ECT explicado por um engenheiro – CET (Certified Engineering Technologist)

0
305

Quando as pessoas que sustentam as crenças da moderna psiquiatria ocidental defendem e tentam explicar a eletroconvulsoterapia(ECT), anteriormente conhecida como terapia de eletrochoque, geralmente dizem algo como: “Não sabemos como funciona. Apenas sabemos que funciona”. Isso é completamente compreensível, já que aqueles que trabalham nesse campo raramente têm treinamento em teoria elétrica ou segurança, diferentemente daqueles que trabalham com danos elétricos ou aqueles que realmente usam eletricidade para modalidades terapêuticas, como os fisioterapeutas.

As pessoas que trabalham no campo da psiquiatria moderna ocidental provavelmente dirão o mesmo dos computadores: “Não sabemos como funcionam. Nós apenas sabemos que eles funcionam.”  É claro que, se eles soubessem mesmo como os computadores realmente funcionam, eles nunca sugeririam que a ECT é como“ reinicializar o cérebro”, que é uma analogia muito comum usada na ‘psiquiatria’ ocidental moderna. A sugestão de reinicializar o cérebro de uma pessoa da maneira como um computador é reinicializado seria horrível para qualquer um familiarizado com os computadores e com o processo de reinicialização. Alguém pode ser tentado a sarcasticamente responder a tais sugestões e explicações com: “Qual sistema operacional você pretende carregar quando você reiniciar o meu cérebro?” Ou: “Quanto tempo vai demorar para recarregar todos os dados em meu cérebro que eu adquiri ao longo da minha vida? E onde estão esses dados salvos enquanto meu cérebro está sendo reinicializado para que possa ser recarregado?”

Photoshopped cover of the ‘Pink Shirt Book,’ which describes the boot process of the IBM PC

Aqueles treinados em teoria elétrica e computadores, como o autor deste blog, que tem a formação de um Certified Engineering Technologist (CET), teriam que concordar que as explicações da moderna psiquiatria ocidental sobre a ECT parecem confirmar que eles “não sabem como funciona”. No entanto, o uso do termo eletroconvulsivo, em vez de eletrochoque, parece sugerir que eles entendem mais sobre como ele funciona do que agora estão dispostos a admitir abertament

O termo “terapia de eletrochoque”, apesar da palavra choque ter relevância também no campo dos danos elétricos, é incorreto porque um estado fisiopatológico de choque não é o objetivo real, mas sim induzir uma convulsão tônico-clônica, também chamada de grande mal, associada à perda súbita da consciência. Isso é mais evidente em outras assim chamadas “terapias de choque” por serem realmente terapias convulsivas, como aquelas que induziam convulsões com pentylenetetrazol ou flurothyl. Assim, a ‘eletroconvulsoterapia’ descreve mais corretamente o que é alcançado com esse tratamento.

Do ponto de vista dos danos elétricos, o termo ‘terapia de eletrochoque’ também é impreciso porque o choque elétrico abrange até mesmo pequenas correntes que seriam imperceptíveis ou que produziriam apenas uma leve sensação de formigamento. Tais choques elétricos são normalmente inofensivos, embora possam assustar alguém e, inadvertidamente, resultar em uma lesão, causando algum outro acidente. Se, no entanto, um choque elétrico for forte o suficiente para causar convulsões, ele estará bem além do que é inofensivo e as próprias convulsões são evidência de lesão. Assim, a palavra eletroconvulsiva implica corretamente que uma lesão elétrica é o objetivo.

A combinação da palavra eletroconvulsivo com a palavra terapia parece não fazer muito sentido, exceto talvez para evocar a dissonância cognitiva. Se um dano elétrico do cérebro é ou não terapêutico, entretanto, será abordado mais adiante neste blog, quando a perspectiva muda da ciência elétrica para uma compreensão ‘ortodoxa‘ da psique humana, que está além do domínio das ciências empíricas.

E é para Electro

Uma compreensão científica dos efeitos da eletricidade no corpo humano apenas começou a existir a partir da última metade do século XX. Charles F. Dalziel, professor de engenharia elétrica e ciências da computação da Universidade da Califórnia, em Berkeley, foi pioneiro no entendimento do choque elétrico e estabeleceu os padrões para entender a lesão elétrica. Além de seu livro Os Efeitos do Choque Elétrico no Homem, publicado em 1956 pela Comissão de Energia Atômica e Proteção contra Incêndios dos Estados Unidos, ele também inventou o interruptor de circuito de falha de terra (GFCI), conhecido no Reino Unido como dispositivo de corrente residual (RCD), em 1961. Enquanto seu trabalho inovador tem impedido muitos ferimentos e mortes, como se passa com toda a ciência nossa compreensão da eletricidade e os danos elétricos provocados aumentou muito desde então e continua a aumentar.

Se essa compreensão do choque elétrico e do dano elétrico da segunda metade do século XX houvesse ocorrido na primeira parte do século XX, a eletroconvulsoterapia (ECT) provavelmente nunca teria sido aceita pela medicina ocidental moderna. Infelizmente, a ECT foi inventada e aceita pela medicina ocidental moderna antes que uma compreensão científica dos efeitos da eletricidade no corpo humano tivesse sido estabelecida. Ter a ECT aprovada como segura por qualquer órgão regulador responsável teria sido muito mais difícil após a publicação do livro do professor Dalziel, porém a ECT já havia sido aceita com amplo uso na época.

Em 1902, Leduc de Nantes demonstrou a possibilidade de colocar animais em uma condição que ele chamou de “sono elétrico” ou “inibição cerebral”, enviando corrente constante intermitente através de uma parte do sistema nervoso central. Zimmern e Dimier replicaram o estudo de Leduc em 1903 com correntes transcerebrais e concluíram que essa “inibição cerebral” era um coma pós-epiléptico. Os primeiros casos de cirurgia em animais com eletroanestesia foram em 1907, mas as primeiras décadas de eletroanestesia sempre estiveram associadas a contrações musculares, choque cerebral, hemorragia cerebral, hipertermia, arritmias cardíacas e convulsões. Devido a esses efeitos colaterais intensos, o interesse pela eletroanestesia diminuiu.

Frederic Batelli, fisiologista em Genebra, foi o primeiro, em colaboração com Jean-Louis Prévost, a alcançar a desfibrilação do coração pela eletroestimulação. No entanto, ele também documentou ser capaz de induzir convulsões através da eletroestimulação do cérebro. Ele assumiu que isso era inofensivo, embora seus experimentos em induzir fibrilação ventricular com menos eletricidade fossem obviamente fatais se a desfibrilação com maiores correntes de eletricidade não fosse alcançada.

Foi esse trabalho de Batelli que levou Ugo Cerletti e Lucio Bini a usar a eletricidade em 1938 para induzir uma convulsão em um humano. Eles assumiram que era seguro porque Cerletti tinha testemunhado os porcos sendo anestesiados usando choque elétrico em um matadouro romano. Se um animal não fosse imediatamente abatido, acabaria por recuperar a consciência e se afastaria, o que assegurava a Cerletti que tal procedimento era seguro para uso em humanos. Aparentemente, ele não estava ciente de que a eletroanestesia não era aceita para uso em cirurgia devido aos efeitos colaterais acima mencionados, mas tais efeitos colaterais eram irrelevantes se a eletroanestesia fosse usada apenas para facilitar o abate de um animal. Assim, a ECT foi inventada e se tornou popular sem qualquer compreensão real dos efeitos do choque elétrico no cérebro, a não ser que uma corrente elétrica que geralmente era fatal quando aplicada ao coração não era fatal quando aplicada ao cérebro.

Se a corrente elétrica através do contato corpo-a-corpo causava ou não fibrilação ventricular era a principal preocupação delineada no livro de Charles Dalziel de 1956. O valor dado naquele livro para essa quantidade relativa de corrente elétrica era de 50 mil amperes. No entanto, tão pouco quanto 30 mil amperes poderiam causar fibrilação ventricular e quase todo mundo que fez alguma mecânica automotiva experimentou pelo menos um choque elétrico em excesso de 50 mil amperes sem experimentar fibrilação ventricular. Assim, a quantidade de eletricidade não é o único fator. No entanto, comparando os 50 mil amperes citados por Charles Dalziel com os 500 a 900 mil amperes citados nas especificações das máquinas de ECT, qualquer um poderia ter pensado mais de duas vezes sobre se era seguro ou não.

Os fisioterapeutas são treinados em teoria e segurança elétrica porque usam correntes que podem ser potencialmente prejudiciais. No entanto, o alcance de uma máquina TENS típica é de 0 a 80 mil amperes, com algumas máquinas fornecendo saídas de até 100 mil amperes. Isto é muito menor do que os 500 a 900 mil amperes de máquinas de ECT, mas os fisioterapeutas ainda são ensinados a não usar TENS diretamente na coluna vertebral ou transcerebrais (ou seja, através da cabeça) por medo de possíveis danos neurológicos adversos.

A Corrente Pulsada de Alta Tensão (HVPC) é usada para estimular a cicatrização de feridas, aliviar a dor e facilitar a resolução de edema. Como ela usa entre 150 e 500 volts, pode ser comparado ao ECT, já que a ECT tem um limite de corte de 450 volts. No entanto, o HVPC usa pulsações que são menores que 200 microssegundos, enquanto o ECT moderno usa pulsações em excesso de 250 ou 300 microssegundos, geralmente até 1000 ou 2000 microssegundos. Assim, o fluxo de corrente através do tecido será médio para um nível muito baixo no HVPC, enquanto será muito maior na ECT.

Até mesmo a carga elétrica fornecida pela Taser é menor do que a fornecida pela ECT. No entanto, a teoria elétrica necessária para comparar a carga fornecida pela ECT com a carga de um Taser parece confusa e complicada para um leigo, assim como a teoria necessária para comparar ECT com HVPC e TENS parecerá confusa e complicada para um leigo. Além disso, esses números não têm necessariamente uma correlação direta com a quantidade ou o tipo de dano causado a uma pessoa. No entanto, uma coisa é obviamente certa sobre a ECT: ela causa convulsões.

C é para convulsivo

Uma pessoa, a quem chamaremos de ‘George’ para manter seu anonimato, já teve uma série seguida de ECT por vários anos e acompanhada pr vários testes com drogas. Depois de reduzir todos os medicamentos e terminar esse tratamento, ele continuou a sofrer intermitentemente alguns sintomas estranhos, especialmente à noite. Ele esperava que esses sintomas acabassem por ser resolvidos, mas eles continuaram a piorar ao longo dos anos e por mais períodos longos de tempo. Tornou-se tão ruim que às vezes ele precisava de três ou quatro horas para o sono perdido ou mesmo de uma soneca de 20 minutos, e isso durava alguns dias de cada vez. Ele suspeitava que isso se devesse a algumas das várias drogas que ele havia usado, mas lhe foi sugerido que estas poderiam ser convulsões noturnas devido à série de ECT que ele teve anos antes.

Ele pediu para ver um neurologista e consegui encontrar um. A essa altura, ele percebeu que a comunidade médica é relutante em investigar possíveis efeitos colaterais negativos da chamada psiquiatria, especialmente aqueles da ECT. (Talvez isso possa começar a mudar depois do recente processo que resultou na advertência da Somatics, LLC de “dano cerebral permanente” em suas novas divulgações de risco de 19 de outubro de 2018.) George tinha ouvido falar de pessoas perdendo oportunidades para uma apropriada avaliação médica, depois que passou a ser conhecido que elas tinham sido prescritas para ECT.

Felizmente para George, ele já havia trabalhado em um campo que envolvia eletricidade. Na medida em que o neurologista nunca revia seu histórico médico, ele esperava que, ao mencionar algo sobre seu trabalho anterior e que sofrera uma lesão elétrica na cabeça, ele receberia uma avaliação médica adequada. Este plano foi bem sucedido e as crises noturnas foram descartadas; no entanto, antes de ser enviado para fazer seu EEG, o neurologista disse algumas coisas muito reveladoras e afirmativas para George.

Depois de admitir que George havia recebido um dano elétrico em um acidente de trabalho clínico, o neurologista lhe perguntou se ele havia convulsionado. George ficou surpreso com essa pergunta e ficou surpreso que parecia ser a principal questão para determinar a gravidade da lesão elétrica. Obviamente, George confirmou que havia convulsionado, o que pareceu impressionar o neurologista com a seriedade com que George fora ferido.

Ele também havia explicado ao neurologista que, no momento de sua consulta, ele estava a apresentar os sintomas acima mencionados todas as noites. O neurologista disse que era altamente improvável que fossem convulsões noturnas e acrescentou: “Se você tivesse crises noturnas diárias, teria um QI de 60 e obviamente não é o seu caso”.

Embora haja muita coisa desconhecida sobre as crises epilépticas, os neurologistas e, presumivelmente, todos os outros profissionais de saúde estão bem conscientes de que elas são acompanhadas por danos cerebrais e subsequente redução do QI de uma pessoa.

Uma pessoa, a quem chamaremos de ‘Alice’ para manter o anonimato, recebeu uma série de ECT, após o que ela começou a receber ECT de manutenção a cada três semanas. Embora protocolos diferentes tenham sido e sejam usados, uma série de ECT geralmente consiste de dois a três tratamentos por semana durante três a seis semanas. Quando uma pessoa se recuperou inicialmente de uma série de ECT, muitas vezes uma única ECT deve ser administrada para renovar os efeitos recebidos da série da ECT, que é repetida assim que a recuperação inicial é novamente atingida, o que geralmente leva de duas a quatro semanas. No caso de Alice, ela recebeu uma série de onze ECTs durante o período de um mês, que foi seguido por ECT a cada duas semanas, depois a cada quatro semanas, tornando-se bastante consistente a cada três semanas.

Depois de receber ECT de manutenção por quatro anos, ela seguiu uma sugestão para tentar um psiquiatra diferente. Este novo psiquiatra enviou-a para uma avaliação neurológica para determinar se ela deveria continuar com a ECT. Foi essa consulta com um neurologista que realmente começou a abrir os olhos do marido sobre a ECT.

Alice explicou ao marido que outra mulher que estava recebendo ECT de manutenção na mesma clínica teve que parar a ECT depois que uma avaliação neurológica determinou que ela havia acumulado muito dano cerebral e não podia mais se arriscar com a ECT. O marido de Alice achou isso bastante perturbador, mas achou ainda mais perturbador que sua esposa não achasse isso perturbador. Ela indicou que todos os pacientes que receberam ECT de manutenção estavam cientes de que também poderiam eventualmente acumular muito dano cerebral e teriam que descontinuar a ECT. Elas viam isso como algo indesejável, porque precisariam depender apenas de medicamentos, que eram menos eficazes e produziam efeitos colaterais piores. Esse raciocínio deixou perplexo o marido de Alice, porque todos esses pacientes também tomavam medicamentos e a interrupção da ECT não parecia alterar em grande parte o protocolo de medicação.

Alice disse ao marido que ele não deveria repetir o que ela lhe dissera porque as pessoas não entenderiam. Seu marido, no entanto, começou a entender muito claramente que sua esposa estava em uma situação muito abusiva, assim como todos os outros pacientes. Alice passou na avaliação neurológica e continuou a ECT sob seu novo psiquiatra. Levou um bom tempo e um grande esforço, mas o marido de Alice conseguiu deter o protocolo de manutenção da ECT e de medicação de Alice. Alice tinha diminuído seu último remédio com sucesso, um mês antes mesmo de saber. O marido continuou a reduzir a dose depois que ela se recusou a continuar e, no último mês, ela estava tomando cápsulas vazias.

Três dias depois de Alice ter inconscientemente descontinuado seu último medicamento, ela tinha uma consulta com seu psiquiatra. Seu psiquiatra admitiu abertamente que estava confuso sobre o porquê de Alice estar se saindo muito melhor. Ela havia interrompido a ECT mais de seis meses antes e, até onde Alice e seu psiquiatra sabiam, ela estava tomando uma dose de medicação abaixo do ‘limiar terapêutico’. O psiquiatra de Alice estava confuso sobre por que Alice continuava mostrando melhora, quando ela havia efetivamente interrompido toda a terapia, especialmente porque ela não havia mostrado nenhuma melhora real nos anos imediatamente anteriores ao término do tratamento psiquiátrico.

O marido de Alice estava confuso sobre por que alguém que era inteligente o suficiente para passar pela faculdade de medicina parecia não ter nenhum senso de pensamento racional ou pensamento crítico. Era óbvio para o marido de Alice: Alice estava se saindo melhor porque tinha seis meses de recuperação da lesão cerebral traumática causada pela ECT e havia parado de ingerir neurotoxinas. É claro que a confusão experimentada pelo psiquiatra de Alice não tinha nada a ver com a falta de inteligência, mas com convicções delirantes que suspendem o pensamento racional. Embora haja evidências que sugerem que pelo menos alguns, se não muitos, no campo da moderna psiquiatria ocidental estão cientes do que estão realmente fazendo.

Além de usarem o exemplo da reinicialização de um computador para explicar a ECT, os chamados profissionais de ‘saúde mental’ também costumam comparar a importância de tomar medicamentos ‘psiquiátricos’ com a importância da insulina para os diabéticos. O interessante de tal comparação é que os chamados ‘antipsicóticos’ eram originalmente chamados de neurolépticos porque supostamente realizavam o mesmo que os ataques epilépticos. No entanto, a insulina é importante para os diabéticos para evitar que sofram um choque diabético e tenham convulsões, que todos os profissionais de saúde sabem que causam danos neurológicos. Assim, esses medicamentos chamados ‘psiquiátricos’ foram especificamente destinados a causar o que a insulina para diabéticos deve prevenir: danos cerebrais.

(Nota: aparentemente algumas clínicas estão testando diabéticos para possíveis sintomas de transtorno bipolar porque as estatísticas mostram que o diabetes é frequentemente comorbidade com transtorno bipolar. O mais bizarro sobre essas estatísticas é que alguns medicamentos bipolares são conhecidos por causar diabetes, que resulta na estatística do transtorno bipolar com alta comorbidade com diabetes.)

É muito estranho que outros campos da medicina tentem prevenir o que a psiquiatria ocidental moderna especificamente causa com suas terapias, mas não reconhecem ou tratam as doenças que causam (além de coisas como o diabetes). A pesquisa e o tratamento da lesão elétrica, especialmente a lesão elétrica difusa (DEI), contradiz claramente a desinformação que a corporação médica fornece ao público em geral sobre a ECT. Os sintomas reconhecidos de lesões elétricas, muitas vezes a partir de correntes elétricas menores do que as usadas na ECT e não com a cabeça estando no caminho direto da corrente, são quase sempre descartados quando são resultado da ECT. Muitos dos sintomas experimentados por pessoas que receberam ECT, mas especificamente negados pela comunidade médica, estão listados neste estudo científico sobre lesão elétrica difusa (DEI):

Embora a comunidade médica pareça estar muito relutante em reconhecer o óbvio, talvez um apelo deva ser feito aos profissionais nesse campo. O código de ética de todas as associações profissionais de engenheiros e tecnólogos impediria que qualquer pessoa projetasse, fabricasse e mantivesse máquinas de ECT sem arriscar sérias ações disciplinares. No entanto, para aqueles que não são tecnicamente inclinados, simplesmente o fato de que dano cerebral suficiente seja feito, pela ECT, para induzir uma convulsão deve ser evidência suficiente de que a ECT não é uma terapêutica, mas que o tratamento, por natureza abusivo, causa lesão corporal.

T é para terapia

Jeffrey A. Lieberman tem algumas coisas muito interessantes a dizer sobre o campo da moderna psiquiatria ocidental em seu livro Shrinks: The Untold Story of Psychiatry. Ao escrever sobre quando estava na faculdade de medicina durante a década de 1970, ele escreveu: “Naquela época, a maioria das instituições psiquiátricas estava obscurecida pela ideologia e ciência duvidosa, atolada em uma paisagem pseudomédica onde os devotos de Sigmund Freud se apegavam a todas as posições de poder. ”

Esse relato sombrio de sua profissão na década de 1970 é contrastada por sua descrição de sua profissão no século XXI: “Pela primeira vez em sua longa e notória história, a psiquiatria pode oferecer tratamentos científicos, humanos e eficazes (sic) àqueles que sofrem de doença mental. Tornei-me presidente da Associação Americana de Psiquiatria em um momento de virada histórica na minha profissão. Enquanto escrevo isso, a psiquiatria está finalmente assumindo seu lugar de direito na comunidade médica, depois de uma longa estadia no deserto científico. Impulsionada por novas pesquisas, novas tecnologias e novos insights, a psiquiatria não tem apenas a capacidade de se erguer das sombras, mas a obrigação de se levantar e mostrar ao mundo sua luz revitalizadora ”.

Se negligenciarmos os tons abertamente religiosos, sem mencionar que o “ponto de inflexão histórico” que ele mencionou foi apenas em maio de 2013, essas declarações da introdução de seu livro descrevem claramente o tema: “… a psiquiatria progrediu de um campo que não o fez. Não há realmente nenhuma base científica … ”(as próprias palavras de Lieberman ao promover seu livro). A história da ECT demonstra claramente que a ECT foi desenvolvida e se tornou popular sem qualquer base científica, além de que não resulta em morte imediata, e que os danos cerebrais silenciam os sintomas da doença mental.

Em seu livro, Lieberman não discute nenhuma das ciências reais envolvidas na ECT, além de mencionar alguns dos protocolos adicionais introduzidos para reduzir o dano físico causado pelas convulsões e o caminho direto da corrente elétrica. “A colocação estratégica dos eletrodos em locais específicos na cabeça” determina qual parte do cérebro recebe toda a carga da máquina de ECT e, portanto, a concentração de dano cerebral. No entanto, sua sugestão de que “tecnologias aprimoradas permitem que a ECT seja calibrada individualmente para cada paciente, de modo que a quantidade mínima absoluta de corrente elétrica seja usada para induzir uma crise” parece contradizer a literatura de vendas da Somatics, LLC: “Estímulos ultra-reveladores precisam de maior corrente para maior eficácia. Se você ainda usa a corrente máxima de 800 mA dos dispositivos Mecta, para garantir a total eficácia, você deve atualizar para os 900 mA fornecidos pelos instrumentos Thymatron. ”

Entre as várias modificações da ECT que lidam com o problema que, como Lieberman observa, “a experiência de fornecer ECT pode ser bastante perturbadora” é a mudança de uma corrente de onda senoidal para uma corrente de onda de pulsação. Como o objetivo da ECT é administrar uma carga elétrica que causa danos cerebrais suficientes para induzir uma convulsão, a mudança de uma onda senoidal para uma onda de pulsação exigiria, como mostra a literatura de vendas da Somatics, uma corrente elétrica mais forte. Quanto menor o impulso, maior a corrente que seria necessária para fornecer uma carga grande o suficiente para desencadear uma convulsão. A razão mais vantajosa para usar uma onda de pulsação do que uma onda senoidal seria sugerir a um público não instruído que uma carga elétrica menor está sendo fornecida. Talvez até mesmo um público sem instrução, no entanto, veria que os 0,5 joules entregues a uma carga citada na pesquisa da TASER e Sudden In-Custody Death é obviamente muito menor do que os 0,8-202,8 joules citados pela Mecta em sua literatura de vendas internacionais para “ultrabrief”. Máquinas ECT “ultrabrief” (isso é duas vezes o máximo de suas máquinas que são vendidas nos EUA).

Lieberman começa a concluir o segmento de seu livro sobre ECT dizendo que essa invenção de Cerletti e Bini “foi o único tratamento somático a se tornar um pilar terapêutico da psiquiatria”. Essa afirmação pode fazer com que alguém se pergunte como um tratamento somático pode ser, ou pelo menos parece ser terapêutico para uma doença psíquica. O marido de Alice, mencionado acima, testemunhou um exemplo muito claro disso.

Quando Alice recuperava-se de suas ECTs de manutenção, seu marido visitou outro paciente que fazia ECT de manutenção no mesmo dia que Alice, apenas ele parecia se recuperar desse tratamento, muito mais rápido do que Alice. Por favor, note que estamos apenas nos referindo à recuperação da consciência e à capacidade de ir embora, assim como os animais que Cerletti testemunhou em um matadouro romano. Não estamos nos referindo à recuperação inicial de duas a quatro semanas da lesão cerebral traumática resultante, após a qual outra ECT é necessária para renovar a lesão cerebral. Para manter o anonimato, chamaremos esse outro paciente de “Gordon”.

Embora Gordon geralmente fosse muito feliz depois de uma ECT, às vezes ele expressava sua grande raiva em relação ao irmão que ele não via há muitos anos. O que se sabe é que Gordon havia comprado um caminhão novo, que seu irmão o destroçou em um acidente de carro. Gordon havia ficado tão bravo com isso que falava sobre querer ir a onde estava se irmão para espancá-lo. O marido de Alice fez o possível do que estava ao seu alcance para mudar de assunto para algo menos perturbador, o que muitas vezes não requeria muito esforço.

Quando o marido começou a tentar explicar a Alice que a ECT estava causando seus danos cerebrais e que ela deveria parar, ela tentou defender o uso da ECT usando Gordon como exemplo. Ela disse que ele já tinha uma lesão cerebral traumática de um acidente de carro, então não importava que a ECT também causasse uma lesão cerebral traumática. Essa linha de raciocínio não fazia sentido para o marido, mas depois que ele finalmente conseguiu que Alice não voltasse para mais ECT, ela revelou algo mais sobre Gordon. O acidente de carro em que Gordon adquiriu uma lesão cerebral traumática foi o mesmo acidente em que o irmão de Gordon destroçou seu caminhão. Pior que isso, o irmão de Gordon foi morto naquele acidente.

Gordon não estava realmente irritado que seu irmão destroçou seu novo caminhão. Ele estava simplesmente tentando lamentar a morte de seu irmão. O trauma psíquico que Gordon sofreu por estar no acidente de carro que tirou a vida de seu irmão aparentemente estava sendo tratado por sofrer uma lesão cerebral traumática que o impedia de lembrar ou de se importar que seu irmão estivesse morto. Isso pode produzir a aparência empírica de ser terapêutico, mas qualquer pessoa imparcial e sensata deve ser capaz de ver que essa é uma aparência falsa e que essa assim chamada “terapia” está realmente impedindo qualquer cura real.

Depois de obter e ler os prontuários médicos de Alice, o marido percebeu que os problemas extremos de memória de Alice começaram quando eles mudaram da ECT unilateral para a ECT bilateral. Assim, mudar de concentrar o dano em apenas metade do lobo frontal de Alice para todo o seu lobo frontal resultou em um déficit cognitivo perceptível que é consistente com a pesquisa sobre lesões na cabeça. Embora as convulsões resultantes parecessem as mesmas, a quantidade de volume cerebral danificada diretamente pela carga elétrica era muito maior. Isso sugere que uma convulsão não é, na verdade, o objetivo da ECT, mas o dano cerebral que induz a convulsão, embora a literatura pseudo-médica geralmente não mais admita isso.

Antes da introdução da ‘modificada ECT’ e da moderna psiquiatria ocidental começar a “oferecer tratamentos científicos, humanos e eficazes”, os chamados psiquiatras abertamente especulavam sobre como os danos cerebrais e um QI mais baixo eram benéficos para as pessoas sofrendo de trauma psíquico. Como essa especulação não é mais publicamente aceitável, tudo o que eles podem dizer é: “Não sabemos como funciona. Nós só sabemos que isso funciona”.

A ECT funciona impedindo a psique de se expressar através do soma, isto é, a ECT funciona impedindo que a alma se expresse através do corpo. Teófanes (Constantino) explica isso no Volume 1 da Base Psicológica da Oração Mental no Coração:

“A alma funciona através do corpo e, se o corpo for danificado, digamos, em seus centros cerebrais superiores, a alma não pode se expressar, sem que tudo tenha se perdido”.

Embora a psiquiatria ortodoxa tenha muito mais a dizer sobre esse assunto e como a moderna psiquiatria ocidental realmente tenta impedir qualquer verdadeira cura psiquiátrica, o resumo acima é suficiente por enquanto. Mesmo que não se deseje explorar a perspectiva ortodoxa sobre esse assunto, qualquer exame imparcial da evidência empírica demonstra claramente que a ECT atua danificando o cérebro. A única questão para a discussão inteligente é se tal dano cerebral é ou não terapêutico, e a única pergunta racional a ser feita é: como uma pessoa inteligente poderia acreditar que o dano cerebral é terapêutico? Obviamente não é terapêutico e acreditar que é terapêutico não é uma questão de inteligência, mas diz respeito à capacidade de pensar racionalmente.

Os ortodoxos acreditam que o intelecto humano é caído e corrupto, e que o pensamento racional só é possível com a ajuda divina. Talvez apenas um pouco de pensamento racional permita perceber que um psiquiatra que acredita que a psique é realmente somática e não psíquica está apenas sob a ilusão de ser um “psiquiatra”. Muitas vezes é impossível convencer uma pessoa sob a ilusão de que ele ou ela é delirante. É mais provável que tal pessoa sugira que a pessoa sã é ilusória. É por isso que nosso venerável e portador de Deus, o Padre Anthony do Deserto (251–356 EC) disse: “Está chegando a hora em que os homens enlouquecerão e, quando virem alguém que não está zangado, eles o atacarão dizendo: ‘ Você é louco, você não é como nós ‘”.

2016 ECT Protest across the river from the University of Alberta: “ECT is Shock Therapy! Yes! They still do that!”

Deixe uma resposta