Manual de psiquiatria crítica, capítulo 1: Por que um manual crítico de psiquiatria?

0
1374

Nota do editor: Nos próximos meses, a Mad in Brasil publicará uma versão serializada do livro de Peter Gøtzsche, Manual de Psiquiatria Crítica. Neste blog, o autor apresentará o livro. A cada quinze dias, uma nova seção do livro será publicada e todos os capítulos estão arquivados aqui. 

•••

Estudantes de medicina, psicologia, psiquiatria e profissionais de saúde de uma forma geral aprendem sobre psiquiatria lendo manuais psiquiátricos. Eles geralmente acreditam no que leem e o reproduzem em suas provas. Portanto, é muito importante que as informações transmitidas nesses livros de psiquiatria estejam corretas.

E esse é o problema. Há uma enorme divisão entre a narrativa psiquiátrica oficial e o que a ciência mostra. Muito do que os principais psiquiatras dizem e escrevem sobre a confiabilidade dos diagnósticos psiquiátricos; as causas dos transtornos psiquiátricos; se eles podem ser vistos em uma varredura do cérebro ou na química do cérebro; e quais são os benefícios e malefícios das drogas psiquiátricas, eletrochoque e tratamento forçado está incorreto. Isso foi amplamente documentado por psiquiatras críticos e outros.1-11

A discrepância entre opinião e ciência também é prevalente em livros de psiquiatria. As próximas gerações de profissionais de saúde irão, em detrimento de seus pacientes, aprender ao longo dos seus estudos o que é comprovadamente incorreto. É por isso que um manual crítico de psiquiatria é necessário.

Mais do que em qualquer outra especialidade, a psiquiatria é uma disciplina onde é de extrema importância ouvir os pacientes, que é a base do sistema diagnóstico. Mas quando a questão é sua própria prática, os psiquiatras raramente estão dispostos a ouvir, embora o público em geral tenha experimentado que a psiquiatria, como é praticada atualmente, faz mais mal do que bem.

Uma pesquisa com 2.031 australianos mostrou que as pessoas pensavam que antidepressivos, antipsicóticos, eletrochoque e internação em uma ala psiquiátrica eram mais prejudiciais do que benéficos.12 Os psiquiatras sociais que fizeram a pesquisa ficaram insatisfeitos com as respostas e argumentaram que as pessoas deveriam ser treinadas para chegar à “opinião certa”. 

Mas eles estavam errados? Acho que não. Como mostrarei neste livro, suas opiniões estão de acordo com as informações científicas mais confiáveis que temos.

Temos uma situação em que os “clientes”, os pacientes e seus familiares, não concordam com os “vendedores”, os psiquiatras. Quando este é o caso, os provedores geralmente são rápidos em mudar seus produtos ou serviços, mas isso não acontece na psiquiatria, que tem o monopólio do tratamento de pacientes com problemas de saúde mental e tem os médicos de família como sua complacente equipe de vendas na linha de frente, que não fazem perguntas desconfortáveis sobre o que estão vendendo.

Você pode se perguntar quem eu sou e por que deveria confiar em mim e não nos psiquiatras que escrevem livros didáticos. Bem, não é uma questão de confiança, mas de quem tem os argumentos mais válidos. E isso cabe a você decidir. Tentei ajudá-lo documentando cuidadosamente porque concluo que algumas afirmações nos livros didáticos estão erradas e dissecando pesquisas para explicar o motivo de alguns trabalhos serem mais confiáveis do que outros.

O debate sadio e sem preconceitos sobre questões essenciais na psiquiatria é raro. Quando os defensores do status quo não têm contra-argumentos válidos contra as críticas de suas práticas, eles não respondem às críticas, mas atacam a credibilidade de seu oponente.7 Se você fizer perguntas a seus professores com base neste livro ou em outros livros6-8 ou artigos científicos que escrevi, você pode encontrar respostas como, “Gøtzsche? Nunca ouvi falar dele” (mesmo sabendo quem eu sou), “Não perca seu tempo com ele”, “O professor Gøtzsche é psiquiatra? Ele já tratou de pacientes psiquiátricos? Como ele pode julgar o que nós fazemos”? Ou dirão que “Gøtzsche é um antipsiquiatra”, que é o derradeiro pseudo-argumento que os psiquiatras usam.7 (página 16)

Você não deve aceitar tais respostas, mas sempre pedir as evidências.

Além disso, acho que tenho as credenciais necessárias para criticar a psiquiatria. Provavelmente sou o único dinamarquês que publicou mais de 75 artigos nos “cinco grandes” periódicos (BMJ, Lanceta, JAMA, Anais de Medicina Interna e New England Journal of Medicine) e meus trabalhos científicos foram citados mais de 150.000 vezes. Sou especialista em clínica médica e já trabalhei em várias especialidades, incluindo cardiologia, endocrinologia, hematologia, hepatologia, gastroenterologia, doenças infecciosas e reumatologia.

Eu faço pesquisas em psiquiatria desde 2007 e postei minhas credenciais em relação a esta especialidade em meu site, scientificfreedom.dk (veja em About, Staff). Resumindo, tive cinco alunos de doutorado em psiquiatria; fui testemunha especialista em sete processos judiciais psiquiátricos em sete países diferentes; recebi 12 prêmios ou outras honrarias acadêmicas; publiquei nove livros ou capítulos de livros; publiquei 30 artigos em revistas médicas com revisão por pares e 128 outros artigos; e já ministrei mais de 200 palestras em encontros e cursos.

Levei anos de estudo minucioso para descobrir que o ponto principal da psiquiatria é que ela faz mais mal do que bem,1,5-8 que também é o que o público em geral nos diz.12 Isso torna a especialidade única e o termo “sobrevivente da psiquiatria” diz tudo.8 Em nenhuma outra especialidade médica alguns pacientes se autodenominam sobreviventes no sentido de que sobreviveram apesar de serem expostos a essa especialidade. Eles lutaram muito para encontrar uma saída de um sistema que raramente é útil e que muitos sobreviventes descrevem como aprisionamento psiquiátrico ou como sendo uma instituição onde há uma porta de entrada, mas não uma porta de saída.

Em outras especialidades médicas, os pacientes agradecem por terem sobrevivido devido aos tratamentos que seus médicos aplicaram a eles. Nunca ouvimos falar de um sobrevivente de cardiologia ou de um sobrevivente de doença infecciosa. Se você sobreviver a um ataque cardíaco, não ficará tentado a fazer o contrário do que seu médico recomenda, mas em psiquiatria, como você verá neste livro, você pode morrer ou ficar permanentemente incapacitado se fizer o que seu médico lhe disser para fazer. 

Muitos sobreviventes psiquiátricos descreveram como a psiquiatria, com seu uso excessivo de drogas nocivas e ineficazes, roubou 10 ou 15 anos de suas vidas até que um dia eles decidiram tomar de volta da psiquiatria a responsabilidade por suas vidas e descobriram que a vida é muito melhor sem drogas. Eles costumam dizer que o que os acordou foi que leram alguns dos livros sobre psiquiatria dos psiquiatras David Healy,2 Joanna Moncrieff, 3,4 Peter Breggin,11  do jornalista científico Robert Whitaker 1,5, ou os meus. 6-8

Em 2014, psiquiatras noruegueses escreveram sobre o que chamaram de taxa “alarmantemente alta de descontinuação” de pílulas para psicose em pacientes com esquizofrenia, 74% em 18 meses.13 Os psiquiatras argumentaram que “os médicos precisam estar equipados com estratégias de tratamento que otimizem o tratamento contínuo com medicamentos antipsicóticos”. Se os psiquiatras tivessem escutado seus pacientes, eles teriam percebido que essas drogas deveriam ser evitadas como terapia de longo prazo.

Quando os alunos forem aprovados nos exames, defenderão com unhas e dentes o que aprenderam. É um traço curioso da psicologia humana que, uma vez que você tenha se decidido, mesmo quando estiver em sérias dúvidas, defenderá vigorosamente sua posição quando alguém provar que a outra opção era a correta.14

Os livros didáticos universitários são, portanto, uma ferramenta poderosa para a doutrinação – para chegar à “opinião certa” mesmo quando ela está errada. Por exemplo, 21 dos 36 manuais (58%) usados por estudantes na Holanda que discutem a anatomia do cérebro têm seções sobre TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade) com generalizações inadequadas ou afirmações ambíguas.15

Os principais psiquiatras e suas organizações propagam consistentemente a desinformação em palestras, na mídia, em sites e em artigos científicos.1-8 Você pode se perguntar se isso é realmente verdade. Infelizmente, é, mas cada vez mais psiquiatras críticos perceberam isso e trabalham para mudar as práticas psiquiátricas. Sou membro do grupo mais importante, Critical Psychiatry Network, fundado por Joanna Moncrieff com base no Reino Unido. Trocamos ideias diariamente em uma lista de e-mail e discutimos como podemos contribuir para reformar a psiquiatria.

Em 2021, tive a ideia de que se eu lesse e avaliasse os manuais mais usados na Dinamarca e escrevesse meu próprio manual explicando o que havia de errado com os outros, isso poderia abrir os olhos dos alunos em todos os lugares. Não se espera que os livros didáticos dinamarqueses sejam diferentes daqueles de outros países porque a psiquiatria convencional é a mesma em todos eles. Espero que outros pesquisadores analisem os livros didáticos usados em seus países como eu fiz.

Ao ler esses livros, pode ser difícil perceber o que não está lá, mas que deveria ter sido mencionado. Antes de iniciar a leitura, portanto, descrevi em um protocolo o que acredito que deveria ser mencionado nos livros de psiquiatria.

As questões centrais que escolhi são aquelas de importância óbvia para os pacientes e aquelas consideradas controversas, por exemplo, se os distúrbios psiquiátricos podem ser vistos em uma varredura cerebral. As questões secundárias em meu protocolo eram causas de transtornos psiquiátricos, diagnósticos, benefícios de drogas, danos causados por drogas, retirada de drogas psiquiátricas, estigmatização, consentimento informado, psicoterapia e outras intervenções psicossociais e eletrochoque. Como existem centenas de diagnósticos psiquiátricos, concentrei-me em psicose, depressão, transtorno bipolar, TDAH, transtornos de ansiedade e demência.

Identifiquei os cinco livros de psiquiatria na Dinamarca mais usados por estudantes de medicina e psicologia e avaliei se as informações apresentadas sobre causas, diagnóstico e tratamento eram adequadas, corretas e baseadas em evidências confiáveis. Os livros didáticos eram em dinamarquês, tinham um total de 2.969 páginas e foram publicados entre 2016 e 2021.16-20

Os autores incluíam alguns dos mais proeminentes professores dinamarqueses de psiquiatria, mas os livros estavam longe de serem baseados em evidências. Freqüentemente, eles contradiziam as evidências mais confiáveis; vários grupos de autores às vezes forneciam mensagens contraditórias até mesmo dentro do mesmo livro; e a forma como usavam as referências era insuficiente. Tive a clara impressão de que quanto mais implausíveis as alegações, menor a probabilidade de serem referenciadas.

O pior livro em termos de prevalência de declarações seriamente enganosas ou errôneas não tinha uma única referência de literatura e todos os editores e autores eram psiquiatras.18 Os outros quatro livros tinham uma bibliografia ao final de cada capítulo, mas muitas vezes sem ligação com o texto. Portanto, eu precisava adivinhar quais das referências eram relevantes para as declarações feitas, quando havia. Às vezes, havia apenas o nome de uma pessoa e um ano no texto, sem artigo ou livro correspondente na bibliografia. Nesses casos, tentei encontrar a referência relevante em uma pesquisa bibliográfica no PubMed.

Dois livros didáticos eram mais confiáveis do que os outros três. Em um deles, um psicólogo era um dos dois editores,17 e o outro livro tinha, principalmente, psicólogos como autores.20

Acrescentei um número de página às referências dos livros didáticos e, muitas vezes, também às referências de outros livros para mostrar onde as informações podem ser encontradas. Assim, 17:919 significa a página 919 daquele manual (ou, em alguns casos, 1-2 páginas adiante, quando a informação aparecia em várias páginas).

As drogas psicotrópicas foram desenvolvidas com base em experimentos com ratos e selecionadas caso perturbassem o cérebro normalmente funcional do rato.7:229,21 Os comprimidos não nos curam, eles simplesmente nos mudam causando uma ampla gama de efeitos nas pessoas, como todas as substâncias neuroativas, incluindo drogas de rua. E eles não são de forma alguma visados. Não há nada particularmente seletivo sobre os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs). Este termo foi inventado pela SmithKline Beecham para dar à paroxetina uma vantagem sobre outras drogas, mas foi adotado por todas as empresas.2 Existem receptores de serotonina em todo o corpo e as drogas têm muitos outros efeitos além do aumento da serotonina, como por exemplo, podem afetar a transmissão de dopamina e noradrenalina e podem ter efeitos anticolinérgicos.22 As drogas nem sequer visam a depressão. Portanto, não é surpreendente que uma revisão da Cochrane tenha descoberto que o alprazolam, uma antiga benzodiazepina, teve melhor desempenho do que o placebo e um desempenho semelhante aos comprimidos tricíclicos para depressão.23

As drogas psiquiátricas funcionam mais ou menos da mesma maneira, seja suprimindo reações emocionais para que as pessoas fiquem entorpecidas e prestem menos atenção a perturbações significativas em suas vidas, seja estimulando-as. 2,5,21

Portanto, evitarei a nomenclatura convencional para drogas. É enganoso chamar as pílulas usadas para depressão de “antidepressivos” e as pílulas usadas para psicose de “antipsicóticos”. Essas drogas não são “anti-” alguma doença.7:227 O “anti-” também confere uma associação aos antibióticos, que salvam vidas, mas os medicamentos psiquiátricos não salvam vidas; eles tiram muitas vidas.7:307 Além disso, ao contrário dos antibióticos, eles não têm propriedades específicas para doenças.3,4,7,24

Portanto, falo sobre pílulas para depressão e pílulas para psicose, que não dão falsas promessas. Se quisermos reformar a psiquiatria, primeiro precisaremos mudar a narrativa psiquiátrica e parte dessa narrativa é a semântica. Pela mesma razão, falarei sobre os malefícios das drogas e não sobre os efeitos colaterais das drogas, o que é um eufemismo, pois os efeitos colaterais às vezes são agradáveis.

***

Para ver a lista de todas as referências citadas, clique aqui .

***

Mad in America hospeda blogs de um grupo diversificado de escritores. Essas postagens são projetadas para servir como um fórum público para uma discussão – em termos gerais – da psiquiatria e seus tratamentos. As opiniões expressas são próprias dos escritores.

•••

 

Leticia Paladino : Graduada em Psicologia pela UERJ, doutoranda em Saúde Pública pela ENSP/Fiocruz, mestre em Saúde Pública pela ENSP/Fiocruz e especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela ENSP/Fiocruz.  Pesquisadora e Colaboradora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial (LAPS/ENSP/Fiocruz).