A Filosofia Pode Ajudar a Substituir um Modelo Reducionista de Saúde Mental

Um novo artigo argumenta que a filosofia enativa pode ajudar a esclarecer e integrar as peças desconectadas do modelo biopsicossocial.

0
296

Um artigo recente publicado na International Review of Psychiatry examina o estado dos modelos de mente fundamentais da psiquiatria, como o “neuroreducionismo”. O autor, Sanneke de Haan, filósofo da psiquiatria, argumenta que ao invés de entendimentos estreitos baseados principalmente no cérebro, poderíamos tirar lições de filosofia enativa, que tenta estabelecer laços entre o corpo, o mundo e a mente.

“As lutas de John para dar sentido às suas depressões recorrentes não são ‘apenas’ um problema individual. É um problema que qualquer um que tente dar sentido ao desenvolvimento de transtornos psiquiátricos encontra – seja movido pelas próprias experiências, seja pelas experiências de entes queridos, seja como clínicos ou pesquisadores”, escreve o autor.

“Com tantos fatores potencialmente contribuidores de naturezas tão diferentes – por exemplo, genes, especificidades neuronais, traumas (de infância), desvantagens sociais e econômicas, preocupações existenciais – o Santo Graal na psiquiatria é esclarecer como relacionar esses fatores e avaliar seus papéis precisos. O que influencia o quê? O que é causa e o que é efeito? As respostas a estas perguntas são importantes não apenas para nossa (auto)compreensão, mas também para determinar como melhor intervir e possivelmente até mesmo prevenir a ocorrência de transtornos psiquiátricos”.

Pixabay

Vários autores apontaram recentemente a filosofia “enativa” como um antídoto potencial para a compreensão reducionista do modelo médico das lutas psicológicas, tais como a dor crônica e a “esquizofrenia“.

A filosofia enativa enfatiza a importância do corpo e suas atividades no mundo como “terreno da mente”, em vez de entender a pessoa individual como uma unidade atomística separada desses domínios.

O artigo atual defende uma compreensão enativa do modelo bio-psico-social, que tenta dar conta de fatores, além do indivíduo, que informam a aflição mental, mas que é incompleto na forma como consegue explicar como estes três domínios interagem.

Sanneke de Haan primeiro descreve o que ela chama de modelos “reducionistas” versus modelos “holísticos” de compreensão da pessoa. Modelos reducionistas, muitas vezes encontrados na psiquiatria, propõem uma “hierarquia entre fatores, sendo primário um tipo de fator”. Para a psiquiatria, no topo da hierarquia estão os processos fisiológicos.

Os modelos redutores são simples e “coerentes”. Eles podem incluir informações complexas, como o funcionamento neural, mas “a estrutura geral da explicação é bem simples: todos os sintomas de transtornos psiquiátricos podem ser rastreados até às anormalidades no cérebro”.

O autor explica que a maior desvantagem deles é preferir apenas um tipo de fator, citando que ainda não foram estabelecidas causas genéticas e neuronais claras para os transtornos psiquiátricos. Além disso, é difícil abordar o “significado” pessoal se um modelo “neuroreducionista” for abraçado acima de tudo.

Em contraste, modelos mais holísticos, como o modelo bio-psico-social, são responsáveis por múltiplos fatores que contribuem para o sofrimento mental, não apenas aqueles em nível neural.

De Haan acredita que o modelo bio-psico-social precisa ser mais desenvolvido, citando críticas ao modelo, como a falta de uma explicação clara de como os três domínios se relacionam de forma causal. Ela cita a filosofia enativa como sendo um apoio potencial para a elaboração teórica do modelo biopsicossocial.

O enativismo, para de Haan, oferece uma saída para o problema da “integração”, ou:

“Como devemos caracterizar as relações causais entre fatores tão diferentes como a captação e a liberação de neurotransmissores de alguém, sua tendência a evitar conflitos, e a qualidade de suas amizades”?

Ela continua explicando que não estamos procurando apenas uma “solução para o problema mente-corpo”, mas sim uma solução para o “problema mente-corpo-mundo”.

Enativismo é uma teoria da ciência cognitiva informada pela teoria biológica, teoria dos sistemas de desenvolvimento, fenomenologia e pela teoria dos sistemas dinâmicos.

Aplicada à psiquiatria, suas percepções incluem apontar que os seres humanos são criaturas “que produzem sentido” – como saber o que é perigoso e o que é seguro – o que é fundamental para a nossa sobrevivência fisiológica.

Portanto, não há hierarquia com a fisiologia no topo. Em vez disso, a fisiologia e os processos de produção de sentido mental, direcionados e em constante interação com o mundo, são igualmente importantes e talvez sejam parte de um único domínio:

“Isto significa que não podemos compreender adequadamente nenhum dos três fatores – corpo, mente e mundo – isolados um do outro. Em vez disso, são fragmentos diferentes de um mesmo sistema, complexo e dinâmico, pessoa-no-mundo”.

A autora afirma que várias formas de sofrimento mental podem ser entendidas em termos de perturbação do sentido em relação ao mundo e às relações sociais. A causalidade proporcionada pelo enativismo enfatiza, também, que estas são relações em rede e não-lineares que temos entre nossos corpos fisiológicos, a produção de sentido e o mundo/mundo social em geral.

de Haan usa o exemplo de um bolo para ilustrar:

“Como qualquer padeiro – ou qualquer observador regular de padaria – sabe, os ingredientes afetam uns aos outros. A quantidade de açúcar, por exemplo, não só contribui para a doçura do bolo, mas também afeta o glúten da massa, afetando assim a estrutura da massa. Portanto, não são apenas as quantidades precisas de farinha, ovos, fermento em pó, leite e manteiga que influenciam o sabor final do bolo; também importa quanto tempo você amassa a pasta e a que temperatura e quanto tempo você a coze”.

Ela acha útil distinguir entre os níveis “local” e “global”. Por exemplo, no bolo, adicionar alguns grãos de açúcar (uma causa local) não mudará muito, mas várias colheres de chá (uma causa global) mudariam.

Quando se trata de psiquiatria, este pensamento “local para global” e “global para local” poderia ajudar na compreensão tanto dos elementos locais de aflição mental (funcionamento neural) quanto dos elementos globais, tais como comportamento, relações sociais, experiência psicológica, e muito mais.

Isto se estende também à causalidade. As relações causais entre a biologia, o psicológico e o social são organizacionais. Em outras palavras, os efeitos “globais” podem parecer similares mesmo quando causas mais “locais” são muito diferentes, como no caso de medicamentos psiquiátricos e psicoterapia, ambos reduzindo a ansiedade.

Voltando ao exemplo do usuário do serviço, o John, de Haan argumenta que uma abordagem bio-psico-social pode entender sua depressão em termos de interação de fatores genéticos, psicológicos e sociais, como são a educação e os fatores de estresse.

Em vez disso, uma abordagem enativa focalizaria holisticamente a “relação de John com seu mundo” como um sistema complexo com elementos locais e globais.

Isto inclui uma grande dose de interatividade com o mundo. A experiência social e de desenvolvimento de John informa muito sobre seu comportamento. As características de personalidade podem refletir fortes padrões de comportamento ou aqueles modos arraigados de interação com o mundo. Esses padrões fazem mudanças neurológicas no cérebro, e o cérebro (local) também pode afetar o comportamento futuro e a personalidade (global).

Para de Haan, esta compreensão mais matizada de uma pessoa que faz sentido no mundo poderia ajudar os psiquiatras a focalizarem menos o cérebro, como grande parte da psiquiatria tradicional assim o faz.

A autora conclui:

“Um modelo holístico sólido nos ajuda a resistir à tentação de a priori destacar um tipo de processo como ‘a’ questão definidora dos transtornos psiquiátricos e assumir inquestionavelmente que existem tais coisas como causas ‘subjacentes’ ou mecanismos de transtornos psiquiátricos.

Um modelo holístico sólido faz justiça à complexidade da psiquiatria de uma maneira administrável e nos oferece (auto)compreensão. E o mais importante, ele apóia a prática holística de cooperação em equipes interdisciplinares de assistentes sociais, psicólogos, psiquiatras, enfermeiros e outros profissionais, e como tal, apóia o cuidado ideal. A psiquiatria enativa é essa visão”.

****

De Haan, S. (July 04, 2021). Bio-psycho-social interaction: An enactive perspective. International Review of Psychiatry, 33(5), 471-477. (Link)