Será preciso mais do que um medicamento de US 34.000 para parar a depressão pós-parto

0
58

No The New York Times:

“Pesquisas têm mostrado que a depressão pós-parto é mais comum em países com alta desigualdade de renda, altas taxas de mortalidade materna e infantil e um desequilíbrio entre trabalho e vida familiar – com a ênfase no trabalho. (Olá, Brasil.)

A definição clínica de depressão pós-parto é que se trata de uma ‘complicação médica do parto’, mas isso não leva em conta a vida emocional das mulheres, e a maneira como nossa cultura trata algumas das mães novas que chega ao abuso.

As mulheres grávidas são muitas vezes jogadas em histórias de horror durante o parto, depois submetidas a cuidados desnecessariamente intrusivos. Muitas sofrem trauma pélvico; uma em cada três termina com uma grande cirurgia abdominal. E então elas são enviadas para casa com um recém-nascido, geralmente sem apoio. Segundo dados de 2015, um quarto das mulheres retorna ao trabalho em duas semanas. Todas dizem que “mamar é o melhor”, mas muitas das mães não têm um lugar decente para bombear o leite em seu trabalho, apenas se tiverem sorte. A maioria não verá o médico novamente por seis semanas. Não é por acaso que a depressão seja tão comum.

Como uma mãe que sabemos que está planejando deixar o emprego (porque ela pode se manter) disse sobre a falta de apoio aos pais neste país[Estados Unidos]: “É muito ruim“.

Uma nova droga cara não é suficiente; precisamos de cuidados de maternidade que sejam humanitários e baseados em evidências, respeito pelo ‘quatro meses’, senão meses ou anos de licença parental remunerada e necessitamos de assistência à criança a preço acessível. […]

Enquanto isso, tememos que o Zulresso seja apenas um paliativo, e ainda mais um outro exemplo de patologizar uma reação muito sensata à nossa cultura insana ”.

Artigo →

Deixe uma resposta