Os antidepressivos ISRS não melhoram a depressão após um AVC

Um estudo na JAMA Neurology descobriu que os antidepressivos não reduzem os sintomas da depressão mais do que o placebo em pacientes em recuperação de um AVC.

0
517

Em um grande estudo publicado na JAMA Neurology, os pesquisadores descobriram que os ISRSs não são melhores do que um placebo para melhorar a depressão após um AVC.

Os pesquisadores escrevem: “Pacientes com AVC recente não devem ser tratados rotineiramente com 20 mg diários de fluoxetina para prevenir ou tratar sintomas clinicamente significativos de depressão durante os primeiros seis meses após o AVC”.

O estudo foi conduzido pela Avaliação da Fluoxetina na Recuperação do AVC (AFFINITY) Colaboração em Testes, e foi uma análise do resultado secundário (depressão). O resultado primário foi a recuperação funcional após um acidente vascular cerebral. Entretanto, os autores do estudo relataram em sua publicação anterior (na Lancet Neurology) que os antidepressivos também não melhoraram esse resultado e, na verdade, que os medicamentos “aumentaram o risco de quedas, fraturas ósseas e crises epiléticas”.

O médico examina atentamente a ressonância magnética do paciente. Na última década, os pesquisadores conduziram grandes testes para verificar se os antidepressivos melhoram os resultados funcionais para pessoas que acabaram de ter um AVC.  Um pequeno ensaio preliminar em 2011 descobriu que os ISRSs poderiam melhorar a recuperação motora após um derrame, e os pesquisadores entraram na onda, conduzindo estudos mais amplos para tentar detectar este efeito.

Infelizmente, estes estudos maiores e mais rigorosos não conseguiram encontrar um efeito para as drogas e, em vez disso, descobriram que os ISRSs eram prejudiciais, particularmente aumentando o risco de fraturas ósseas.

Entretanto, alguns desses estudos encontraram um intrigante efeito secundário – que os medicamentos antidepressivos poderiam diminuir a ocorrência de depressão em pessoas que acabaram de ter um derrame.

Assim, no ensaio AFFINITY, os pesquisadores incluíram medidas dos resultados da depressão. O estudo atual se concentrou nesses resultados, mas os pesquisadores descobriram que os ISRSs não eram melhores do que placebo:

“Neste ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo com 1221 pacientes, o uso diário rotineiro de 20 mg de fluoxetina durante 26 semanas não reduziu a proporção daqueles com um AVC recente que desenvolveram sintomas clinicamente significativos de depressão em comparação com placebo (20% vs. 21%)”.

Em um editorial que acompanha o artigo atual, Michael Hill e Sean Dukelow argumentam que, embora o grande e robusto estudo tenha constatado que os ISRSs não eram melhores do que placebo na redução da depressão após um AVC, “Os inibidores seletivos da absorção de serotonina continuam a ser uma parte razoável do plano de tratamento”.

Eles escrevem que a depressão pós AVC é prevalente, afetando um terço das pessoas que sofrem de AVC – embora o estudo atual tenha descoberto que na verdade era um pouco mais rara, com cerca de um quinto (20%) das pessoas que sofrem de AVC.

No estudo, a depressão foi medida usando o PHQ-9, uma medida que alguns pesquisadores sugerem que a prevalência da depressão é superestimada. No estudo atual, no entanto, os médicos distribuíram o diagnóstico de forma ainda mais liberal: Muitas pessoas que não preenchiam os critérios para depressão no PHQ-9 receberam de fato um diagnóstico de depressão por seu médico:

De acordo com Hill e Dukelow, “O acordo entre um escore PHQ-9 de 9 ou superior e um diagnóstico clínico de depressão (relatado por 218 participantes do estudo) foi pobre (κ = 0,19)”.

Eles sugerem que o PHQ-9 está na verdade subdiagnosticando os casos verdadeiros de depressão, escrevendo que a avaliação clínica do médico é mais confiável do que a medida. Entretanto, eles também sugerem que ter um derrame cerebral pode levar a distúrbios de ajuste, não a uma grande depressão, “à medida que os pacientes passam por um processo de luto, antes de se adaptarem e compensarem”.

Com base nesse argumento, parece que o diagnóstico de depressão é inadequado, pois os “sintomas” são melhor explicados por um período de ajuste e até mesmo de luto após a perda do funcionamento. No entanto, Hill e Dukelow não tentam resolver esta aparente contradição.

Eles sugerem, entretanto, que a resolução da deficiência funcional deve ser o foco principal e que isto provavelmente reduzirá a ocorrência de depressão, escrevendo:

“Uma intervenção positiva que resulte em melhores resultados neurológicos em qualquer domínio (motor, fala ou cinestésico) também resultará, sem dúvida, em melhores resultados nos domínios do humor afetivo”.

****

Almeida, O. P., Hankey, G. J., Ford, A., Etherton-Beer, C., Flicker, L., Hackett, M., for the Assessment of Fluoxetine in Stroke Recovery (AFFINITY) Trial Collaboration. (2021). Depression outcomes among patients treated with fluoxetine for stroke recovery: The AFFINITY randomized clinical trial. JAMA Neurology, 78(9), 1072-1079. doi:10.1001/jamaneurol.2021.2418 (Link)

Hill, M. D., & Dukelow, S. P. (2021). Poststroke selective serotonin reuptake inhibitors—Do they work for anything? JAMA Neurology, 78(9), 1053-1054. (Link)