Despsiquiatrização e a Promessa da abordagem do Diálogo Aberto

As abordagens baseadas na linguagem e no significado do apoio psicossocial podem contrapor-se à marcha da psiquiatrização global.

0
664

Embora a incidência e prevalência dos chamados ” transtornos mentais” tenham permanecido relativamente estáveis, o aumento global dos cuidados psiquiátricos tem causado uma carga crescente para os sistemas e sociedades de saúde. No ano passado, um grupo de estudiosos interdisciplinares liderado por Timo Beeker introduziu o conceito de psiquiatrização como uma estrutura conceitual para compreender os processos pelos quais cada vez mais indivíduos são diagnosticados e tratados como doentes mentais e as práticas psiquiátricas moldam cada vez mais áreas da vida.

Em resposta ao apelo desses estudiosos à pesquisa transdisciplinar sobre psiquiatria, um novo trabalho de Sebastian von Peter explica como a abordagem do Diálogo Aberto (OD) ao cuidado mental pode ser usada como uma estratégia potencial para combater a onda de psiquiatrização global.

A psiquiatrização tem sido muito criticada, principalmente enquanto uma ferramenta da colonização. A medicalização de tudo, da depressão à solidão, tem sido bem documentada e seus efeitos são potencialmente prejudiciais aos indivíduos, sociedades e saúde pública.

Estes danos potenciais incluem o sobrediagnóstico e o tratamento excessivo, minando a prestação de cuidados de saúde mental para os mais graves, e “impulsionando intervenções médicas que incitam o indivíduo a lidar com problemas sociais, em vez de encorajar soluções políticas de longo prazo“.

Desenvolvido na Finlândia, o Diálogo Aberto (DA) é um modelo multiprofissional, contínuo, orientado às necessidades dos pacientes e tratamento ambulatorial de apoio durante uma crise. Sua metodologia representa uma mudança do paradigma psiquiátrico de busca do “diagnóstico correto” para um foco na criação de significados, linguagem comum e inclusão de uma rede de diferentes vozes no processo de tratamento.

“Em [Diálogo Aberto], a rede social e o usuário estão envolvidos no planejamento conjunto do tratamento e no engajamento do tratamento desde o início e durante todo o processo terapêutico (às vezes durante anos, se necessário)”.

Esta abordagem se baseia nos recursos e criatividade do usuário do serviço e de sua rede social para tomar decisões e desenvolver um plano de ação e tratamento. Esta abordagem não institucional, não medicalizada, também se harmoniza com as atuais abordagens baseadas em direitos para o tratamento da saúde mental.

Com base em vários estudos de coorte realizados nos anos 90 e início dos anos 2000, o DA provou ser eficaz para reduzir significativamente as estadias hospitalares, bem como para reduzir as taxas de recaídas ao longo do tempo. Estes estudos também mostram a reintegração de até 84% dos usuários de serviços no trabalho e na educação e o uso baixo e pouco freqüente de medicamentos neurolépticos durante o tratamento de DA.

De modo geral, as evidências dos estudos de coorte do tratamento de DA mostraram que “os resultados do tratamento alcançado em cada caso permaneceram bastante estáveis durante todo o período [de 13 anos] ou até mesmo aumentaram ao longo do tempo”. Assim, o DA constitui uma abordagem promissora para o tratamento de doenças mentais que honra os direitos dos usuários de serviços e não aumenta a medicalização, fornecendo assim um potencial promissor contra os processos de psiquiatria em todo o mundo.

No entanto, apesar do histórico promissor do DA, mesmo este modelo de prestação de serviços pode vir a ser apropriado por um sistema de tratamento psiquiátrico. Os autores advertem:

“Este perigo [de apropriação] é ainda mais pertinente, uma vez que exige sistemas de apoio psicossocial mais democráticos, baseados nos direitos humanos, fortalecedores ou orientados para a recuperação que procuram ampliar, no entanto, muitas vezes sem a vontade ou a reflexividade suficiente para mudar as rotinas habituais”.

A implementação de uma abordagem DA à saúde mental e seu impacto na despsiquiatrização dependerá de como a abordagem será implementada em um contexto de cuidado, apoio e respeito. De fato, escreve von Peter:

“O DA pode ser considerado como somente sendo um componente para trazer as mudanças urgentemente necessárias no sistema de saúde mental”.

****

Von Peter, S., et al. (2021). Dialogue as a Response to the Psychiatrization of Society? Potentials of the Open Dialogue Approach. Frontiers in Sociology(Link)