Antidepressivos e a Reinternação Psiquiátrica

Novo estudo descobriu que os antidepressivos podem impactar negativamente a recuperação após a hospitalização psiquiátrica.

0
280

Um grupo de pesquisadores liderados por Michael P. Hengartner, pesquisador sênior em psicologia da Universidade de Ciências Aplicadas de Zurique, publicou recentemente um artigo no Frontiers in Psychiatry investigando a relação entre o uso de antidepressivos e a reinternação em hospitais psiquiátricos. Os autores descobriram que os usuários de antidepressivos foram hospitalizados em uma taxa maior do que os pacientes semelhantes que não tomaram as drogas, e que eles permaneceram no hospital por mais tempo após a readmissão. Os antidepressivos, concluem os autores, podem impactar negativamente a recuperação, por meio de hospitalizações psiquiátricas cada vez mais prolongadas.

“Nossos dados sugerem que o uso de antidepressivos durante o internamento na fase aguda, em comparação com o não uso, pode aumentar o risco e a duração de reinternações subsequentes ao longo de 12 meses de follow-up em pacientes com transtornos principalmente afetivos e não afetivos”, escrevem os autores. autores.

 “Nossas descobertas, portanto, desafiam o suposto benefício de longo prazo dos antidepressivos e levantam a possibilidade de que, a longo prazo, os antidepressivos podem fazer mais mal do que bem.”

Photo Credit: Flickr

Tem havido um aumento contínuo na prescrição de antidepressivos nos últimos 30 anos, um aumento que não se correlacionou com a queda da prevalência global de ansiedade e depressão, que se manteve estável. Incapacidade por transtornos afetivos, entretanto, tem aumentado, levando muitos a questionar os benefícios da farmacoterapia antidepressiva.

Grande parte da evidência da eficácia dos antidepressivos vem das pesquisas de descontinuação, em que os pacientes que tomam antidepressivos mantêm seu uso típico da droga ou recebem uma mudança repentina para o placebo. A partir dessas pesquisas, os pesquisadores concluíram que a continuação dos antidepressivos previne a recaída da depressão, embora essas conclusões se baseiem em motivos incertos.

Primeiro, sugerem os autores, esses estudos incluem apenas indivíduos que responderam ao tratamento medicamentoso agudo, ignorando aqueles que se recuperam espontaneamente ou que não respondem às drogas. Em segundo lugar, o grupo de controle – o grupo que mudou de repente para placebo – consiste em indivíduos que naturalmente experimentam sintomas de abstinência ao interromper a medicação.

Os sintomas de abstinência podem ser diagnosticados erroneamente como recaída depressiva, ou podem, eles próprios, causar uma deterioração da depressão. Finalmente, os antidepressivos alteram a função neurobiológica de tal forma que a densidade de receptores é diminuída devido ao aumento da concentração de neurotransmissores. Isso pode causar problemas emocionais e psicossomáticos após o uso de antidepressivos a longo prazo, que são de natureza iatrogênica, devido às adaptações neurobiológicas relacionadas à droga.

Outros estudos ainda observam que apenas cinco por cento dos indivíduos tratados continuamente apresentaram remissão sustentada, que os antidepressivos podem não melhorar as taxas de remissão ou que os antidepressivos não diferiram do placebo, mas foram significativamente piores que a psicoterapia na melhora do comprometimento funcional, dos sintomas de depressão e das tendências suicidas.

Muitos experimentos não têm grupos de controle não medicados ou contêm amostras não representativas. Enquanto esta lacuna é preenchida por uma variedade de estudos observacionais naturalistas que sugerem que a eficácia do uso de antidepressivos em pessoas com transtornos afetivos é limitada, estudos observacionais recebem críticas empiricamente infundadas de especialistas em psiquiatria sobre vieses de seleção e outras afirmações desse tipo.

Os autores construíram o atual estudo deles sobre a ideia de que o uso de antidepressivos tem mostrado, às vezes, uma relação negativa com os resultados do tratamento da depressão, e os autores postularam que poderia haver uma relação entre o uso de antidepressivos após a alta e a reinternação. Para investigar isso, eles fizeram uma combinação de 45 usuários de antidepressivos com 45 não usuários de dois hospitais psiquiátricos em Zurique, combinando os pares em uma variedade de resultados clínicos, incluindo gravidade da doença, déficit funcional e comprometimento psicossocial.

O presente estudo teve como objetivo expandir pesquisas anteriores, ao ampliar as amostras passadas de pacientes com depressão, bem como concentrando suas análises em resultados objetivos e imparciais, tais como os registros de hospitalização. Para fazer isso, os autores extraíram dados de um estudo projetado para testar o resultado de uma intervenção de gerenciamento de caso em dois hospitais psiquiátricos suíços. Os participantes foram avaliados enquanto estavam internados, assim como aos três e 12 meses após a alta. Os resultados primários do estudo foram frequência e duração das readmissões em hospitais psiquiátricos, bem como uso de antidepressivos e variáveis sociodemográficas.

Os resultados foram impressionantes: os autores descobriram que o uso de antidepressivos durante a internação aguda levou a um aumento de 350% no risco de reinternação e a um aumento de 250% nos dias reinternados.

“Nossos resultados até levantam a possibilidade de que a farmacoterapia antidepressiva pode aumentar as taxas de recaída e prejudicar a recuperação a longo prazo”, escrevem os autores.

“Estas descobertas estão de acordo com uma metanálise abrangente de ensaios clínicos de longo prazo … e conflitam com os resultados dos ensaios de descontinuação, que visam estimar a prevenção de recaída em longo prazo em pacientes tratados com drogas continuamente em comparação com pacientes cuja medicação foi descontinuada rapidamente e substituída por placebo.”

Existem vários pontos fortes do estudo, incluindo ser prospectivo, controles para evitar vieses de seleção e apresentar resultados imparciais. No entanto, também existem fragilidades, incluindo falta de causalidade, devido ao fato de os grupos não serem randomizados, possíveis confusões não mensuradas, uma modesta combinação em n = 90, razões desconhecidas para reinternação e não ter informações sobre quanto tempo os antidepressivos foram usados após a alta hospitalar.

“As taxas de reinternação nos usuários de antidepressivos podem ser devidas a reações adversas ao uso prolongado de antidepressivos ou a reações graves de abstinência após a interrupção da droga”, escrevem os autores.

“Esses mecanismos potenciais são provisórios e ainda inconclusivos, mas fornecem uma importante via para futuras pesquisas sobre os efeitos a longo prazo dos antidepressivos”.

****

Hengartner M.P., Passalacqua S., Andreae A., Heinsius T., Hepp U., Rössler W., & von Wyl A. (2019). Antidepressant Use During Acute Inpatient Care Is Associated With an Increased Risk of Psychiatric Rehospitalisation Over a 12-Month Follow-Up After Discharge. Frontiers in Psychiatry, 10:79. doi: 10.3389/fpsyt.2019.00079 (Link)