Por que a FDA aprovou drogas ineficazes para o baixo desejo sexual das mulheres

Os pesquisadores demonstram como a indústria farmacêutica cooptou mensagens feministas para impulsionar drogas ineficazes para o baixo desejo sexual das mulheres.

0
234

Em um novo artigo de revisão publicado no Drug and Therapeutics Bulletin, Barbara Mintzes e seus colegas examinam como a Food and Drug Administration (FDA) aprovou duas drogas ineficazes para tratar o transtorno de desejo sexual hipoativo (HSDD) nas mulheres. De acordo com as autoras, a aprovação pela FDA do flibanserin (Addyi) e do bremelanotide (Vyleesi), para tratar o baixo desejo sexual das mulheres, foi baseada em testes defeituosos, onde as medidas de resultado foram alteradas para que os medicamentos parecessem mais eficazes e uma campanha de defesa política que confundiu os direitos das mulheres com a aprovação desses medicamentos.

Apesar de levar a uma média de apenas mais uma experiência sexual satisfatória em dois meses, a FDA aprovou o flibanserin em 2015. A aprovação do bremelanotide menos eficaz em 2019, que não mostrou nenhuma experiência sexual adicional satisfatória, foi baseada no precedente regulamentar estabelecido pelo flibanserin.

“Os ensaios de ambos os medicamentos apresentam mudanças nos resultados primários e uma indicação contestada. Uma campanha de defesa patrocinada pela indústria politizada e um relato conflituoso de pacientes e especialistas provavelmente influenciaram a aprovação do flibanserin em sua terceira tentativa”, escrevem os autores.

“Bremelanotide, com eficácia ainda mais fraca, capitalizou o precedente regulamentar estabelecido pela aprovação do flibanserin. A reconsideração das decisões regulamentares para aprovar estes medicamentos está na ordem do dia, bem como um exame mais amplo de como as futuras decisões regulamentares podem abordar melhor os conflitos de interesse e os benefícios clinicamente significativos”.

Críticas das práticas regulatórias da FDA apontaram que este conselho de regulamentação recebe 65% de seu financiamento vindo da indústria farmacêutica. Esta compensação da indústria que a FDA é encarregada de regular provavelmente contribui para os denunciantes de corrupção. É prática comum que os reguladores da FDA aceitem empregos lucrativos das empresas que supostamente regulamentam, com pesquisas mostrando que 27% dos reguladores da FDA mais tarde assumem posições nas empresas farmacêuticas cujos medicamentos ajudaram a obter aprovação.

A indústria normalmente pressiona a FDA a aprovar medicamentos falhos, como flibanserin e bremelanotide. Nos últimos 40 anos, a FDA acelerou a taxa de aprovação dos medicamentos que regulamenta e, ao mesmo tempo, passou a confiar menos nas provas de sua eficácia. A pesquisa vinculou a aprovação acelerada da FDA ao aumento dos riscos de segurança e à redução da eficácia.

O trabalho atual examina a aprovação de dois medicamentos destinados a tratar o baixo desejo sexual das mulheres, o flibanserin (Addyi) e o bremelanotide (Vyleesi). Segundo os autores, a disfunção sexual feminina é um exemplo de uma indústria que cria uma doença para a qual deseja vender tratamento. Após o sucesso dos medicamentos para tratar a disfunção erétil, como o Viagra, a indústria farmacêutica estava ansiosa para expandir o mercado de tratamento da disfunção sexual para as mulheres.

O Flibanserin foi inicialmente desenvolvido como um antidepressivo, mas foi ineficaz. A indústria tentou conseguir que o medicamento fosse aprovado para uso em mulheres com baixo desejo sexual em 2010 e 2013, falhando a cada vez. Sem novos dados, a FDA aprovou o medicamento para tratar o baixo desejo sexual das mulheres em 2015, apesar das objeções dos revisores da FDA de que o medicamento quase não teve efeito de tratamento, apresentando riscos clinicamente significativos.

Para obter a aprovação do flibanserin como tratamento para o baixo desejo sexual das mulheres, Sprout, o fabricante do medicamento, confiou numa mudança que a FDA fez em suas medidas de resultado que lhes permitiu considerar o medicamento eficaz se ele aumentasse o desejo das mulheres, mas não o seu prazer sexual. Além das medidas de resultado reformuladas, a Sprout também criou uma campanha chamada “até mesmo a pontuação”, na qual apontaram a aprovação de medicamentos como o Viagra para disfunção sexual em homens e insistiram que a única razão pela qual seu medicamento ineficaz não foi aprovado como tratamento para baixo desejo sexual em mulheres era devido à misoginia.

Semelhante à aprovação do flibanserin, a FDA permitiu que Palatin, fabricante do bremelanotide, alterasse as medidas de resultado longe das SSEs e em direção a uma medida de escala Likert chamada Índice de Função Sexual Feminina (FSFI). Onde o flibanserin é uma droga que as mulheres precisariam tomar diariamente, o bremelanotide é uma injeção que as mulheres podem tomar até oito vezes por mês, conforme a necessidade. Enquanto a droga permanece no sistema de uma pessoa e pode afetar seu desejo sexual por apenas cerca de 3 horas, a FDA permitiu que Palatin medisse o FSFI em seus participantes por até 4 semanas.

De acordo com o trabalho atual, esta longa linha de tempo não só mediu os resultados quando a droga não estava presente, mas provavelmente desobstruiu o estudo devido aos efeitos colaterais do bremelanotide. 40% das mulheres tiveram náuseas após tomarem o medicamento contra apenas 1,3% no grupo de placebo. A náusea foi a única medida de resultado que coincidiu com a presença do medicamento nos sistemas dos participantes. A FDA aprovou o medicamento de qualquer forma.

A flibanserina pode causar pressão sanguínea baixa e desmaios, especialmente se usada com álcool. O bremelanotide pode causar pressão arterial alta e hiperpigmentação, especialmente em mulheres de pele escura. Há poucas ou nenhumas evidências de que elas aumentam as experiências sexualmente satisfatórias para as mulheres. Ambos os medicamentos foram aprovados pela FDA (em 2015 e 2019, respectivamente) para o tratamento de HSDD em mulheres, um diagnóstico que foi eliminado do Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais em 2013 e representa uma forma ultrapassada de entender a sexualidade das mulheres.

As autoras resumem seu trabalho da seguinte forma:

“Em ensaios clínicos, o flibanserin levou a uma média de apenas uma experiência sexual agradável adicional a cada dois meses, bremelanotide a nenhuma. A recordação do desejo e o incômodo associado durante um período de 4 semanas é altamente provável que seja influenciada pela desobstrução. Nenhum resultado primário para o bremelanotide avalia especificamente os efeitos da exposição a drogas. O resultado mais consistente relacionado a drogas é a náusea, com efeito substancial, uma dose-resposta e uma clara ligação temporal. Além da falta de eficácia, ambas as drogas foram aprovadas para um diagnóstico descartado que é inconsistente com o entendimento atual da sexualidade feminina”.

****

Mintzes, B., Tiefer, L., & Cosgrove, L. (2021). Bremelanotide and flibanserin for low sexual desire in women: The fallacy of regulatory precedent. Drug and Therapeutics Bulletin59(12), 185–188. https://doi.org/10.1136/dtb.2021.000020 (Link)