Psicólogos Tentam Unificar Diferentes Abordagens à Terapia

Os psicólogos propõem um método para reunir diferentes escolas teóricas de psicoterapia.

0
429

O Journal of Contemporary Psychotherapy publicou recentemente um artigo escrito por psicólogos de várias instituições onde eles claramente articulam como diferentes orientações para a psicoterapia estão sendo unificadas na teoria e na prática clínica.

Recentemente, a unificação é uma tendência emergente para integrar teorias e técnicas que abrangem desde orientações psicoterapêuticas variadas até ao melhor atendimento à aflição dos clientes. Segundo o autor principal, Andre Marquis, da Universidade de Rochester:

“A unificação das metatorias não só nos permite manter muitas perspectivas, mas também organizar os dados que emergem dessas diferentes perspectivas, preparando o terreno para uma abordagem baseada em evidências e princípios que leva a sério o indivíduo, a natureza única e o cenário do problema e o complexo trabalho da psicoterapia. Defendemos uma mudança em direção ao ‘pluralismo integrado’, no qual há um quadro comum de entendimento em relação às características centrais da disciplina, a partir do qual muitas visões diversas e pluralistas são adotadas”.

Tem havido um impulso para integrar aspectos complementares de diferentes abordagens da psicoterapia. Por exemplo, terapeutas cognitivos-comportamentais podem integrar técnicas da terapia psicodinâmica para melhorar a eficácia do tratamento.

Tradicionalmente, os terapeutas foram treinados para praticar uma singular orientação teórica – seja psicanalítica, comportamental ou psicoterapia humanista, por exemplo. Com o tempo, uma proliferação de abordagens e orientações foi desenvolvida, e os terapeutas começaram a combinar teorias e práticas através do ecletismo técnico, fatores comuns, integração teórica e integração assimiladora.

A unificação é o quinto caminho de integração e oferece uma perspectiva meta-teórica da psicoterapia. Ao invés de se compreender diferentes orientações como proporcionando uma forma específica de trabalhar e compreender a experiência vivida pelo cliente e encontrar conexões entre abordagens distintas da terapia, a ótica da unificação vê as orientações como fornecendo informações especializadas sobre um fenômeno maior e mais complexo.

Os autores usam uma metáfora para explicar estas diferenças:

“Uma analogia potencialmente útil é que cada um dos paradigmas pode ser considerado como sendo semelhante a uma ‘montanha’, e os outros quatro caminhos para a integração psicoterapêutica estão preocupados em desenvolver conexões entre as montanhas. Em contraste, uma visão unificada retrocede e oferece estruturas para ver toda a cadeia de montanhas a partir de uma perspectiva ampliada”.

Tendo este quadro mais amplo, os clínicos podem compreender a complexidade das preocupações de um indivíduo e encontrar um conjunto holístico e abrangente de ferramentas que seriam mais benéficas para o cliente nesta diversidade de abordagens. Esta integração é facilitada pelo crescente corpo de trabalho que visa conectar conceitos metateóricos à prática psicoterapêutica.

Os autores identificaram três abordagens complementares para a unificação: A Visão Dinâmica dos Sistemas Biopsicossociais, Psicoterapia Integral e a Teoria Unificada da Psicologia.

A Visão Dinâmica de Sistemas Biopsicossociais é a abordagem mais comumente utilizada para a unificação. Ela acentua a inter-relação entre diferentes níveis de análise, desde a dinâmica social em nível macro até a micro neurobiológica, desde a intrapsíquica até a interpessoal e familiar. A maioria dos profissionais da saúde mental, e suas orientações teóricas, muitas vezes se concentram em um desses domínios, ao mesmo tempo em que falham em abordar outros.

A abordagem dos Sistemas Biopsicossociais para a unificação permite que o terapeuta conceitualize cada caso, estando atento a cada domínio e como esses domínios se afetam mutuamente de forma dinâmica (por exemplo, como os processos sociais podem influenciar o autoconceito negativo do cliente). Ter esta flexibilidade conceitual e clínica que permite aos terapeutas utilizar práticas e técnicas de múltiplas orientações teóricas. Eles podem então atender às múltiplas necessidades de seus clientes identificadas a partir de sua análise biopsicossocial abrangente e exaustiva.

A Psicoterapia Integral, assim como a Visão Biopsicossocial Dinâmica, reconhece o valor e a importância de muitas orientações teóricas e adapta a prática clínica de acordo com as necessidades e preocupações do cliente. Em vez de ver a variedade de abordagens da terapia como contraditórias, elas destacam suas construções unificadoras.

Psicoterapeutas integrais também desenvolveram sua própria forma de analisar as experiências e angústias dos clientes de forma completa e complexa, considerando o que está ocorrendo dentro e fora do indivíduo e o que está ocorrendo dentro e fora do coletivo maior. Cada um destes pontos de análise corresponde a diferentes escolas de pensamento psicológico que, quando usados em conjunto, fornecem um quadro complexo e contextualizado das experiências e sofrimentos das pessoas que podem melhorar a prática clínica.

Por fim, a Teoria Unificada da Psicologia salienta que, por não haver consenso sobre o conceito de psicologia humana entre escolas de pensamento, tornou-se difícil unificar o campo. Entretanto, os defensores da Teoria Unificada da Psicologia argumentam que a psicologia pode ser unificada ao se desenvolver uma compreensão mais clara do que a profissão psicológica é e faz. Como as abordagens anteriormente abordadas para a unificação, esta abordagem utiliza um modelo biopsicossocial e integrador de compreensão do bem-estar humano e das doenças mentais.

Além disso, como a maioria das orientações para psicoterapia funcionam para entender como as pessoas se adaptam a seu ambiente e desenvolvem padrões adaptativos ou mal adaptados, Henriques combinou teorias modernas de personalidade em uma Teoria de Sistemas de Adaptação de Personagens. Esta metateoria da personalidade, ele acredita, pode ajudar o terapeuta a entender os diferentes componentes da adaptação e depois adaptar o tratamento usando as habilidades e técnicas de diferentes orientações teóricas.

Embora existam diferentes estruturas para a unificação, os autores enfatizam que compartilham muitos pontos em comum que irão “avançar um consenso central no campo” e na prática profissional.

Eles também identificaram duas abordagens unificadas de avaliação, o Integral Intake e o Well-being Checkup, que “proporcionam tanto ao cliente quanto ao terapeuta uma rica narrativa compartilhada da pessoa em seu contexto biológico, de desenvolvimento e social”. Esta narrativa compartilhada ajuda ambas as partes a focar em problemas particulares, pontos fortes e recursos para orientar o processo terapêutico e a conceituação de casos.

Além disso, estas abordagens unificadas compartilham princípios fundamentais. Primeiro, e mais importante, é a crença de que a relação terapêutica é central para o processo e a cura. A psicoterapia e a relação são entendidas como um processo de desenvolvimento da consciência, compreensão, aceitação e mudança. Tanto o terapeuta quanto o cliente precisam ter uma compreensão mútua da natureza do trabalho.

Os autores também sublinham a importância das emoções no processo de mudança, pois a evitação e a defesa são impulsionadas por fortes influências emocionais que levam ao desenvolvimento de ciclos de angústia e mal-adaptação. Muito do trabalho da terapia é identificar e mudar esses ciclos mal-adaptativos de pensamentos, comportamentos, emoções, relacionamentos e formas de compreensão de si mesmo. A mudança desses ciclos pode alimentar o bem-estar psicológico.

Finalmente, há uma rejeição da tendência de identificação com uma particular abordagem psicoterápica, pois os profissionais devem se engajar em um treinamento mais amplo onde possam aprender a aplicar diferentes estratégias, habilidades, técnicas e estruturas no tratamento.

De acordo com os autores:

“O plano de tratamento é desenvolvido a partir do espectro de intervenções que possam ser apropriadas com base na teoria psicológica e pesquisa empírica, e é construído em colaboração com os clientes, levando em consideração seus valores, cultura, sistemas, estágio de mudança, nível de funcionamento, recursos disponíveis, o contexto do tratamento e a experiência do clínico”.

Enquanto alguns elogiam estes esforços para unificar o campo, outros têm preocupações com esta unificação. A preocupação mais comum é a perda potencial de perspectivas diversas que mantêm vivo um diálogo crítico, questionando a natureza humana e a prática clínica. Outros têm se preocupado que a unificação da orientação teórica ameaçará a abertura dos clínicos para ouvir diferentes experiências fora de sua metáfora desenvolvida. Finalmente, alguns temem que a unificação possa deixar de fora alguns subgrupos.

Os autores respondem a estas preocupações esclarecendo que não parece haver dogmatismo autoritário e que as diferenças continuarão a existir dentro da unificação. Eles também acreditam que a abertura é necessária para a expansão do campo e para a prática terapêutica adequada. Por causa da lente “ampliada” da unificação, os autores acreditam que abordagens menos populares da terapia também podem ser integradas.

O campo da psicoterapia é freqüentemente repleto de conflitos devido às diferenças entre as orientações teóricas e as práticas. A proposta dos autores para unificação tenta combinar essas diferentes orientações para criar estabilidade dentro do campo e melhorar a prática clínica, adquirindo um conjunto mais amplo de ferramentas que podem atender à complexa combinação de fatores que afetam o sofrimento humano.

****

Marquis, A., Henriques, G., Anchin, J., Critchfield, K., Harris, J., Ingram, B., Magnavita, J. & Osborn, K. (2021). Unification: The Fifth Pathway to Psychotherapy Integration. Journal   of Contemporary Psychotherapyhttps://doi.org/10.1007/s10879-021-09506-7 (Link)