Investigação interdisciplinar necessária sobre os riscos da psiquiatrização

Como é que a sociedade é afetada pela psiquiatrização, a tendência para interpretar as questões sociais através da lente do. modelo biomédico da psiquiatria?

0
233

O aumento global dos transtornos mentais diagnosticados e o aumento da utilização dos serviços de saúde mental têm causado uma carga crescente tanto para os sistemas de saúde quanto para as sociedades. Novo trabalho de um grupo de estudiosos interdisciplinares explora o conceito de psiquiatria da sociedade e suas implicações e apela para uma pesquisa transdisciplinar sobre o tema.

Por “psiquiatrização”, os autores se referem aos processos pelos quais mais e mais indivíduos são diagnosticados e tratados como doentes mentais, e as práticas psiquiátricas moldam cada vez mais áreas da vida.

A crescente medicalização dos sintomas cotidianos, da solidão à tristeza e depressão, um processo que converte estes sintomas em problemas psiquiátricos, tem sido tanto bem documentado quanto fortemente criticado. A psiquiatrização da infância tem recebido atenção significativa, e a psiquiatrização em geral tem sido investigada criticamente como uma ferramenta da colonização.

Focalizando o desenvolvimento teórico e considerações teóricas, os autores sugerem um modelo básico de psiquiatrização como um ponto de partida para futuras pesquisas. Como os autores observam:

“A psiquiatrização é altamente complexa, diversificada e global. Ela envolve vários protagonistas, e seus efeitos são potencialmente prejudiciais aos indivíduos, às sociedades e à saúde pública”.

Estes danos potenciais incluem o sobrediagnóstico e o tratamento excessivo, minando a prestação de cuidados de saúde mental para os doentes mais graves, e “impulsionando intervenções médicas que instigam a lidar com problemas sociais de forma individual, em vez de encorajar soluções políticas de longo prazo”.

Os autores descrevem dois processos de psiquiatrização: de cima para baixo e de baixo para cima. No modelo de cima-para baixo [top-down,] especialistas e políticos, juntamente com a indústria farmacêutica e companhias de seguros, impulsionam tanto o uso de práticas psiquiátricas quanto a aplicação de conhecimentos psiquiátricos, tais como as  categorizações diagnósticas.

Exemplos de processos de cima-para baixo de psiquiatrização incluem “reestruturação em larga escala dos serviços de saúde mental, elaboração de leis, publicação de novas diretrizes de tratamento e diagnóstico, introdução de novos diagnósticos no DSM”, aprovação de medicamentos psicotrópicos existentes para algumas “novas” condições, triagem obrigatória da saúde mental e requisitos de diagnóstico para acesso a apoio educacional.

A psiquiatrização de baixo para cima [bottom-up] ocorre quando as necessidades e desejos dos pacientes e consumidores induzem mudanças no nível superior e, portanto, é conduzida por leigos sem vínculos profissionais com a psiquiatria ou com o sistema de saúde em geral. Em processos de baixo-para cima, a psiquiatrização pode ser, parafraseando Foucault, “solicitada, ao invés de imposta”.

“Os propulsores típicos da psiquiatria de baixo para cima podem ser pessoas buscando o reconhecimento do sofrimento subjetivo ou da diferença através de diagnóstico clínico, pessoas com ‘sintomas’ leves ou inespecíficos usando serviços profissionais de saúde sem indicação clara, ou a demanda dos pais ou outros cuidadores para diagnósticos e tratamento de transtornos de aprendizagem e comportamento percebidos”.

Os efeitos dos processos de psiquiatrização tanto de cima para baixo como de baixo para cima são diversos, altamente ambivalentes e significativamente influenciados por fatores tecnológicos, econômicos, políticos e sociais localizados e diversificados. Ao fazer este trabalho, os autores esperam fornecer uma estrutura conceitual para novas pesquisas interdisciplinares sobre a psiquiatrização da sociedade, seus impactos, riscos e benefícios.

As reorientações dos sistemas globais de saúde mental através da digitalização, desinstitucionalização e ampliação do atendimento comunitário no mundo inteiro devido às contínuas mudanças políticas e sociais tornam os processos de psiquiatrização cada vez mais relevantes para a vida social e política. Como os autores observam, porém, “pode ser complicado para a pesquisa distinguir as tentativas legítimas de atender às necessidades reais não atendidas da construção de infraestrutura que criam a necessidade artificial ou promovem a patologização e o supertratamento do sofrimento mental”.

Por estas razões, tanto a pesquisa interdisciplinar qualitativa quanto quantitativa é necessária para explorar os diferentes aspectos da psiquiatria e identificar as razões para o envolvimento em processos de psiquiatria, ou para resistir a eles.

****

Beeker, T., Mills, C., Meerman, S., Thoma, S., Heinze, M., and von Peter, S. (2021). “Psychiatrization of Society: A Conceptual Framework and Call for Transdisciplinary Research.” Frontiers in Psychiatry, 20:645556.(Link)