Mais Evidências de que Atividade Física Previne a Depressão

Níveis mais altos de atividade física servem como fator de proteção para o desenvolvimento futuro da depressão.

0
80

jjanzeUm novo estudo, publicado no American Journal of Psychiatry, investiga o efeito da atividade física nos níveis de depressão. Os resultados da meta-análise de efeitos aleatórios que examinou a atividade física e a depressão incidente indicam que níveis mais altos de atividade física servem como fator de proteção contra o desenvolvimento futuro da depressão.

“Nossos resultados indicam que níveis mais altos de atividade física oferecem um efeito protetor no desenvolvimento futuro da depressão para pessoas de todas as idades (jovens, adultos em idade de trabalho, idosos), e este achado é robusto nas mais distintas regiões geográficas ao redor do mundo” pesquisadores relatam.

 

Photo Credit: Health.mil
Photo Credit: Health.mil

Sendo um dos transtornos de saúde mental mais comuns, a depressão é uma experiência portanto familiar para muitas pessoas. Embora na maioria das vezes tratada com inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs), esse tratamento de primeira linha tem sido criticado por causar problemas psicopatológicos e médicos adicionais com o uso em longo prazo. Com evidências crescentes a alertar para o uso de ISRSs, os pesquisadores estão voltando a sua atenção para tratamentos alternativos.

Os tratamentos não farmacológicos (TNP) para depressão vêm ganhando apoio como sendo opções seguras e efetivas de tratamento e prevenção. Tratamentos como mindfulness, psicoterapia e exercício físico são exemplos de alternativas comuns e bem pesquisadas aos ISRSs para tratamento de transtornos depressivos.

“As pessoas com transtorno depressivo maior são conhecidas por terem uma probabilidade de 50% de não atingir os níveis de atividade física recomendados (por exemplo, realizar> 150 minutos de atividade física moderada a cada semana) em comparação com pessoas sem depressão grave”.

Embora revisões anteriores tenham sugerido que a atividade física pode ser protetora contra o desenvolvimento de depressão, o presente estudo é a primeira meta-análise agrupada a investigar essa relação. A meta-análise agrupada fornece um quadro mais robusto da relação entre depressão e níveis de exercício do que um acúmulo de estudos analisados separadamente.

Para este projeto, o Dr. Schuch e sua equipe analisaram 49 estudos que incluíram mais de 200.000 indivíduos, com distribuição sexual quase igual, várias idades e que foram realizados em várias regiões geográficas. Variáveis intervenientes, como o tamanho da amostra, o tempo de seguimento e a qualidade do estudo, foram investigadas para verificar se forneciam explicações significativas da variação nos efeitos da atividade física sobre a depressão. Os pesquisadores relatam os seguintes resultados:

“Comparados com pessoas com baixos níveis de atividade física, aqueles com altos níveis tiveram menor chance de desenvolver depressão (odds ratio ajustado = 0,83, 95% CI = 0,79, 0,88; I2 = 0,00). Além disso, a atividade física teve um efeito protetor contra o surgimento de depressão em jovens (odds ratio ajustado = 0,90, IC95% = 0,83, 0,98), em adultos (odds ratio ajustado = 0,78, IC95% = 0,70, 0,87) e em idosos (odds ratio ajustado = 0,79, IC 95% = 0,72, 0,86). Nenhuma variável interveniente foi identificada. “

Embora mais estudos sejam necessários para investigar os níveis mínimos de atividade física exigidos e o impacto de diferentes tipos de atividade física, o presente estudo fornece uma contribuição importante para um crescente corpo de literatura que promove medidas preventivas para lidar com a depressão. Os pesquisadores concluem:

“Nossos dados enfatizam ainda mais a importância das políticas que visem aumentar os níveis de atividade física. Ensaios clínicos randomizados são necessários para determinar se a atividade física pode ou não prevenir o desenvolvimento de depressão em pessoas de alto risco ”.

****

Schuch, F. B., Vancampfort, D., Firth, J., Rosenbaum, S., Ward, P. B., Silva, E. S., … & Fleck, M. P. (2018). Physical activity and incident depression: a meta-analysis of prospective cohort studies. American Journal of Psychiatry, appi-ajp. (Link)

Artigo anteriorO movimento da Antipsiquiatria
Próximo artigoAntidepressivos no tratamento da insônia
Jessica Janze
Jessica Janze é aluna de doutorado no programa de Aconselhamento e Psicologia Escolar da Universidade de Massachusetts, Boston. Ela tem um mestrado em aconselhamento psicológico e trabalhou principalmente com crianças afetadas por traumas psicológicos. Os interesses de pesquisa de Jessica incluem o impacto da atenção plena na educação infantil, na regulação emocional e no papel que as práticas contemplativas desempenham na saúde mental.

Deixe uma resposta