e recolhimento hospitalar por um modelo de racionalidade diagnóstica adaptada às exigências do capitalismo à brasileira. Essa nova forma de gestão do mal-estar está centrada na produção de espaços de exclusão e anomia de um lado e na definição de condomínios de classificação diagnóstica flexível, de outro. São zonas artificiais de contenção, de excitação, de anestesia e de separação que funcionam como muros de proteção contra o mal-estar e zonas de exceção contra o sofrimento. Esses muros de proteção também compartimentalizaram a realidade.

A pandemia de coronavírus evidencia que, assim como a educação, a saúde não pode ser pensada compartimentalizada e nem em termos neoliberais de investimento e capital. A saúde não é um bem de mercado que deve ser adquirido na medicina privada, deixando a saúde pública para aqueles que não podem pagar. A pandemia ensina que, como afirma o sociólogo italiano Domenico De Masi (2020), nosso planeta é “uma grande aldeia unida por infortúnios”.

Referências

Caponi, S. (2021). Biopolítica, necropolítica e racismo na gestão da covid-19. Revista Porto das letras, 7(2), 21-44.

Caponi, S. (2020). Covid-19 no Brasil: entre o negacionismo e a razão neoliberal. Estudos Avançados34(99), 209-223. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.013

Dunker, C. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma. São Paulo: Boitempo.

Hallal, P. (2021). O negacionismo mata. Folha de São Paulo.

Kehl, M. R. (2020). Ressentimento. São Paulo: Boitempo.

Safatle, V. (2020). Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autentica.

Noticias

Blogues