O seu pensamento é importante quando você medita

Os investigadores constatam que tentar controlar as suas emoções quando se medita prejudica a sua eficácia. A aceitação atenta melhora os resultados.

0
237

Se você foi à terapia nos últimos 10 ou 15 anos, é provável que lhe tenham dito para meditar quando você começar a se sentir aflito. Talvez você tenha tentado se concentrar em sua respiração, mas se viu ficando cada vez mais nervoso. Talvez você tenha começado a ficar bravo com o terapeuta – ou amigo, ou membro da família – que jura que essa prática é boa. Você conclui que isso simplesmente não funciona para você. Talvez até o tenha feito sentir-se pior.

Agora, os pesquisadores podem ter descoberto o porquê.

Em um novo estudo, pesquisadores liderados por Eric Tifft na Universidade de Albany descobriram que a razão pela qual as pessoas escolheram meditar – a intenção por trás de sua prática – predizia se elas sentiam alívio de sua angústia ou não.

“As práticas de meditação têm sido amplamente comercializadas para amenizar o sofrimento humano. Como tal, os indivíduos podem buscar e usar a meditação para controlar ou administrar pensamentos e emoções desagradáveis. A pesquisa sobre o controle de emoções e pensamentos sugere que a meditação usada desta forma pode potencializar experiências privadas desagradáveis e contribuir para resultados negativos”, escrevem os pesquisadores.

De acordo com Tifft e seus coautores, há duas intenções principais que as pessoas têm quando decidem meditar. A primeira decorre das origens espirituais da meditação, como o budismo, e envolve uma aceitação consciente – pensamentos e sentimentos, mesmo negativos, sem julgamento e sem tentar controlá-los. A segunda é o oposto: meditar para tentar fazer desaparecer a ansiedade, a depressão, ou outros sentimentos negativos.

Esta é a compreensão popular da meditação no mundo ocidental, que divorciou a prática de suas raízes espirituais e a tratou como uma intervenção adicional à saúde mental – algo que ajudará a melhorar seus “sintomas”. Em muitos casos, métodos de meditação são ensinados às pessoas – como observar sua respiração, por exemplo – mas seu objetivo para fazer isso é reduzir sua ansiedade, depressão, estresse etc.

No estudo presente, Tifft e seus colegas descobriram que este foco na redução dos sintomas prejudica o sucesso da prática. E, ao contrário, estar aberto a esses sentimentos negativos e aceitá-los – como no contexto da prática de meditação budista – acaba por reduzir a angústia.

O estudo incluiu 103 estudantes universitários que tinham experiência anterior com meditação. A amostra foi mais diversificada do que a normalmente encontrada nos estudos psicológicos: menos da metade (45,9%) eram brancos. Um pouco mais da metade (58,2%) tinha usado meditação para tentar controlar suas emoções; os outros 42,8% tinham se envolvido em meditação com uma mentalidade de abertura/aceitação. (Apenas cinco estudantes não se enquadravam nestas categorias, relatando que tinham ambas as intenções; eles não foram incluídos na análise).

Os pesquisadores compararam os dois grupos e descobriram que aqueles que estavam tentando controlar suas emoções tinham maior angústia:

“Os indivíduos que endossaram o uso da meditação para controle da experiência relataram maior ansiedade, preocupação, depressão e afeto negativo, e menor cuidado com a meditação guiada por sua aceitação”.

Os pesquisadores também descobriram que a percepção de angústia – não a gravidade da ansiedade ou depressão em si – previa a intenção de controlar em vez de aceitar.

Os pesquisadores concluíram isso porque os resultados do State-Trait Inventory for Cognitive and Somatic Anxiety e Beck Depression Inventory não previam se as pessoas estavam tentando controlar sua angústia ou aceitá-la – somente porque sua percepção de como era problemático ter emoções desagradáveis foi adicionada à equação.

Devido ao desenho do estudo (transversal), não é possível inferir a causalidade. Os pesquisadores reconhecem esta limitação e são bastante claros sobre as três interpretações possíveis de seus resultados.

Uma explicação é que as pessoas que acreditam que a angústia é um problema se voltam para a meditação baseada no controle, em vez de se concentrarem na aceitação. Não parece funcionar, no entanto, já que estes participantes ainda relataram uma angústia ainda pior.

A segunda explicação é que a meditação focalizada no controle na verdade torna a angústia pior, porque faz com que as pessoas se concentrem no problema e se sintam desesperadas quando a meditação não o resolve.

A terceira explicação combina as duas: as pessoas que percebem experiências negativas como foco problemático no controle desses sentimentos, o que as torna piores.

Os pesquisadores acrescentam que “estas descobertas são consistentes com pesquisas que sugerem que o controle deliberado e eficaz de eventos privados desagradáveis pode ser ineficaz e está associado a um maior sofrimento psicológico”.

Uma implicação: Os terapeutas deveriam se concentrar no ensino da aceitação antes de introduzir técnicas de meditação.

Em um post no blog sobre o estudo, Steven Hayes – psicólogo e criador da Terapia de Aceitação e Compromisso – chama a atenção para a noção superficial de meditação que prevalece e reorienta a atenção para o contexto espiritual da prática:

Observe o maravilhoso mundo da meditação de fast-food: a prática contemplativa NÃO tem a ver com se livrar de suas experiências. Trata-se de se ancorar para que você não seja varrido, e permanecer firme e presente mesmo na presença de chuva, trovões e ondas que se chocam. Como disse recentemente o monge e ativista da paz Thích Nhất Hạnh, “Com a mente atenta, não se está apenas descansado e feliz, mas alerta e desperto. A meditação não é evasão; é um encontro

****

Tifft, E. D., Underwood, S. B., Roberts, M. Z., & Forsyth, J. P. (2022). Using meditation in a control vs. acceptance context: A preliminary evaluation of relations with anxiety, depression, and indices of well‐being. Journal of Clinical Psychology, 1-15. https://doi.org/10.1002/jclp.23313 (Link)