Uso de antidepressivos leva a resultados piores a longo prazo, diz estudo

Os resultados de um estudo prospectivo de 30 anos demonstraram resultados piores para pessoas que tomaram antidepressivos, mesmo após o controle de gênero, nível de escolaridade, casamento, gravidade inicial, outros transtornos afetivos, tendências suicidas e história familiar de depressão.

0
316

Um novo estudo de Michael P. Hengartner, Jules Angst e Wulf Rossler descobriu que aqueles que tomavam antidepressivos tinham maior probabilidade de ter sintomas piores de depressão após 30 anos. Esse achado foi independente da gravidade da doença, bem como de um grande número de outros potenciais fatores de confusão. Os autores, da Universidade de Ciências Aplicadas de Zurique e da Universidade de Zurique, publicaram suas descobertas online este mês na revista Psychotherapy and Psychosomatics. O estudo acompanhou 591 adultos suíços a partir dos 20/21 até os 49/50 anos de idade. O uso de antidepressivos em algum momento do estudo esteve associado a piores sintomas de depressão no final do estudo, mesmo quando se controlava os sintomas iniciais e outros fatores.

“Essas descobertas estão de acordo com um crescente corpo de evidências de vários estudos observacionais naturalistas que sugerem que o uso de antidepressivos (a longo prazo) pode produzir um resultado ruim a longo prazo em pessoas com depressão”, escreve Hengartner.

Photo Credit: Flickr
Photo Credit: Flickr

A evidência de que os antidepressivos pioram os resultados em longo prazo vem principalmente de pesquisas que mapeiam resultados do mundo real. Por exemplo, um estudo de um ano em uma amostra da comunidade descobriu que apenas 5% gozavam de uma “remissão sustentada”, que é uma taxa de remissão muito mais baixa do que é tipicamente encontrada em estudos de pacientes deprimidos não medicados. Da mesma forma, no grande estudo STAR * D, apenas 108 dos 4041 (3%) pacientes que entraram no estudo remeteram e ficaram bem durante o acompanhamento de um ano. Todos os outros nunca foram remetidos, recaíram ou abandonaram o estudo. Outro estudo em pacientes do mundo real publicado no ano passado descobriu que o uso de antidepressivos estava associado a piores resultados após 9 anos.

A teoria predominante sobre por que os antidepressivos podem piorar a depressão é a sensibilização dos receptores – a ideia de que o uso a longo prazo modifica as formas de funcionamento dos neuro-receptores, tornando a medicação ineficaz, e potencialmente tornando as pessoas vulneráveis ao agravamento da depressão.

Esta nova contribuição para a literatura apresenta os resultados de 591 adultos em uma amostra da comunidade. Os participantes foram avaliados por psicólogos e psiquiatras treinados com entrevista semiestruturada. As avaliações começaram em 1979 (avaliação inicial) quando todos os participantes tinham entre 20 e 21 anos, e as avaliações foram realizadas novamente em 1981, 1986, 1988, 1993, 1999 e finalmente em 2008 (quando tinham 49-50 anos). Em cada avaliação, o resultado primário foi a gravidade dos sintomas depressivos no ano anterior. Também em cada avaliação, os participantes relataram se tinham sido prescritos antidepressivos no ano anterior.

Com a finalidade de criar o seu modelo preditivo, os autores testaram se a prescrição de antidepressivos numa avaliação (por exemplo, 1988) aumentava a probabilidade de sintomas depressivos mais graves no próximo ponto temporal (por exemplo, 1993). Os autores estratificaram os participantes em vários grupos: sem sintomas depressivos; poucos sintomas depressivos que não duraram mais de 2 semanas; depressão “subliminar” que não alcançou os critérios diagnósticos; e depressão maior conforme definido pelo atendimento dos critérios especificados no Manual Diagnóstico e Estatístico (DSM).

A média entre os períodos, 6% das pessoas com poucos sintomas depressivos estavam tomando antidepressivos; 7% daqueles com sintomas “subliminares” estavam tomando antidepressivos, e 22% daqueles com depressão maior estavam tomando antidepressivos.

Depois de controlar vários fatores – incluindo sexo, nível educacional, estado civil, qualquer distúrbio afetivo no início do estudo, tendências suicidas no início, história familiar de depressão, angústia subjetiva, adversidade na infância e baixa renda dos pais – os pesquisadores descobriram que o uso de antidepressivos estava associado a um aumento de 81% na probabilidade de aumento da gravidade da depressão. Por exemplo, isso significa que as pessoas que tiveram depressão “subliminar”, mas tomaram um antidepressivo, tinham 81% mais chances de piorar o transtorno depressivo maior do que aquelas que apresentavam sintomas “subliminares”, mas não tomavam antidepressivos.

Como os pesquisadores do estudo atual não conseguiram randomizar as pessoas para os antidepressivos ou para um grupo de controle, isso limita as conclusões causais. Existe sempre a possibilidade de que algum outro fator tenha sido responsável pelo fraco efeito de longo prazo que os pesquisadores encontraram, por ex. alguma característica compartilhada por pessoas que procuraram medicação que levou a resultados piores. No entanto, quando os pesquisadores controlaram todos os fatores de risco usuais – como gravidade da depressão, angústia subjetiva, sintomas iniciais, características demográficas (por exemplo, sexo, nível educacional) e até mesmo adversidade na infância – eles ainda descobriram que o uso de antidepressivos estava associado a um pior resultado final.

Artigo anteriorO Fim dos Asilos Psiquiátricos na Itália
Próximo artigoA visão xamânica da doença mental
Peter Simons
Peter Simons MIA-UMB News Team: Peter Simons tem formação em ciências humanas onde estudou inglês, filosofia e arte. Agora está em seu doutorado em Psicologia de Aconselhamento, sua pesquisa recente tem se concentrado em conflitos de interesse na literatura de pesquisa psicofarmacêutica, o uso de medicamentos antipsicóticos no tratamento da depressão, e as implicações filosóficas e sociopolíticas gerais da taxonomia psiquiátrica no diagnóstico e tratamento.

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta