Peter Kinderman – Por que precisamos de uma revolução nos cuidados de saúde mental?

0
246

Nesta semana, na Rádio MIA, conversamos com o professor Peter Kinderman. Peter é professor de psicologia clínica da Universidade de Liverpool, consultor honorário de psicologia clínica do Mersey Care NHS Trust e consultor clínico de saúde pública na Inglaterra, Reino Unido. Foi presidente da Sociedade Britânica de Psicologia (BPS) em 2016-2017 e duas vezes presidente da Divisão de Psicologia Clínica da BPS. Sua atividade de pesquisa e trabalho clínico concentram-se em problemas sérios e duradouros de saúde mental, bem como em como a ciência psicológica pode auxiliar as políticas públicas em saúde e assistência social. Seu livro anterior A Prescription for Psychiatry: Why We Need a Whole New Approach to Mental Health and Wellbeing, foi lançado em 2013.

Nesta entrevista, discutimos o novo livro de Peter, A Manifesto for Mental Health, Why We Need a Revolution in Mental Health Care, que apresenta uma perspectiva radicalmente nova e distinta que examina criticamente o ‘modelo de doença’ dominante dos cuidados de saúde mental.

O livro destaca evidências persuasivas de que nossa saúde mental e bem-estar dependem amplamente da sociedade em que vivemos, das coisas que acontecem conosco e de como aprendemos a entender e responder a esses eventos. Peter propõe uma rejeição de rótulos de diagnóstico inválidos, ajuda prática ao invés de  medicamentos e um reconhecimento de que a angústia é geralmente uma resposta humana compreensível aos desafios da vida.

Conteúdos da entrevista:

  • O que levou Peter a se interessar por psicologia, tendo inicialmente se interessado por física e filosofia.
  • Como seu trabalho acadêmico e clínico foram influenciados ou ao longo de sua carreira.
  • Por que é importante desafiar as principais mensagens de saúde mental, não apenas como um exercício acadêmico, mas também para o bem da sociedade.
  • Que está bem claro que atualmente temos um sistema muito ruim para responder ao sofrimento emocional.
  • Como não estamos oferecendo ajuda para problemas do mundo real.
  • É essencial que ofereçamos às pessoas uma estrutura alternativa de entendimento para que elas possam decidir por si mesmas qual a melhor forma de enquadrar e, portanto, responder à dificuldade.
  • Que Peter observou mudanças na linguagem que estão ajudando a apoiar a percepção pública de que ‘doença mental’ é uma ideia ou teoria, e não um fato inegável.
  • Como uma resposta à saúde mental com base psicossocial pode funcionar.
  • Como nosso sistema hierárquico de saúde confere aos médicos um poder enorme.
  • Que os países nórdicos evoluíram para uma abordagem mais socialmente integrada e baseada na comunidade, que integra melhor a saúde e a assistência social.
  • Como aqueles que criticam o modelo da doença são, às vezes, vistos como “negadores de experiências reais”, mas que isso é uma descaracterização porque se trata mais de entender essas experiências de uma maneira diferente ou de usar uma estrutura diferente.

O livro → A Prescription for Psychiatry: Why We Need a Whole New Approach to Mental Health and Wellbeing