Psiquiatra Descreve seu Papel no Modelo de Atendimento do Diálogo Aberto

O psiquiatra descreve vários papéis no modelo Diálogo Aberto, promovendo o usuário do serviço e a intervenção da família nas práticas dialógicas com uma equipe de profissionais

0
625

Em um novo artigo, o psiquiatra finlandês Kari Valtanen, do Distrito Hospitalar da Lapônia Ocidental e da Universidade de Jyväskylä, discutiu seu papel como psiquiatra em uma abordagem de Diálogo Aberto. Valtanen possui extenso treinamento em Diálogo Aberto e trabalha no Distrito de Assistência Médica da Lapônia Ocidental, onde está imerso em todo um sistema psiquiátrico baseado nos princípios e aplicações do Diálogo Aberto. No artigo, ele descreve como o psiquiatra está posicionado dentro dos sete princípios do Open Dialogue e explica por que esse posicionamento é vital ao trabalhar com clientes e famílias que sofrem estresse ou crises na saúde mental.

“Os psiquiatras devem estar cientes de seu papel como parte de uma equipe e evitar estabelecer uma posição hierárquica que possa silenciar a cultura dialógica e polifônica da equipe”, escreve Valtanen. “Para trabalhar dialogicamente e compartilhar a responsabilidade sobre os processos de tratamento, uma cultura democrática no local de trabalho é um pré-requisito. O psiquiatra tem um papel fundamental para estabelecer e nutrir esse ambiente democrático. ”

Kari Valtanen, Child and Adolescent Psychiatric Services, Western Lapland Hospital District, Finland; University of Jyväskylä, Jyväskylä, Finland

A abordagem do Diálogo Aberto é um modelo de intervenção precoce orientado para a família, desenvolvido na década de 1980 na Lapônia Ocidental da Finlândia. Ela se diferencia de outros métodos na maneira como “considera o cliente e sua família como participantes ativos, e não como objetos de tratamento em seu planejamento e implementação, com foco psicoterapêutico”. O processo envolve uma equipe para trabalho de cada caso específico em que cada membro é orientada para a prática dialógica.

Valtanen escreve que o diálogo promove “novas palavras, entendimentos e oportunidades” e cria espaço para “ouvir as diferentes vozes de todos e responder a elas e aprender contextos únicos para as manifestações de cada cliente”.

No Diálogo Aberto, Valtanen explica, “que apoiar o indivíduo e a agência da família desde o início do trabalho é priorizado acima da avaliação profissional da situação ou do diagnóstico do indivíduo.” Quando os profissionais são rápidos demais para tirar conclusões ou interpretações de uma situação ou decisões do cliente, pode levar a uma redução no envolvimento com o cliente, a família e a rede. ”

Os sete princípios que orientam a abordagem do Diálogo Aberto, derivados de programas de pesquisa e treinamento em psicoterapia, incluem atendimento imediato, orientação para a família e a sua redesocial, responsabilidade, flexibilidade e mobilidade, continuidade psicológica, tolerância à incerteza e diálogo. Abaixo, o autor oferece suas observações sobre a relação entre esses valores e o papel do psiquiatra como membro da equipe.

  1. Não deve haver necessidade de encaminhamento de um psiquiatra para que haja acesso ao tratamento psiquiátrico, embora o psiquiatra não esteja frequentemente disponível para a consulta inicial devido ao pequeno número de psiquiatras. O atendimento imediato é garantido em crises graves. Quer dizer, os outros membros da equipe podem ouvir e responder às preocupações da família e às diferentes perspectivas.
  2. Os psiquiatras devem receber treinamento adicional no trabalho com famílias e redes, em oposição à formação típica, permitindo que eles colaborem com a equipe e contribuam para conversas dialógicas. A assistência estar orientada para a família e para a sua rede social é considerado como sendo um “recurso essencial para entender e apoiar indivíduos em crises”.
  3. A responsabilidadeestá na capacidade da equipe de “levar em consideração várias questões importantes durante o processo …” A disponibilidade do psiquiatra para consultas é apoiar a colaboração e gerar um senso de segurança.
  4. Flexibilidadeé um recurso crítico em uma abordagem-adaptada-às necessidades do tratamento. Os psiquiatras deste modelo participam de visitas domiciliares e se esforçam para fazer reuniões de equipe.
  5. A continuidade envolve cuidar da relação terapêutica entre família e equipe. Embora o psiquiatra não tenha tempo para trabalhar tão próximo quanto os outros membros da equipe em relação a essa parte do processo de tratamento, seu papel pode ser o de respeitar o processo da equipe e trabalhar para não atrapalhá-lo.
  6. “Para restaurar a agência do indivíduo e da rede, é importante que um psiquiatra, juntamente com os outros membros da equipe, não se apresse em encontrar soluções de tratamento ou entender os outros com muita prontidão.” É encorajada a tolerância à incerteza para ajudar os psiquiatras e outros membros da equipe para que diminuam a velocidade para obter as soluções e assim arriscarem a negligenciar o conhecimento do cliente para aliviar a sua situação.
  7. O principal objetivo do Diálogo Aberto é criar dialogismo ou diálogo entre todos os membros da equipe envolvidos no tratamento. Os psiquiatras podem contribuir para ouvir todas as perspectivas e oferecer seu próprio entendimento.

Devido à posição de poder dos psiquiatras como profissionais médicos, Valtanen sugere um senso de consciência da sua influência potencial ao avaliar indivíduos com esses diferenciais de poder. “Poder substancial é usado quando as experiências de vida das pessoas são interpretadas e definidas por profissionais”, explica ele. Em vez disso, os profissionais podem se comprometer com a colaboração e o compartilhamento de entendimentos diferenciados, ou ‘vozes’, abertos para revisão contínua de suas percepções, opiniões, decisões.

“O que é crucial no tratamento é manter no centro os clientes e familiares e seu senso de agência. A agência ou as definições dos profissionais, incluindo o psiquiatra, não são tão essenciais. ”

Por fim, Valtanen ressalta a esperança de que as preocupações do cliente e da família sejam priorizadas.

“As experiências de vida, contextos sociais, questões de saúde, e assim por diante de cada ser humano, são únicas, multidimensionais e complexas. É importante que as pessoas sejam ouvidas em suas situações únicas de vida e que os médicos não tentem entender muito rapidamente. A compreensão gradual e contínua avança o processo de tratamento-adaptado-às necessidades, adaptada especificamente às necessidades do cliente e sua rede, e não ao diagnóstico. ”

****

Valtanen, K. (2019). The psychiatrist’s role in implementing open dialogue model of care. Australian and New Zealand Journal of Family Therapy. DOI: 10.1002/anzf.1382 (Link)