Respostas COVID-19 à saúde mental negligenciam a realidade social

Um diagnóstico raramente é uma solução para problemas causados pela pobreza e desigualdade.

0
332

Publicado em Nature, autoria de Rochelle Burguess:  “No início do surto de COVID-19, fiquei surpreso e aliviado por a saúde mental estar recebendo a devida atenção. Em março, a Organização Mundial da Saúde divulgou diretrizes sobre como proteger sua saúde mental. O governo do Reino Unido respondeu rapidamente com diretrizes de saúde pública e reforçou o suporte on-line. Em abril, o Lancet Psychiatry fez uma chamada por pesquisas multidisciplinares para o desenvolvimento de respostas de saúde mental durante a pandemia (E. A. Holmes et al. Lancet Psychiatry http://doi.org/ggszmj; 2020).

“Mas quando olho mais de perto, sou tomado por uma decepção com a qual estou familiarizado. Mais uma vez, as recomendações esquecem metade da equação: nossa necessidade de abordar as condições sociais e econômicas que contribuem para a precária saúde mental. Uma mulher que perdeu o emprego e não pode alimentar sua família encontrará pouco alívio em um aplicativo de meditação. Conselhos como ‘ficar de fora da mídia social’ pouco ajudarão a aliviar a ansiedade de um jovem negro, com medo constante de ser expulso das lojas por seguranças por estar usando uma máscara, ou ser abusado ou até morto por agentes da lei que receberam novos poderes para policiar o comportamento social.

O envolvimento com essas vulnerabilidades sistêmicas faz parte do campo ativo de pesquisa em psicologia comunitária. No entanto, as descobertas desse campo geralmente são deixadas de lado por pessoas e agências que elaboram planos de saúde mental, que ainda se concentram principalmente no indivíduo. Quase toda vez que sou convidado para um evento de saúde mental comum para compartilhar pesquisas ou conselhos sobre políticas, sou o único psicólogo comunitário em uma sala lotada. “

“… Para um grande número de pessoas, o mundo era um lugar difícil e injusto antes da catástrofe deste ano. Antes do COVID-19, mais de 700 milhões de pessoas em todo o mundo viviam em extrema pobreza, uma em cada três mulheres sofria violência durante a vida e cerca de 70 milhões de pessoas haviam sido deslocadas à força de suas casas. Quase um bilhão vivia em favelas, com acesso não confiável à água corrente. Milhões, na maioria das vezes pessoas de cor, tinham empregos precários. Em todo o mundo, bilhões não tinham acesso às necessidades básicas que possibilitam uma boa saúde mental. A situação é ainda pior agora.

“(…) Precisamos repensar o que conta como tratamento nos cuidados de saúde mental. No momento, a estratégia de saúde mental COVID-19 é dominada por preocupações com um aumento nas mortes por suicídio, um aumento na incidência de depressão e possíveis danos neurológicos causados pelo vírus, e com razão. Mas rotular uma condição não faz desaparecer os desafios sociais à sua volta.”

Artigo →

Rochelle Burgess é psicóloga em saúde comunitária e professora em saúde global no Instituto de Saúde Global da University College London.