As taxas de suicídio não diminuíram quando os medicamentos antidepressivos foram introduzidos

As taxas de suicídio já estavam em declínio antes de os antidepressivos serem amplamente prescritos, por isso " é lógico dizer que a prescrição de antidepressivos não pode ser a causa da diminuição das taxas de suicídio durante esse período".

0
264

Se os antidepressivos funcionassem para reduzir o suicídio, deveríamos assistir a uma diminuição das taxas de suicídio quando os antidepressivos começaram a ser amplamente adotados. Isto deveria ser verdade por volta de 1960, quando surgiram os medicamentos da primeira geração e ainda mais pronunciado por volta de 1990, quando os ISRS explodiram em popularidade.

Para testar isto, os investigadores analisaram as taxas de suicídio em três países – Itália, Áustria e Suíça – ao longo do tempo. Constataram que não havia associação entre estes períodos e as taxas de suicídio. Os medicamentos não alteraram de forma significativa as taxas de suicídio.

“A introdução de antidepressivos por volta de 1960 e o forte aumento das prescrições após 1990 com a introdução dos ISRS não coincidiu com as mudanças de tendência nas taxas de suicídio na Itália, Áustria ou Suíça”, escrevem os investigadores.

A associação entre medicamentos antidepressivos e suicídio é controversa. Numerosos estudos descobriram que os medicamentos antidepressivos na realidade aumentam o suicídio, especialmente em crianças e jovens adultos. Não obstante, ainda que raramente, alguns estudos têm encontrado resultados pouco claros, indicando que os antidepressivos podem não ter um efeito perceptível no suicídio em adultos (em média).

Alguns estudos ecológicos descobriram que os aumentos da prescrição de antidepressivos estavam associados à diminuição das taxas de suicídio; no entanto, estes estudos têm questões metodológicas. Por exemplo, cobrem frequentemente curtos períodos (em vez de se olhar para quando os medicamentos começaram de fato a ser receitados amplamente). Isto esconde situações em que a taxa de suicídio já estava a diminuir substancialmente antes de os medicamentos começarem a ser utilizados.

Assim, o aumento da prescrição dos medicamentos está estatisticamente associado à diminuição da taxa de suicídio – mas a tendência já tinha começado antes dos medicamentos estarem a ser utilizados, de modo que não podiam ser a causa da diminuição da taxa de suicídio.

No entanto, os defensores do uso de antidepressivos afirmam que as drogas protegem contra o suicídio. Se assim for, deveria ser relativamente fácil de detectar este resultado. As drogas usadas por dezenas de milhões de pessoas deveriam ter um efeito tendencial perceptível logo que se tornassem mainstream – se conseguissem evitar o suicídio.

Assim, no seu novo estudo, os investigadores Simone Amendola, Martin Plöderl, e Michael Hengartner analisaram as taxas de suicídio nos seus respectivos países de origem: Itália, Áustria e Suíça. Analisaram as taxas de suicídio a longo prazo ao longo das décadas do início da década de 1950 até ao início da década de 2010, concentrando-se tanto na utilização inicial generalizada de MAOIs e TCAs em 1960 como no boom das ISRS em 1990. Eles escrevem:

“As reduções nas taxas de suicídio devem ocorrer principalmente quando novos antidepressivos são introduzidos pela primeira vez numa população, mas haverá muito menos redução à medida que o uso se espalha. Como resultado, assumindo que as prescrições de antidepressivos tiveram um claro e sustentado efeito protetor do suicídio a nível da população, seria de esperar (i) uma diminuição das taxas de suicídio por volta de 1960 quando os primeiros antidepressivos foram introduzidos e (ii) outra diminuição a partir de 1990 quando os ISRS foram introduzidos”.

Contudo, os investigadores descobriram que a taxa de suicídio não se alterou nestes períodos. Por exemplo, tanto na Itália como na Suíça, a taxa de suicídio já estava a diminuir substancialmente desde 1950, enquanto que um forte aumento da taxa de suicídio ocorreu no final dos anos 60 e início dos anos 70.

Para a Áustria, a taxa de suicídio foi relativamente estável nos anos 50 (nem aumentando nem diminuindo), mas mais uma vez aumentou substancialmente em meados dos anos 70. Da mesma forma, a popularização dos ISRS não foi associada a alterações nas taxas de suicídio. Na Suíça, a taxa de suicídios diminuiu acentuadamente a partir de 1980, antes de as novas drogas se terem instalado. Na Áustria, o mesmo declínio aconteceu no início da década de 1980 – de novo, muito antes do grande boom de 1990.

Em Itália, a taxa de suicídio mudou drasticamente – mas não em torno dos períodos em questão. Na realidade, aumentou para os homens e diminuiu para as mulheres, começando no início da década de 1980, não se aproximando do marco temporal de 1990. Uma diminuição acentuada dos suicídios dos homens ocorreu por volta de 1998, e depois outro aumento acentuado em 2006. Estas mudanças parecem não estar relacionadas com o grande boom da prescrição por volta de 1990.

Os pesquisadores escrevem:

“Dado que o declínio das taxas de suicídio iniciado por volta de 1980 na maioria dos países (o efeito presumível) precedeu o aumento das prescrições de antidepressivos após 1990 (a causa presumível), a lógica dita é que a prescrição de antidepressivos não pode ser a causa do declínio das taxas de suicídio durante esse período”. 

****

Simendola, S., Plöderl, M., & Hengartner, M. P. (2020). Did the introduction and increased prescribing of antidepressants lead to changes in long-term trends of suicide rates? European Journal of Public Health, ckaa204. Published on 25 November 2020. https://doi.org/10.1093/eurpub/ckaa204 (Link)