Novo Estudo Conclui que os Antidepressivos são “Muito Ineficazes e Potencialmente Nocivos”.

0
581

Um novo estudo publicado em Frontiers in Psychiatry conclui que “os antidepressivos são amplamente ineficazes e potencialmente nocivos”. O pesquisador, Michael P. Hengartner da Universidade de Ciências Aplicadas de Zurique, na Suíça, conduziu uma revisão minuciosa da literatura com foco em ensaios aleatórios e controlados – o padrão ouro de recomendação baseada em evidências.

De acordo com Hengartner, “Devido a várias falhas, tais como viés de publicação e de relato, quebra de ocultação dos avaliadores de resultados, encobrimento e recodificação de eventos adversos graves, a eficácia dos antidepressivos é sistematicamente superestimada, e o dano é sistematicamente subestimado”.

Photo Credit: Wikimedia Commons

Hengartner questionou porque o “aumento maciço nas taxas de prescrição de antidepressivos nas últimas três décadas não se traduziu em benefícios mensuráveis para a saúde pública” no tratamento da depressão. Embora as meta-análises tendam a encontrar uma pequena diferença entre placebo e efeito antidepressivo, Hengartner argumenta que ela não se aproxima em nada do limiar “clinicamente significativo” de pelo menos 7 pontos na Escala de Depressão de Hamilton. Em vez disso, uma diferença de 1 ou 2 pontos é uma diferença numérica sem sentido que não seria considerada uma melhoria para um clínico ou para a pessoa diagnosticada com depressão.

Além disso, mesmo esta pequena diferença poderia ser devida aos efeitos colaterais dos antidepressivos que efetivamente são encombertos pelos pesquisadores ou participantes da pesquisa, o que lança dúvidas sobre as conclusões de qualquer estudo que não utilize um placebo ativo.

Além disso, a Hengartner argumenta que “Estudos naturalistas de longo prazo sugerem que a terapia de manutenção não tem nenhum benefício claro, e os usuários que não usam drogas não mostram taxas crescentes de recaídas”. Ou seja, não há benefício em continuar com o uso de antidepressivos. A pesquisa demonstra que aqueles que interrompem o uso do medicamento não correm maior risco de recaída do que aqueles que continuam.

Na verdade, a Hengartner cita evidências de que a probabilidade de recaída está correlacionada com a duração do tratamento. Ou seja, quanto mais se toma um antidepressivo, mais provável é que ocorra outro episódio de depressão. Hengartner escreve que a sensibilização neuroquímica pode tornar alguém que toma antidepressivos mais suscetível a recaída. Ele cita o estudo STAR*D, que geralmente é citado como evidência da eficácia dos antidepressivos. Aos 12 meses de acompanhamento, ele escreve que “apenas 5,8% de todos os pacientes que entraram na terapia de continuação ainda estavam em remissão”. Ou seja, quase todos os pacientes que tomaram medicação tinham recaído dentro de um ano.

Hengartner também questiona os conflitos de interesse financeiros e o viés da pesquisa apoiada pela indústria.

“A eficácia estimada dos produtos farmacêuticos é significativamente maior quando a pesquisa foi financiada pela indústria em comparação com o financiamento não industrial, mas esta diferença não é atribuível a diferenças na qualidade do estudo”.

Segundo a Hengartner, a pesquisa financiada pelo Instituto Nacional de Saúde Mental não encontrou diferenças entre a eficácia do antidepressivo e o placebo – e isto apesar do desenho robusto da pesquisa utilizando ensaios controlados aleatórios, o método padrão ouro. A Hengartner chama a atenção para os preconceitos de pesquisa apoiados pela indústria, nos quais os ensaios que não mostraram nenhum efeito nunca foram publicados e estudos que descrevem de forma imprecisa os resultados negativos como positivos. Ele também observa que os danos não são sistematicamente relatados ou subestimados em publicações apoiadas pela indústria.

Com relação aos danos, Hengartner escreve:

“Um conjunto crescente de evidências de centenas de ensaios controlados aleatórios sugere que os antidepressivos causam suicídio, mas este risco é subestimado porque os dados de ensaios financiados pela indústria são sistematicamente falhos. Estudos observacionais não selecionados em toda a população indicam que pacientes depressivos que usam antidepressivos correm um risco maior de suicídio e têm uma taxa de mortalidade por todas as causas maior do que os controles correspondentes”.

Além disso, os antidepressivos também aumentam o risco de morte por outras causas. Hengartner escreve que “Em um estudo com mais de 60.000 pacientes com MD com 65 anos de idade ou mais, foi demonstrado que em um acompanhamento médio de 5,0 anos, a prescrição de tricíclicos aumenta a taxa de mortalidade relativa em 16%, SSRI em 54%, e outros antidepressivos (principalmente SNRI) em 66%”.

Hengartner conclui que “No que diz respeito às recomendações de tratamento, minha leitura da literatura é que alguns pacientes podem se beneficiar da farmacoterapia na fase aguda, mas em média os benefícios clínicos são discutíveis e devem ser ponderados contra os efeitos colaterais adversos. A terapia de manutenção e continuidade não é recomendada devido a uma aparente falta de benefícios clínicos claros, juntamente com uma possível vulnerabilidade aumentada à depressão crônica, aumento do risco de suicídio e, em particular em adultos mais velhos, maior mortalidade por todas as causas”.

****

Hengartner, M. P. (2017). Methodological flaws, conflicts of interest, and scientific fallacies: Implications for the evaluation of antidepressants’ efficacy and harm. Frontiers in Psychiatry, 8(275). https://doi.org/10.3389/fpsyt.2017.00275 (Link)