Isolada pelo coronavírus? Sou bem-vinda ao meu mundo.

0
198

Pouco se sabe o que uma vida de pobreza e “doença mental” pode fazer a uma pessoa, com exceção daqueles que a experimentaram.  Depois de enfrentar uma dívida terrível no cartão de crédito e com uma renda insuficiente, após uma tentativa de suicídio comecei a tomar antidepressivos. Depois de oito anos em Zoloft, meu psiquiatra mudou-me para Lexapro, o que me deixou psicótica. A consequência foi haver sido internada em um hospital psiquiátrico, onde fui forçada a tomar drogas psiquiátricas contra a minha vontade e onde comecei a receber uma pensão por doença, que é paga abaixo da linha de pobreza. Tais experiências de “doença mental” e dificuldades financeiras me levaram a formas de vida de isolamento de várias maneiras.

Por causa da minha situação financeira eu não posso sair para jantar há anos com os poucos amigos que tenho. Tudo o que faço é ir ao supermercado e à clínica psiquiátrica e tentar escrever algo que valha a pena ser lido. Isso vem ocorrendo muito antes do aparecimento do coronavírus.

Acredita-se que as drogas psiquiátricas diminuam a vida útil das pessoas em 15 a 25 anos. Os antipsicóticos são considerados especialmente perigosos. Eu tomo antipsicóticos há quase uma década. Sempre me preocupei com a morte de meus pais idosos. Minha irmã mais velha morreu aos nove anos e meio e eu tinha sete anos de idade na época, então sei há muito tempo o quanto a vida é precária. Esses novos medos que as pessoas estão experimentando sobre a perda de entes queridos e sua própria mortalidade não são novos para mim.

A recente ansiedade e depressão das pessoas, que podem resultar do isolamento, são comuns entre os pobres dos Estados Unidos, especialmente aqueles que tiveram o infortúnio de cair nas garras do setor de saúde mental. O recente resgate federal de US $ 2 trilhões de dólares oferece benefícios financeiros apenas para contribuintes e trabalhadores recém-desempregados. Os muito pobres, geralmente aqueles de nós que estão envolvidos no setor de saúde mental, não recebem nada. As grandes corporações estavam se sentindo carentes e queriam ajuda financeira. Elas conseguiram. Em vez disso, por que não levar as corporações a tomar antidepressivos e a fazer terapia, como me disseram que eu fizesse, quando comecei a ter problemas financeiros significativos? Prevê-se que essa pandemia e o pacote de resgate ampliem a já acentuada divisão de riqueza nos Estados Unidos.

Quanto às crises espirituais, os cristãos recém-alienados têm uma comunidade para a qual retornar quando a epidemia acabar. As principais igrejas que experimentei atendem principalmente às classes média e alta. Elas não são uma fonte de conforto e ambiente comunitário para pessoas que não se encaixam nelas.

Uma coisa que sei de minhas experiências com o setor de saúde mental é que ele é o último lugar que as pessoas devem procurar para lidar com essa pandemia. Qualquer pessoa com dificuldades financeiras deve ser ajudada financeiramente. O fato de que isso não esteja acontecendo fala dos valores desordenados vigentes em meu país. Essa pandemia está divulgando verdades boas e feias sobre quem as pessoas realmente são.

Algumas pessoas que estão se familiarizando com a vida on-line e através de seus telefones estão tendo dificuldades para se ajustar. Para os sobreviventes psiquiátricos, esses costumam ser um dos poucos recursos que sempre tivemos às mãos. Nós, que temos acesso à Internet e telefone, somos sortudos. Muitas pessoas pobres “doentes mentais” não têm esses luxos. Os muito pobres, “doentes mentais” ou não, não têm isso.

Os ricos, a classe média e as pessoas que vivem em comunidades dinâmicas – pessoas normais – há muito têm vidas repletas de significado pessoal. Uma das piores coisas que o setor de saúde mental me fez foi roubar da minha vida o significado das coisas. Estou envolvida com a indústria da psiquiatria há quase duas décadas, e essas décadas foram amplamente desperdiçadas. Em vez de significado, a indústria oferece às pessoas drogas psiquiátricas, terapia e o papel de paciente mental. É dentro dessa estrutura que você espera simplesmente existir.

Como tenho sido tão reprimida e oprimida pelas drogas psiquiátricas, com o meu papel social de paciente mental ao longo da minha vida e com as dificuldades financeiras, há muito tempo tenho tentado encontrar significado em pequenas coisas. Um pequeno trabalho voluntário aqui ou ali para os verdadeiramente necessitados. Ajudando meus pais. Através da oração e fé. E agora, com a minha escrita.

Agora que finalmente, lentamente, estou começando a abandonar as drogas psiquiátricas com a esperança de uma vida melhor, enfrento uma tarefa assustadora. Como se começa uma vida quando se é mais velho? Tantas oportunidades perdidas. Décadas que nunca podem ser trazidas de volta à vida. As pessoas que experimentam apenas dificuldades temporárias como resultado do coronavírus são sortudas.