O Uso de Antidepressivos Associado com Suicídio mais Violento

0
570

Um novo estudo descobriu que tomar um medicamento antidepressivo estava associado a um risco aumentado de suicídio usando meios violentos. A pesquisa foi liderada por Jonas Forsman, no Departamento de Neurociência Clínica do Instituto Karolinska da Suécia. Foi publicado no European Journal of Clinical Pharmacology.

Segundo os pesquisadores, “o tratamento com ISRSs não superior a 28 dias conferiu um risco quase quatro vezes maior de suicídio violento”. Isso indica que o maior risco ocorre dentro de um mês após o início de um antidepressivo inibidor seletivo da recaptação de serotonina (ISRS).

Photo Credit: Flickr

Neste estudo, os pesquisadores compararam a morte por suicídio ‘violento’ (por exemplo, enforcamento, arma) a suicídio ‘não violento’ (por exemplo, envenenamento, overdose). Seus resultados indicaram que o uso de ISRS estava associado a uma maior probabilidade de usar meios violentos para acabar com a própria vida. Essa comparação é importante porque o uso de meios violentos tem muito mais probabilidade de resultar em suicídio completo.

Estudos têm consistentemente constatado o aumento das taxas de suicídio associadas ao uso de antidepressivos, especialmente em crianças e adolescentes. Um argumento comum é que o aumento nas taxas de suicídio logo após o início dos antidepressivos pode ser devido à gravidade subjacente da depressão. No entanto, outros estudos recentes controlaram a gravidade dos sintomas e ainda descobriram que aqueles que tomavam antidepressivos tinham até 2,5 vezes mais chances de tentar suicídio do que aqueles que tomavam placebo.

O estudo atual analisou apenas pessoas que haviam morrido por suicídio, portanto elas não podiam dizer se o uso de ISRS poderia causar ou proteger contra a suicídio em geral. O estudo analisou os meios de suicídio violentos versus não violentos, o que pode indicar quem tem mais chances de morrer de suicídio ou quem pode sobreviver a ele.

O estudo analisou relatórios de autópsia forense na Suécia entre 2005 e 2012. Os pesquisadores compararam aqueles que morreram por suicídio violento com aqueles que morreram por suicídio não violento (por exemplo, overdose). Os relatórios forenses incluíam dados sobre se a pessoa tinha níveis de ISRS no corpo no momento da morte. Esses dados foram então vinculados ao Registro Nacional de Prescrição Sueco para determinar quanto tempo a pessoa tomava o antidepressivo. Como os registros suecos são muito completos, os pesquisadores foram capazes de incluir em seu estudo quase todas as pessoas no país que morreram de suicídio durante esse período.

Os pesquisadores também foram capazes de controlar a presença de outras substâncias (outros medicamentos e drogas ilegais) no momento da morte. Seus resultados demonstraram que o uso dessas substâncias estava associado ao uso de ISRSs e a mortes por suicídio não violento.

Os pesquisadores concluem que, se não tivessem controlado essas outras substâncias, sua presença poderia ocultaro grande efeito do uso de ISRS, fazendo parecer que os ISRSs eram protetores contra a morte por suicídio violento.

Os pesquisadores escrevem que o uso do ISRS pode levar ao aumento da impulsividade e agressividade, o que pode resultar na escolha de meios mais violentos (e, portanto, em uma maior probabilidade de suicídio completo). No entanto, o uso de outras substâncias (como os opiáceos) pode levar à reduçãode impulsividade e agressividade e à escolha de meios não violentos, como overdose em vez de meios violentos. O uso dessas substâncias pode às vezes anular o aumento do risco de uso de meios violentos pelo uso do ISRS.

De acodo com os autores:

“ Com base em nossas descobertas, não se pode excluir que os ISRSs, especialmente entre os usuários que tentam suicídio nos primeiros meses de tratamento, possam aumentar o risco de escolher um método violento, resultando em um risco maior de resultado fatal do que a escolha de um método não-violento. ”

 Os pesquisadores escrevem que existem ‘algumas’implicações clínicas no estudo. Embora tenham encontrado um aumento de quatro vezes na morte por suicídio violento, os pesquisadores concluem que, no geral, “os riscos do tratamento insuficiente superam os riscos da terapia”.

****

Forsman, J., Masterman, T., Ahlner, J., Isacsson, G., & Hedström, A. K. (2019). Selective serotonin re-uptake inhibitors and the risk of violent suicide: a nationwide postmortem study. European Journal of Clinical Pharmacology, 75, 393–400. https://doi.org/10.1007/s00228-018-2586-2 (Link)