Médicos Renovam Campanha Contra o Sobrediagnóstico e a Sobrediamedicação

O editor do BMJ apoia uma "campanha contra o excesso de medicamentos", embora insista em se concentrar nos malefícios causados e não nos custos financeiros.

0
250

Em um novo editorial, Kamran Abbasi, o editor-chefe do BMJ, discute a campanha contra o excesso de medicamentos, que se concentra em abordar o sobrediagnóstico e a sobremedicação.

Abbasi explica que o sobrediagnóstico e o tratamento excessivo estão causando uma carga significativa em nossos sistemas de saúde. Nossa disposição de diagnosticar sem crítica levou a um aumento dos custos de saúde, pressão sobre o pessoal, pacientes lesionados e uma maior degradação ambiental. O trabalho atual argumenta que precisamos nos concentrar nos danos que este sistema causa aos pacientes e otimizar os dados para apresentar esses danos aos pacientes e aos formuladores de políticas.

“Um foco nos danos causados aos pacientes pelo sobrediagnóstico e tratamento excessivo seria um argumento mais poderoso do que um foco nos custos”, escreve Abbasi. “Uma segunda área de mudança seria abraçar a evidência de dados observacionais e do mundo real e otimizar os dados para melhor informar os clínicos e formuladores de políticas sobre os danos, sem diluir a importância e a centralidade de ensaios controlados bem projetados e randomizados”.

Muitos pesquisadores têm apontado para o problema do sobrediagnóstico e da sobremedicação. As pesquisas descobriram que o TDAH é provavelmente sobrediagnosticado em crianças e adolescentes, expondo-os a estimulantes nocivos com poucos benefícios a longo prazo. Da mesma forma, especialistas têm alertado que a triagem da depressão juvenil leva ao sobrediagnóstico, sujeitando crianças a drogas perigosas que aumentam significativamente o seu risco de suicídio com a falta de evidências de benefícios substanciais. A pesquisa também descobriu que apenas um em cada quatro pediatras consulta os critérios de diagnósticos do DSM ao aplicar esses rótulos às crianças.

Além das crianças, as minorias provavelmente correm um risco maior de sobre-diagnóstico e sobremedicação. Por exemplo, a pesquisa descobriu que a esquizofrenia é sobrediagnosticada nos afro-americanos devido aos clínicos interpretarem mal os sintomas de transtorno de humor. Outro estudo descobriu que as minorias sexuais são sobrediagnosticadas com transtorno de personalidade limítrofe.

O problema do sobrediagnóstico e da sobremedicação não se limita às crianças e minorias ou mesmo à disciplina da psiquiatria. Pesquisas abordaram o sobrediagnóstico nos cuidados primários para certos cânceres, descobrindo que só o sobrediagnóstico do câncer de mama provavelmente custa aos Estados Unidos 4 bilhões de dólares anuais. Este problema é tão pronunciado na psiquiatria que um autor o chamou de “epidemia diagnóstica“.

O sobre-diagnóstico em psiquiatria expõe os usuários de serviços a várias drogas perigosas e ineficazes. Por exemplo, um diagnóstico de depressão é freqüentemente seguido por uma prescrição de antidepressivos que não melhoram a qualidade de vida, mas representam riscos significativos à saúde, incluindo o suicídio. Da mesma forma, as pessoas diagnosticadas com transtornos de ansiedade geralmente recebem benzodiazepinas, uma substância que pode causar dependência física e levar a lesões a longo prazo. Além disso, alguns clínicos têm argumentado que o uso de antipsicóticos a longo prazo pode não melhorar significativamente os resultados e pode levar a efeitos desastrosos a longo prazo.

O trabalho atual começa explicando que as preocupações com o sobrediagnóstico já existem há algum tempo. A própria BMJ lançou uma edição temática em 2002 destacando os perigos do excesso de medicamentos. Os autores desse número temático falaram sobre os riscos da medicalização dos processos normais de vida. Infelizmente, este problema não foi adequadamente abordado pelas disciplinas médicas, como evidenciado pelo impulso atual para medicalizar e medicar a menopausa com terapias de reposição hormonal que não são apropriadas para a maioria das mulheres.

Enquanto muitos pesquisadores e usuários de serviços estão preocupados com o sobrediagnóstico e a medicação excessiva, a “medicina industrializada” continua praticamente inalterada. A indústria usa seu dinheiro para “vender doenças” ao público insuspeito, confiando no medo e na emoção avassaladora para convencer as pessoas a tomar drogas perigosas e desnecessárias a um grande custo para os profissionais médicos, usuários de serviços e para o planeta. Políticos e profissionais da saúde também são muitas vezes enganados, agravando os problemas de sobrediagnóstico. Além disso, o autor afirma que algumas populações são rotineiramente subdiagnosticadas e subtratadas, complicando ainda mais estas discussões.

Embora todos esses problemas possam fazer parecer que a pressão contra o excesso de medicamentos quase perdeu a luta, Abbasi acredita que, no final das contas, ela será bem sucedida devido à esmagadora evidência, as pessoas dentro do sistema trabalhando de boa fé e a influência decrescente do dinheiro da indústria à medida que as sociedades se tornam mais abertas.

Para que o impulso contra a medicina em demasia faça uma mudança significativa, o autor acredita que a campanha precisa se concentrar em duas áreas. Primeiro, eles precisam enfatizar que a “saúde de baixo valor” prejudica as pessoas. Ao invés do foco atual nos custos financeiros da “saúde de baixo valor”, eles deveriam estar se concentrando no custo humano. Em segundo lugar, a campanha deve adotar evidências observacionais e do mundo real sem comprometer o padrão de testes de controle aleatórios e apresentar essas evidências de formas palatáveis para servir os usuários e os formuladores de políticas. Abbasi conclui:

“Acima de tudo, a campanha contra a medicina em demasia precisa de um sistema reestruturado para passar da retórica e da evidência dispersa para evidências acionáveis e de impacto mensurável”.

****

Abbasi, K. (2022). A system reset for the campaign against too much medicine. BMJ, o1466. https://doi.org/10.1136/bmj.o1466 (Link)