Pesquisa Explora a Experiência da Retirada de Benzodiazepínicos

Um novo estudo revela que muitos usuários de benzodiazepinas estão mal informados sobre os riscos de retirada e experimentam consequências devastadoras.

0
133

Em um novo artigo publicado em Therapeutic Advances in Psychopharmacology, Alistair J. Reid Finlayson e seus colegas exploram o uso de benzodiazepinas, o afunilamento e a descontinuação.

Os autores coletaram dados usando uma pesquisa na internet com 1207 participantes. Os usuários do serviço relataram numerosos efeitos adversos do uso e descontinuação da benzodiazepina (coloquialmente, benzos), incluindo ansiedade e raiva incontrolável. Entre 80% e 90% dos entrevistados disseram que estes efeitos negativos causaram problemas com o trabalho, interações sociais e tempo livre/hobbies. 76% dos entrevistados relataram nunca ter sido informados de que os benzos só deveriam ser prescritos para uso a curto prazo ou informados sobre o risco de dependência física e danos.

Os autores escrevem:

“A trajetória daqueles que afunilam ou descontinuam as benzodiazepinas é imprevisível, e muitos pacientes experimentam uma série de sintomas prolongados e severos, mesmo anos após a descontinuação completa das benzodiazepinas. É necessária uma maior conscientização tanto dos prescritores quanto dos pacientes sobre o potencial para uma difícil retirada das benzodiazepinas”.

A pesquisa vinculou o uso de benzodiazepínicos a longo prazo à deficiência cognitiva. As pessoas que usam benzos por mais de um ano mostraram déficits na memória funcional, na velocidade de processamento, na memória recente, na visuoconstrução e na linguagem expressiva. Estes déficits podem existir quando as pessoas estão usando ativamente a droga, retirando-se dela, e por até 3 anos e meio após a interrupção do uso.

Embora os benzos sejam indicados apenas para uso a curto prazo devido ao seu potencial de dependência física e outros efeitos adversos, a maioria das 100 milhões de prescrições escritas a cada ano são para uso a longo prazo. Isto resulta no que alguns autores chamaram de “dependência iatrogênica”, um dano causado pelo tratamento médico e pela incompetência do prestador de serviços.

O risco de dependência física dos benzos é tão pronunciado que a Food and Drug Administration (FDA) nos Estados Unidos emitiu uma declaração em 2020 alertando sobre o potencial de danos aos benzos e exigindo um “aviso em caixa” atualizado sobre esse potencial.

A FDA foi apresentada pela primeira vez aos problemas em torno dos benzos em 2010 quando milhares de usuários de serviços e profissionais preocupados assinaram uma petição do cidadão para melhor informar o público sobre os perigos dos benzos. Infelizmente, a FDA tratou a petição em 2015 com recusa e completa negação.

Entretanto, um estudo divulgado pela FDA em 2020 mostrou provas suficientes e esmagadoras do potencial de danos dos benzos que a agência reguladora foi forçada a mudar sua posição publicamente. A FDA reconhece agora que a dependência física pode resultar da ingestão de benzos por apenas alguns dias, mesmo quando se toma benzos conforme prescrito, que parar abruptamente pode ser fatal, e que as diretrizes de prescrição de benzos não apreciam adequadamente seu potencial de danos.

A pesquisa atual procura entender melhor os efeitos do uso, do afunilamento e da descontinuação do benzo. Citando a declaração da FDA 2020 invertendo sua posição sobre os perigos dos benzos e a “advertência em caixa” acrescentada à droga, os autores afirmam que a psiquiatria tem uma tênue compreensão dos efeitos dos benzos e da descontinuação do benzo. A pesquisa atual é um esforço para preencher esta lacuna no conhecimento.

Os autores desenvolveram uma pesquisa de 19 perguntas, incluindo perguntas demográficas, uso de benzo, sintomas e resultados. A pesquisa foi administrada em vários grandes websites relacionados ao uso do benzo, incluindo Facebook e Reddit. A pesquisa foi anônima com salvaguardas para garantir não mais que uma resposta por endereço IP.

Mil e duzentas e sete pessoas completaram a pesquisa e foram incluídas na análise atual. Os entrevistados foram esmagadoramente mulheres (71%), com muitas (55,9%) tomando benzos junto com outros medicamentos, tais como antidepressivos ou antipsicóticos. 98,6% dos respondentes relataram ter uma prescrição atual de benzos. 68,4% relataram que tomaram seu benzo conforme prescrito, 22% disseram que tomaram seu benzo principalmente conforme prescrito, e 8,7% relataram que não tomaram o medicamento como prescrito.

63,2% dos entrevistados haviam interrompido o uso de benzo, 24,4% estavam diminuindo suas doses e 11,3% estavam tomando ativamente a dose completa. A maioria dos respondentes experimentou efeitos adversos durante o uso, afunilamento e após a descontinuação do benzo, com alguns sintomas (baixa energia, ansiedade, dificuldade de concentração, perda de memória, etc.) persistindo por anos.

A maioria dos entrevistados (76,2%) relatou que os profissionais de saúde “definitivamente não” lhes disseram que os benzos só devem ser usados por períodos curtos (2-4 semanas de acordo com a FDA) e que a descontinuação pode ser difícil. Um adicional de 5,6% relatou que eles “provavelmente não” foram advertidos sobre estes perigos.

O uso e a retirada dos benzos foram associados a numerosos eventos adversos à vida. Mais da metade dos entrevistados relatou impactos negativos significativos em seu casamento e outros relacionamentos (56,8%) e pensamentos ou tentativas de suicídio (54,4%) devido ao seu uso e descontinuação dessas drogas. Além disso, 46,8% relataram ter sido demitidos de um emprego ou terem se tornado incapazes de trabalhar. 40,9% sofreram um aumento significativo dos custos médicos.

A retirada de Benzo causou muitos problemas para os entrevistados em suas vidas pessoais e profissionais. 49,1% relataram problemas “enormes” com sua vida profissional devido à retirada do benzo, com um adicional de 19,3% relatando problemas “graves” ou piores relacionados ao trabalho com o benzo. 48% tiveram problemas “enormes” com recreação e hobbies, com um adicional de 25,6% classificando suas lutas como “severas” ou piores.

Mais da metade dos entrevistados também relataram problemas “graves” ou piores com interações sociais, sua capacidade de cuidar de sua casa e seus relacionamentos com seu cônjuge e família. 47,3% relataram problemas graves ou piores com sua capacidade de andar e dirigir.

Muitos dos respondentes deixaram comentários sobre a pesquisa que os autores classificaram em várias queixas comuns. Por exemplo, muitos pacientes comentaram sobre a dificuldade de se retirar dos benzos. Um participante escreveu: “Se eu pudesse pensar na pior coisa possível que você poderia fazer a uma pessoa, seria a retirada do benzo”. Supera o câncer e a doença de Alzheimer combinados. Se eu pudesse fazer isso desaparecer cortando meus braços e pernas, eu faria”!

Muitos entrevistados experimentaram um tratamento deficiente por parte dos profissionais médicos, com alguns dizendo que seus médicos lhes mentiram dizendo que a overdose e a dependência dos benzos eram impossíveis. De acordo com os comentários dos participantes, as opções para descontinuar ou afunilar o uso de benzo também foram limitadas.

Os autores concluem:

“Esta pesquisa é um passo inicial para um melhor reconhecimento dos riscos da terapia com benzodiazepina e a consciência de que os sintomas de abstinência podem ser mais variados, mais severos e mais prolongados do que são apresentados na literatura ou na rotulagem do produto. Os sintomas de abstinência da benzodiazepina são mais comuns do que a maioria dos clínicos imagina”.

****

Reid Finlayson, A. J., Macoubrie, J., Huff, C., Foster, D., & Martin, P. R. (2022). Experiences with benzodiazepine use, tapering, and discontinuation: an Internet survey. Therapeutic Advances in Psychopharmacology12, 204512532210823. https://doi.org/10.1177/20451253221082386 (Link)

[trad. e edição Fernando Freitas]