Para pessoas “em risco de psicose”, antipsicóticos associados a piores resultados

Os pesquisadores estudaram se os antipsicóticos poderiam impedir a transição para a psicose total e descobriram que os medicamentos pioraram os resultados.

0
243

Os tranquilizantes neurolépticos comumente chamados de “antipsicóticos” são frequentemente usados como tratamento de primeira linha para aqueles considerados “em risco de psicose”, pois os prestadores de tratamento tentam evitar o agravamento dos sintomas psicóticos associados à esquizofrenia. No entanto, existem poucas evidências de que essa abordagem seja eficaz, e os medicamentos estão associados a muitos efeitos nocivos.

Em um novo estudo, publicado no Australian & New Zealand Journal of Psychiatry, os pesquisadores investigaram se os antipsicóticos poderiam impedir a “conversão à psicose” em pessoas identificadas como “clinicamente de alto risco (CHR) da psicose”.

Os pesquisadores descobriram que os antipsicóticos estavam consistentemente associados a piores resultados – taxas mais altas de “conversão à psicose” foram encontradas naqueles que tomaram os medicamentos, naqueles que tinham várias prescrições e naqueles que tomaram uma dose mais alta.

“A administração de antipsicóticos em pacientes com CHR é potencialmente prejudicial, sem benefícios preventivos. Não recomendamos tratamento antipsicótico para indivíduos com CHR, praticado amplamente na China, e aconselhamos cautela se esses medicamentos forem usados. ”

TianHong Zhang liderou a pesquisa na Faculdade de Medicina da Universidade Jiaotong de Xangai, na China.

O estudo

A pesquisa foi parte do julgamento do SHARP (ShangHai em risco de psicose). Quinhentos e dezessete participantes entre 13 e 45 anos foram identificados como “CHR” com base em critérios clínicos, a Entrevista Estruturada para Síndromes Prodrômicas (SIPS). Quatrocentos e cinquenta dos participantes completaram um estudo de follow-up de 2 ou 3 anos.

Nenhum dos participantes jamais havia recebido medicação psiquiátrica ou psicoterapia antes.

Este não foi um estudo controlado e randomizado, mas um estudo da vida real – projetado para ver como as pessoas se saíram na prática real, e não em uma pesquisa de laboratório controlada.

Os pesquisadores argumentam que os médicos geralmente desconsideram os resultados dos ensaios clínicos randomizados com a desculpa de que as situações do mundo real são mais complexas, e o julgamento clínico não pode ser vinculado a estudos controlados. Portanto, essa avaliação do mundo real foi projetada para mostrar resultados reais para os clínicos levarem em consideração em sua prática.

Os participantes receberam antipsicóticos com base no julgamento do seu médico pessoal. No entanto, os pesquisadores foram capazes de estratificar seus resultados por várias medidas, inclusive pela gravidade dos sintomas. Isso significa que eles poderam comparar aqueles com CHR leve que tomaram e não tomaram antipsicóticos, aqueles com CHR grave que tomaram e não tomaram antipsicóticos, e aqueles em doses diferentes e mais prescrições de antipsicóticos.

Resultados

Para aqueles com CHR leve, o tratamento antipsicótico foi associado a piores resultados – taxas mais altas de “conversão à psicose”.

Para aqueles com CHR mais grave, o tratamento com antipsicótico ainda não resultou em melhora. Em vez disso, as taxas de “conversão à psicose” foram as mesmas, em média, do que se alguém tomava um antipsicótico ou não.

Entre aqueles que tomaram antipsicóticos, aqueles que tomaram uma única droga e aqueles que tomaram uma dose mais baixa tiveram menos probabilidade de se “converter em psicose” do que aqueles a quem foram prescritas várias drogas e doses mais altas.

Foram utilizados muitos antipsicóticos diferentes, incluindo aripiprazol, olanzapina, risperidona, amisulprida e quetiapina. Os pesquisadores escrevem que “seus resultados não favoreceram nenhum tipo específico de antipsicótico”.

Em resumo, os pesquisadores escrevem,

“Quando foi considerada a gravidade inicial dos sintomas, nenhuma diferença significativa foi detectada no grupo CHR grave em termos de taxa de conversão, entretanto bem diferente entre aqueles no grupo CHR leve que foram tratados com antipsicóticos, pois estes estiveram em maior risco de psicose”.

É importante notar que nenhum dos participantes recebeu psicoterapia – portanto, essa foi uma comparação entre pessoas que receberam antipsicóticos e pessoas que não receberam tratamento.

Os pesquisadores escrevem que as pessoas que não recebem tratamento podem se sair melhor devido à vida normal sem o estigma de sofrimento médico e os efeitos adversos dos tranquilizantes neurolépticos:

“Vale ressaltar que os pacientes não tratados com antipsicóticos podem ter se beneficiado funcionalmente pelo menor estresse estigmatizado, pelos efeitos adversos e viver em um ambiente mais ‘normal’ e relaxado”.

Pesquisas anteriores descobriram que cerca de 73% das pessoas com o rótulo CHR nunca desenvolvem uma “psicose” completa. Outra pesquisa descobriu que apenas receber o rótulo de CHR leva a efeitos estigmatizantes. Os pesquisadores também criticaram todo o paradigma do uso do rótulo CHR.

Mesmo na psicose total do primeiro episódio, os pesquisadores descobriram que a TCC (Terapia Cognitivo-Comportamental) sem antipsicóticos é tão eficaz quanto a adição de medicamentos, sem nenhuma melhora adicional.

A evidência contra o uso de antipsicóticos para psicose precoce e estados de risco é clara. As diretrizes recomendam contra o seu uso nessas situações, e um corpo substancial de estudos não encontrou melhora – ou encontrou resultados ainda piores – para aqueles que tomam antipsicóticos.

No entanto, de acordo com os autores do presente estudo, os médicos tendem a ignorar essas evidências.

“Embora os ECRs e diretrizes tenham recomendado contra o uso de antipsicóticos para indivíduos com CHR, os médicos geralmente não seguem as diretrizes. A complexidade da prática clínica diária tem sido frequentemente usada como desculpa para os médicos oferecerem terapia fácil em vez de terapia adequada. ”

****

Zhang, T., Xu, L., Tang, X., Wei, Y., Hu, Q., Hu, Y., . . . & Wang, J. (2020). Real-world effectiveness of antipsychotic treatment in psychosis prevention in a 3-year cohort of 517 individuals at clinical high risk from the SHARP (ShangHai At Risk for Psychosis). Australian & New Zealand Journal of Psychiatry, 54(7), 696-706. https://doi.org/10.1177/0004867420917449 (Link)