Psicólogos emitem diretrizes para abordar a Marginalização Econômica

A Associação Americana de Psicologia emite novas diretrizes para a terapia com pessoas de baixa renda que enfrentam a marginalização econômica.

0
350

Um resumo do Conselho de Representantes da APA, publicado no American Psychologist, fornece diretrizes para psicólogos que trabalham com indivíduos de baixa renda e grupos economicamente marginalizados (LIEM *) nas áreas de Educação e Treinamento, Desigualdades na Saúde, Considerações sobre Tratamento, Preocupações com a Carreira e Desemprego.

Além disso, duas recomendações transsectoriais são oferecidas: (1) a intersecção de status econômico e outras identidades afeta a saúde psicológica; (2) preconceitos e estigma exacerbam as experiências negativas. Esse relatório há muito esperado contribui com informações essenciais para profissionais de saúde comportamental e pesquisadores sobre como trabalhar com grupos LIEM.

“O objetivo de estabelecer o termo LIEM é chamar a atenção para a importância contextual da marginalização econômica, não como um identificador ou uma medida absoluta de status socioeconômico”, escreve a força-tarefa da APA sobre questões LIEM.


O status socioeconômico afeta uma ampla gama de questões de saúde, tais como tratamento da dor, fornecimento de tratamento terapêutico, suicídio e maus resultados de saúde mental de forma mais geral.

O primeiro domínio se concentra em garantir que os psicólogos recebam treinamento e educação adequados, especialmente tendo em vista que a maioria dos psicólogos está distanciada das questões de status socioeconômico e não vem de origens de baixa renda. Para cumprir este domínio, os psicólogos devem esforçar-se para entender como os preconceitos pessoais relacionados à classe social podem impactar o treinamento e a educação que eles proporcionam. Os psicólogos também devem aumentar seu conhecimento e compreensão das questões de classe social através da educação contínua, treinamento, supervisão e consulta.

O segundo domínio centra-se no reconhecimento dos vínculos entre os resultados adversos à saúde e o status socioeconômico. Os psicólogos são chamados a compreender a contribuição da marginalização econômica e social para as substanciais disparidades de saúde em nossa sociedade. Além disso, os psicólogos devem se esforçar para promover a equidade no acesso a cuidados de saúde de qualidade disponíveis para as pessoas de origem LIEM.

O terceiro domínio incorpora evidências anteriores indicando que as dificuldades financeiras impactam a entrega e eficácia do tratamento psicológico nas diretrizes de melhores práticas. Como parte deste domínio, os psicólogos devem reconhecer a presença da classe social como um aspecto influente dos ambientes de tratamento de saúde mental.

Os psicólogos também devem procurar compreender as barreiras que impedem que pessoas com baixo status socioeconômico tenham melhor acesso aos cuidados de saúde mental e fazer esforços para aliviar tais barreiras no fornecimento de tratamento psicológico. Além disso, os psicólogos se beneficiariam com a compreensão das apresentações clínicas comuns que podem ser mais prováveis de ocorrer entre pessoas em situações LIEM e aprenderiam a melhor maneira de abordar estas questões dentro dos ambientes de tratamento.

O quarto domínio discute a intersecção da identidade do LIEM com as preocupações profissionais e o desemprego, com o entendimento de que o trabalho é um caminho para o poder e o bem-estar econômico através do aumento dos seus recursos. Os psicólogos poderão estar cientes das questões intersetoriais ao construir uma compreensão do impacto da classe social no sucesso acadêmico, nas aspirações de carreira e no desenvolvimento da carreira ao longo da vida.

Outra maneira que os psicólogos podem navegar nesta interseção é procurando entender a interação entre insegurança econômica, desemprego e subemprego e tentando contribuir para os processos de reemprego dos indivíduos. A força-tarefa escreve:

” Neste documento, a força-tarefa apresentou recomendações para a prática competente com as populações LIEM. Independentemente destas recomendações, se a crescente desigualdade econômica e a meritocracia permanecerem como status quo inquestionável no mundo ocidental, estas diretrizes continuarão a ser aspiracionais. É nossa crença que os psicólogos devem ver a injustiça econômica sistêmica como uma contradição direta ao bem-estar mental e não simplesmente um aspecto imediato da vida das pessoas. Quando os psicólogos vêem a marginalização econômica com a mesma importância que outros fatores psicossociais, estas diretrizes passarão de aspiracionais a promulgadas”.

****

Juntunen, C. L., Pietrantonio, K. R., Hirsch, J. K., Greig, A., Thompson, M. N., Ross, D. E., & Peterman, A. H. (2022). Guidelines for psychological practice for people with low-income and economic marginalization: Executive summary. American Psychologist, 77(2), 291–303. https://doi.org/10.1037/amp0000826. (Link)

—–

  • LIEM = low-income and economically marginalized

[trad. e edição Fernando Freitas]