Diretrizes para prescrição de antidepressivos reconhecem a gravidade dos sintomas de abstinência

Uma nova atualização das diretrizes da NICE para depressão sugere que os profissionais discutam sintomas graves de abstinência dos antidepressivos com uso a longo prazo.

0
189

Uma nova atualização das diretrizes da NICE, Reino Unido, para o tratamento da depressão sugere que os profissionais informem os pacientes sobre o potencial de sintomas de abstinência graves a longo prazo ao se interromper os medicamentos antidepressivos. A mudança relevante nas diretrizes recomenda que psiquiatras e profissionais de saúde mental conversem com os usuários sobre retirada de antidepressivos:

“Explica que, embora os sintomas de abstinência que surgem ao se interromper ou reduzir os antidepressivos possam ser leves e auto-limitados, há uma variação substancial na experiência entre as pessoas, com sintomas que podem durar muito mais (às vezes meses ou mais) e para alguns pacientes são muito mais graves”.

Creative Commons

Uma notícia na revista científica BMJ forneceu mais detalhes sobre a atualização. De acordo com esse artigo, o Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) do Reino Unido publicou as diretrizes originais de tratamento para depressão em 2009. Naquela época, eles sugeriram que os sintomas de abstinência eram “geralmente leves e autolimitados por cerca de uma semana”.

No entanto, recentemente os pesquisadores entraram com um pedido de liberdade de informação para ver as evidências que o NICE usou para fazer essa polêmica alegação de “uma semana”. Aconteceu, conforme relatado no BMJ, que o NICE não podia dar sustentação científica à tal declaração. Em vez disso, suas fontes o contradiziam explicitamente:

“O NICE foi capaz de fornecer apenas dois artigos curtos e revisão, nenhum dos quais apoia a reivindicação de uma semana, embora ambos citem várias fontes que a contradizem.”

Agora, o NICE atualizou essa declaração para reconhecer o extenso conjunto de pesquisas que encontrou sintomas de abstinência prolongados e graves após o uso de antidepressivos.

BMJ cita Paul Chrisp, diretor do Centro de Diretrizes da NICE: “Alteramos as diretrizes para reconhecer as evidências emergentes sobre a gravidade e a duração dos sintomas de abstinência de antidepressivos”.

As diretrizes do NICE de 2009 têm sido amplamente criticadas por não considerar a pesquisa sobre a retirada dos antidepressivos. Um artigo recente no BMJ sugeriu que diretrizes que minimizam a gravidade e a duração dos sintomas de abstinência servem para desinformar os provedores dos serviços. Sintomas de abstinência mais longos e mais graves acabam sendo diagnosticados incorretamente como recaída da depressão.

O resultado é muitas vezes restabelecer o antidepressivo para tratar a suposta recaída, em vez de considerar estratégias de redução mais ampliadas para minimizar a retirada.

O NICE estava programado para lançar uma revisão significativa de suas diretrizes de tratamento da depressão no ano passado. No entanto, preocupações foram levantadas por um grande grupo de especialistas em saúde mental, usuários de serviços e sobreviventes. Segundo esse grupo, havia “falhas significativas na metodologia, falta de transparência e várias inconsistências no documento”.

O grupo documentou muitos desses problemas. Por exemplo, as recomendações para o uso prolongado de antidepressivos geralmente se baseiam em estudos de curto prazo, geralmente com duração de apenas um mês ou dois. O grupo também observou problemas, incluindo dados de coleta de dados, análises estatísticas controversas usadas para determinar a eficácia e relatórios inadequados dos perigos dos medicamentos. Além disso, o NICE foi criticado por não ouvir as vozes dos usuários e sobreviventes do serviço.

Em 2017, a Rede Nacional de Usuários Sobreviventes (NSUN) emitiu uma declaração apontando que as diretrizes do NICE ignoraram amplamente as vozes dos usuários de serviços, usando evidências desatualizadas de experiências de usuários de serviços, datadas principalmente de antes de 2004 e falharam. mesmo para incorporar essa evidência nas recomendações.”

Devido a essas preocupações, o NICE passou por um processo de consulta para basear suas diretrizes revisadas em evidências mais atuais com melhor metodologia. Esta atualização, reconhecendo a gravidade e a duração da retirada do antidepressivo, é o primeiro resultado desse processo.

****

National Institute for Care and Health Excellence (NICE). Depression in adults: recognition and management. 2019. www.nice.org.uk/guidance/cg90/chapter/1-Guidance#continuation-and-relapse-prevention

Artigo anteriorEntrevista com o Dr. Peter Groot
Próximo artigoQuadro de Referência Poder, Ameaças e Sentido (PTMF)
Peter Simons
Peter Simons MIA-UMB News Team: Peter Simons tem formação em ciências humanas onde estudou inglês, filosofia e arte. Agora está em seu doutorado em Psicologia de Aconselhamento, sua pesquisa recente tem se concentrado em conflitos de interesse na literatura de pesquisa psicofarmacêutica, o uso de medicamentos antipsicóticos no tratamento da depressão, e as implicações filosóficas e sociopolíticas gerais da taxonomia psiquiátrica no diagnóstico e tratamento.