Problemas com a saúde mental não são “distúrbios cerebrais”, dizem pesquisadores

A última edição da revista Behavioral and Brain Sciences apresenta vários pesquisadores proeminentes argumentando que os problemas com a saúde mental não são "distúrbios cerebrais".

0
1110

A revista Behavioral and Brain Sciences apresenta vários pesquisadores proeminentes em sua última edição desmentindo a noção de que problemas com a saúde mental são ‘distúrbios cerebrais’. A edição começa com um artigo de pesquisadores holandeses argumentando que a neurobiologia nunca explicará de forma convincente quaisquer problemas de saúde mental. O restante da edição inclui dezenas de comentários de pesquisadores influentes, alguns apoiando a premissa inicial e outros tentando argumentar contra ela. Em resposta, os autores do estudo inicial apontam que nenhuma das respostas pode fornecer qualquer evidência convincente de que o reducionismo neurobiológico tenha tido sucesso de uma maneira significativa.

O artigo principal e a resposta aos comentários foram escritos por Denny Borsboom, da Universidade de Amsterdã, Angélique Cramer, da Universidade de Tilburg, e Annemarie Kalis, da Universidade de Utrecht, todos na Holanda.

“Nenhum dos comentaristas parece capaz de apontar evidências convincentes de que, genericamente falando, os transtornos mentais são distúrbios cerebrais”, escrevem eles”, na verdade, parece que a maioria dos comentaristas nem se incomoda com isso. Isso nos leva à primeira conclusão importante dessa resposta aos comentários: a tese de que os transtornos mentais são distúrbios cerebrais não possui apoio apreciável. ”

The gyri of the thinker’s brain as a maze of choices in biomedical ethics. Scraperboard drawing by Bill Sanderson, 1997. (Wikipedia Commons)

Os pesquisadores apresentam um experimento de pensamento que habilmente delineia o quanto a ideia de distúrbios cerebrais tem sobrevivido: imagine um mundo em que o reducionismo biológico tenha sido bem-sucedido. A neurobiologia dos transtornos mentais seria compreendida, e os tratamentos seriam adaptados a essa biologia e teriam uma alta taxa de sucesso. E agora imagine que neste mundo os pesquisadores escrevam um artigo revisado por especialistas em um periódico de alto nível argumentando que os distúrbios cerebrais não existem.

Nesse mundo, só podemos imaginar que os pesquisadores reuniriam pilhas de evidências científicas para mostrar que as mudanças cerebrais são responsáveis pelos problemas com a saúde mental. Cada comentário simplesmente apontaria para numerosos estudos demonstrando esse ponto. Não haveria debate. Ao em vez disso, em resposta ao argumento defendido no artigo, nenhum comentarista foi capaz de apontar para tal evidência, e “a maioria nem se incomodou” em tentar produzir tal evidência.

“ A posição reducionista sobre transtornos mentais como sendo distúrbios cerebrais não representa uma conclusão cientificamente justificada, como é frequentemente suposto nas literaturas populares e científicas, mas não passa de uma hipótese”.

Borsboom e seus colegas argumentam, em um periódico de alto perfil, que a hipótese do reducionismo biológico não explica suficientemente a experiência humana. Em vez disso, uma variedade de outras explicações funciona tão bem quanto, se não melhor.

Borsboom e seus coautores sugerem que a psiquiatria deve se concentrar na intencionalidade – o significado das experiências -, pois é a característica definidora única de toda abordagem dos problemas mentais e emocionais dos humanos. Concentrar-se na neurobiologia tem sido, segundo os pesquisadores, um fracasso, que ignora os aspectos fenomenológicos da experiência humana e, portanto, perde essencialmente o cerne dos problemas com a saúde mental.

De acordo com Borsboom, Cramer e Kalis:

É altamente improvável que a sintomatologia associada à psicopatologia possa ser conclusivamente explicada em termos de neurobiologia. Portanto, manter a ideia de que os transtornos mentais são distúrbios cerebrais pode ser contraproducente e pode levar a um programa de pesquisa míope. ”

Os pesquisadores argumentam que nunca serão encontradas explicações simples para reduzir estados mentais a diferenças biológicas, por várias razões. Os diagnósticos de saúde mental são baseados em grupos de ‘sintomas’, que são ligados à cultura e mudam com o tempo (como em cada nova edição do DSM, a ‘bíblia’ da psiquiatria), o que torna impossível supor que encontraríamos um correlato biológico para uma lista arbitrária de sintomas muito diferentes. Por exemplo, a depressão pode incluir ganho de peso, perda de peso, insônia, fadiga, sono excessivo, assim como vários estados emocionais que podem ou não estar presentes. Assumir que todas essas características contraditórias podem ser devidas aos mesmos substratos biológicos é falso.

 

Além disso, como a correlação não pode provar a causalidade, é tão provável que quaisquer alterações neurobiológicas detectadas sejam o resultado de um estado mental, e não da causa. Ou seja, mudanças nos níveis de neurotransmissores de uma pessoa seriam realmente esperadas após mudanças drásticas nos estados de sono, alimentação e humor – as mudanças biológicas poderiam ser causadas por mudanças de rotina como essas, ou ambas poderiam ser parte de algum outro processo.

E mais ainda, os pesquisadores argumentam que identificar os “sintomas” dos diagnósticos psiquiátricos requer atenção ao contexto ambiental e à experiência da pessoa. Ou seja, os sintomas são descritos no DSM usando linguagem experiencial contextual, em vez de linguagem objetiva. Por exemplo, os critérios para depressão “sentimentos de culpa excessiva ou inadequada” exigem que o clínico examine contextualmente a fonte da culpa e decida se é inadequado, dado o conteúdo dos sentimentos de culpa.

O influente cientista de Stanford, John Ioannidis, escreveu um dos comentários publicados com este artigo. Ioannidis discute como a pesquisa sobre problemas com a saúde mental deve prosseguir, dado o que ele chama de ‘beco sem saída’ da agenda de pesquisa neurobiológica.

Ele sugere que as intervenções em saúde mental devem se concentrar nas mudanças ambientais, e não nos correlatos neurobiológicos da saúde mental. Ou seja, o contexto da vida de uma pessoa tem muito mais impacto sobre a saúde mental do que a neurobiologia. De acordo com Ioannidis:

“Nossas sociedades podem precisar considerar mais seriamente o impacto potencial sobre os resultados da saúde mental ao tomar decisões trabalhistas, educacionais, financeiras e outras decisões sociais / políticas nos níveis de local de trabalho, estadual, nacional e global”.

Borsboom e seus co-autores vão ainda mais longe:

“No esquema atual, o reducionismo explicativo é uma possibilidade remota, não um alvo de pesquisa realista. Não temos biomarcadores que sejam suficientemente confiáveis e preditivos para o uso em diagnóstico. Não identificamos genes específicos de distúrbios e que expliquem uma quantidade apreciável de variação. Não obtivemos informações sobre as vias patogenéticas no cérebro que são suficientemente seguras para informar o tratamento. Se há alguma coisa, deveríamos nos perguntar por que os investimentos massivos em pesquisa, que deveriam ter descoberto esses fatores, não levantaram a prevalência de transtornos mentais comuns em um único ponto percentual ”.

Eles escrevem que as explicações biológicas reducionistas da saúde mental “não devem ser entendidas como ciência, mas como ficção científica”.

 

Deixe uma resposta