Psicóloga de ‘loucos’ fala da sua experiência

0
393

 

HelenEstou em meu carro em direção ao meu trabalho como psicóloga clínica, lutando com as vozes em minha cabeça relacionadas ao abuso …

Posso ouvir uma voz que diz algo assim:

“Você é inútil.”

“Você não vale nada.”

“Você merece morrer”.

“Mate-se”.

Quando chego ao trabalho, participo de uma reunião durante a qual uma paciente que ouve semelhantes vozes, porque também se relacionam com abuso que sofreu quando criança, e vejo que ela está sendo informada de que sofre de “esquizofrenia”. O psiquiatra informa que ela deve se manter em medicação antipsicótica para o restante de sua vida, que ela “não tem esperança de voltar a ter uma vida normal”, que ela “nunca funcionará”, “nunca melhorará ou se recuperará”, e que não deve mais dirigir o seu carro. É dito que isso será comunicado à autoridade responsável pela habilitação de motoristas, com o objetivo de remover a sua licença, já que ela não mais pode ser autorizada a dirigir um automóvel.

A paciente protesta que necessita do carro para levar seus filhos à escola. “O que eu irei fazer”, ela pergunta, “Como irei conseguir lidar com isso sem o meu carro? “.  Tento conversar com ela, para lhe dar apoio. Eu explico que as vozes que ela ouve dizem respeito ao abuso que sofreu quando criança. Que há maneiras de ajudá-la a entender o significado das vozes e a gerenciar a audição de vozes, e que isso é possível sob uma perspectiva psicológica.

No entanto, os seus protestos e as minhas explicações são absolutamente em vão. Nossas vozes não são ouvidas. A única voz que conta ali é a do psiquiatra. Ele informa à paciente e à equipe de que eu estou errada – a história do abuso infantil é irrelevante e não está relacionada com as dificuldades apresentadas pela paciente. Em vez disso, ele nos diz enfaticamente, o que se passa é que ela na verdade está sofrendo de “uma doença cerebral incurável chamada esquizofrenia”, e que por isso ela “deve tomar medicamentos antipsicóticos durante toda a sua vida”.

Desta forma começa outro dia na vida do psicólogo de “loucos”.

Pelo menos desta vez, o psiquiatra responde à formulação que acabo de fazer, embora seja descartada completamente. É com muita frequência que eu sou ignorada quando levanto a questão do abuso e do trauma infantil. Ao longo da minha carreira profissional, encontrei muito poucos psiquiatras que compreenderam a importância do trauma, seja ele experimentado na infância ou na idade adulta, e os danos que o trauma pode fazer às pessoas. Os psiquiatras não conseguem levar isso em consideração, porque não foram ensinados a compreender. Em vez disso, eles foram treinados para considerar o sofrimento relacionado ao trauma como evidência de alguma patologia subjacente – processos de doenças biológicas, distúrbios cerebrais e/ou genes defeituosos.

É muito raro se ver um psiquiatra questionar um paciente sobre a natureza das vozes que ouvem. No que diz respeito à maioria dos psiquiatras, assim que um paciente responde “Sim” à pergunta “Você ouve vozes?”, eles começam a diagnosticar a “esquizofrenia”. A experiência de que ouvir vozes seja variada e significativa tem muitas evidências científicas (Romme e Escher, 1993[1]; Romme et al., 2009[2]; McCarthy-Jones, 2012[3], 2017[4]; Longden, 2013[5] e 2016[6]; McCarthy-Jones e Longden, 2013[7]; Corstens et al., 2014[8]). Não obstante, tais evidências são rotineiramente descartadas e ignoradas. Não há uma busca por compreender que ouvir vozes seja um fenômeno que ocorra sempre em um contexto significativo, e que frequentemente seja um fenômeno que se relaciona com as experiências de vida das pessoas, em particular com experiências de abuso e trauma. Os psiquiatras são treinados para trabalhar com uma lista para a verificação de sintomas, que visa diagnosticar as pessoas com “doenças mentais” de acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística (DSM). No entanto, esta é uma maneira muito inválida para se compreender e se apoiar pessoas em sofrimento psíquico.

Como eu sei o que está acontecendo com essa pessoa? Como posso entender o link entre o ouvir vozes e o histórico de abuso infantil? Certamente não é porque eu tenha aprendido o link que há entre audição de voz e trauma durante meu treinamento em saúde mental, ou porque é assim que o sistema entende essas experiências. Muito pelo contrário. Eu sei por que essa ou aquela paciente está ouvindo vozes e como elas se relacionam com suas experiências de vida, porque eu sou ouvinte de voz, e também pela minha experiência ao longo dos anos trabalhando e aprendendo com muitos outros ouvintes de voz.

A paciente é severamente repreendida pelo psiquiatra, como se ela fosse uma criança; e ela escuta – em termos inequívocos – que não deve dirigir o seu carro, porque “está sofrendo uma recaída” e que está “muito mal”. Contra a vontade dela, a dose da medicação é novamente aumentada, e fala-se da possibilidade de ECT – se as vozes não desaparecerem. Ela é repreendida e colocada em seu lugar, humilhada na frente da equipe, através da abordagem punitiva e julgadora do psiquiatra.

O psiquiatra não faz ideia de que a colega que tem estado sentada em frente dele todos esses anos, que dirige o seu carro para o trabalho todos os dias, que trabalha em tempo integral e não toma drogas psiquiátricas, que ela também ouve semelhantes vozes angustiantes, e por motivos similares. Não sou capaz de compartilhar essa informação, mesmo em particular, de colega para colega. Não tenho dúvidas de que, se eu fizesse isso, imediatamente o psiquiatra me diria que partisse dali.

Na vez seguinte em que esta paciente foi vista, o psiquiatra lhe perguntou novamente se ela estava ouvindo vozes. Desta vez, ela relatou que não. Quando ela saiu da sala, o psiquiatra felicitou-se, dizendo que a medicação havia tido “um grande sucesso”. Ele desconhecia completamente o fato de que as dificuldades da paciente não melhoraram de forma alguma. Na verdade, as dificuldades pioraram com o aumento das drogas. Ela mentiu sobre as vozes haverem cessado, como ela depois me contou; porque ela queria evitar que as dosagens das drogas fossem mais fortemente aumentadas. Para me dizer tudo isso, é porque ela confiou o suficiente em mim, colocando-me em uma posição difícil, embora eu entenda por que ela escolheu fazer isso. Na verdade, o que ela queria era encontrar em mim um apoio junto ao seu psiquiatra, para evitar novos aumentos nas drogas, bem como a possibilidade de ECT, e ela esperava obter de volta a sua carteira de motorista. Eu entendo as suas preocupações sobre o ECT, tendo eu visto isso haver sido feito ao longo dos anos contra a vontade dos pacientes e haver testemunhado o prejuízo considerável que isso pode provocar neles[9].

Como muitas pessoas ao longo dos anos, essa paciente foi forçada a ficar encurralada, sentindo que o único caminho a seguir nessas circunstâncias seria mentir, jogar o jogo para manter o médico satisfeito. É claro que os psiquiatras não são os mais sábios, porque geralmente eles não têm como saber sobre as dificuldades dos pacientes, além do que os pacientes escolhem o que dizer ou não dizer, como este caso é bastante ilustrativo. Nesse sentido, como de muitas outras maneiras, a prática da psiquiatria não é científica; não há formas objetivas de verificar os relatos de pacientes.

O modelo médico prevalecente significa que a maioria dos psiquiatras atribuem problemas e soluções aos fatores biológicos. Se alguém está angustiado, então ele/ela precisa de mais drogas; se melhora, isso se deve aos efeitos das drogas e / ou ECT, independentemente do que aconteceu ou está acontecendo na vida das pessoas. Este modelo impede que os psiquiatras compreendam os contextos mais amplos da vida das pessoas, incluindo o impacto do abuso, trauma e das adversidades.

Eu mordo meus lábios e sufoco minha raiva e minha dor.  Passo a falar sobre um próximo paciente …  Ela é outra pessoa com história de abuso infantil, com sintomas semelhantes aos meus. Novamente é alguém diagnosticado pelo psiquiatra com “esquizofrenia”. Ela e sua família são informadas de que ela “nunca funcionará”, que ela “estará em medicação para o resto de sua vida” e que ela “nunca melhorará ou se recuperará”. ”

Ao longo dos meses, eu fico sentada ao seu lado e a vejo caindo em um estado de desesperança, desamparo, abandono e institucionalização. Eu fico sentada ao seu lado e observo como ela é cada vez mais afetada pelos efeitos adversos do coquetel de drogas psiquiátricas. A força da vida, a energia, o entusiasmo e o zelo pela vida que ela já teve, são gradualmente eliminados. Esse ser humano, outrora vibrante, cheia de vida, interessada e interessante – uma pessoa que se envolvia ativamente com a vida, que tinha esperanças, sonhos e objetivos, mas que estava com profunda dor e angústia – é hoje uma sombra do seu antigo eu, estando agora sufocada, embaralhada e padecendo de espasmos. E mais uma vez eu posso fazer muito pouco para ajudar.

Confiando nos psiquiatras, ela aceita o que lhe dizem, toma sua medicação obedientemente como “uma boa garota”. Apesar de ser uma mulher adulta em seus trinta anos, o médico até a chama de sua “boa garota”, quando ela segue seus conselhos médicos. Na medida em que ela continue a fazer o que lhe é dito, ela será considerada “boa paciente” e será notada como “tendo uma visão de sua condição”. O médico sabe melhor …  Aparentemente.

Acompanhem-me para a próxima paciente. Esta é alguém que se automutila, que se corta nos braços e nas pernas. Ela também tem uma história de abuso grave quando criança. Ela é trazida para a sala, aonde estão diferentes profissionais de saúde mental, a fim de se discutir os detalhes de sua autoagressão. É novamente uma experiência degradante, humilhante e intimidante. Numerosas questões pessoais intrusivas são disparadas contra ela. No entanto, o psiquiatra não parece notar a sua angústia óbvia. Os demais profissionais de saúde mental estão ali, não sabendo o que falariam se a eles fossem feitas perguntas semelhantes. Como inúmeros outros pacientes ao longo dos anos de minha experiência, essa paciente é repreendida pelo psiquiatra por seus comportamentos automutilantes nos termos mais fortes possíveis, com um discurso feito para que ela se sinta envergonhada e sem valor, tratando-a como uma criança estúpida, travessa e desobediente. Sobre o seu autocontrole, o que lhe é dito é: “Páre logo com isso”, “Páre de se cortar”, “Deixe de ser tão boba”.

É uma experiência extremamente assustadora e humilhante, e me sinto muito preocupada com o bem-estar dessa paciente quando ela sai da sala. Eu me preocupo que ela possa se matar por causa da abordagem cruel e punitiva do psiquiatra, que acredita que o paciente está sendo “manipuladora e buscando a atenção dos outros”; e há a experiência degradante e traumatizante de ser interrogada e repreendida diante de uma sala cheia de profissionais.

Eu decidi arriscar-me a falar porque estava preocupada com o bem-estar imediato desse paciente. Seu bem-estar agora havia se tornado mais importante para mim do que a raiva que sei que meus comentários iriam provocar. Tentei defender uma abordagem mais compassiva, respeitosa e solidária em relação à assistência que estava sendo a ela dada. Estava muito preocupada que, se eu não fizesse isso, a paciente deixaria a sala tão em baixa, sentindo-se tão inútil e sem valor (e ela já se sentia assim normalmente, sentimentos que estão ligados ao abuso e seus comportamentos autodestrutivos), sendo assim julgada, culpabilizada e mal interpretada, que ela se machucaria seriamente até ao ponto da morte, ou que sofreria de uma overdose letal.

Passei a explicar que não há dúvida de que ela não era autodestrutiva porque queria, mas que estava lutando com sentimentos difíceis ligados a experiências de trauma. Disse que poderíamos trabalhar juntas para entender seus sentimentos, dificuldades e necessidades, que eu poderia ajudá-la a considerar a possibilidade de outras estratégias de enfrentamento.

Eu podia sentir o que a paciente estava sentindo nessa situação.

Mas o psiquiatra estava ali alheio de tudo disso e acrditando que o que ele fazia com ela era o certo. Lembro-me da citação de C. Lewis: “De todas as tiranias, uma tirania exercida sinceramente pelo bem de suas vítimas pode ser a mais opressiva”[10]

Também estava ciente do que o Dr. Z iria pensar essa situação e reagir como um desafio, como uma flagrante inversão da sua autoridade absoluta enquanto chefe da equipe.

Mais tarde, inevitavelmente, eu sou levada para um canto e repreendida no escritório do psiquiatra nos termos mais fortes possíveis, por “questionar o parecer do médico em frente ao paciente e à equipe”. Não me arrependo de ter falado e me tornado impopular frente ao médico. Só me arrependeria se a paciente houvesse deixado a sala sem ter se sentido ao menos apoiada e entendida – se ela tivesse se prejudicado ainda mais por causa disso, ou tivesse tirado a própria vida.

Infelizmente, isso é exatamente o que aconteceu com uma outra paciente alguns meses depois, quando eu não estava mais trabalhando no hospital e com esse psiquiatra. O paciente, outro sobrevivente de abuso infantil, saiu da reunião e foi para casa para se matar. Mais tarde, alguns dos pacientes do hospital se aproximaram de mim e disseram que gostariam que eu estivesse presente no momento, pois eles acreditam que eu poderia ter prevenido a morte dessa pessoa.

Estou firmemente posta em meu lugar … O médico sabe melhor e se eu soubesse o que é melhor para mim, então eu deveria manter a minha boca bem e verdadeiramente fechada! E seria o melhor para a equipe multidisciplinar. Depois de todos esses anos, eu deveria já ter aprendido que a Equipe Multidisciplinar (EMD) realmente não representa uma Equipe multidisciplinar, mas sim “Equipe Médica Dominada”. Foi o psiquiatra Ronald Laing, que exclamou: “Estou ainda mais assustado com o poder destemido nos olhos de meus colegas psiquiatras do que pelo medo impotente nos olhos de seus pacientes “[11].

Eu também deveria saber, depois de todos esses anos, que essas reuniões em que os pacientes são supostamente cuidados são muitas vezes experiências degradantes, humilhantes e prejudiciais para as pessoas envolvidas. São também experiências muito dolorosas e difíceis para mim. O abuso regular e implacável dos pacientes pelo sistema é extremamente doloroso de se assistir, especialmente quando há muito pouco o que você pode fazer.

A psicóloga Dorothy Rowe comentou, em conexão com as entrevistas de pacientes para estudos de casos: “O que é tão terrível com relação à crueldade (e por que eu escrevo sobre isso) é que achamos ser muito difícil ver a crueldade que está bem diante de nossos olhos. Enfermeiros e administradores, que ficariam horrorizados com uma imagem de televisão de soldados batendo contra um civil indefeso, não veem nada cruel em um psiquiatra humilhando e castigando um paciente, como acontece todos os dias as entrevistas. Não é por nada que Goffman, em seu estudo de asilo, chamou de cerimônias de degradação as entrevistas dos pacientes feitas em equipe”[12].

  –   –   –

Eu estou sentada em uma reunião de equipe, quando um paciente – cujas dificuldades eu avaliei como relacionadas ao abuso grave que sofreu quando criança – é diagnosticada com “transtorno de personalidade”. Minha opinião é completamente desconsiderada, a história do abuso foi descartada, e essa paciente e a equipe são informadas de que ela está, de fato, “sendo difícil”, que ela está “buscando atenção e que é extremamente manipuladora”.

Esta mulher tem comportamentos graves de autoagressão – em relação ao abuso grave que sofreu nas mãos de seu pai e outros membros de sua família, quando era criança. Ela tem dificuldades em relação ao apego, a autoestima, às fronteiras, aos relacionamentos e de se vitimizar. Ela desenvolveu padrões de comportamento em torno do “permitir-se” ser usada sexualmente pelos homens (em muitos aspectos, sendo uma reedição do abuso que sofreu, durante o qual ela experimentaria a única “proximidade”, “calor” e “carinho”, por ela recebido quando criança). Ela acabou de chegar à seção hospitalar para acidentados, onde trabalho, após uma overdose e se automutilado cortando os braços, já que ela se sentia tão enojada por haver sido usada por esses homens, agora e no passado. Ela mostra ter um sentimento extremamente frágil de si mesma, ela está em um forte estado confusional e dissociada, e narra haver sido abusada das formas mais horríveis que se pode imaginar, de modo que nós nunca poderíamos pensar, e muito menos experimentar.

Como o psiquiatra não perguntou sobre a história dessa paciente, ele não está ciente de que ela tem uma história de grave abuso de criança. Ele não está ciente dos fatores motivadores por trás de suas dificuldades e comportamentos. Como a grande maioria dos psiquiatras, ele nem sequer pensaria em investigar e considerar essas questões como sendo de alguma maneira relevantes para entender as dificuldades presentes na paciente. Eu fiquei ciente. Mas o poder do psiquiatra esteve mais uma vez acima de qualquer outra racionalidade.

Ao longo dos anos, vi muitas pessoas, tanto do sexo feminino como do sexo masculino, rotuladas inadequadamente com “transtorno de personalidade”. Isso pode acontecer quando os psiquiatras não conseguem entender o impacto e os efeitos posteriores de uma história de trauma grave. Também pode ser aplicado como uma “categoria binária” punitiva aos pacientes que eles não gostam, para punir os pacientes que não obedecem às suas orientações, que reclamam, questionam ou desafiam suas autoridades. A aplicação inadequada do diagnóstico a sobreviventes e pessoas em geral já foi discutida (Lewis e Appleby, 1988[13]; Shaw e Proctor, 2005[14]; RITB, 2016[15]), e muitas pessoas descrevem sentir-se profundamente infelizes com o rótulo.

Quando eu escrevo um relatório detalhado e explico ao psiquiatra e à equipe que o paciente tem história de abuso infantil grave, juntamente com a minha formulação psicológica de suas dificuldades e necessidades de tratamento, essa informação e minha contribuição como psicóloga são completamente descartadas, em favor de uma narrativa psiquiátrica das suas dificuldades.

Chamadas telefônicas são feitas e cartas enviadas pelo psiquiatra (chamado de “Diretor Médico Responsável”) ameaçando aqueles que possam cometer “o erro” de oferecer a esses pacientes compreensão, apoio e cuidados no Departamento Hospitalar para Acidentados, se os pacientes continuarem a se envolver em comportamentos automutilastes ou de overdose, e se voltarem ao Hospital pedindo socorro. A equipe do Hospital é instruída pelo psiquiatra que, em nenhuma circunstância, este tipo de paciente deve receber qualquer tipo de apoio ou cuidado. Ela é “um paciente extremamente difícil e manipuladora que está fazendo isso de propósito e para chamar a atenção”. Ela deve, portanto, ser tratada da maneira a mais dura possível, para que ela “saia” dessa “busca ridícula, manipuladora e para chamar a atenção “.

Ridículo do ponto de vista deste psiquiatra, talvez, mas não tão ridículo para aqueles entre nós que estiveram submetidos a graves abusos quando crianças.

Felizmente, apesar do extenso abuso que ela experimentou ao longo do tempo nas mãos do sistema, esta paciente da qual há pouco falava ainda está viva e está fazendo progresso. Infelizmente, muitos outros não foram tão afortunados.

.    .    .

Mais uma vez, estou eu testemunhando um cenário perigoso, durante o qual o bem-estar de um companheiro de sobrevivência está sendo posto em perigo pela abordagem geral da psiquiatria e do sistema de saúde mental, e, mais uma vez, estou em uma posição na qual eu sou impotente. Naquela noite, não pela primeira vez ou pela última vez, eu vou para casa em profunda aflição. Eu deito no chão e choro. Um amigo tenta me consolar, sugerindo que, mesmo que eu não possa ajudar algumas pessoas o tempo todo, isso valerá a pena. No entanto, permaneço pouco convencida. Ajudar algumas pessoas uma vez ou outra não parece suficientemente bom. Eu tenho me sinto sobrecarregada pela enormidade do problema contra o qual tenho lutado, pela enormidade da crueldade, da desumanidade e do abuso que assisto regularmente, e que está sendo repetida regularmente em instalações de saúde mental, não só no Reino Unido, mas em muitas outras partes do mundo também. Com uma grande angústia, pego meu livro de oração e leio algumas orações. No dia seguinte, volto ao trabalho.

Foi-me pedido que avalie uma paciente que tinha um histórico de abuso e trauma grave de criança e que tinha algumas ideias incomuns, que o psiquiatra descreveu como “delirantes”. No meu relatório de avaliação, com o consentimento da paciente, descrevo a natureza do grave abuso que ela sofreu nas mãos de diferentes membros de sua família quando criança. Eu também descrevo os efeitos secundários do abuso em sua saúde mental. Ela ouve vozes que são relacionadas ao abuso, experimenta visões que são relacionadas ao abuso, e criou um mundo de fantasia para si mesma como uma criança, como forma de lidar com a dolorosa realidade de sua vida. O psiquiatra descartou a história do abuso, descreveu o mundo da fantasia como “delirante” e está usando isso como evidência para o diagnóstico de “esquizofrenia”. Eu, por outro lado, sei a partir de minha própria experiência, bem como da de muitos outros, como e por que esse pensamento incomum pode se desenvolver. Descrevo as crenças da paciente, como uma estratégia de proteção protetora que foi útil e adaptável para ela. Essas crenças ajudaram a levantar seu humor, ajudaram-na a sobreviver ao impensável e a impediram de se matar. Estou ciente de como esse chamado “pensamento delirante” pode ser protetor e até salvador de vidas. Mas o sistema não vê isso dessa forma.

Apesar do meu relatório ser claro, detalhando a extensão do abuso que sofreu e os efeitos secundários associados, incluindo a natureza, desenvolvimento e função do mundo da fantasia, a equipe e o paciente são informados pelo psiquiatra que eu estou errada. A paciente sofre de “esquizofrenia” e “transtorno de personalidade”, e como tal será tratada.

Ela está traumatizada por esses diagnósticos, pela rejeição de suas experiências de abuso infantil, bem como a descrição de seu mundo de fantasia como sendo “delirante”. Tendo passado um bom tempo construindo uma boa relação de trabalho com ela, como de costume eu estou sozinha para combater os danos que lhe estão sendo feitos em nome de “cuidados de saúde mental”.

Multipliquem este exemplo por muitos outros mais – é muito doloroso e desmoralizante trabalhar em um papel que, em grande parte, envolve tentar ajudar as pessoas a curar-se dos danos que o próprio sistema produz nelas em nome de estar lhes dando ajuda.

Reitero o que já afirmei aqui várias vezes. Perdi o número de vezes que testemunhei que os psiquiatras não acreditam e descartam relatos de abuso infantil, dos pacientes, de mim e de outras pessoas, atribuindo como sendo problemas de doenças mentais, não conseguindo entender o vínculo entre traumatismo e problemas de saúde mental. Os perigos inerentes e possíveis danos associados a essa posição não podem ser sobrestimados.

.   .   .

Estou sentada em uma reunião com um psiquiatra e outros profissionais que estão discutindo o caso de uma paciente que foi diagnosticada pelo psiquiatra com “esquizofrenia paranoica”. Trata-se de uma mulher que ouve vozes e às vezes alucina. Eu sei, porque eu a avaliei antes, que as vozes que ela ouve são as dos membros adultos de sua família que abusaram dela ao longo de sua infância. Eu também sei que as visões, as assim chamadas alucinações que ela experimenta, são flashbacks para o abuso que sofreu. Esses fenômenos tendem a ocorrer mais frequentemente à noite e envolvem figuras sombrias ao redor de sua cama. A discussão da equipe é em torno de aonde esta senhora deve ser alojada, desde que seu casamento foi rompido por violência doméstica. Ela solicitou que não voltasse à sua família de origem, pois membros de sua família estavam envolvidos no abuso original. Quando eu discuto minhas descobertas com a equipe, elas são descartadas pelo psiquiatra como “irrelevantes e pouco confiáveis”, já que “ela sofre de esquizofrenia e não se pode confiar que ela forneça informações confiáveis sobre sua vida”.

A despeito de tudo, eu pedi que ela fosse colocada em um ambiente de moradia que fosse seguro, longe de sua família, até que opções de habitação mais permanentes ficassem disponíveis. No entanto, com a insistência do psiquiatra, ela foi forçada a retornar ao ambiente familiar abusivo, pois ele considerava que isso seria “o mais favorável para o seu bem-estar frente às circunstâncias”. Não é surpreendente que ela rapidamente venha se tornado ainda mais angustiada e que tenha tentado suicídio. Felizmente, ela sobreviveu, e graças à minha insistência ela foi realojada. Como de costume, minha opinião profissional foi descartada e, como sempre, passei por uma situação extremamente dolorosa e angustiante ao testemunhar tudo aquilo.

.   .  .

Eu estou lendo o prontuário de uma paciente que tem um histórico de abuso infantil e cujas dificuldades eu sei estarem relacionada a isso, apenas para descobrir que ela, como tantas outras pessoas, recebeu inúmeros diagnósticos e coquetéis de drogas nocivas ao longo dos anos. Os diagnósticos incluíram: esquizofrenia, transtorno esquizoafetivo, depressão maníaca / transtorno bipolar, transtorno da personalidade aditiva, paranoia, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de personalidade limítrofe, ansiedade severa, depressão grave, depressão psicótica e transtorno de personalidade masoquista. Todos esses assim chamados de “distúrbios” dizem respeito aos efeitos secundários do abuso.

A leitura do seu prontuário revela que nada de positivo resultou de qualquer um desses diagnósticos e drogas diferentes, ao longo dos anos. Sem surpresa, depois de mais de 15 anos, essa paciente ainda está, como tantos outros, andando e rodeando pelo sistema, não melhor do que era quando entrou pela primeira vez – de fato muito pior do que estava inicialmente. Não se menciona no seu prontuário o fato de que ela teve uma infância extremamente abusiva e traumática, período durante o qual sofreu tortura severa, crueldade e negligência em uma escala que a maioria de nós nem sequer pôde imaginar.

Ao ir para a sala de espera para receber meu próximo paciente, encontro outra paciente, com quem trabalhei há alguns meses, agachada no chão do corredor, extremamente angustiada e chorando incontrolavelmente. Como é de se esperar, estou muito preocupada. Ela é outra sobrevivente de abuso infantil, nas mãos de seu pai. Peço-lhe que entre no quarto de meu consultório. Uma vez dentro, ela me diz que ela acabou de se encontrar com o psiquiatra, e que ele lhe disse que ela tinha “esquizofrenia”, sem chances de ela fazer algum progresso ou recuperação. Ela me pergunta se eu também achava que ela era “louca” (eu digo a ela que não!). Ela então me diz que, como resultado desse encontro com o psiquiatra, ela entrou no banheiro do hospital e se auto agrediu, cortando-se. Eu examino suas feridas. Ela explica que ela já perdeu toda a esperança e está planejando ir diretamente para casa para se matar. Felizmente, depois de passar algum tempo com ela, consegui conversar com ela e continuamos trabalhando juntas.

Mais uma vez, encontro-me na situação dolorosa, ridícula e desconfortável de ter que tentar fazer o meu melhor para reparar o grande dano que está sendo feito pelo sistema para os sobreviventes vulneráveis vítimas de abuso infantil.

.  .  .

Uma paciente que foi abusado em casa por seu pai e que, na escola, por alguns de seus professores, ela foi diagnosticada com “esquizofrenia paranoica”. Ela está lutando contra os efeitos posteriores do abuso, incluindo ouvir vozes, depressão, ansiedade, ansiedade social, Sentimentos e comportamentos suicidas. Ela fez várias tentativas de suicídio ao longo dos anos, e em nenhuma das quais foi “bem-sucedida”. Surpreendentemente, o psiquiatra conta que é inevitável que eventualmente acabará se matando. Eu me recuso a acreditar ou endossar esta predição ultrajante e inútil. Passei a trabalhar com ela sobre os efeitos secundários de abuso contra os quais ela está lutando (que incluem suicídio e automutilação). Tenho o prazer de informar que sua vida e sua saúde mental melhoraram e que ela agora trabalha na comunidade. Há anos ela não fez nenhuma tentativa de suicídio e promete nunca mais fazê-lo. No entanto, como muitos outros, o seu progresso ocorre, apesar da psiquiatria e o sistema e sem a psiquiatria e o sistema.

Ao longo dos anos, trabalhei com muitas pessoas que passaram tempo em salas psiquiátricas como pacientes internados. Muitos são sobreviventes de trauma na infância e / ou adultez. No entanto, raramente são questionadas sobre histórias de abuso e trauma. Se eles divulgarem, essas experiências são consideradas irrelevantes e / ou delirantes. O reducionismo biológico que permeia o sistema atribui todo o sofrimento às “doenças mentais” biológicas e à patologia endógena. O foco é em pílulas em vez de pessoas, em estigmatizar as vítimas com rótulos de culpa em vez de compaixão e apoio.

Muitas das práticas em salas de atendimento psiquiátrico reproduzem experiências anteriores de abuso, trauma e violência e podem ser profundamente re-traumatizantes para pessoas: falta de compaixão e apoio, coerção, compulsão, controle, restrição, reclusão, privação de liberdade, droga forçada e ECT. Não ter as experiências de abuso consideradas, são experiências que podem replicar o silêncio e a vergonha que muitos experimentaram anteriormente. Não ter tempo para falar sobre seus problemas, não receber bondade, compaixão, compreensão e apoio, são experiências que podem exacerbar sentimentos de desesperança, desamparo, alienação e desespero. Tendo seus desejos de não tomar drogas psiquiátricas sistematicamente negados, sendo mantidas pelo pessoal e injetadas por força, são experiências que podem refletir e replicar experiências anteriores de serem estupradas e abusadas. Ser forçado a tomar drogas por via oral também pode espelhar o abuso anterior. Muitas pessoas relatam sentir-se desumanizadas e abusadas, descrevendo o sentimento de ficarem pior após a admissão do que antes de entrar no hospital. No entanto, o sistema falha consistentemente em entender e responder a tais preocupações.

.  .  .

Um paciente do sexo masculino, abusado física, sexual e emocionalmente por seus pais, passou mais de trinta anos no sistema sendo tratado por “esquizofrenia paranoica”. Ele recebeu medicamentos antipsicóticos, injetados à força em seu abdômen, durante todos esses anos. Ele nunca viu um psicólogo ou recebeu uma avaliação psicológica. Ao me ver, eu avalizo suas dificuldades como resultado do grave abuso que sofreu quando criança. Como de costume, escrevo relatórios e discuto minhas descobertas com colegas.

Pela primeira vez, sou ouvida por um psiquiatra. Escusado será dizer que estou impressionada! Com sua ajuda, a medicação antipsicótica desse paciente é gradualmente reduzida e, finalmente, eliminada completamente. Ele não sofreu “recaída”, como é normalmente previsto, e, em vez disso, tem feito bons progressos. Ele ainda ouve vozes e experimenta outros efeitos posteriores de abuso. No entanto, estes gradualmente se tornam menos intensos e ele é capaz de encontrar novas maneiras de lidar com eles, com a ajuda de um grupo de sobreviventes, de um grupo de ouvidores de vozes e de terapia psicológica.

À medida que o tempo se move, as principais preocupações deste cavalheiro dizem respeito aos benefícios (dinheiro) que ele deve receber do Estado por esses últimos trinta anos, por ter sido diagnosticado com “esquizofrenia paranoica”, sendo dito que “nunca iria se recuperar, ” nunca sairia da medicação” e que “nunca seria capaz de estudar ou trabalhar “.

Ele se pergunta, “agora que benefícios reivindicar”?  Já é tarde demais para ele pensar em estudar ou ter uma carreira profissional? Ele é um homem inteligente, com muito a oferecer. O que ele pergunta é o que ele vai fazer com o resto de sua vida, já que ele está se aproximando da idade de aposentadoria? Ele se sente irritado com todo o tempo e anos desperdiçados, acreditando, como foi dito, que ele estava sofrendo de “uma doença cerebral incurável e incapacitante chamada esquizofrenia, de onde não há recuperação” e sendo constantemente informado de que ele estava “muito doente”, “para estudar ou trabalhar “.

Muitas vidas desperdiçadas e tanto talento desperdiçado, tantas perdas, tantas mortes evitáveis, tanto dano sendo feito a tantas pessoas vulneráveis de muitas maneiras diferentes!!! Tão pouca compaixão, compreensão e humanidade. Quando e como o sistema vai mudar?

.  .  .

Os exemplos incluídos aqui referem-se a muitas pessoas com quem trabalhei e aprendi ao longo de diferentes configurações, durante tantos anos. Muitas pessoas deram sua permissão para que eu viesse usar suas experiências para educar e informar a outros. Em alguns casos, pequenos detalhes foram alterados para proteger a identidade das pessoas.

O Dr. Z é um termo composto para muitos psiquiatras, homens, mulheres e de diversas origens, com quem trabalhei ao longo dos anos. A maioria desses médicos, por mais bem-intencionados que tenham sido, fizeram muito mal aos pacientes, embora tenha havido algumas exceções notáveis.

 

Bibliografia:

[1] Romme, M. and Escher, S. (1993) Accepting Voices. London, UK: Mind.

[2] Romme, M., Escher, S., Dillon, J., Corstens, D. and Morris, M. (2009) Living with Voices: 50 Stories of Recovery. Ross, UK: PCCS Books.

[3] McCarthy-Jones, S. (2012) Hearing Voices: The Histories, Causes and Meanings of Auditory Hallucinations. New York: Cambridge University Press.

[4] McCarthy-Jones, S. (2017) Can’t You Hear Them? The Science and Significance of Hearing Voices. London and Philadelphia: Jessica Kingsley Publishers.

[5] Longden, E. (2013) Learning from the Voices in my Head. TED Books. https://www.ted.com/talks/eleanor_longden_the_voices_in_my_head TED Talk

[6] Longden, E. (2016) The Voices in my Head. Mad in America Continuing Education. http://education.madinamerica.com/p/voices-head

[7] McCarthy-Jones, S. and Longden. E. (2013) The voices others cannot hear. The Psychologist, 26, 570-575.

[8] Corstens, D. Longden, E., McCarthy-Jones, S, Waddingham, R and Thomas, N. (2014) Emerging perspectives from the hearing voices movement: implications for research and practice. Schizophrenia Bulletin, 40, 285-94.

[9] Read, J. and Bentall, R. (2010) The effectiveness of electroconvulsive therapy: a literature review. Epidemiologia e Psichiatria Sociale, 19(4), 333-47.

[10] Lewis, C.S. (1970) God in the Dock: Essays on Theology and Ethics. Michigan: Eerdmans Publishing Company, p.292

[11]  Laing, R.D. (1985) Wisdom, Madness and Folly: The Making of a Psychiatrist 1927-1957. London: Macmillan, p.16.

[12] Rowe, D. (1988) In: Masson, J.M. Against Therapy: Emotional Tyranny and the Myth of Psychological Healing. London: Atheneum, p. 12

[13] Lewis, G and Appleby, L. (1988) Personality disorder: the patients psychiatrists dislike. British Journal of Psychiatry153, 44-49.

[14] Shaw, C. and Proctor, G. (2005) Women at the margins: a critique of Borderline Personality Disorder. Feminism and Psychology. 15(4), 483-490.

[15] Recovery in the bin (RITB) (2016) A simple guide to avoid receiving a diagnosis of ‘personality disorder’. https://recoveryinthebin.org/2016/02/20/a-simple-guide-to-avoid-receiving-a-diagnosis-of-personality-disorder/

 

Artigo anteriorPode a Psicanálise tratar a Psicose?
Próximo artigoJovem sob Efeito de Antidepressivo Incita o Suicídio do seu Namorado
Helen Williams escreve a partir da perspectiva da experiência profissional e vivida, de sua própria e das muitas pessoas com que ela trabalhou e aprendeu ao lado de diferentes cenários, ao longo dos anos. Ela trabalhou como psicóloga clínica no sistema de saúde mental por muitos anos, especializada em trauma, "psicose" e problemas complexos de saúde mental. Helen é apaixonada por direitos humanos, justiça social e melhoria de serviço.

Deixe uma resposta