“Primeiro eles te ignoram. Depois, eles te ridicularizam. E então eles te atacam…’

0
157

“Primeiro eles te ignoram. Depois, eles te ridicularizam. E então eles te atacam…’*

Respondo a alguns dos pontos do recente artigo da Rolling Stone e corrijo as muitas imprecisões e distorções.

Ignorar não está mais funcionando, portanto os defensores das grandes Farmacêuticas e da psiquiatria convencional entraram em modo de ataque. A estratégia é minar o mensageiro (eu), a fim de neutralizar a mensagem. Neste caso a mensagem é a bomba de que não há evidência de que a depressão seja um desequilíbrio químico cerebral e os antidepressivos não fazem o que as pessoas dizem que fazem. Na verdade, a comunidade científica não sabe o que os antidepressivos fazem, mas, eles tranquilizam as pessoas, eles ainda ” funcionam “, portanto não importa.

Aparentemente, nossa descoberta é tão óbvia que “foi recebida com bocejos pela comunidade psiquiátrica”. No entanto, o público foi mantido no escuro sobre a falta de provas de um desequilíbrio químico durante três décadas, no que um psiquiatra australiano recentemente chamou de “um flagelo em nossa profissão“. E o público está muito interessado. O artigo original está no top 500 dos 21 milhões de artigos científicos mais compartilhados, e nosso artigo sobre o assunto em Conversation já teve mais de um milhão de opiniões.

Em uma tática honrada pelo tempo, o artigo tenta me desacreditar por associação. Mas agora não são só os cientologistas, embora eles estejam sendo jogados para dentro em boa medida (e para que fique registrado que nunca tive nenhuma associação com os cientologistas), mas a “mídia de direita”. O artigo aponta que comentadores de direita como Tucker Carlson e Matt Walsh cobriram nossa pesquisa. Continua sugerindo que eu “promovi… a crença de que os ISRSs estão ligados ao comportamento agressivo”, o que é descrito como uma “visão marginal” que tem sido usada pela mídia de direita para argumentar contra o controle de armas nos Estados Unidos, na sequência de tiroteios escolares. O que eu realmente fiz foi comentar uma pesquisa publicada no British Medical Journal (BMJ) que encontrou ligações entre os antidepressivos e o comportamento agressivo (assim como o suicídio) nos jovens. Meus comentários foram publicados em um editorial feito a convite no BMJ, e também no meu blog. Acho que isso não é “promoção” de nada, certamente não é uma “visão marginal”.

O jornalista apresenta minha resposta a esses assuntos, mas trazê-los à tona parece sugerir que, por causa disso, nunca deveríamos ter divulgado ou talvez até feito nossa pesquisa. Isso equivale à sugestão de que a milhões de pessoas deveriam ser negadas informações sobre as drogas que colocam em seu corpo todos os dias, porque a mensagem poderia ser retomada pelas pessoas “erradas”.

O artigo me acusa de “promover crenças amplamente contestadas sobre os perigos de várias intervenções de saúde mental, tais como antidepressivos ou formas alternativas de tratamento”. Isso não é exato. A maioria dos efeitos adversos que salientei em minha pesquisa são amplamente reconhecidos, e aqueles que são menos bem reconhecidos (como a disfunção sexual pós SSRI – que agora é reconhecida oficialmente pela Agência Européia de Medicamentos) não foram “amplamente contestados”, ou de fato não foram contestados de forma alguma.

Um exemplo dado é que eu supostamente “liguei imprecisamente” o tratamento de Estimulação Magnética Transcraniana (TMS) a um risco maior de comprometimento cognitivo. Fiquei surpresa com isso, pois nunca escrevi sobre o TMS nem fiz nenhuma pesquisa sobre ele. Então vi que o link no artigo se referia a um tweet que fiz de um blog sobre um grupo do Facebook onde centenas de pacientes relatam efeitos colaterais do TMS, incluindo o comprometimento cognitivo. Embora o dano cognitivo não seja reconhecido atualmente como um efeito colateral do TMS, sabemos que muitos efeitos adversos são relatados pelos pacientes antes de serem detectados ou medidos com precisão em estudos científicos (tais como a retirada de antidepressivos). Em todo caso, não ficou claro que essa acusação foi baseada em um único tweet e não em nenhum dos meus escritos ou pesquisas.

Outro exemplo é que eu tenho aparentemente “defendido agressivamente a idéia de que os ISRSs podem causar danos estruturais duradouros ao cérebro, sendo autora de vários artigos para esse fim”. É altamente enganoso omitir o contexto aqui, e na verdade a maioria dos trabalhos que estão ligados a isso não fazem nenhuma reivindicação sobre danos estruturais. Em um editorial que me foi solicitado, eu fiz a seguinte sugestão: “O cérebro é um órgão delicado; pode não ser preciso muito para redefinir permanentemente sua estrutura ou função”. Meu editorial discutiu dois outros artigos que cobriam a crescente evidência sobre os efeitos de abstinência e disfunção sexual persistente relatados por pessoas que pararam com os antidepressivos, o que pode indicar danos duradouros à estrutura ou função do cérebro. Os leitores certamente merecem ter esse contexto. A existência de abstinência persistente e disfunção sexual persistente tem sido relatada em muitos artigos científicos e não tem sido amplamente contestada.

Outro exemplo fornecido é que em meu blog e em minha pesquisa eu “promovi a idéia de que a retirada dos ISRSs pode causar mania ou sintomas psicóticos a longo prazo”. Isso é completamente incorreto. Eu nunca promovi essa idéia. Cobri a existência de sintomas de abstinência em geral, e discuti como esses sintomas podem ser geralmente graves, mas nunca sugeri que mania ou psicose fossem sintomas comuns de abstinência ou alguma vez ressaltei esses efeitos (o que concordo com outros são muito provavelmente extremamente raros).

O artigo acrescenta que “os efeitos colaterais mais comuns da abstinência, tais como tonturas ou angústia gastrointestinal, são desconfortáveis, mas de curta duração”. Essa idéia de que a abstinência é de curta duração não é mais aceita. O site do Royal College of Psychiatrists cita o National Institute of Health and Social Care Excellence (NICE), dizendo: “para alguns, os sintomas da abstinência podem ser leves e desaparecer relativamente depressa, sem necessidade de qualquer ajuda”. Outras pessoas podem ter sintomas mais graves que duram muito mais (às vezes meses ou mais)”.

Minimizar dessa maneira a retirada dos antidepressivos poderia levar as pessoas a interromper abruptamente seus antidepressivos e a sofrer sintomas graves de retirada.

O artigo apresenta de maneira completamente deturpada minhas opiniões sobre autonomia pessoal e saúde e o ensaio que escrevi sobre o ponto de vista de Szasz a esse respeito em 2014. O ensaio é na verdade uma consideração da necessidade de paternalismo em algumas situações (isto é, a sobreposição da autonomia pessoal). Na verdade, menciono mandatos de vacinas pediátricas como exemplos de casos em que medidas obrigatórias de saúde pública poderiam ser justificadas no interesse da saúde e bem-estar da população, e não o contrário, como implícito.

O artigo da Rolling Stone continua a trazer à tona minha oposição ao mandato de vacina contra a covida do NHS. Ele afirma que eu “relacionei de maneira inexata os sintomas graves da Covid-19 ao uso de antidepressivos ou antipsicóticos (na verdade, dados de um estudo observacional sugerem que tomar ISRSs pode realmente reduzir o risco de uma pessoa morrer de Covid)”. Isso é altamente enganoso. Eu tweetei um link para um estudo científico de autoria do Public Health Scotland COVID-19 Health Protection Study Group que encontrou um aumento do risco de covid grave com antipsicóticos e antidepressivos, juntamente com outros medicamentos não psiquiátricos, tais como opiáceos. É verdade que alguns outros estudos sugeriram uma redução da mortalidade em pessoas que tomam antidepressivos específicos, mas isso não refuta as conclusões do estudo escocês. Os dados são conflitantes, pois muitas vezes estão nos estágios iniciais da pesquisa sobre alguma coisa.

O artigo me acusa de ter “tido um leve pensamento conspiratório” com antidepressivos e com as vacinas, mas se minha sugestão de que motivos financeiros, juntamente com a insegurança profissional dos “psiquiatras” e a percepção da necessidade dos médicos de ter algo a oferecer” influenciaram a pesquisa sobre antidepressivos conta como pensamento conspiratório, então toda a sociologia acadêmica, a política, a história e uma grande quantidade de jornalismo de grande repercussão consiste em pensamento conspiratório.

E para esclarecer uma última questão, o psiquiatra Awais Aftab sugere que eu “desafiei a caracterização da depressão como uma doença mental”. Em artigos filosóficos sérios publicados em revistas acadêmicas, questionei se é justificado, apropriado e útil conceber o sofrimento e as dificuldades que rotulamos como doença mental como doença cerebral. Nunca neguei a realidade do sofrimento ou a necessidade de ajudar as pessoas que o estão experimentando.

Notas:

* Esta afirmação (muitas vezes atribuída erroneamente a Gandhi de uma forma ligeiramente diferente) foi dita por Nicholas Klein, do Amalgamated Clothing Workers of America, em 1918.

[trad. e edição Fernando Freitas]