Fabricantes de Risperdal Processados na Justiça pelo Desenvolvimento de Mama em Meninos

0
1036
Barbara Liston
Barbara Liston

Andrew Yount, de Tennessee, era um paciente com quatro anos de idade com problemas de comportamento e um diagnóstico de TDAH, quando seu médico prescreveu Risperdal, no verão de 2003.

A droga era um poderoso antipsicótico para adultos, comercializada de forma agressiva para as crianças pela Johnson & Johnson (J&J) para atingir o objetivo de vendas de bilhões de dólares por ano.

No Natal, depois que Andrew tomou Risperdal durante quatro meses, as fotos de férias mostram que este menino pré-escolar havia desenvolvido seios como os de uma jovem nas fases iniciais da puberdade.

O médico que prescreveu Risperdal para Andrew não sabia o que os estudos da J & J mostravam: que a droga elevava os níveis do hormônio prolactina que desencadeava o crescimento de seios femininos, conhecido como ginecomastia, em uma porcentagem significativa de meninos que tomavam o remédio.

E uma vez que o crescimento dos seios foi iniciado, não há mais volta.

“Havia sido disparado o processo, e as células começam a fazer o que elas devem fazer. Quer dizer, elas continuarão a crescer de forma desproporcional “, disse Mark Solomon, um especialista médico no efeito colateral da ginecomastia de Risperdal, que foi testemunha do caso Andrew em um tribunal de Filadélfia em junho de 2016.

Hoje, aos 18 anos, Andrew é um homem completamente adulto com peitos pendurados em tamanho 42D.

E ele não é o único. Milhares de meninos e jovens estão indo aos tribunais de todo o país para processar a J & J pela ginecomastia causada por tomar Risperdal quando crianças pequenas. A condição é irreversível, exceto pela remoção cirúrgica.

Risperdal Boys_1
Pedro from Tampa

Coletivamente, eles se tornaram conhecidos como os Meninos Risperdal, depois que um punhado dos homens agora crescidos concordaram em participar de uma sessão de fotos e entrevistas para ajudar a divulgar a sua história. O resultado está publicado no risperdalboys.com.

Alguns dos Meninos Risperdal ganharam processos judiciais e veredictos contra a J & J, incluindo um julgamento de US$ 76 milhões no caso Yount em 2016. Foi o maior pagamento até o momento. Os veredictos baseiam-se na questão de saber se a comunidade médica foi devidamente avisada sobre os efeitos colaterais da ginecomastia provocados pelo Risperdal.

A J & J tem se recusado vigorosamente a reconhecer a sua responsabilidade e insiste em que os consumidores foram devidamente avisados sobre os efeitos colaterais.

Os Meninos Risperdal são vítimas de uma estratégia enormemente lucrativa usada pela J&J e outras empresas farmacêuticas para aumentar a receita, ao conseguirem que os médicos prescrevam seus medicamentos para pacientes para quem a droga nunca havia sido previamente planejada. São os chamados medicamentos prescritos “fora do rótulo”, e isso significa que os pacientes são transformados, em essência, em cobaias ao tomarem um medicamento que nunca foi comprovado ser seguro ou eficaz para sua condição médica.

Que as empresas farmacêuticas são motivadas muito mais por lucros do que por compaixão é evidenciado pela falta de acompanhamento das empresas para determinar se esses pacientes fora do rótulo se beneficiaram ou foram prejudicados pela droga.

No caso de Risperdal, a agência FDA aprovou a droga em 1993 para tratar esquizofrênicos adultos. Mas a porcentagem de esquizofrênicos na população dos EUA é muito pequena para a droga ganhar dinheiro segundo os padrões da Johnson & Johnson. Assim, no final da década de 1990 e no início dos anos 2000, a equipe de marketing da J & J se concentrou em convencer os médicos a prescrever Risperdal para dezenas de milhares de crianças pequenas com uma variedade de problemas de comportamento, segundo testemunhos.

Embora seja ilegal que as empresas farmacêuticas comercializem uma droga para um grupo não aprovado pela FDA, os médicos podem prescrever drogas como acharem conveniente.

A FDA rejeitou explicitamente vários pedidos da J & J para aprovar a droga para crianças, porque a empresa não tinha dados suficientes para mostrar que seria seguro, de acordo com o depoimento do ex-comissário da FDA, David Kessler.

De acordo com a Lei 360 publicada on-line, Kessler também declarou no tribunal que “cerca de 20% do Risperdal prescrito antes do início dos anos 2000 foi usado em crianças e adolescentes”.

Além das crianças, a J & J incentivou os médicos a prescrever Risperdal fora do rótulo para idosos com demência, de acordo com o Departamento de Justiça dos EUA. Risperdal não obteve a aprovação da FDA para uso em idosos, e descobriu-se mais tarde que essas pessoas estiveram sob um risco aumentado de derrame cerebral depois de tomar a droga.

A J & J pagou US $ 2,2 bilhões em 2013 para liquidar reivindicações criminais e civis pelo Departamento de Justiça dos EUA, por haver pago propinas aos médicos para prescreverem Risperdal e outras drogas fora do rótulo e para conseguirem com que esses médicos persuadissem a seus colegas médicos para que fizessem o mesmo. Na liquidação, a J & J pagou multas por violações da lei e responde a processos civis com base na Lei de Reclamações Falsas, de acordo com o DOJ. O caso foi um dos maiores procssos de fraude em saúde na história dos EUA. Denunciantes de dentro da empresa tinham avisado aos agentes federais do que vinha se passando.

“J & J e a Janssen sabiam que Risperdal apresentava certos riscos para a saúde das crianças, incluindo o risco de níveis elevados de prolactina, um hormônio que pode estimular o desenvolvimento mamário e a produção de leite. No entanto, um dos Objetivos do Manual de Estratégia da da Janssen era crescer e proteger a quota de mercado da droga junto a pacientes infantis / adolescentes. Janssen instruiu seus representantes de vendas a recorrer a psiquiatras infantis, bem como a instalações de saúde mental que tratavam principalmente de crianças, comercializando Risperdal como um medicamento seguro e eficaz para sintomas de vários distúrbios da infância, como transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, desordem desafiadora de oposição, transtorno compulsivo-obsessivo e autismo “, afirmou o DOJ em comunicado de imprensa.

No mesmo ano, a empresa reportou vendas mundiais totais de US $ 71,3 bilhões, de acordo com um comunicado de imprensa da empresa.

Se penalidades de bilhões de dólares estão sendo contabilizada pela indústria farmacêutica como algo que implica em um custo aceitável para fazer negócios, o cálculo não leva em conta o custo das vidas irreparavelmente danificadas.

O dano aos Meninos Risperdal não é apenas físico, mas emocional e psicológico.

Tão cedo quanto com seis anos, Andrew estava se recusando a tirar a camisa na frente de seu próprio médico.

Riperdal Boys_2
Eddie from Oklahoma

Eddie, de Oklahoma, participou do documentário fotográfico, descrevendo como o bullying o levou a se retirar para um mundo solitário, ficando sozinho em casa em frente a uma tela de vídeo.

“Eu tinha mamilos maiores do que a maioria das meninas no ensino médio”, disse Eddie no documentário Risperdal Boys.

Ele teve a sorte de que SoonerCare de Oklahoma viesse a pagar sua mastectomia.

Alguns dos Risperdal Boys descrevem as suas tentativas para amarrar seus seios para torná-los menos visíveis, e não encontrando ninguém para namorar. Depois de ter sido abordado primeiramente por uma menina e depois por um menino em sala de aula, Arturo de Pontiac disse que deixou a escola e nunca mais voltou.

Como J & J sempre minimizou a conexão entre Risperdal e ginecomastia, Isaiah, de Flint, passou por testes de câncer antes que seus médicos, buscando encontrar uma resposta para desenvolvimento incomum de sua mama, descobrissem os níveis elevados de prolactina.

Talvez um dos mais conhecidos dos Risperdal Boys seja Austin Pledger, um jovem homem do Alabama em seus 20 anos. Sua mãe Benita falou por ele no tribunal durante seu julgamento contra J & J. A família do Austin ganhou o primeiro veredicto do júri contra J&J – um jurado na Filadélfia concedeu a Austin US $ 2,5 milhões.

A mãe do Austin, Benita, lembra da primeira receita preenchida para Risperdal, em 2002, quando seu filho tinha oito anos de idade, como tratamento para a irritabilidade associada ao autismo. O médico que prescreveu Risperdal para Austin recebeu o completo tratamento de comercialização do Risperdal apresentado pelo representante local de vendas da subsidiária da J & J e Janssen. O representante de vendas visitou o médico pelo menos 20 vezes, duas vezes mais vezes que Austin viu o médico, de acordo com testemunhas.

Austin ficou em Risperdal por cinco anos. Quando era adolescente, Austin tinha seios femininos cheios.

No julgamento, Benita descreveu como Austin colocava uma toalha sobre seus peitos quando ele saia do chuveiro, para que assim não os visse quando de frente ao espelho, e como ele uma vez bateu intencionalmente seus seios contra a mesa da sala de jantar.

J & J reconheceu em seu relatório anual de 2016 que a empresa enfrenta 18.500 ações judiciais pessoais em todo o mundo relacionadas ao Risperdal. Muitos dos meninos precisam de ajuda para pagar uma cirurgia plástica dispendiosa para desfazer o dano da droga.

De todos os pedidos de Risperdal apresentados contra a J & J, pelo menos três são conhecidos por terem sido resolvidos pela empresa na véspera do julgamento.

Risperdal Boys_3
Arturo from Pontiac

Desde o caso de Yount, os juízes do tribunal de delito de massa da Filadélfia impediram que quatro casos chegassem a um júri por motivos técnicos. As quatro decisões estão sob recurso. A J & J também está apelando dos veredictos contra a empresa.

Haverão mais casos Risperdal nos próximos meses.

Os novos casos trarão o tipo de publicidade que a J & J não precisa, com as recentes semanas a mostrar manchetes preocupantes. Bloomberg informou que a J & J perdeu seis dos sete maiores veredictos sobre a responsabilidade do produto em 2016. Além do julgamento de $ 76 milhões de Yount, os jurados deram ganho de causa a dois pacientes para implante de quadril, em um total de US $ 1,5 bilhão, além de três mulheres que alegando que o talco da empresa havia causado câncer de ovário obtiveram quase que US$ 200 milhões. Alguns dos veredictos foram reduzidos pelos juízes, e alguns devem ser apelados. A empresa reconhece mais de 100 mil processos judiciais pendentes, incluindo casos envolvendo alegações de que seu diluidor de sangue Xarelto causa sangramento não controlado e que a sua malha pélvica se deteriora e causa danos internos. Bloomberg informou que 17 casos de responsabilidade por produtos contra a empresa envolvendo morte e lesões foram esperados para julgamento em 2017.

Deixe uma resposta