Aplicativos de saúde mental podem levar a sobrediagnóstico, descobre estudo

Um novo estudo descobriu que os aplicativos de saúde mental promovem uma visão unidimensional da saúde mental.

0
201

Peter SimonsUm novo estudo, publicado em Annals of Family Medicine, mostra que os aplicativos de saúde mental (aplicativos móveis – geralmente para um smartphone ou tablet) promovem uma visão unidimensional da saúde mental. De acordo com a análise, os aplicativos assumem que o usuário não tem estressores externos e, portanto, atribuem a responsabilidade de melhorar a saúde mental somente ao usuário. Os pesquisadores sugerem que essa mensagem pode levar ao sobrediagnóstico das respostas emocionais normais aos estressores reais como sendo “problemas de saúde mental”.

Aplicativos

Aplicativos de saúde mental, como Pacificae Breathing Zone, estão se tornando cada vez mais populares. No entanto, muito poucos aplicativos de saúde mental foram avaliados em ensaios clínicos para o tratamento de problemas de saúde mental. A grande maioria dos aplicativos destinados a esse propósito não foi avaliada cientificamente e há pouca ou nenhuma evidência científica para sua eficácia.

A pesquisa foi liderada por Lisa Parker, da Universidade de Sydney. Segundo Parker e seus colegas, a mensagem promovida por esses aplicativos parece ser a de melhorar o enfrentamento dos estressores comuns da vida. Os aplicativos analisados promoveram a ideia de que “neurofisiologia anormal” estava levando o usuário a responder de forma anormal após pequenos estressores. Os aplicativos não incluíram informações sobre trauma, eventos negativos da vida ou outros estressores externos contextuais que poderiam afetar o bem-estar mental, e “apenas alguns aplicativos implicaram sintomas de saúde mental que podem ser uma reação normal ao estresse externo”.

De acordo com os pesquisadores, nos aplicativos, “Explicações sobre saúde mental focadas em respostas anormais aos gatilhos leves” – é um foco que os pesquisadores dizem que deixa de fora os estressores reais enfrentados pela maioria das pessoas com problemas de saúde mental, como desemprego ou baixo emprego, problemas financeiros, problemas de relacionamento, perda de entes queridos ou o trauma da agressão sexual. Em vez disso, as preocupações com a saúde mental foram retratadas como uma incapacidade pessoal de agir ou sentir-se “normal”.

Na verdade, os usuários “normais” dos aplicativos de saúde mental investigados são consistentemente retratados como brancos, empregados e em uma família – para apoiar esse foco em “respostas anormais aos gatilhos leves”. Os métodos de aprimoramento fornecidos por esses aplicativos incluem “Relaxamento, orientação cognitiva e automonitoramento” – e os pesquisadores questionam se essas estratégias são suficientemente poderosas isoladamente para permitir mudanças positivas na saúde mental.

Dos 61 aplicativos examinados pelos pesquisadores, mais da metade (61%) usou “autoridade científica vaga” como uma justificativa: como o uso das palavras “clinicamente comprovado” pelo Breathing Zonee o uso de dois aplicativos usando a linguagem de seus produtos – sem fornecer qualquer citação ou link para tais estudos.

Os aplicativos usaram “linguagem moralizadora” para incitar o usuário, como afirmar que, se o usuário “falava sério” sobre querer melhorar, o usuário deveria usar o aplicativo. Os aplicativos também frequentemente sugeriram que seu produto poderia ajudar “de forma rápida e fácil”. No entanto, quase a metade (49%) “fornecia isenções de responsabilidade, isentando-se da responsabilidade. Por exemplo, “Não damos representação ou garantias sobre a exatidão, integralidade ou adequação para qualquer finalidade [de nosso] conselho” (Pacifica). ”

Os pesquisadores sugerem que apresentar as inquietações que afetam a saúde mental como sendo universais, ignorando os potenciais estressores externos, e apresentando o usuário como branco, empregado e em uma família segura e amorosa, é um equívoco problemático no desenvolvimento de aplicativos e que pode levar à estigmatização dos estados emocionais normais e produzir o sobrediagnóstico.

“Diagnosticar sintomas leves ou temporários como doença, em que o diagnóstico não traz benefícios para o paciente, é problemático. Pode levar a tratamentos desnecessários e desviar recursos daqueles que realmente precisam de ajuda. Além disso, a falta de diversidade na representação de usuários e estressores pode alienar pessoas com sérias necessidades”.

****

Parker, L., Bero, L., Gillies, D., Raven, M., Mintzes, B., Jureidini, J., Grundy, Q. (2018) Mental health messages in prominent mental health apps. Ann Fam Med, 16(4), 338-342. https://doi.org/10.1370/afm.2260. (Link)

Deixe uma resposta