COVID-19: Como atenuar os efeitos do confinamento doméstico das crianças?

Os pesquisadores oferecem soluções para diminuir os impactos negativos do fechamento recente de escolas em reação ao COVID-19.

0
76

Escrevendo no The Lancet, especialistas em pediatria expõem os efeitos negativos do confinamento em casa em crianças durante o novo surto de coronavírus (COVID-19). Os autores, liderados por Guanghai Wang, do Centro Médico Infantil de Xangai, discutem as questões relacionadas a crianças e adolescentes em confinamento em casa que surgiram durante o surto de COVID-19 na China.

Com a disseminação global do coronavírus e a pandemia resultante, as experiências dos chineses também são cada vez mais relevantes para outras áreas do mundo. Os autores oferecem sugestões para atenuar os danos a crianças e jovens adultos que podem ser causados devido ao fechamento de escolas e o confinamento em casa.

“Estressores tais como duração prolongada do confinamento, medo de infecção, frustração e tédio, informações inadequadas, falta de contato pessoal com colegas, amigos e professores, falta de espaço pessoal em casa e a perda financeira da família podem ter efeitos ainda mais problemáticos e duradouros sobre crianças e adolescentes ”, escrevem os pesquisadores.

Para mitigar as consequências do confinamento em casa, o governo, as organizações não-governamentais (ONGs), a comunidade, a escola e os pais precisam estar cientes dos aspectos negativos da situação e fazer mais para resolver esses problemas imediatamente ”.

À medida que o COVID-19 continua a se espalhar, muitas áreas do mundo estão passando pelo fechamento das escolas de ensino fundamental e médio e se deparam com a realidade do confinamento em casa para crianças e adolescentes. Embora se saiba que o tempo fora da escola, e particularmente fora da rotina das escolas, pode ser difícil para muitos estudantes, os efeitos negativos na saúde provavelmente são muito piores quando se tem pela frente o confinamento por um período imprevisível, como no caso do COVID- 19.

“As evidências sugerem que quando as crianças estão fora da escola (por exemplo, fins de semana e férias de verão), elas são fisicamente menos ativas, têm muito mais tempo em frente à tela, padrões irregulares de sono e dietas menos favoráveis, resultando em ganho de peso e perda de condicionamento cardiorrespiratório .” Acrescentando, “talvez uma questão mais importante, mas facilmente negligenciada, seja o impacto psicológico em crianças e adolescentes”.

Com base em observações de confinamento em casa na China, Wang e colegas sugerem as seguintes ações:

  • O governo deve aumentar a conscientização sobre os possíveis impactos à saúde física e mental do confinamento em casa durante esse período incomum e fornecer diretrizes e princípios eficazes no aprendizado on-line e garantir que o conteúdo dos cursos atenda aos requisitos educacionais.
  • As organizações não-governamentais podem ajudar na criação e disseminação de programas e materiais que incentivem hábitos saudáveis e forneçam apoio psicossocial às crianças em casa, longe da escola.
  • As comunidades também podem fornecer recursos para gerenciar dificuldades que surgem durante o confinamento em casa. Por exemplo, Wang e colegas sugerem que “os comitês dos pais podem trabalhar juntos para suprir as necessidades dos alunos com os requisitos da escola e defender os direitos das crianças a um estilo de vida saudável”.
  • As escolas desempenham um papel importante nessa transição. Fornecendo material para os alunos continuarem seus estudos e oferecendo aos alunos a oportunidade de permanecerem conectados à comunidade escolar. Além disso, quando possível, as escolas podem oferecer recursos para cuidados da saúde mental.

“As escolas podem promover ativamente uma programação consciente da saúde, boa higiene pessoal, incentivar atividades físicas, dieta apropriada e bons hábitos de sono, e integrar esses materiais de promoção da saúde no currículo escolar”.

  • Finalmente, os pais costumam servir como a fonte de apoio mais próxima e mais confiável para crianças e adolescentes em períodos de alto estresse. Os autores sugerem que “a comunicação próxima e aberta com as crianças é a chave para confortar as crianças em isolamento prolongado”.

“As crianças são constantemente expostas a notícias relacionadas à epidemia; portanto, ter conversas diretas com crianças sobre esses problemas pode aliviar sua ansiedade e evitar o pânico.”

Cada entidade tem um papel a desempenhar no apoio ao bem-estar de crianças, adolescentes e famílias durante esse período sem precedentes. Enquanto o confinamento em casa acarreta uma série de complicações, os autores oferecem um positivo:

“O confinamento em casa pode oferecer uma boa oportunidade para melhorar a interação entre pais e filhos, envolver as crianças em atividades familiares e melhorar suas habilidades de autossuficiência. Com as abordagens parentais corretas, os laços familiares podem ser fortalecidos e as necessidades psicológicas da criança atendidas. ”

****

Wang, G., Zhang, Y., Zhao, J., Zhang, J., & Jiang, F. (2020). Mitigate the effects of home confinement on children during the COVID-19 outbreak. The Lancet(Link)

Artigo anteriorCoronavírus e o Sol: uma lição da pandemia de gripe de 1918
Próximo artigoUma Conversa Reflexiva sobre o Diálogo Aberto
Jessica Janze
Jessica Janze é aluna de doutorado no programa de Aconselhamento e Psicologia Escolar da Universidade de Massachusetts, Boston. Ela tem um mestrado em aconselhamento psicológico e trabalhou principalmente com crianças afetadas por traumas psicológicos. Os interesses de pesquisa de Jessica incluem o impacto da atenção plena na educação infantil, na regulação emocional e no papel que as práticas contemplativas desempenham na saúde mental.