Os Antidepressivos Não Melhoram a Qualidade de Vida

0
450

Um novo estudo constatou que o uso de antidepressivos não melhorou a qualidade de vida. O estudo comparou milhões de americanos (todos com diagnóstico de transtornos depressivos) que usaram ou não medicamentos antidepressivos.

“O efeito do uso de medicamentos antidepressivos no mundo real não melhora a HRQoL* (qualidade de vida relacionada à saúde) dos pacientes ao longo do tempo”, escrevem os pesquisadores.

Os dados vieram do US National Medical Expenditures Panel Survey (MEPS). Os pesquisadores escrevem que 17,47 milhões de pessoas foram diagnosticadas com depressão, e pouco mais da metade delas receberam um antidepressivo (57,6%). As mulheres brancas foram mais propensas a serem diagnosticadas com depressão e receberam a prescrição de um antidepressivo.

A pesquisa foi liderada por Omar A. Almohammed do Departamento de Farmácia Clínica da Universidade King Saud, Arábia Saudita. Foi publicada na revista de acesso aberto PLOS One, revisada por pares.

A HRQoL foi medida usando uma pesquisa chamada SF-12, que incluiu dois componentes, o relatório físico resumido (PCS) e o relatório mental resumido (MCS). Os pesquisadores não encontraram diferença no MCS ou PCS entre aqueles que tomaram antidepressivos e aqueles que não tomaram.

Eles escrevem que a análise “não mostra diferença significativa da linha de base para o acompanhamento entre os dois coortes daqueles que receberam medicamentos antidepressivos em comparação àqueles que não receberam (PCS: – 0,35 vs. – 0,34, p-valor 0,9595; MCS: 1,28 vs. 1,13, p-valor 0,5284)”.

Curiosamente, na cobertura da mídia do estudo, psiquiatras que não estavam ligados à pesquisa afirmaram que os pesquisadores não controlavam a gravidade da depressão de base, o que é simplesmente falso. De acordo com os autores, é verdade que “o MEPS não fornece informações sobre a severidade da depressão”.

Entretanto, Almohammed et al. escrevem que usaram uma “diferença na análise da diferença” para “comparar os níveis de acompanhamento de cada sujeito com seus níveis de linha de base individuais para o PCS e MCS e investigar a mudança geral para o grupo, o que deveria minimizar o impacto deste fator na análise geral”.

Em ensaios clínicos, os antidepressivos muitas vezes não superam um placebo. De acordo com um estudo da principal revista médica New England Journal of Medicine, em 49% de todos os ensaios com antidepressivos, o placebo era tão bom quanto o medicamento. Mesmo em estudos positivos, os antidepressivos são consistentemente menos de 3 pontos melhores que o placebo na Escala de Depressão Hamilton (uma medida de 53 pontos), que os pesquisadores chamaram de uma diferença clinicamente indetectável.

No estudo atual, Almohammed et al. citam estas descobertas: “A diferença entre os grupos placebo e tratamento foi muito mínima nas meta-análises que incluíram dados de estudos publicados, e quando dados de estudos não publicados foram combinados com dados de estudos publicados a diferença se tornou estatisticamente insignificante, ou mesmo clinicamente indetectável”.

De acordo com Almohammed et al., seus resultados indicam que os clínicos devem considerar a psicoterapia e outras medidas menos intrusivas como intervenções de primeira linha antes ou ao lado da prescrição de antidepressivos.

Eles escrevem: “É necessário reconsiderar a importância da terapia não-farmacológica, incluindo a psicoterapia, e sua colocação na diretriz da prática clínica”. Os médicos, principalmente prestadores de cuidados primários que estão cuidando da maioria desses pacientes, podem precisar reconsiderar o encaminhamento de pacientes com depressão para receber algum tipo de terapia não-farmacológica, tais como terapia comportamental, psicoterapia, sessões de apoio social ou educação antes ou ao iniciar esses pacientes com medicamentos antidepressivos”.

****

Almohammed, O. A., Alsalem, A. A., Almangour, A. A., Alotaibi, L. H., Al Yami, M. S., & Lai, L. (2022). Antidepressants and health-related quality of life (HRQoL) for patients with depression: Analysis of the medical expenditure panel survey from the United States. PLOS One. Published online on April 20, 2022. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0265928 (Link)