Por que o eletrochoque é uma terapia ainda utilizada?

Prejudica a memória e a cognição, e não traz nenhum alívio duradouro. Porque é que a terapia de "electrochoque" continua a ser um pilar fundamental da psiquiatria?

0
156

Recentemente fomos surpreendidos com a nomeação pelo Ministério da Saúde para o cargo de Coordenador-Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, alguém que tem um histórico de defesa pública da Eletroconvulsivo-terapia (ECT), mais conhecido como tratamento por eletrochoque. O que o Dr. Rafael Bernardon Ribeiro tem dito a respeito da ECT é compartilhado por muitos psiquiatras, infelizmente.

A seguir, transcrevemos na íntegra um artigo do Dr. John Read recentemente publicado na revista AEON. Clique aqui para acessar a versão original

(Nota do Editor)

No início dos anos 70, eu era um jovem ingênuo de 21 anos, apaixonado pelo meu primeiro emprego após a graduação na universidade, como assistente em uma enfermaria psiquiátrica em Nova Iorque. Três vezes por semana, várias mulheres mais velhas sentavam-se numa fila encostadas à parede no corredor. Algumas eram colocadas imóveis em suas cadeiras. Outras pareciam assustadas e agitadas. Ocasionalmente, uma tentava fugir e era levada de volta para a cadeira por pessoal gentil embora firme. Quando descobri que estavam à espera de ‘eletrochoque’, voluntariei-me para o trabalho de me sentar com elas quando vinham da anestesia geral, após o choque eléctrico e a convulsão. Elas perguntavam-me: ‘Onde estou?’ ‘Quem sou eu?’ ‘Por que é que a minha cabeça está a latejar?’ e ‘O que é que eles me fizeram?’ Lembro-me de não poder responder à senhora idosa que me perguntou, em lágrimas: ‘Por que é que eles me fariam tal coisa?

O Royal College of Psychiatrists no Reino Unido, no seu último relatório de informação ao público (2020), escreve:

O ECT é um tratamento para alguns tipos de doenças mentais graves que não responderam a outros tratamentos.

É dado um anestésico e um relaxante muscular, e depois é passada uma corrente eléctrica através da sua cabeça. Isto provoca uma convulsão controlada, que normalmente dura menos de 90 segundos.

A anestesia significa que se está dormindo enquanto isso acontece. O relaxante muscular reduz o movimento das convulsões.

É dado como um programa de tratamentos duas vezes por semana, normalmente durante 3-8 semanas.

A resposta mais comum que recebo quando menciono a terapia de choque para além dos círculos da saúde mental é: ‘Será que ainda estamos realmente fazendo isso?’ Para compreender a perseverança deste tratamento, é necessário recuar no tempo. A terapia eletroconvulsiva (ECT) junta-se a uma longa tradição de aplicação de procedimentos físicos extremos a pessoas aflitas ou em sofrimento psíquico: laxantes agressivos, sangria, vesículas na testa, cadeiras rotativas, banhos de imersão, ser embalado em gelo, inoculação de sarna, alimentação forçada com fuligem de chaminé e piolhos de madeira e, brevemente no início do século XX nos EUA, remoção cirúrgica de dentes, testículos, ovários, vesículas biliares e cólons. O século XX testemunhou febres induzidas pela malária, comas induzidas pela insulina e uma série de procedimentos de “psico-cirurgia”, incluindo martelar um instrumento em forma de picada de gelo no cérebro através da órbita do olho (“lobotomia pré-frontal”) e inserção de ítrio radioativo (Y90) no cérebro (“tractotomia subcaudada”). Todos esses ‘tratamentos’ eram administrados por profissionais que, no seu tempo, acreditavam genuinamente que estavam a ajudar as pessoas.

As convulsões em si, claro, foram sempre consideradas como o sintoma de uma doença e não como uma cura. Então, porque é que, na década de 1930, alguns psiquiatras italianos tiveram a ideia de que seria útil causar convulsões de grande porte em pessoas consideradas loucas? A chave é uma teoria da época que postulava que a epilepsia não poderia existir ao lado de um grupo de sintomas agrupados e chamados “esquizofrenia”. Assim, enquanto alguns médicos começaram a tratar a epilepsia injetando sangue de pessoas diagnosticadas com ‘esquizofrenia’, os psiquiatras estavam a explorar formas de induzir epilepsia, ou pelo menos convulsões epilépticas, em ‘esquizofrénicos’.

Na Hungria, em 1934, o psiquiatra Ladislas Meduna induzia convulsões em doentes, injetando cânfora e metrazol. Após dar a sua primeira injeção, Meduna “ficou tão angustiado que teve de ser apoiado no seu quarto por enfermeiras”, segundo os investigadores. Entretanto, na Itália, o neurologista Ugo Cerletti estava a tentar utilizar a eletricidade. Ele experimentou primeiro com cães, colocando eletrodos na sua boca e reto. Muitos morriam. Ele descobriu uma forma de evitar o coração, em um matadouro:

‘Os porcos eram agarrados nas têmporas com grandes pinças metálicas que eram ligadas a uma corrente eléctrica (125 volts) … caíam inconscientes, endurecidos, depois de alguns segundos eram sacudidos por convulsões da mesma forma que os nossos cães experimentais … Ele sentiu que poderíamos aventurar-nos a experimentar o mesmo no homem.’

Seu primeiro sujeito humano foi um engenheiro de Milão de 39 anos, que a polícia encontrou a vaguear por uma estação de comboios em Roma, num estado confuso. Quando o primeiro choque eléctrico não produziu a convulsão desejada, Cerletti e o seu assistente discutiram se deviam administrar um choque mais poderoso. Cerletti relatou:

‘De imediato, o paciente, que evidentemente estava a seguir a nossa conversa, disse clara e solenemente, sem a sua habitual tagarelice: “Outra não! É mortal!’

Cerletti procedeu de todos os modos, no primeiro dos milhões de casos que se seguiram, e que continuam até hoje, de pessoas a quem esse tratamento tem sido dado, apesar de declararem claramente que não o querem. Depois de outro choque eléctrico maior, que produziu uma convulsão, o engenheiro não se lembrava de ter sofrido um choque; o primeiro de milhões de casos de perda de memória de curto prazo provocada por este tratamento.

‘Mesmo antes de conhecer as investigações sobre a ECT, eu tinha tido uma reação instintiva de que algo estava horrivelmente errado.’

Tal como Meduna antes dele, Cerletti não era insensível aos efeitos do que estava a fazer na pessoa que estava à sua frente:

‘Quando eu vi a reação do doente, pensei comigo mesmo: isto devia ser abolido! Desde então que aguardo com expectativa o momento em que outro tratamento substituirá o eletrochoque.’

Tive uma reação semelhante à de Meduna e Cerletti quando, naquele hospital de Nova Iorque, testemunhei o meu primeiro ECT, juntamente com alguns estudantes de medicina. Quando o psiquiatra perguntou: “Alguém gostaria de carregar no botão?”, os outros cinco jovens estavam todos interessados. Tendo visto a mulher convulsionar e depois coxear, voltei a empurrar o seu corpo inconsciente pelo corredor, o que não foi uma visão muito tranquilizadora para a fila. Acabei por ir parar no estacionamento, a vomitar. Mesmo antes de saber o que a pesquisa diz sobre a ECT, tive, literalmente, uma reação instintiva de que algo estava terrivelmente errado. Mas para compreender por que é que o ECT ainda hoje acontece, lembre-se que os cinco estudantes de medicina ou não partilharam da minha repulsa ou, talvez, optaram por escondê-la do seu professor.

A aceitação na década de 1940 da estranha invenção de Cerletti é melhor compreendida recordando que o “modelo médico” de sofrimento humano da psiquiatria não havia desenvolvido até então nenhum tratamento eficaz. Havia centenas de grandes instituições mentais, cheias de milhares de doentes “crónicos” “incuráveis” e, presumivelmente, equipes pessimistas e bastante desmoralizadas.

Vejo o que aconteceu como uma enorme experiência naturalista demonstrando o poder do placebo, incluindo a criação de expectativas positivas no pessoal e, em última análise, nos pacientes. Os anos 40 e 50 assistiram certamente à alta de muitas pessoas após a ECT, por vezes após terem sido encarceradas durante muitos anos, ou mesmo décadas. Este foi um desenvolvimento extremamente importante, dados os efeitos devastadores da institucionalização e a crença de que a recuperação era impossível. Mas as pessoas que decidiam sobre as altas teriam provavelmente sido as mesmas pessoas que tinham decidido administrar a ECT. Os dois primeiros estudos da década de 1950 para comparar realmente os pacientes que receberam ou não receberam ECT encontraram taxas de recuperação mais baixas para os que receberam ECT do que para os que não receberam ou não tiveram qualquer diferença. Embora alguns críticos tenham contestado esse trabalho, o fato é que era impossível fazer a chamada porque não existiam grupos de controle com placebo. Esta era uma falha comum dos estudos nesta época, mas os investigadores da ECT tinham uma desculpa genuína. Devido às frequentes fraturas da coluna e outras lesões, um placebo disfarçável era impossível.

No início dos anos 50, foram introduzidos relaxantes musculares e anestesia geral, tornando possível avaliar esta nova ” ECT modificada”, comparando-a com grupos de controle tornados inconscientes pela anestesia geral, mas não dada ECT (ECT simulada). O primeiro estudo deste tipo, em 1953, no qual se esperava que nem os psiquiatras nem os pacientes soubessem quem recebia ECT, não encontrou qualquer diferença no resultado entre os dois grupos. Por esta altura, os medicamentos ‘antipsicóticos’ estavam agora substituindo a ECT como tratamento de escolha para a ‘esquizofrenia’, e os proponentes da ECT estavam transferindo a sua atenção para a depressão. Em 1959, o primeiro ensaio controlado por placebo que incluía doentes deprimidos não encontrou diferença significativa entre a ECT e a ECT simulada, para a depressão ou ‘esquizofrenia’.

Ao mesmo tempo, os investigadores documentavam os danos. Em 1946, uma revisão chamada “The Brain Changes Associated with Electrical Shock Treatment” na Lancet relatou uma hemorragia extensa em múltiplas partes do cérebro. Embora não estivesse disposto a concluir que as alterações estavam todas relacionadas com ECT, o revisor citou os resultados da autópsia de um homem de 57 anos de idade que tinha morrido 90 minutos após o seu 13º choque: ‘Nos lobos frontal e temporal havia várias pequenas áreas de devastação, totalmente desprovidas de células ganglionares … Degeneração difusa das células nervosas no córtex estava presente’.

A ideia de que a ECT causa danos cerebrais era tão óbvia para os primeiros proponentes que eles a incorporaram numa explicação de como a ECT funcionava. Em 1941, o médico americano Walter Freeman, mais conhecido por defender as lobotomias, escreveu sobre a ECT:

Quanto maiores forem os danos, mais provável será a remissão de sintomas psicóticos … Talvez se demonstre que um doente mental pode pensar de forma mais clara e construtiva com menos cérebro em funcionamento real.’

O trabalho de Freeman intitulava-se “Terapêutica com danos cerebrais”.

Outro psiquiatra americano explicava:

‘Tem de haver mudanças orgânicas … para que a cura ocorra … Penso que pode ser verdade que estas pessoas têm por enquanto, de qualquer forma, mais inteligência do que podem suportar e que a redução da inteligência é um fator importante no processo curativo.’

A ideia de que a lesão cerebral pode ser boa parece-me bizarra. No entanto, variações e extensões sobre o tema persistem no século XXI. Um estudo realizado na Escócia em 2012 concluiu que a ECT reduz a “conectividade funcional” do cérebro. Em vez de advertir contra a ECT devido a estes danos, os autores afirmaram que isto era uma prova para apoiar a teoria de que os cérebros das pessoas deprimidas têm “hiperconectividade” e que a ECT corrige isto. Alguns psiquiatras nos Países Baixos argumentam mesmo que a ECT pode, e deve, ser utilizado para visar e apagar memórias dolorosas.

‘A nossa revisão recolheu lacunas persistentes na memória, incluindo casamentos e aniversários, de 12-55 por cento.’

Como aprendi naquele hospital de Nova Iorque há muitos anos atrás, quase toda a gente experimenta alguma combinação de confusão, dores de cabeça, náuseas e dores musculares imediatamente após uma ECT. Isto normalmente desaparece no espaço de uma hora. No entanto, a maioria também experimenta algumas falhas de memória, geralmente durante o período imediatamente a seguir ao tratamento. Alguns perdem memórias de vida meses ou anos após tratamento (“amnésia retrógrada”) e/ou têm dificuldade em reter novas informações (“amnésia anterógrada”). O Royal College of Psychiatrists (2020) informa o público de que:

‘Um pequeno número de pacientes relata lacunas na sua memória sobre acontecimentos na sua vida que aconteceram antes de terem tido a ECT. Isto tende a afetar as memórias de eventos que ocorreram durante, ou pouco antes, do início da depressão. Por vezes estas memórias regressam total ou parcialmente, mas por vezes estas lacunas podem ser permanentes.’

Infelizmente, a comunidade ECT não tem estado suficientemente preocupada com os danos a longo prazo para estabelecer a quantidade de pessoas que sofrem perdas permanentes de memória. Mas não é “um número pequeno”.

Uma revisão identificou quatro estudos de perda de memória com duração mínima de seis meses e descritos pelos doentes como “persistentes ou permanentes”. Encontraram um intervalo de 29 a 55 por cento, e uma média ponderada de 38 por cento. O estudo mais rigoroso até o momento foi realizado em 2007 pelo proponente da ECT Harold Sackeim, professor de psiquiatria e radiologia na Universidade de Columbia em Nova Iorque. Seis meses após a ECT, a amnésia retrógrada, em geral, foi muito pior do que os níveis pré-ECT. É importante notar que o grau de deficiência esteve relacionado com o número de ECTs recebidos. As mulheres e as pessoas mais velhas estavam desproporcionalmente debilitadas. A perda de memória foi também maior entre aqueles que receberam ECT bilaterais (onde os eléctrodos são colocados em ambos os lados da cabeça) em vez de ECT unilaterais (onde ambos são colocados no mesmo lado, protegendo assim metade do cérebro). A nossa recente revisão situou lacunas persistentes ou permanentes na memória da vida, incluindo de casamentos e aniversários, algo entre 12 e 55 por cento.

Os proponentes da ECT argumentam frequentemente que a perda de memória após a ECT para depressão é causada pela depressão e não pela ECT. Uma revisão concluiu que: “Não há evidência de uma correlação entre a perda de memória/conhecimento após a ECT e o estados de humor prejudicados, muito menos uma relação causal”. Além disso, se a depressão é a causa da perda de memória, como explicam a persistente perda de memória depois de a depressão ter sido tratada com a ECT?

Seja como for, os defensores da ECT contestam que a perda de memória duradoura observada constitui “dano cerebral”. Em vez disso, apontam para estudos escaneamento do cérebro que não mostram sinais óbvios de danos. Críticos como eu apontam para outros estudos que identificam danos celulares, microvasculares e neuronais invisíveis em um escaneamento.

Quer chamemos ou não à perda de memória “dano cerebral”, é fácil encontrar centenas de relatos pessoais de níveis incapacitantes de perturbação na vida das pessoas. Em correspondência, uma mulher escreveu recentemente:

‘Hoje ressinto-me por ter concordado em receber a ECT. A minha memória a longo prazo foi destruída. Memórias de amigos de infância, memórias de grandes eventos que participei, memórias da minha formação como agente de registro psiquiátrico, memórias acadêmicas etc. Comecei a ter dificuldades com a ortografia e cálculos simples. Basicamente não me consigo lembrar de quase três anos inteiros (2004-06), incluindo a relação em que eu estava na época. Nunca falei disto aos colegas, pois sinto vergonha. Mas comecei a falar com outras pessoas que tiveram ECT e percebi que não estou sozinha.’

E as consequências letais? O Royal College of Psychiatrists sustenta que “a morte causada pelo ECT é extremamente rara”. A Associação Psiquiátrica Americana relata uma morte por cada 10.000 receptores de ECT, que eles argumentam ser equiparável a operações menores envolvendo anestesia geral. Mas esta avaliação ignora o fato de que, em média, o doente está prestes a ser submetido a cerca de 10 procedimentos deste tipo. Uma das principais causas de morte por ECT é a insuficiência cardiovascular. Uma recente revisão de 82 estudos, incluindo mais de 100.000 pacientes, concluiu que um em cada 50 pacientes sofre de “grandes eventos cardíacos adversos”.

Numa reunião de equipe no meu primeiro trabalho como psicólogo clínico no Reino Unido, levantei a questão de um homem que tinha morrido na mesa da ECT no dia anterior. Ainda me recordo da resposta exata do psiquiatra: ‘Não é da sua conta e sinto-me pessoalmente insultado pela sua insinuação de que o matámos’. Quando salientei que as notas do homem incluíam ‘ECT contraindicado – estado grave do coração’, fui expulso da reunião – fisicamente. Um colega e eu tínhamos copiado essa página das notas, prevendo com precisão que seria rapidamente retirada do processo. Tentei durante dois anos conseguir que o hospital, as autoridades profissionais e governamentais investigassem. Não consegui.

Tenho estado envolvido na publicação de várias revisões da literatura de investigação sobre se a ECT funciona ou não. Todos encontraram evidências fracas de que, quando comparado com um placebo, a ECT tem demonstrado produzir uma elevação temporária no humor para uma minoria de pacientes, mas que não há provas de quaisquer benefícios para além do fim do decurso dos tratamentos, e nenhuma prova de que a ECT previna o suicídio.

Durante os 83 anos desde que Cerletti administrou o primeiro tratamento em Roma, houve apenas 11 estudos comparando a ECT para a depressão (o seu grupo alvo nos últimos 60 anos) com um grupo placebo a receber simulado (S-ECT). Quatro destes 11 estudos descobriram que, a curto prazo, a ECT é estatisticamente superior à S-ECT; cinco não encontraram diferença; e dois encontraram resultados mistos (num dos quais a classificação dos psiquiatras produziu uma diferença, mas a dos pacientes não). A única diferença encontrada para além do término do último tratamento foi um estudo que considerou o grupo S-ECT melhor do que o verdadeiro grupo ECT, um mês após o término dos tratamentos.

O que parece surpreendente é que o mais recente destes 11 estudos foi realizado em 1985. Assim, apesar dos resultados pouco expressivos e inconclusivos dos primeiros 11 estudos, e dos perigos óbvios deste tratamento altamente controverso, a psiquiatria não tem feito qualquer tentativa para determinar se funciona, com um estudo controlado por placebo, durante os últimos 36 anos.

A literatura de investigação da ECT no seu conjunto tem sido, desde o início, de qualidade notavelmente fraca.

Entretanto, tem havido muitos estudos comparando diferentes tipos de ECT e comparando ECT com antidepressivos, que são questões diferentes de “Será que a ECT funciona? A nossa revisão deste tipo de estudos entre 2009 e 2016 concluiu:

‘Dos 91 estudos, apenas dois visaram avaliar a eficácia da ECT. Ambos apresentavam falhas graves. Nenhum dos outros 89 produziu provas sólidas de que a ECT é eficaz para a depressão, principalmente porque pelo menos 60% manteve os participantes na ECT sob medicação e 89% não produziu dados de seguimento significativos para além do final do tratamento. Nenhum estudo investigou se a ECT previne o suicídio.’

De fato, a literatura de investigação da ECT como um todo tem sido, desde o início, de uma qualidade extremamente fraca. Por exemplo, dos mais de 200 estudos ECT sobre esquizofrenia entre 1955 e 1960, apenas 10 foram considerados “aceitáveis” no que diz respeito ao cumprimento dos requisitos mínimos de investigação válida e fiável. Quatro décadas depois, o UK ECT Review Group (2003) relatou que apenas 73 dos 624 estudos (12%) tinham cumprido as suas normas para inclusão na sua revisão, e que a “qualidade da informação” dos 12% era “fraca”. Por exemplo, um estudo do British Journal of Psychiatry afirmou que as proporções que mostravam pelo menos “melhoria moderada” eram: depressão, 100 por cento; esquizofrenia, 97,6 por cento. Toda a seção metodológica que descreve como a melhoria foi medida tinha apenas seis palavras: ‘Foi mantido um registro de progresso’.

No entanto, este conjunto de literatura, ou pelo menos aqueles estudos com um grupo placebo, ensinou-nos definitivamente alguma coisa. Aprendemos que algumas pessoas que recebem ECT sentem-se melhor, embora normalmente não por causa dos choques eléctricos ou das convulsões, mas devido à atenção extra e bondade demonstrada pelas enfermeiras, médicos, anestesistas e outro pessoal, e devido à esperança incutida pela expectativa de todo esse pessoal de que o que estava prestes a acontecer-lhes faria, de fato, sentir-se melhor. Placebo é latim para “Eu ficarei bem”.

Os autores do primeiro estudo controlado por placebo tinham notado:

”Pode muito bem ser que o agente terapêutico principal seja o significado psicológico do tratamento para o paciente … A influência da inusitada cuidados e atenção que todos recebem poderia ser mais estudada.’

Uma revisão centrada apenas na resposta placebo com a ECT encontrou “uma taxa de resposta inesperadamente elevada nos grupos fictícios” e concluiu: “O praticante moderno de ECT deve estar ciente de que os efeitos placebo estão normalmente em jogo”. Alguns dos resultados positivos da psicoterapia são devidos aos efeitos placebo. Encorajei duas gerações de psicólogos clínicos a instilar sempre um pouco de esperança e algumas expectativas (realistas) positivas, especialmente numa primeira sessão. Funciona. Será que nunca você se sentiu um pouco melhor depois de lhe ter sido dito, por alguém em quem confia: ‘Vai correr tudo bem’?

A ECT salva vidas? Em nenhuma das revisões em que estive envolvido nenhuma das cinco metanálises (um conjunto de dados de múltiplos estudos) feitas por outros mostrou ser este o caso. Alguns estudos descobriram que a ECT pode reduzir temporariamente o pensamento suicida para alguns participantes, o que é importante. Nenhum, contudo, alguma vez estabeleceu que reduz a incidência de pessoas que realmente se suicidam. Num estudo recente, o maior até à data, os 14.810 pacientes da coorte de ECT tinham 16 vezes mais probabilidades do que os 58.369 controles combinados de se suicidarem no ano seguinte à ECT. Mesmo após o controle para níveis de pré-tratamento de suicídio, e outras variáveis, o grupo de TCE ainda tinha 1,31 vezes mais probabilidade de ter morrido por suicídio (uma diferença estatisticamente não significativa).

Além disso, algumas pessoas matam-se por causa dos danos que lhes foram causados pela ECT. Perder a memória é deprimente. Pouco antes de se suicidar, pouco depois da ECT, o romancista americano Ernest Hemingway perguntou: ‘Qual é o sentido de arruinar a minha cabeça e apagar a minha memória, que é o meu capital, e pôr-me fora do caminho? Foi uma cura brilhante, mas perdemos o paciente”.

A minha última revisão, realizada com Irving Kirsch, que pesquisa estudos placebo na Harvard Medical School, avaliou não só os 11 estudos (pela enésima vez) mas também (pela primeira vez) as cinco metanálises. Descobrimos que as metanálises tinham, estranhamente, incluído entre um e sete dos 11 estudos e, além de cometerem múltiplos erros factuais, tinham prestado pouca atenção à fraca qualidade dos estudos em que se baseavam. Além disso, nenhuma das cinco metanálises tinha identificado um único estudo mostrando quaisquer benefícios a longo prazo ou mostrando que o ECT salva vidas. Concluímos:

‘Dado o elevado risco de perda permanente de memória e o pequeno risco de mortalidade, esta falha de longa data em determinar se a ECT funciona ou não significa que a sua utilização deve ser imediatamente suspensa até que uma série de estudos bem concebidos, aleatorizados e controlados por placebo tenham investigado se existem realmente quaisquer benefícios significativos contra os quais os riscos significativos comprovados possam ser ponderados.’

Não só não sabemos se funciona, ou quantas pessoas acabam permanentemente danificadas por ele, como nem sequer sabemos quantas vezes ainda está a ser utilizado, globalmente. Os EUA, por exemplo, não têm qualquer monitorização nacional dos números. O número de 100.000 pessoas por ano tornou-se algo como um mantra. Também não sabemos se a utilização global de ECT está a aumentar ou a diminuir. Embora a utilização em alguns locais, incluindo Texas e Austrália, pareça ter aumentado recentemente, o número anual de doentes com ECT em Inglaterra diminuiu de cerca de 20.000 nos anos 80 para cerca de 3.000 em 2006, e tem permanecido bastante estável desde então.

Na maioria dos países estudados, as mulheres têm cerca do dobro da probabilidade de receber ECT, e a idade média é de cerca de 62 anos. Um relatório de 170 páginas para o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido em 2005 concluiu: “As provas não permitiram tirar conclusões firmes sobre a eficácia de ECT em … pessoas idosas … e mulheres com problemas psiquiátricos”. Isto foi confirmado pela nossa recente revisão. O que sabemos, contudo, é que estes dois grupos são mais susceptíveis à perda de memória induzida pela ECT.

Durante décadas, os receptores de ECT, os seus familiares e os profissionais e investigadores interessados têm feito campanha para limitar ou proibir a ECT, em muitos países. Na sequência da publicação da nossa recente revisão apelando à suspensão da ECT enquanto se aguarda uma melhor investigação, um grupo de 40 peritos britânicos, incluindo psiquiatras, psicólogos, investigadores, pacientes de ECT e os seus entes queridos escreveu a Matt Hancock, o secretário de estado britânico para a saúde e os cuidados sociais, solicitando uma revisão independente sobre a utilização da ECT no nosso país. Este apelo é apoiado por muitas organizações, incluindo o Royal College of Nursing, a Association of Clinical Psychologists, a National Counselling Society, Mind (uma das maiores instituições de beneficência de saúde mental do Reino Unido), o Council for Evidence-Based Psychiatry, e Headway (a associação de lesões cerebrais), bem como numerosos deputados do governo e da oposição.

Os pacientes da ECT lançaram recentemente petições no Reino Unido, dirigidas ao Parlamento, e nos EUA, dirigidas à Associação Psiquiátrica Americana. Entretanto, um processo, já envolvendo dezenas de casos, está a ser preparado no Reino Unido, centrado não na perda de memória e danos cerebrais per se, mas no fracasso dos psiquiatras em informar os doentes sobre esses riscos. Talvez os tribunais se revelem mais eficazes do que a investigação quando se trata de acrescentar a ECT à lista de ‘tratamentos’ psiquiatras abandonados porque os danos que fazem pesam mais do que o bem.

Leia a matéria em sua íntegra →

[trad. e edição Fernando Freitas]