Conclusões dos estudos de escaneamento do cérebro são “Problemáticos se não infundados”.

Apesar dos protestos dos principais especialistas, os principais periódicos de psiquiatria e neurociência continuam a publicar alegações infundadas sobre exames cerebrais.

0
145

Em um novo artigo, especialistas em tecnologia de ressonância magnética repreendem severamente os periódicos científico de primeira linha por permitirem declarações não fundamentadas sobre as descobertas da ressonância magnética. “Vocês não podem estar falando sério”, escrevem eles.

Os pesquisadores Daniel Weinberger e Eugenia Radulescu, da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, publicaram o comentário no periódico de primeira linha JAMA Psychiatry. Eles argumentam que as conclusões tiradas dos exames cerebrais são “problemáticas se não infundadas”.

Os pesquisadores falaram previamente sobre a natureza inconclusiva dos estudos de ressonância magnética ao escreverem um comentário no The American Journal of Psychiatry em 2016. Nesse artigo, eles forneceram aos pesquisadores sugestões de frases para deixar claro que quaisquer conclusões baseadas em exames de ressonância magnética eram inconclusivas e preliminares, na melhor das hipóteses.

Desde então, 46 estudos usando ressonância magnética foram publicados em dois periódicos de primeira linha, JAMA Psychiatry e The American Journal of Psychiatry. Inúmeros outros apareceram em outros periódicos, como o NeuroImage: Clinical and Biological Psychiatry.

De acordo com os pesquisadores, nenhum desses estudos utilizou a frase sugerida. Pior ainda, eles escrevem, “todos [46 estudos] concluíram que os resultados são evidências de mudanças potencialmente deletérias na estrutura do cérebro”.

De acordo com os pesquisadores, há demasiados fatores de confusão em cada ressonância magnética para se fazer qualquer declaração conclusiva definitiva. Afinal, as IRMs não medem diretamente o cérebro no sentido que é mais comumente entendido. Ao invés disso, as imagens medem pequenas mudanças magnéticas dentro do cérebro, que podem ser devidas a qualquer número de fatores.

“A variação substancial nas dimensões do cérebro medida na IRM pode ser associada à variação no conteúdo de água, perfusão dos tecidos, peso corporal, níveis de colesterol, movimento imperceptível da cabeça, níveis de esteroides endógenos, hora do dia e até mesmo exercício e atividades mentais. Como muitos desses elementos de confusão tendem a se segregar com a população estudada, o potencial de má atribuição de causa é substancial”.

Este comentário vem na sequência de um outro estudo, que constatou que os pesquisadores podem chegar a conclusões contraditórias e muito diferentes quando analisam os mesmos dados de IRM.

Entretanto, parece que o que convenceu Weinberger e Radulescu a comentar novamente após quatro anos de pesquisa de ressonância magnética enganosa propagando-se como um vírus através da literatura de pesquisa foi um único estudo recente que sugeriu que os medicamentos neurolépticos (“antipsicóticos”) têm um efeito prejudicial sobre o tecido cerebral.

Em seu comentário, Weinberger e Radulescu criticam esse estudo em particular, sugerindo que o efeito das drogas sobre os níveis lipídicos no cérebro poderia ter sido responsável pelas conclusões de que as regiões do cérebro estavam “afinando” após o uso de drogas.

Entretanto, deve-se notar que inúmeras meta-análises, como essa de 2013, encontraram resultados semelhantes. Esse estudo demonstrou que reduções no volume do cérebro ao longo do tempo foram associadas ao uso neuroléptico, não à “duração da doença ou à gravidade da doença”.

Em conclusão, Weinberger e Radulescu novamente pedem que os periódicos psiquiátricos imponham uma linguagem que deixe claro o quanto os dados preliminares e inconclusivos da ressonância magnética realmente o são.

“Imploramos aos editores de periódicos psiquiátricos que exijam, no mínimo, que o texto em todos os manuscritos submetidos usando técnicas de ressonância magnética estrutural contenha estas precauções e se refira a ‘diferenças nas medidas de ressonância magnética possivelmente sugestivas de …’ ou ‘diferenças nas medidas de ressonância magnética possivelmente relacionadas a…,’ em vez de perda incondicional de tecido ou frases semelhantes”.

****

Weinberger, DR, & Radulescu, E. (2020). Structural magnetic resonance imaging all over again. JAMA Psychiatry, Published online July 22, 2020. DOI:10.1001/jamapsychiatry.2020.1941. (Link)

Artigo anteriorA cultura medicalizante e os processos transgeracionais
Próximo artigoSofrimento da Quarentena, Normal ou Patológico?
Peter Simons
Peter Simons MIA-UMB News Team: Peter Simons tem formação em ciências humanas onde estudou inglês, filosofia e arte. Agora está em seu doutorado em Psicologia de Aconselhamento, sua pesquisa recente tem se concentrado em conflitos de interesse na literatura de pesquisa psicofarmacêutica, o uso de medicamentos antipsicóticos no tratamento da depressão, e as implicações filosóficas e sociopolíticas gerais da taxonomia psiquiátrica no diagnóstico e tratamento.