O envolvimento cultural pode proteger contra a depressão?

Um novo estudo examina os efeitos preventivos do engajamento cultural na depressão entre os idosos.

0
220

jjanzeUm novo estudo longitudinal, liderado por Daisy Fancourt, pesquisadora da University College London, explora o engajamento cultural como uma ferramenta preventiva para a depressão em adultos mais velhos. Os resultados do estudo, publicado no British Journal of Psychiatry, encontraram uma associação entre o envolvimento cultural e os níveis de sintomas depressivos em adultos idosos.

“Ir a locais culturais é uma forma de reduzir o comportamento sedentário, que está associado à depressão, em parte por meio do aumento de respostas inflamatórias. Além disso, descobriu-se que a resposta emocional a atividades culturais, como a música, envolve regiões importantes do cérebro para o processamento de emoções positivas e recompensas ”, escrevem Fancourt e colegas.

Flickr
Flickr

Embora as taxas gerais de depressão sejam difíceis de serem medidas,  acredita-se que os sintomas depressivos aumentam com a idade e são mais propensos a não serem diagnosticados e tratados. Como a depressão está ligada a um aumento da demênciaacidente vascular cerebral e mortalidade , é evidente a necessidade de intervenções sobre a depressão entre os idosos. No entanto, como Fancourt e colegas destacam, “há uma reconhecida falta de intervenções psicossociais multimodais que sejam efetivas para a prevenção da depressão em idosos”.

Um corpo crescente de literatura sugere que envolvimento cultural em atividades como cantar, dançar, fazer arte e visitar um museu, podem ajudar na recuperação e no tratamento da depressão. Menos trabalho tem sido dedicado para explorar os aspectos preventivos que essas atividades podem proporcionar à saúde mental do indivíduo. O engajamento cultural é frequentemente composto por interações sociais, redução do comportamento sedentário e resposta emocional positiva, que contribuem para o bem-estar e podem servir para proteger contra a depressão.

“A saúde mental é um determinante importante do envelhecimento bem-sucedido e da longevidade. É, no entanto, propenso a declinar com a idade por causa de eventos e circunstâncias de vida comumente vivenciados por idosos como luto, vida solitária, interações sociais empobrecidas, problemas de saúde, aposentadoria e piora da condição econômica”, escrevem os autores.

Fancourt  e  colegas usaram dados de mais de uma década do Estudo Inglês Longitudinal de Envelhecimento para conduzir o primeiro estudo longitudinal utilizando escalas de depressão validadas para examinar a relação do envolvimento cultural em sintomas depressivos em adultos mais velhos. O estudo trabalhou com uma amostra de 2.148 participantes com uma idade média de 62,9 anos (faixa etária = 52-89).

Os pesquisadores coletaram a frequência de atividades de engajamento cultural por meio de autorrelato e utilizaram a Escala de Depressão dos Estudos Epidemiológicos (CES-D) para medir os sintomas de depressão entre os participantes. No início do estudo, todos os participantes estavam abaixo do limiar de depressão. As covariáveis sociodemográficas, posição socioeconômica, situação de emprego e dados de saúde física foram coletados. A escala de personalidade Midlife Development Inventoryfoi usada para controlar a receptividade como um fator de proteção associado ao envolvimento cultural.

Depois de analisar uma década de dados e empregar cinco testes de sensibilidade para garantir a medição precisa das variáveis, o estudo constatou que um aumento no engajamento cultural estava associado a taxas reduzidas de depressão entre os idosos.

“Houve evidências da associação de uma relação dose-resposta e maior frequência de participação com um menor risco. Para modelos totalmente ajustados, isso equivalia a um risco 32% menor de desenvolver depressão para pessoas que compareciam em intervalos de alguns meses e um risco 48% menor para pessoas que frequentavam uma vez por mês ou mais”, relatam os autores.

“Notadamente, essa descoberta foi independente de fatores sociodemográficos, fatores de saúde e comportamentais e outras formas de engajamento social e cívico, incluindo outros hobbies, interações sociais, grupo comunitário e engajamento cívico. Também foi independente do tipo de personalidade mais aberta.”

Este estudo fornece fortes evidências para o uso do envolvimento cultural na promoção da saúde mental positiva entre adultos idosos. Como observado pelos pesquisadores, o estudo de Fancourt foi observacional e não intervencionista. Portanto, estudos de intervenção poderiam ser feitos para explorar mais os efeitos do envolvimento cultural na sintomatologia depressiva entre esta população.

Os autores concluem:

“Descobrimos que o envolvimento com atividades culturais (incluindo ir ao cinema, museus ou galerias ou teatro, concerto ou ópera) parece ser um fator independente de redução de risco para o desenvolvimento da depressão na velhice. Levando em consideração que nossas análises testaram especificamente a contribuição potencial da causalidade reversa, mas não encontraram nenhuma mudança nos resultados, essa associação pode ser atribuída a múltiplos componentes do envolvimento cultural, incluindo interação social, criatividade mental, estimulação cognitiva e atividade física suave. ”

****

Fancourt, D., & Tymoszuk, U. (2018). Envolvimento cultural e depressão incidente em adultos mais velhos: evidências do Estudo Longitudinal Inglês do Envelhecimento. O British Journal of Psychiatry , 1-5. (Link)

Artigo anteriorIndivíduos com sintomas de psicose mais propensos a serem vitimizados
Próximo artigoDe Perto Ninguém é Normal
Jessica Janze
Jessica Janze é aluna de doutorado no programa de Aconselhamento e Psicologia Escolar da Universidade de Massachusetts, Boston. Ela tem um mestrado em aconselhamento psicológico e trabalhou principalmente com crianças afetadas por traumas psicológicos. Os interesses de pesquisa de Jessica incluem o impacto da atenção plena na educação infantil, na regulação emocional e no papel que as práticas contemplativas desempenham na saúde mental.

Deixe uma resposta