A psiquiatria precisa ser reconstruída a partir do zero

0
326

Há cerca de 2.500 anos, o “pai da medicina”, o médico grego Hipócrates, formulou exigências de bons cuidados, o chamado “juramento de Hipócrates”. Exigências que em sua essência ainda são (ou pelo menos deveriam ser) relevantes.
Embora o juramento seja raramente usado hoje em dia em sua forma original, ele serve como base para outros juramentos e leis similares que definem a boa prática médica e a moralidade. O juramento hipocrático pode ser resumido como se segue:

NUNCA causar danos
SE POSSÍVEL CURA
Tentar aliviar
SEMPRE dar conforto

Se eu olhar para a prática médica que é praticada no campo da psiquiatria, as exigências de Hipócrates parecem, no mínimo, remotas.

Embora a maioria dos danos causados pela psiquiatria nunca sejam reconhecidos por cuidadores ou reguladores, eles sabem que os danos aos cuidados são muito comuns (algo que mesmo as estatísticas oficiais mostram claramente em suas deficiências). O fato de que as vítimas também acham muito difícil obter reparação pelos ferimentos que sofreram fortalece ainda mais a vulnerabilidade e os ferimentos e efetivamente coloca a segurança e os direitos do paciente fora de jogo.

Não sei quantos psiquiatras realmente “curam” ou ajudam, mas se eu olhar para as crianças, jovens e adultos com quem tive contato nos últimos 25 anos e que têm sido objeto de esforços psiquiátricos, posso afirmar que estes são fáceis de contar.

Quanto ao “alívio”, a psiquiatria pode no máximo oferecer um alívio dos sintomas através das drogas psiquiátricas que compõem 95% da caixa de ferramentas da psiquiatria. O fato de que este alívio de curto prazo muitas vezes vem com um preço de efeitos colaterais extensos e sérios, com medicamentos às vezes vitalícios e incapacidade como resultado, torna a questão dos benefícios versus os efeitos prejudiciais mais do que relevante.

Quando se trata de conforto, vejo que a atual arbitrariedade e incerteza jurídica na psiquiatria tornam isto muito pessoal. Conheci pessoas fantásticas que trabalham na psiquiatria e que possuem a capacidade de criar relações de confiança (o que muitas vezes é um pré-requisito para a cura e a mudança), mas também encontrei o oposto (infelizmente, na maioria das vezes). Não raro, a psiquiatria e seus esforços se tornaram mais traumatizantes do que ajudar, enquanto o respeito, os direitos humanos e os chamados cuidados centrados na pessoa brilham com a sua ausência.

Eu entendo que eu pareço estar sendo demasiadamente crítico da psiquiatria como um campo de cuidados. Infelizmente, nos últimos 25 anos tem havido mais do que boas razões para isso (claro que eu gostaria que não fosse assim).

Publicado originalmente no  Mad in Sweden →