A discriminação leva à angústia mental de pessoas LGBT

Uma análise da investigação qualitativa identifica as necessidades específicas das comunidades LGBT no domínio da saúde mental.

0
296

Um artigo recente, publicado no Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing, realizou uma revisão de síntese qualitativa da experiência dos indivíduos LGBT no acesso aos cuidados de saúde mental e das suas necessidades específicas de saúde mental. Os investigadores propõem que a educação em enfermagem de saúde mental deve incorporar modelos que promovam a equidade, a inclusão e o respeito pelo gênero e pelas minorias sexuais.

“A cultura dominante na enfermagem e psiquiatria da saúde mental é hetero e cis-normativa”, salienta o autor principal, Samuel Rees, da Universidade de Otago, na Nova Zelândia. “O gênero e as minorias sexuais dentro do modelo médico ocidental são patologizados e muitas vezes vistos como indivíduos desviados que requerem atenção legal e médica”.

Com base na teoria do stress das minorias, os indivíduos LGBT experimentam um maior stress por três vias diferentes: homofobia internalizada, casos reais de preconceito, e estigma percebido, levando a uma saúde mental mais deficiente e a taxas de suicídio mais elevadas. Além disso, a discriminação sistemática nos cuidados de saúde também cria barreiras únicas para que as comunidades LGBT tenham acesso aos cuidados. Se os prestadores de cuidados de saúde mental e psiquiatria não tiverem uma consciência e compreensão profundas das necessidades específicas dos indivíduos LGBT, as comunidades LGBT estão expostas a um risco mais elevado para as preocupações de saúde mental e experimentam maiores disparidades de saúde.

“Dadas as taxas crescentes de transtornos mentais, é necessário identificar a melhor forma de abordar as necessidades de saúde mental das comunidades LGBT”, acrescentam os investigadores. 

Os autores fizeram uma pesquisa bibliográfica abrangente, excluindo estudos quantitativos, em quatro grandes bases de dados, incluindo Medline, Embase, CINAHL, e PsycINFO, de 1996 a 2020. Após a remoção das duplicações, foram identificados 380 artigos com informação qualitativa da experiência e percepção de vida de indivíduos LGBT relativamente às suas necessidades de saúde mental e à sua experiência de serviços de saúde mental. O estudo removeu artigos sem texto completo, em que os dados não eram apenas de indivíduos LGBT e os que incluíam respostas de indivíduos com mais de 65 anos de idade. No final, foram incluídos 14 estudos na revisão qualitativa da síntese.

Dois temas principais foram identificados a partir da análise da experiência dos indivíduos LGBT em serviços de saúde mental: (1) a experiência de estigma e (2) a falta de conhecimento e compreensão das necessidades das pessoas LGBT. Doze dos estudos tinham relatos de indivíduos LGBT sobre experiências de homofobia, bifobia e transfobia, bem como de monossexualismo e preconceitos heterossexuais quando se envolviam em serviços de saúde mental.

Além disso, muitos participantes descreveram sentir-se ignorados ou maltratados por causa do seu estatuto de minoria sexual. Sete dos estudos descobriram que os participantes foram frequentemente expostos a profissionais de saúde com conhecimento limitado das necessidades específicas das comunidades LGBT, e que se sentiram vulneráveis e sem esperança.
“Os estudos identificaram que continua a haver uma falta de compreensão e conhecimento das questões de saúde mental enfrentadas pelas comunidades LGBT e que são necessários mais tempo e recursos para melhorar os cuidados prestados a esta população minoritária”, escrevem os autores.
“O heterossexismo embutido, a homofobia, a bifobia e a transfobia em todas as instituições sociais continuam a reforçar a exclusão social vivida pelas comunidades LGBT, e isso significa que as suas necessidades são invisíveis”.

Quanto à revisão das necessidades específicas de saúde mental dos indivíduos LGBT, foram identificados dois temas principais: (1) ter serviços ou espaços amigos dos LGBT que reconheçam os diferentes cuidados de saúde mental que são necessários para essas comunidades, e (2) serviços que forneçam cuidados informados que promovam a autoaceitação.

Sete dos estudos identificaram que os profissionais de saúde devem ser não críticos, reconfortantes, e não devem assumir que o indivíduo é heterossexual. Cinco dos estudos apontaram a deficiência dos serviços de saúde existentes para a terapia e tratamento afirmativo de pessoas transgênero. Todos os estudos constataram que os participantes queriam cuidados informados que não patologizassem a sua sexualidade ou assumissem que os seus sintomas de saúde mental estavam associados às suas questões de identidade sexual.

Onze dos estudos identificaram a necessidade de ter acesso à terapia da fala de uma forma acessível e em tempo oportuno e a importância de ter acesso a terapeutas culturalmente sensíveis. Alguns participantes sugeriram que são necessários serviços para promover a autoaceitação e para abordar a luta com normas internalizadas, experiências passadas associadas ao assédio, abuso, violência e outras adversidades associadas à sexualidade.

“O acesso a terapias de fala que promovessem a autoaceitação e apoiassem os princípios de equidade, inclusão e respeito pela diversidade foi um tema em muitos dos estudos”, escreveram os autores. “Apesar da suposta igualdade socioeconômica, jurídica e política, muitos nas comunidades LGBT descreveram lutas específicas associadas à hetero-normatividade, dinâmica complexa nas relações e processos a longo prazo dentro da cultura gay como tendo impacto na sua saúde mental”.

Com base nos resultados da revisão, os autores sugeriram que as práticas de enfermagem e psiquiatria de saúde mental devem assegurar que o tratamento proporcione (1) a autoconsciência dos preconceitos, preconceitos e estigma pessoais e societais LGBT, (2) o conhecimento de importantes questões de saúde e psicossociais LGBT, e (3) competências clínicas LGBT fundamentadas na ética profissional, diretrizes, e padrões de cuidados.

O Modelo de Promoção da Saúde Equidade é proposto para honrar os direitos dos indivíduos LGBT à boa saúde para que possam obter todo o seu potencial de saúde. Os autores concluem:

“A comunidade (LGBT) enfrenta desafios únicos quando se envolve com sistemas de saúde mental com as consequentes necessidades de saúde mental não satisfeitas. Os enfermeiros da saúde mental precisam de incorporar um modelo de promoção da equidade dos cuidados de saúde na sua prática para assegurar equidade, inclusão e respeito pela diversidade. Que os cuidados têm de ser desestigmatizantes, aceitantes, e promotores da autoaceitação”.

****

Rees, S. N., Crowe, M., & Harris, S. (2020). The Lesbian, Gay, Bisexual, and Transgender (LGBT) communities’ mental health care needs and experiences of mental health services: An integrative review of qualitative studies. Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing(Link)