O Elo mais Negligenciado em Assassinatos em Massa

0
111

Publicado no Personal Liberty. Um amigo de longa data do homem que matou 26 pessoas e feriu 20 outros na Igreja Batista de Sutherland Springs, no Texas, no domingo passado, diz que o assassino era um usuário de longo prazo de drogas psiquiátricas. Martinez disse que tinha muito em comum com o seu amigo, ambos eram super-hiperativos. Ele tomou medicamentos para o seu TDAH até os 19 anos e seu amigo Devin com a mesma idade ainda fazia uso de drogas psiquiátricas.  Segundo Tessa, o seu namorada Devin, tomava medicamentos para agressividade.

US_NEWS_TEXAS-SHOOTINGS_ZUM-800x500

O que não é uma surpresa. As drogas psicotrópicas são um denominador comum em todos os assassinatos em massa. O atirador do cinema de Aurora James Holmes, o assassino de Columbine, Eric Harris, o atirador de Sandy Hook Adam Lanza e quase todos os outros assassinos em assassinatos em massa – se não todos eles – estavam em algum tipo de drogas psicotrópicas quando cometeram seus crimes. De acordo com um estudo publicado na revista PLoS One e com base no Sistema de Relatórios de Eventos Adversos da FDA, os seguintes medicamentos que alteram a mente estão mais frequentemente ligados à violência:

10. Desvenlafaxine (Pristiq) é um antidepressivo associado com 7.9 vezes mais violência do que muitas outras drogas.

9. Venlafaxine (Effexor) está relacionada ao Pristiq e é um antidepressivo também usado por aqueles com transtornos de ansiedade. Effexor está 8.3 vezes mais associado com comportamento violento que outras drogas.

8. Fluvoxamine (Luvox) é um antidepressivo que afeta a serotonina (ISRS), e tem 8.4 vezes mais probabilidade de estar associado com violência do que com outros medicamentos.

7) Triazolam (Halcion) pode ser viciante e é uma benzodiazepina que supostamente trata a insônia. São 8,7 vezes mais chances de estar associado à violência do que outros medicamentos.

6. A atomoxetina (Strattera) é frequentemente prescrita para o TDAH e 9 vezes mais chances de estar associada à violência

5. Mefoquine (Lariam) trata a malária e, às vezes, o comportamento bizarro provocado por produtos químicos e 9,5 vezes mais chances de estar ligada à violência.

4. As anfetaminas vêm em muitas formas e são frequentemente usadas para tratar o TDAH (mesmo para crianças não diagnosticadas com TDAH). Elas são 9,6 vezes mais propensas a estarem ligadas à violência.

3. A paroxetina (Paxil) é um antidepressivo ISRS (inibidor seletivo da recaptação da serotonina). Muitos usuários experimentam sintomas graves de abstinência e são mais propensos a produzir crianças com defeitos congênitos, bem como 10,3 vezes mais chances de estarem ligados à violência do que outros medicamentos.

2. Fluoxetine (Prozac) é um nome familiar para um poderoso antidepressivo ISRS ligado a 10.9 vezes mais violência que outras drogas.

1. A vareniclina (Chantix) é administrada a fumantes para supostamente ajudar a reduzir os desejos por cigarros, mas é enorme as chances, 18 vezes, a estarem ligados a comportamentos violentos comparados com outras drogas.

Um relatório recente dos EUA descobriu que 10% dos adolescentes abusam da Ritalin e de outro medicamento estimulante, o Adderall. Oito dos 13 atiradores escolares nos EUA estavam tomando antidepressivos ou estimulantes no momento do crime.

Leia a matéria na íntegra →

Deixe uma resposta