Você Está Sofrendo? Então é Hora de Consumir!

O autor demonstra como o consumo crescente de psicofármacos é resultado da psicopolítica Neoliberal.

0
1286

O livro Filosofia e Psicanálise: Psicopolítica e as Patologias Contemporâneas traz o  capítulo A liquefação da psicopatologia psiquiátrica: uma estratégia
psicopolítica de estimulação ao consumo de psicofármacos” cujo autor é Artur Santos Cardoso.

O capítulo discute o crescente número de pessoas diagnosticadas com algum tipo de transtorno mental, apesar dos avanços da psicofarmacologia. Para dar início a discussão, o autor cita o livro Anatomia de uma Epidemia, de Robert Whitaker. Segundo investigações realizadas por Whitaker, o aumento estrondoso nas vendas de psicofármacos se dá pela associação da indústria farmacêutica com a psiquiatria, gerando lucros financeiros para ambas partes.

Mas não para por aí, o autor também chama nossa atenção para a enorme quantidade de diagnósticos reconhecidos pela psiquiatria. Na mais recente versão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) encontram-se impressionantes 446 psicopatologias diferentes. O que pode estar influenciando os elevados números de prescrição de psicofármacos.

“Basicamente, com mais psicopatologias surgindo e com mais diagnósticos sendo dados, automaticamente se tem mais medicamentos psiquiátricos sendo vendidos, e por conseguinte, mais lucro sendo gerado.”

A partir disso, o autor defende que a lógica mercadológica da psicopatologia psiquiátrica encontra representação na ideia de psicopolítica do filósofo sul-coreano Byung-Chul Han. A psicopolítica são técnicas de controle modernas, usadas pelo neoliberalismo para dominar a população. Como consequência as subjetividades são atravessadas por ideias capitalistas.

“Uma das artimanhas psicopolíticas para tal, envolve criar demandas sociais para a população, ao mesmo tempo em que se oferece produtos e mercadorias que prometem ir ao encontro dessas demandas.”

O mesmo acontece com a psicopatologia psiquiátrica. Quanto mais transtornos existam, mais pessoas são diagnosticadas, gerando a “necessidade” de usar psicofármacos. Isso é reafirmado por Z. Bauman, quando diz que a sociedade líquido-moderna, também é uma sociedade de consumo/consumidores. Na sociedade de consumidores tudo se converte em mercadoria.

O capítulo coloca como modelo de “psicopatologia líquida” a esquizofrenia. O motivo dessa escolha se deve em razão das mudanças pelas quais a categoria sofreu ao longo do tempo, tornando-se um bom exemplo para demonstrar a inconstância das categorias diagnósticas do DSM. Essas mudanças não poderiam ser considerados avanços científicos, simplesmente porque as exclusões e inclusões que ocorrem no DSM, assim como as alterações nas categorias, nomes de transtornos e até mesmo o planejamento de cada revisão, não ocorrem por motivos de pesquisas e estudos científicos.

“Isso fica óbvio quando olhamos, por exemplo, para a inserção do Transtorno de Estresse Pós-Traumático e para a exclusão do, eté então, homossexualismo, ambos no DSM-III. Tanto a inserção do primeiro, como a exclusão do segundo, ocorrem devido à lutas sociais e protestos na década de 1970, que exerceram influência direta sobre o momento de construção do DSM-III.”

O autor justifica que a fronteira entre o normal e o patológico foi destruída, e como consequência, as experiências humanas estão sendo cade vez mais patologizadas. Ao mesmo tempo, em uma sociedade individualista e consumista, a culpa pela doença é colocada no sujeito e no seu próprio corpo, desresponsabilizando qualquer contexto social. Logo, se o sofrimento do individuo é explicado por anomalias cerebrais, o uso de psicofármacos passa a fazer todo o sentido. Dessa forma, o paciente passa a ser também antes de mais nada um consumidor.

Com isso, o autor conclui que a sociedade contemporânea possui um novo modelo de gestão, a psicopolítica. Ao invés do controle do Estado, vivemos o controle do mercado. O objeto de intervenção, por sua vez, não é mais os corpos, mas as psiquês.

O neoliberalismo, por meio da psicopolítica, nos dá a falsa sensação de liberdade, criando necessidades que acreditamos ser nossas, e para saciar tais necessidades, é preciso consumir. Portanto, a experiência do sofrimento e da dor serve como um despertador social, lembrando que hora é de consumir.

 

***

CARDOSO, A.S. A liquefação da psicopatologia psiquiátrica: uma estratégia
psicopolítica de estimulação ao consumo de psicofármacos. In: DE CASTRO, F.C.L.; DA ROSA, B.J.; MARQUES, C. (org.). Filosofia e Psicanálise: Psicopolíticas e Patologias Contemporâneas. Vol. 1. Porto Alegre: Fundação Fênix, 2020. p. 177-202.

Artigo anteriorÚltimo relatório da ONU pede mudança global de paradigma nos cuidados de saúde mental
Próximo artigoYoga eficaz para sintomas depressivos
Graduada em Psicologia pela UERJ, especialista em Terapia Familiar pelo IPUB/UFRJ, com ênfase em saúde mental. Pesquisadora auxiliar do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz Antonio Ivo de Carvalho (CEE/Fiocruz) e Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial(LAPS/ENSP/Fiocruz) Produtora e apresentadora do podcast Enloucast. Além de atuar como psicóloga clínica. Áreas de interesse: Saúde Mental, Terapia Sistêmica, Diálogo Aberto, Construcionismo Social, Medicalização e Patologização da vida