Resenha: WHITAKER, “Anatomia de uma Epidemia: pílulas mágicas, drogas psiquiátricas e o aumento assombroso da doença mental”

0
3012
 CAMILAA revista Saúde Debate publicou uma resenha feita por Mariana Pande e Paulo Amarante sobre o livro Anatomia de uma Epidemia, do jornalista estadunidense Robert Whitaker, que trata da complicada e controversa relação entre drogas psiquiátricas e saúde mental, o processo de construção do que é “transtorno mental” segundo supostas bases científicas, e a intervenção da indústria farmacêutica nesse processo.

Os autores da resenha desdobram o processo de argumentação feita por Whitaker, quem utilizou três recursos metodológicos: comparação histórica; revisão abrangente das evidências ao longo das últimas décadas sobre o uso de psicofármacos; e, por último, entrevistas com cerca de 30 pessoas com experiências de uso de diferentes psicotrópicos.  Através desse intenso estudo, o autor mostra que o ‘mito do desequilíbrio químico’ dos transtornos mentais é resultante da aliança dos interesses corporativos da Psiquiatria e da Indústria Farmacêutica, assim como nos são mostrados os efeitos nocivos e iatrogênicos do uso de psicofármacos a médio e longo prazo. Um livro já traduzido em diversos idiomas e disponível nos mais diversos país. Leitura obrigatória, sobretudo para quem quer entender o que se passa atualmente no chamado campo de saúde mental.

Leia a resenha completa aqui.

Artigo anteriorTerapia Existencial Ajuda os Pacientes a Abandonar Drogas Psiquiátricas
Próximo artigoJim Gottstein: Patient Rights in Mental Healthcare
Graduada em Psicologia pela UERJ, especialista em Terapia Familiar pelo IPUB/UFRJ, com ênfase em saúde mental. Pesquisadora auxiliar do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz Antonio Ivo de Carvalho (CEE/Fiocruz) e Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial(LAPS/ENSP/Fiocruz) Produtora e apresentadora do podcast Enloucast. Além de atuar como psicóloga clínica. Áreas de interesse: Saúde Mental, Terapia Sistêmica, Diálogo Aberto, Construcionismo Social, Medicalização e Patologização da vida