Pesquisadores: Estudo da Esquizofrenia É Dificultado pelo Sistema de Crença da Psiquiatria

Pesquisadores importantes reclamam que a psiquiatria se recusa a "entrar na era moral da medicina" e se apega a uma visão ultrapassada da esquizofrenia.

0
114

Um artigo publicado em Schizophrenia Research direciona a atenção para a relutância da psiquiatria em re-conceitualizar a sua compreensão da esquizofrenia. Os autores, uma equipe internacional de pesquisadores liderada por Jim van Os, argumentam que o impasse da psiquiatria no debate sobre a esquizofrenia reflete uma relutância em se engajar na discussão sobre as falhas subjacentes na base científica das especialidades, apesar da evidência de longa data de preocupações e corrupção institucional.

“Uma profissão cujos valores fundamentais são baseados em um sistema de crenças não-factual corre o risco de se tornar um culto, pois tem que encontrar maneiras de exercer controle epistêmico de seus membros, proselitismo agressivo contra a maré de evidências científicas que não confirmam as suas crenças e manipulação de suas mensagens para o mundo exterior”, escrevem os principais pesquisadores. “De fato, o poder institucional para definir categorias ‘especializadas’ de doenças, como os critérios do DSM para esquizofrenia, pode ser considerado um instrumento para exercer controle epistêmico por excelência”.

A esquizofrenia tem sido aceita dentro da psiquiatria convencional como a mais biológica de todas as doenças mentais e é vista principalmente como uma doença cerebral que necessita de medicação adequada. Esta narrativa tem ditado amplamente mensagens para o mundo exterior sobre as origens da esquizofrenia e moldado como nós, o público, conceituamos a doença mental.

Entretanto, um problema central dentro deste paradigma da esquizofrenia como uma “doença cerebral genética grave” é que ela carece de boas evidências científicas. De fato, 60 anos de pesquisa biológica intensiva não produziram distinções sólidas nem clinicamente relevantes baseadas na biologia, como apontado pelos principais atores da psiquiatria, como Tom Insel, ex-diretor do Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH). Os autores escrevem:

“O olhar psiquiátrico, portanto, tem as marcas de um sistema de crenças que é usado para fazer promessas ao mundo fora da psiquiatria”. Ele não é baseado em evidências, mas implicitamente aceito como válido, alimentando os valores centrais subjacentes à forma psiquiátrica de perceber o mundo da variedade mental e abordar os problemas clínicos dos pacientes”.

A adoção dentro da psiquiatria da doença mental como uma doença cerebral foi decretada principalmente com a criação do DSM-III. Ele funcionou para solidificar os psiquiatras como a principal linha de tratamento para aqueles com sofrimento mental e emocional (através de medicamentos) e solidificar a legitimidade da psiquiatria dentro das ciências médicas. No entanto, os autores argumentam que esta percepção de longa data ofusca as “complexidades epistemológicas das relações cérebro-mente-contexto”.

A recusa da psiquiatria em reconhecer a incerteza bem documentada criou uma armadilha na qual o fracasso em abordar questões epistemológicas mais amplas tem a ver com o “olhar psiquiátrico” da recusa em reconhecer o que em grande parte permanece desconhecido. Os autores argumentam um caminho para a psiquiatria, afirmando:

“Propomos que a psiquiatria adote um olhar psiquiátrico mais complexo e científico que seja consideravelmente mais agnóstico e abrace as complexidades epistemológicas de lidar com a variação mental na interface cérebro-mente-contexto”.

Ao fazer isso, a psiquiatria tornar-se-ia não apenas mais científica, mas menos defensiva e mais responsiva aos valores dos pacientes e de suas famílias.

Os autores destacam como a psiquiatria fez isso no Japão com a sua iniciativa de renomear a esquizofrenia. Por fim, o Japão modelou como o campo pode abandonar a sua posição de guardião epistêmico e participar do processo de co-criação com as partes interessadas, inclusive aquelas com experiência vivida.

Este curso de ação reflete o que é chamado de “nova era moral da medicina”, na qual os tratamentos são mais focados em agregar valor à vida dos pacientes além da redução dos sintomas. Atualmente, 80% dos ensaios clínicos randomizados concentram-se na redução dos sintomas para distúrbios específicos, refletindo o que os profissionais pensam ser importante. Em contraste, os pacientes lutam com a trajetória pessoal e desafiadora de aprender a levar uma vida significativa, apesar das dificuldades contínuas que não respondem bem aos tratamentos.

Por exemplo, os medicamentos antipsicóticos, a principal linha de tratamento a longo prazo para a esquizofrenia, têm efeitos colaterais que podem afetar negativamente a qualidade de vida dos usuários do serviço e até mesmo levar à morte precoce.

Para finalizar, os autores insistem na importância da co-criação de novos conceitos e linguagem psiquiátrica, juntamente com pacientes, famílias e outros interessados, particularmente a partir da construção da esquizofrenia. Eles afirmam poderosamente:

“Um olhar mais agnóstico e científico da psiquiatria permitiria o reconhecimento do fato de que o DSM-5 não é baseado na ciência, e que os psiquiatras foram autorizados a impor unilateralmente seu sistema de valores sobre o fenômeno mal compreendido da variação mental humana. Na nova era moral da medicina, é impensável que um domínio como a saúde mental, que cientificamente, em essência, permanece enigmático e extremamente complexo e é de tremenda importância para inúmeros usuários e suas famílias, seja dominado por um sistema de crenças distorcido e pelos valores de apenas uma profissão”.

****

van Os, J., & Guloksuz, S. (2022). Schizophrenia as a symptom of psychiatry’s reluctance to enter the moral era of medicine. Schizophrenia Research242, 138–140. https://doi.org/10.1016/j.schres.2021.12.017 (Link)

Artigo anteriorMédicos Renovam Campanha Contra o Sobrediagnóstico e a Sobrediamedicação
Próximo artigoA Psicologia Humanista apoia o Status Quo Capitalista?
Madison Natarajan é psicoterapeuta de nível de mestrado e atual estudante de doutorado na Universidade de Massachusetts em Boston. Como pesquisadora, seu foco é o impacto do trauma religioso no desenvolvimento sexual feminino, avaliando especificamente a subcultura do movimento evangélico da pureza. Madison tem um histórico familiar que foi entrelaçado com atendimento psiquiátrico, variando de membros da família institucionalizados a praticantes de psiquiatria, nos EUA e na Índia. Madison procura desafiar a atual estrutura de atendimento psiquiátrico no Ocidente e disseminar informações honestas e fortalecedoras para a comunidade em geral.