Pesquisa do uso de Ayahuasca para depressão mostra resultados promissores

A Ayahuasca mostrou-se eficaz no tratamento de depressão moderada a grave em população de baixa renda.

0
160

O primeiro estudo randomizado, controlado com placebo, para investigar o potencial terapêutico da droga psicodélica ayahuasca foi realizado no Brasil e recentemente publicado na Psychological Medicine. O estudo examinou os efeitos psicodélicos em pessoas que sofrem de depressão moderada a grave e que não responderam positivamente ao medicamento psicotrópico. A grande equipe de pesquisa composta principalmente por cientistas brasileiros administrou a ayahuasca, uma bebida psicodélica feita a partir de plantas da Amazônia, assim como um placebo que produziu efeitos colaterais semelhantes, conhecidos por estarem associados à ayahuasca. Os resultados indicam efeitos antidepressivos para aqueles que receberam ayahuasca em comparação com aqueles que receberam o placebo.

“A gravidade da depressão mudou significativamente, mas diferentemente, para os grupos ayahuasca e placebo. As melhorias nas escalas psiquiátricas no grupo ayahuasca foram significativamente maiores do que as do grupo placebo em todos os momentos após a administração, com o aumento do tamanho do efeito entre os grupos do dia um ao dia sete ”, escrevem eles.

Ayahuasca Inspired Painting. Flickr.

Embora as pesquisas sobre os efeitos psicológicos de cura dos psicodélicos, como a ayahuasca e a psilocibina encontradas nos cogumelos, sejam escassas devido ao seu status ilegal na maioria dos países. A pesquisa que existe sugere que os medicamentos podem ser promissores para o tratamento de sofrimento mental grave. Os autores deste estudo se baseiam em pesquisas anteriores que exploram como os psicodélicos podem afetar o cérebro e aliviar o sofrimento. Em 2015, um estudo aberto mostrou uma redução significativa na gravidade da depressão nas primeiras horas após a administração e permaneceu significativo 21 dias depois da reavaliação. Outro estudo identificou uma possível explicação para o efeito de alívio, observando “uma dose única de ayahuasca melhorou as capacidades relacionadas à atenção plena”, e que as práticas de meditação foram previamente associadas ao alívio dos sintomas depressivos.

No entanto, estudos anteriores não controlaram o efeito placebo, um fenômeno particularmente alto em estudos clínicos para depressão. Este artigo é o primeiro a explorar os efeitos antidepressivos da ayahuasca em comparação com o placebo em indivíduos com depressão de moderada à grave.

O Hospital Universitário Onofre Lopes, no Brasil, sediou o estudo. Tudo começou com uma busca por pessoas entre 18 e 60 anos que preenchiam os critérios para transtorno depressivo maior e não haviam respondido anteriormente a pelo menos dois medicamentos antidepressivos de classes diferentes. Aquelas que estavam grávidas, aquelas pessoas que tinham histórico de distúrbio neurológico, que estavam atualmente abusando de substâncias, que apresentavam risco de suicídio ou que tinham histórico ou histórico familiar de esquizofrenia, transtorno afetivo bipolar ou mania / hipomania (que a ayahuasca pode agravar) foram excluídas do estudo. Dos 218 indivíduos avaliados, 29 preencheram os critérios para o julgamento. Todos os participantes eram brasileiros, 72% eram do sexo feminino, com baixo nível socioeconômico. Os participantes foram acompanhados em seu processo de diminuição da medicação antidepressiva atual e receberam benzodiazepínicos somente quando isso mostrou ser necessário.

As sessões de dosagem, que duravam aproximadamente 8 horas, foram realizadas no hospital em quartos montados para oferecer um ambiente silencioso e confortável, incluindo cama, poltrona reclinável, luz natural e ofuscada, além de opções para uma lista predefinida de reprodução de música. As pessoas eram rotineiramente examinadas por dois investigadores que estavam sempre disponíveis, caso fosse necessário.

Os participantes foram designados aleatoriamente para ayahuasca ou placebo, enquanto os pesquisadores eram cegos para a atribuição de intervenção, de acordo com os padrões de ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos e controlados por placebo. As avaliações do MADRS e HAM-D foram usadas para avaliar a gravidade da depressão na linha de base (um dia antes da administração) e em um dia, dois dias e sete dias após a administração. Veja as figuras no estudo que ilustram as pontuações dos participantes no MADRS e HAM-D, abrangendo os quatro pontos de avaliação.

Os resultados indicam evidência de um “efeito antidepressivo rápido após uma única sessão de dosagem de ayahuasca quando comparado ao placebo”.

Os autores observam uma alta taxa de placebo em seu estudo – 46% no dia 1 e 26% no dia 7. Eles levantam a hipótese de que essa alta resposta poderia estar relacionada ao ‘efeito de cuidado’ que pode ser experimentado por populações socioeconômicas baixas que vivem em áreas significativamente submetidas a estressores psicossociais. O ambiente confortável e de suporte fornecido pelo estudo pode explicar os efeitos mais altos do placebo. A maioria dos participantes se identificou com um transtorno de personalidade comórbido, outra população que pode se  apresentar com respostas mais altas ao placebo.

Os autores prosseguem o seu artigo ilustrando os efeitos dos psicodélicos no cérebro e discutindo os efeitos do tipo místico relatados pelos participantes. Pesquisas qualitativas futuras são necessárias para explorar o que acontece com indivíduos que experimentam os efeitos dos psicodélicos para reconhecer melhor quem, o que e como esses medicamentos podem ajudar.

Embora o estudo ofereça perspectivas promissoras, limitações e espaço para pesquisas futuras são dignas de nota. O estudo inclui um pequeno número de participantes com dados demográficos semelhantes, por exemplo, vivendo na cultura brasileira, com baixo status socioeconômico e experimentando depressão moderada a grave ‘resistente ao tratamento’. Essa falta de generalização impede qualquer compreensão do potencial terapêutico de outras pessoas com experiências e apresentações díspares. Além disso, o estudo avaliou até sete dias após a experiência. Pesquisas futuras que avaliam benefícios terapêuticos a longo prazo são essenciais para avaliar o impacto dos psicodélicos no tratamento da depressão.

Além disso, a ayahuasca geralmente causa náusea e vômito. Embora a purga seja descrita como necessária para o processo terapêutico, as pessoas podem não ser receptivas à experiência com efeitos colaterais desconfortáveis.

Antes da proibição dos psicodélicos na década de 1960, essas drogas estavam no estágio inicial de testes para muitas condições psiquiátricas. Atualmente, estão sendo feitos mais estudos e necessários para continuar a entender o potencial dos psicodélicos, como a cerveja amazônica ayahuasca, para aliviar o sofrimento humano.

Palhano-Fontes e colegas concluem:

“Até onde sabemos, este é o primeiro estudo randomizado controlado por placebo a investigar o potencial antidepressivo de um psicodélico em uma população de pacientes com depressão resistente ao tratamento. Em termos gerais, este estudo traz novas evidências que apoiam o valor terapêutico e de segurança dos psicodélicos, administrados em um ambiente apropriado, para ajudar a tratar a depressão. ”

****

Palhano-Fontes, F. et al. (2019). Rapid antidepressant effects of the psychedelic ayahuasca in treatment-resistant depression: a randomized placebo-controlled trial. Psychological Medicine, 49, 655-663. https://doi.org/10.1017/S0033291718001356 (Link)