Desigualdades sociais provocam aumento do sofrimento mental em meio à pandemia da COVID-1

Os pesquisadores apontam que o sofrimento mental em um mundo pós-COVID-19 está relacionado a determinantes sociais e não ao vírus em si.

0
341

Nos últimos meses, os especialistas em saúde mental previram um forte aumento dos transtornos psiquiátricos e um próximo “tsunami de doença mental“. Eles atribuem o aumento aos efeitos da pandemia COVID-19 e sugerem que o medo da doença e da morte, e o isolamento causado pelos lockdowns, levarão a uma explosão de doenças mentais em todo o mundo. Também tem sido sugerido que os especialistas devem responder com um aumento igualmente acentuado dos serviços especializados em saúde mental.

Em uma carta aberta na Wellcome Open Research, pesquisadores proeminentes, liderados pelo notável sociólogo médico Nikolas Rose do King’s College London, se opõem a esta conclusão apressada. Em vez disso, eles observam que um aumento no sofrimento emocional e psicológico são respostas normais às consequências de uma pandemia global e não a algum marcador de doença mental. À luz da resposta equivocada da Grã-Bretanha à pandemia, eles argumentam que o que é necessário é aumentar o financiamento e o apoio do governo para necessidades práticas, tais como moradia, apoio de pares e renda básica universal.

“TSUNAMI IN NEW YORK” BY GOA

Apesar do alarme lançado por especialistas em saúde mental em todo o mundo sobre a iminente crise psiquiátrica que se seguirá à epidemia COVID-19, os céticos têm advertido contra a patologização preventiva das respostas que são comuns a estas difíceis circunstâncias. Outros notaram que as conexões forjadas entre a COVID-19 e a saúde mental parecem ignorar as perspectivas, experiências e preocupações do Sul Global.

Os autores insistem que o sofrimento mental de longo prazo não é simplesmente causado pela COVID-19, mas é, ao contrário, um produto de como os determinantes sociais da saúde mental interagem com a pandemia.

Aqueles que já estão privados de direitos são mais adversamente afetados pela pandemia. Como os recursos da comunidade são desviados para lidar com a COVID-19, esses recursos são frequentemente tirados dos mais vulneráveis.

A última década testemunhou um reconhecimento crescente de que determinantes sociais como a pobreza, violência política, racismo, violência baseada em gênero, etc. impulsionam os resultados da saúde mental das populações. Esta abordagem foi recentemente apresentada no último relatório da ONU, que condenou a contínua individualização do sofrimento que ignora tais dimensões materiais e práticas da angústia humana.

Por exemplo, os autores desta carta afirmam que as consequências das desigualdades sociais incluem a carga desproporcional de responsabilidade imposta às mulheres, uma vez que muitas vezes elas carregam a carga adicional e desigual de responsabilidades domésticas (por exemplo, o cuidado das crianças desde que as escolas estão fechadas) e o estresse dos empregos de linha de frente (por exemplo, enfermeiras, trabalhadores de mercearia). Da mesma forma, as populações vulneráveis também correm o risco de maior exposição ao racismo e ao estigma, o que agrava ainda mais o sofrimento mental, aumentando a exclusão social e o isolamento. Rose e colegas escrevem:

“Como tão claramente é demonstrado por um enorme a avassalador conjunto de evidências sobre os determinantes sociais da saúde mental, o maior risco de desenvolvimento de um sofrimento mental sério e duradouro recairá sobre aqueles já estão afetados pela desigualdade social”.

Os autores observam que a resposta britânica à pandemia, especialmente no que diz respeito à saúde mental, deveria ter considerado estas preocupações. Em vez disso, os formuladores de políticas têm ignorado as vozes daqueles com experiência vivida de doença mental. Sem abordar os determinantes sociais da saúde mental, todas as tentativas de fornecer apoio psicológico especializado (neurológico, psiquiátrico, farmacológico, genético, psicológico, etc.) são mal orientadas.

Assim, eles insistem que as perspectivas dos usuários de serviços devem permanecer centrais no desvio de recursos para as comunidades vulneráveis a fim de fornecer apoio material e fortalecer os laços sociais e comunitários. Estes incluem as comunidades negras, asiáticas e minorias étnicas (BAME), que enfrentam um desafio único durante a pandemia. Por exemplo, alguns desses desafios são:
“racismo, xenofobia e violência; ambientes obesogênicos, degradados e poluídos; insegurança financeira, benefícios condicionais insensíveis ao bem-estar; trabalho precário, condições expostas para trabalhadores da linha de frente em casas de repouso, trabalhadores do transporte, motoristas de entregas, empacotadores de depósitos e motoristas de táxi; educação infantil prejudicada por escolas empobrecidas por uma década de restrições financeiras e falta de acesso aos recursos para a educação digital, e instalações comunitárias esvaziadas por uma década de austeridade”.

Repetidas investigações têm provado a importância destes determinantes sociais na saúde mental das pessoas, e os autores insistem que o impacto econômico da pandemia terá o impacto mais significativo sobre estas comunidades, causando maior deterioração do bem-estar psicológico. Até que estes fatores sociais e econômicos subjacentes sejam tratados através do fortalecimento dos sistemas socioeconômicos, as intervenções psiquiátricas e neurológicas de base correm o risco de exacerbar as desigualdades.

Da mesma forma, em nível global, os pesquisadores têm argumentado que os trabalhadores da saúde devem ser treinados para pensar criticamente e abordar a importância dos fatores estruturais que influenciam a saúde das pessoas. Estas perspectivas alternativas que se concentram nas preocupações materiais e práticas das pessoas são um desafio para o paradigma dominante na psiquiatria, o paradigma biomédico de doença. Esta perspectiva alternativa é oferecida por usuários de serviços com experiência em primeira pessoa de sofrimento mental e por cientistas sociais.

Qualquer decisão política abrangente e útil sobre a COVID-19 deve incluir a contribuição de usuários de serviços, defensores da incapacidade psicossocial e pessoas com experiência vivida. Por esta razão, os autores defendem a revogação da Lei do Coronavírus da Grã-Bretanha de 2020, que afeta os direitos dos pacientes com saúde mental, negando-lhes uma avaliação completa antes da hospitalização forçada.

Os autores escrevem que circunstâncias difíceis e as consequências socioeconômicas da COVID-19 levam ao sofrimento normal, que não é patológico em si mesmo, mas que pode se transformar em problemas de saúde mental a longo prazo se as estruturas formais e informais de apoio social não forem protegidas e melhoradas.

A promoção do bem-estar psicológico requer apoio do bem-estar social, transporte público gratuito e políticas que protejam as crianças carentes, fornecendo recursos digitais e alimentares para aqueles que estão sendo educados em casa durante a pandemia.

Além disso, durante a pandemia, as ações que ajudarão a atender às preocupações dos usuários dos serviços e daqueles com deficiências psicossociais incluem garantir que os grupos de usuários dos serviços, as equipes de saúde mental da comunidade e os grupos de ajuda mútua e auto-ajuda tenham o apoio adequado. Além disso, os investimentos em grupos voluntários de apoio local são essenciais.The authors conclude:

“As linhas de falha na sociedade britânica têm sido reveladas de forma categórica pela pandemia. Para ‘reconstruir melhor’ no longo rescaldo da COVID-19, precisamos criar os ambientes sociais e materiais que não só abordem as causas da doença mental, mas também aumentem a capacidade de todos os cidadãos de criar vidas de sentido e propósito para si mesmos”.

****

Rose, N., Manning, N., Bentall, R., Bhui, K., Burgess, R., Carr, S., … & Faulkner, A. (2020). The social underpinnings of mental distress in the time of COVID-19–time for urgent action. Wellcome Open Research5(166). (Link)

 

Artigo anteriorNecropolítica e sofrimento psíquico em tempos de pandemia
Próximo artigoLoucura e intelectualidade: um depoimento e um manifesto
Ayurdhi Dhar
Equipe de Notícias da MIA Research: Ayurdhi Dhar é professora de psicologia na University of West Georgia, onde também concluiu seu Ph.D. em Consciência e Sociedade em 2017. Ela é autora de Loucura e Subjetividade: Um Exame Intercultural de Psicose no Ocidente e na Índia (a ser lançado em setembro de 2019). Seus interesses de pesquisa incluem a relação entre esquizofrenia e imigração, práticas discursivas que sustentam o conceito de doença mental e críticas de formas de conhecimento contextuais e a-históricas.