Estão os efeitos colaterais dos medicamentos aumentando as taxas de depressão?

Um novo estudo descobriu que mais de um terço dos americanos estão tomando remédios que podem causar sintomas depressivos como efeito colateral.

0
174

De acordo com uma nova pesquisa, entre 2013 e 2014, 38,4% dos adultos tomaram uma medicação que lista a depressão como um possível efeito colateral, e 9,5% receberam três ou mais desses medicamentos. Cerca de 23,5% tomaram uma droga que listou o aumento de tendências suicidas como efeito colateral. Os pesquisadores descobriram que o uso dessas drogas estava associado a pessoas que desenvolviam depressão e tendências suicidas.

“O uso de medicamentos prescritos que têm depressão como um potencial efeito adverso foi comum e associado a uma maior probabilidade de depressão concomitante”, escrevem os pesquisadores.“

main-qimg-3e099682bc79417cea01ddc1bec87ba0-300x281A pesquisa, publicada no Journal of American Medical Association(JAMA), foi liderada por Dima M. Qato, PharmD, MPH, PhD, no Departamento de Sistemas de Farmácia, Resultados e Política, Universidade de Illinois em Chicago, e também incluiu Katherine Ozenberger, da mesma instituição, bem como Mark Olfson, psiquiatra e especialista em saúde pública da Universidade de Columbia, em Nova York.

Numerosos medicamentos incluem depressão e tendências suicidas como um possível efeito colateral, incluindo contraceptivos hormonais, betabloqueadores, inibidores da bomba de prótons, medicamentos ansiolíticos e, paradoxalmente, ‘antidepressivos’ enquanto tais.

Os pesquisadores descobriram que as taxas de depressão eram mais altas naqueles que tomavam medicamentos que listavam a depressão como um dos seus efeitos colaterais. Eles controlaram vários outros fatores, incluindo sexo, raça, idade, nível educacional, status socioeconômico, estado civil, emprego e várias condições médicas (por exemplo, hipertensão, câncer, diabetes e muitos outros).

Os autores também controlaram potenciais confusões e causalidade reversa usando um método estatístico chamado análise de sensibilidade. Por exemplo, os pesquisadores realizaram análises adicionais para testar se a remoção daqueles que usavam medicamentos psicotrópicos alteraria o resultado ou se a remoção daqueles com hipertensão (que também está associada à depressão) alteraria o resultado. Em todos esses casos, a associação entre uso de medicamentos e depressão continuou sendo estatisticamente significativa.

Esses resultados indicam que, mesmo ao remover potenciais casos que poderiam causar provocação (como outros psicotrópicos ou pessoas com doenças ligadas à depressão), ainda havia uma ligação entre o uso de medicamentos e o desenvolvimento de depressão.

A conexão entre essas drogas e a depressão foi ainda mais poderosa para pessoas que tomavam três ou mais medicamentos que tinham depressão como efeito colateral. Na verdade, de acordo com os pesquisadores, cerca de três vezes mais pessoas que tomaram três ou mais desses medicamentos desenvolveram depressão quando comparadas àquelas que não usavam esses medicamentos:

“A prevalência estimada de depressão foi de 15% para aqueles que relataram o uso de 3 ou mais medicamentos com depressão como um efeito adverso vs 4,7% para aqueles que não usam tais medicamentos”.

O achado deles não foi meramente devido ao uso de medicamentos em geral – não houve diferença nos sintomas de depressão entre aqueles que não tomaram medicamentos e aqueles que tomaram até três remédios que não tiveram depressão como efeito colateral. Assim, apenas drogas com depressão listadas como efeito colateral foram associadas ao desenvolvimento de depressão.

De acordo com os pesquisadores, alguns desses medicamentos estão disponíveis sem prescrição médica (como os inibidores da bomba de prótons e contraceptivos de emergência) nos EUA, e a bula muitas vezes não é completa o suficiente para descrever a associação desses medicamentos com depressão e suicídio. Assim, os consumidores podem não estar cientes de que os medicamentos que estão tomando podem ser responsáveis por seu estado emocional alterado.

Além disso, os pesquisadores observam que os pedidos de rastreamento para depressão se expandiram consideravelmente – mas os instrumentos de rastreamento não perguntam sobre possíveis efeitos colaterais dos medicamentos. Assim, a triagem para depressão pode resultar em alguém recebendo um diagnóstico de depressão (e potencialmente recebendo antidepressivos) quando o que está acontecendo é que eles estão experimentando o efeito colateral de outro medicamento.

****

Qato, D. M., Ozenberger, K., Olfson, M. (2018). Prevalence of prescription medications with depression as a potential adverse effect among adults in the United States. JAMA, 319(22), 2289-2298. doi:10.1001/jama.2018.6741 (Link)

Deixe uma resposta