COVID-19 está deixando todo mundo louco?

0
382

A pandemia de coronavírus tem oferecido uma oportunidade de ouro para alguns psicoterapeutas, para entidades financiadas pelas grandes empresas farmacêuticas e outros que soaram um alarme, afirmando que um grande número de pessoas está “mentalmente doente” por causa do medo do vírus e das reações ao distanciamento social.

Os produtores de mídia promoveram esses avisos em maio, que foi considerado o mês da conscientização em saúde mental. Um artigo recente do Washington Post intitulado “Um terço dos americanos agora mostra sinais de ansiedade clínica ou depressão, Census Bureau descobre em meio à pandemia do coronavírus”, fez essa afirmação. E em um artigo recente do New York Times, o psicólogo Andrew Solomon, relatando dados de que quase metade dos entrevistados disse que a pandemia prejudicou a “saúde mental” deles, chocantemente equiparou isso a doenças mentais que se tornaram uma “realidade universal”.

Em um comunicado de imprensa de 5 de junho, a Associação Psiquiátrica Americana (APA), um grupo de lobby dos psiquiatras, relatou um aumento de transtornos psiquiátricos durante a pandemia, com base em uma ferramenta de triagem anônima on-line. Sem qualquer base científica, as ferramentas de triagem que supostamente informam ao participante do teste se ele tem uma “doença mental”, incluindo esta outra Mental Health America (MHA) tool, geralmente são baseadas em uma lista de sentimentos e dificuldades que a maioria das pessoas sente às vezes, e nos pontos de corte que eles fornecem para quando se deve procurar uma ajuda profissional.

Esta ferramenta inclui instruções para se fazer o teste deles de Depressão, quando se está a sentir uma tristeza avassaladora. Queremos realmente chamar de doença mental à tristeza avassaladora em resposta ao isolamento, ao medo e ao futuro desconhecido ocasionados pela pandemia? Eles dizem para se fazer o teste deles de Ansiedade, se a preocupação e o medo estiverem afetando o seu funcionamento diário. Quem hoje em dia não se preocupa se a máscara está adequada, se lavou o suficiente as mãos várias vezes e em água quente, se deve ficar longe de um parente idoso e querido por medo de comunicar o vírus e, assim, aumentar a solidão ou ir embora vê-los usando máscara e luvas e mantendo um metro e meio de distância, mas ainda preocupados, porque descobriremos mais tarde que um metro e meio de distância não foi suficiente?

Tais afirmações prometem uma vasta expansão do mercado para os terapeutas, mas carregam um grande potencial de dano, aumentando os fardos das pessoas com sentimentos profundamente perturbadores, mas compreensíveis e essencialmente humanos, informando-os de que o que têm são transtornos psiquiátricos. Qualquer pessoa que tenha sentimentos perturbadores merece amor, ajuda, compreensão e apoio, seja da família e dos amigos ou, se preferir, do clero ou dos terapeutas. Mas as pessoas também merecem saber sobre os perigos de classificar todos os transtornos como ‘doença mental’.

Existem dois significados comuns para o termo “caixa preta” e ambos se aplicam aqui. Um significado vem dos avisos da Food and Drug Administration (FDA) para alertar os consumidores sobre os perigos em potencial de um produto, porém as pessoas deveriam igualmente ser alertadas para não se apressarem em chamar o seu transtorno de  “doença mental”.

Quando as pessoas estão lutando, sofrendo ou respondendo de maneiras incomuns, frequentemente temem que os seus sentimentos signifiquem que estão “doentes mentais” e que deveriam estar “se saindo melhor” do que estão. Uma das coisas mais úteis que os terapeutas podem fazer é que eles saibam que seus sentimentos são reações profundamente humanas, não sinais de doença.

Uma análise cuidadosa de quatro fatos deixa claro que é necessária cautela antes de patologizar as reações à pandemia atual:

  • Pouco se sabe sobre o COVID-19 ou sobre como se proteger dele, e seus efeitos podem ser fatais; portanto, sentir-se confuso, assustado – mesmo aterrorizado, impotente e desamparado – não deve ser classificado como transtornos psiquiátricos, mas como reações normais e compreensíveis a eventos extremamente incomuns.
  • Como observa a poeta Heather McHugh, em nossas vidas diárias, em circunstâncias comuns, tendemos a evitar “o nosso terror fundamental com as nossas próprias mortes”, mas a concentração com a pandemia de tantas mortes ao mesmo tempo e o fato de que nossa própria morte é agora mais provável que seja iminente “pesa sobre nós o fardo do conhecimento da mortalidade”. McHugh cita o poema de Audre Lorde, “Uma ladainha pela sobrevivência”, que termina com a frase “nunca fomos destinados a sobreviver”. De repente, ser confrontado com algo tão aterrorizante para muitas pessoas, que frequentemente é um choque para a consciência, isso é por si próprio muito desorientador: a fuga não funciona tão bem agora, então como começar a encontrar outras maneiras de lidar com a nossa mortalidade?
  • O isolamento físico de outras pessoas interrompe a participação na comunidade que comprovadamente é curativa; e as políticas de distanciamento social e permanência em casa reduzem drasticamente a participação na comunidade. As conexões por meio de chamadas de zoom dispararam e podem ser úteis, mas têm desvantagens. Muitas incluem inúmeros participantes, que podem inibir conversas profundas sobre sentimentos e criação / manutenção de relacionamentos significativos. Além disso, há alguma tensão envolvida no monitoramento de quem está falando e quando é que é para entrar em ação, e isso exige energia extra para lembrar-se de ficar dentro do alcance da câmera, monitorar quando silenciar e ativar o som e projetar o suficiente para ser ouvido. Nenhuma chamada de zoom pode substituir o toque humano, o que promove segurança, felicidade e pertença. Ser incapaz de abraçar um ente querido sem medo de se contagiar ou transmitir o vírus interfere quando queremos ver pessoas com quem não vivemos – avós, pais idosos, netos, amigos, vizinhos.
  • Muitas pessoas estão lidando com o aumento da solidão, o alarme sobre a perda de empregos e a identidade do trabalho, novas crises financeiras e abuso de crianças ou cônjuges. Asiáticos e asiático-americanos têm sido alvo de discriminação e abuso por causa de alegações de que o COVID-19 se originou na China. Muitos afro-americanos e latino-americanXs e as pessoas em lares, prisões e hospitais psiquiátricos sabem que o risco de contrair o vírus é maior que o de outros, agravando o medo, o sofrimento e a raiva pelas razões do aumento do risco. O transtorno causado por qualquer uma dessas causas não deve ser chamado de doença mental. O mesmo se aplica aos profissionais de saúde que estão na linha de frente e a outros trabalhadores essenciais e pessoas que, de repente, tiveram que prestar cuidados constantes a famílias de todas as idades e educação para os filhos ou para aqueles que sofrem a morte de entes queridos. Assim como os veteranos militares traumatizados pela guerra ou vítimas de todas as formas de opressão e violência, a última coisa que essas pessoas precisam é que as suas reações sejam uma prova de que são psiquiatricamente transtornadas; e a mensagem de que elas deveriam saber como “lidar melhor” apenas aumenta o seu ônus.

Não é de admirar que tantas pessoas estejam se sentindo esgotadas!

As pessoas que sofrem emocionalmente com os efeitos do COVID-19 merecem ajuda, mas deve ser uma ajuda real, como aliviar os seus encargos econômicos, protegê-las da violência e aumentar o apoio da comunidade, incluindo todos nós, mostrando que estamos dispostos a ouvir o que elas estão passando e reconhecendo o quanto essas lutas são comuns. É importante ressaltar que devemos saber que o seu sofrimento não garante classificá-las como doentes mentais (como observa o psiquiatra Dainius Puras, relator especial da ONU).

Um padrão cada vez mais difundido é o salto para recomendar “terapia” ou “serviços de saúde mental” quando se chama atenção para o sofrimento humano. Isso se refere ao significado antigo de “caixa preta” como algo cujas entradas e saídas podem ser visualizadas, mas cujo funcionamento interno é desconhecido. Os termos “terapia” e “serviços” são caixas pretas, tão vagos que podem incluir toda a gama de bons e maus terapeutas e abordagens. Frequentemente, amigos e familiares bem-intencionados, e certamente legisladores, sentem que fizeram a sua parte enviando alguém para terapia ou votando para aumentar o financiamento de tais serviços, sem garantir que os terapeutas sejam atenciosos e eficazes ou que os serviços realmente ajudem. Alguns terapeutas são ótimos, e algumas abordagens classificadas como “serviços de saúde mental” ajudam algumas pessoas, mas alguns terapeutas causam danos.

Da mesma forma, as drogas psiquiátricas às vezes ajudam, mas muitas vezes prejudicam, e o seu uso rapidamente disparou na pandemia, talvez devido às pessoas que supõem que precisariam delas, mas que agora declinou para níveis pré-pandêmicos. Outras abordagens podem causar danos e alguns serviços realmente aumentam os suicídios. Além disso, assim que uma pessoa é diagnosticada como “doente mental”, seu próprio foco e o dos profissionais tendem a se desviar bastante das abordagens não patológicas, de baixo risco e sem risco, conhecidas por serem eficazes.

Mais de duas dúzias destes últimos recursos, como envolvimento nas artes, exercício físico, meditação, ter um animal doméstico, realizar trabalhos voluntários e ter um ouvinte, podem ser vistos aqui (estes são de uma conferência sobre veteranos, mas podem ser úteis para qualquer um) (veja também aqui). Mas entidades como a APA não tendem a mencionar essas abordagens, mas se concentram apenas na terapia e nos medicamentos, e a ferramenta de triagem do MHA que eles citam exorta as pessoas a procurar um profissional de saúde mental.

Lauren Tenney, Ph.D., psicóloga com experiência em trauma e violações de direitos humanos, diz que “as respostas emocionais que as pessoas estão tendo com as circunstâncias não naturais e traumáticas criadas pela pandemia não são sinais de suposta ‘doença mental’”. Ela enfatiza que as pessoas que estão “experimentando uma série de emoções fora de sua zona de conforto devem ver esses transtornos emocionais como reações naturais ao que se passa e tentar abraçar as profundezas dos sentimentos que o isolamento social pode criar”. Ela pede aos que estão sofrendo: “Trabalhe ativamente para se conectar com outras pessoas que estão tendo experiências semelhantes” e sugere que “as pessoas devem ser apoiadas na busca de resiliência diante das adversidades ambientais”.

Até o Google está entrando em ação, fazendo parceria com a Aliança Nacional para Doenças Mentais (NAMI) para publicar uma ferramenta de “auto-avaliação da ansiedade”. O anúncio da parceria incluiu a descrição do NAMI, que é fortemente financiado pela Big Pharma, como uma organização “de base”, e eles usam uma ferramenta baseada diretamente em uma descrição psiquiátrica da ansiedade e intitulada com o nome de um transtorno psiquiátrico. Além disso, eles “fornecerão acesso a recursos” – novamente a palavra caixa preta “recursos”, desenvolvida pela NAMI.

Uma fonte importante de confusão é que, quando os termos “problemas de saúde mental” ou “condições de saúde mental” são usados – em vez de, por exemplo, “transtorno emocional” ou “sofrimento” -, muitas vezes, eles são considerados “doença mental”. ” Como resultado, relatos da mídia de aumentos nos quais reações compreensíveis à pandemia são descritas como “problemas de saúde mental” são facilmente assumidas como indicativas de aumentos nos transtornos psiquiátricos. Para agravar a confusão, os transtornos psiquiátricos são amplamente – mas erroneamente – assumidos como entidades cientificamente validadas; portanto, diante das alegações de aumento da doença mental, raramente é feita a pergunta básica: “Mas a ‘doença mental’ não é definida cientificamente? e por quem tem o poder de defini-lo?” Em vez disso, é assumido que fica claro o que são “doenças mentais” e que elas estão surgindo.

Um exemplo é um anúncio recente de que a pandemia aumentará a “depressão pós-parto” e os “transtornos perinatais de humor e ansiedade”. A autora, psiquiatra, não chega nem perto de questionar a validade dessas categorias e simplesmente alega que elas são parcialmente causadas neurobiologicamente, e ela patologiza os medos totalmente razoáveis das gestantes que a pandemia provoca, apesar de reconhecer que os apoios sociais (mais difíceis de obter no era do coronavírus) são cruciais para prevenir o que seria chamado mais apropriadamente de isolamento, medo e tristeza pós-parto, em vez de transtornos psiquiátricos.

Curiosamente, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, alerta que a “pandemia está destacando a necessidade de aumentar urgentemente o investimento em serviços de saúde mental ou há o risco de um aumento maciço nas condições psiquiátricas nos próximos meses”, apesar de notar que fatores pandêmicos como “isolamento social, medo de contágio e perda de membros da família são agravados pelo sofrimento causado pela perda de renda e, muitas vezes, por perda do emprego”.

A psiquiatria da América tem sido tão eficaz que muitos profissionais e leigos assumem prontamente que o sistema tradicional de saúde mental pode e deve resolver todos os problemas emocionais. As evidências das limitações desse sistema incluem altas e crescentes taxas de suicídio e morte e altas e crescentes taxas de incapacidade a longo prazo das pessoas tratadas nesse sistema. Bons terapeutas – e leigos – podem ajudar a normalizar sentimentos e explorar maneiras úteis de lidar.

Mas a terapia não deve ser vista como a única opção ou como a que definitivamente ajudará. O que se provou útil para as pessoas que sofreram incluiu estar livre das pressões econômicas, pobreza, violência, opressão e atendimento médico inadequado; um lugar seguro para morar; e conexões humanas significativas. Até mesmo os autores de um artigo recente do British Medical Journal advertindo sobre um “tsunami” de “casos de saúde mental” observam que as pessoas mais em risco são aquelas com “meios de subsistência precários” e “saúde mais pobre” e, felizmente, alguns grupos estão assegurando às pessoas que sua perturbação é compreensível à luz das circunstâncias estranhas, novas, maciças e abruptamente alteradas e de ser arrancada de suas comunidades e fontes de apoio habituais.

Estudos controlados de abordagens destinadas a reduzir o sofrimento emocional são quase impossíveis de se  criar, mas um contraste interessante dos efeitos de uma abordagem tradicional e patológica e dos não patológicos é relatado em um artigo recente sobre duas regiões vizinhas de Ohio. Embora sejam necessárias mais informações a partir de contrastes semelhantes, o relatório desses dois é de interesse.

O Conselho de Saúde Mental do Condado de Richland, que incentivou o uso tradicional de linhas diretas de aconselhamento e crise, relata um aumento recente de suicídios. Nas proximidades, o diretor executivo do Conselho de Recuperação e Saúde Mental de Ashland, Steve Stone, cujo Conselho defende abordagens não patológicas, ou o que ele chama de “autocuidado” e “sistemas de apoio natural”, relata que seus serviços de crise não aumentaram e, em alguns aspectos, diminuíram ligeiramente , e não houve suicídios nem aumento de novas pessoas que procuram ajuda. Ele citou os programas de apoio de colegas como cruciais para manter seus números baixos, incluindo um grupo de costura, no qual os membros da comunidade fizeram centenas de máscaras faciais, e um grupo de redação que escreverá cartas para pacientes em hospitais estaduais durante a pandemia. Stone é citado como tendo dito que eles dependem muito pouco de programas estaduais e hospitalares, e ele “acha que a necessidade de serviços profissionais de saúde mental permanecerá baixa com base em abordagens de bom senso de pessoas que cuidam de si mesmas e umas das outras”.

Isso aumentará as tragédias causadas pela pandemia atual, se toda a esperança estiver focada no sistema de saúde mental e for desviada de muitas coisas que reduzem o sofrimento e o fazem sem chamar a atenção de todos que sofrem de doença mental.